Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ventos de Espanha

por Pedro Correia, em 22.05.16

Imaginem o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista, coligados, ultrapassando o PS como força eleitoral. É o equivalente a isso que ressalta da sondagem de hoje do El País sobre as intenções de voto para as legislativas de 26 de Junho em Espanha.


20 comentários

Sem imagem de perfil

De V. a 22.05.2016 às 14:09

Cumpre-se pela primeira vez o velho ditado. É como as imemoriais tradições de Barrancos que têm só meio século ou nem tanto. (A propósito de Barrancos, lembremos como o PS negoceia sempre excepções à regra — e como é triste termos um país refém dos partidos sem nada acima deles)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.05.2016 às 19:58

Quiseram lançar paus em Barrancos. Mas lá o trunfo é espadas.
Sem imagem de perfil

De Costa a 22.05.2016 às 15:38

A Europa de facto parece acabar nos Pirenéus . Para sul, da venalidade e falta de escrúpulo dos políticos ao primitivismo abaixo de elementar do povo (dos eleitores), não sei o que há. Sei que coisa boa não é.

Costa
Sem imagem de perfil

De V. a 22.05.2016 às 19:29

Então é melhor abrigar-se porque o seu partido já mandou vir mais uns milhares de incultos supersticiosos de raças inferiores.
Sem imagem de perfil

De Costa a 22.05.2016 às 21:45

O meu partido? Vejamos se consigo ser um pouco mais claro:

- o partido que actualmente ocupa o governo de Portugal é para mim, e isto sem inocentar qualquer outro, por larga margem a principal organização de parasitagem dos recursos nacionais a benefício de uma clientela manifestamente insaciável.

- trata-se de uma organização onde os mais elementares vestígios de escrúpulo há muito estão perdidos e em cujos membros está solidamente estabelecida a ideia de que detém uma espécie de direito divino ao poder. Só assim se explica a manobra pós-eleitoral de há uns meses atrás, após a fragorosa derrota da organização e do seu líder, líder que tempos antes defenestrara expeditivamente o seu antecessor, fazendo-o sob uma argumentação que torna ainda mais obscena tal manobra. Só assim se explica, também (com tal direito divino que fará essa gente sentir-se acima da mais básica decência), a contínua submissão do grupo em causa a certo bacharel em engenharia. E assim se explica igualmente o terror que esse grupo procura aplicar sobre a comunicação social que lhe não seja afecta.

Isto quanto ao partido. Ora salvo meu grosseiro erro de interpretação do seu texto, o partido a que acima aludo e aquele que pretende intensificar o acolhimento de refugiados (tema sobre o qual aqui nada mais direi) são um e o mesmo. De acordo consigo, portanto, o meu partido.

Isto assente, quanto ao eleitorado o que nos é dado constatar? Vejamos:

- em Portugal é continuadamente muito significativa, ainda que minoritária (até ver), sendo todavia bastante para condicionar a evolução do país, a votação em organizações cujos programas pretendem a aplicação de soluções em cujo historial está a comissão dos mais graves crimes contra a humanidade. Soluções de um fracasso inquestionável, de uma maldade exuberantemente demonstrada e que, desde logo, nos impediriam de estar a ter esta troca de palavras. Todavia uma percentagem considerável do povo parece acreditar na bondade de tudo isso, não hesitando aliás a organização que actualmente detém o governo - por essas entidades até há bem pouco tempo tão metódica quanto odiosamente flagelada - a com elas celebrar termos que lhe permitam aguentar-se no poder. Nem que num seu exercício puramente formal.

- Apesar da ruína em que dolosamente lançou o país, e sem uma palavra de público reconhecimento dos seus erros (e de facto, havendo dolo não há erro; há culpa) a organização que actualmente detém o governo de Portugal obteve nas últimas eleições legislativas suficientes votos para poder desencadear a manobra que conhecemos e, parece, de acordo com recentes sondagens vai aumentando o seu favor junto do eleitorado. Isto apesar de todos os alertas quanto às consequências próximas das suas opções governativas.

- temos então um eleitorado que entre o fanatismo, o desespero e a falta de cultura (e não apenas política), manifesta em minha modesta opinião um primitivismo grave, que ultrapassa já o que se poderia bondosamente aceitar sob a máxima gentil de que se não governa nem se deixa governar e que, ao aceitar acriticamente todas as promessas impossíveis de cumprir (seja em si mesmas, seja arrastando com elas outras medidas que, pelo menos, as neutralizarão), condena o país ao que vamos testemunhando. E pagando. Uma e outra vez.

Esclarecido sobre o que penso do "meu" partido, de acordo consigo, e dos cidadãos do meu país, e porque estabeleço essa fronteira geográfica?

Costa
Sem imagem de perfil

De J. L. a 22.05.2016 às 23:41

"após a fragorosa derrota da organização e do seu líder, ". Pode ter razão em tudo mas aqui mente de maneira fragorosa. Só acredita quem não souber somar. Os votos do PS+PCP+BE+Verdes quanto dá? Acredita que estes votos são de pessoas que queria que PSD+CDS continuassem? Vá lá, não brinque. Não gosta mas a realidade é cruel (para si).
Sem imagem de perfil

De Costa a 23.05.2016 às 00:29

É chover no molhado, enfim. Não ganhou as eleições, o PS, muito menos com maioria absoluta. Para conseguir o poder, houve que ir submissamente escutar e aceitar as condições de organizações cujo modelo de sociedade é, mais do que diferente, incompatível com os valores que o PS chamava seus. Organizações para quem o PS representa historicamente a traição. Numa conduta e opção em momento algum revelada antes das eleições, desconhecida do eleitorado que acreditou no PS (como se estar contra PSD e CDS, fosse igual, implicasse por natureza, receptividade, afinidade com o PCP, BE e, já que faz tão cuidada precisão, essa invenção do PC chamada Verdes).

É isto vitória?

É uma decisão de sobrevivência, de garantia de empregos, sinecuras e favores para uma clientela sôfrega e que já se impacientava. E para um "líder" que de outro modo ficava sem ganha-pão, queimado no partido e, cá fora, o quê? Mais um advogado?

Não é vitória e muito menos vitória que se guarde com orgulho. São manhas de sobrevivente. De sobreviventes. Tudo é vitória se garantir privilégios e se honra, dignidade, coerência não passarem de valores assaz fluidos (habitualmente essa gente safa-se e bem, aí estaremos de acordo).

Quanto a realidade, sim, receio bem que venha a ser cruel. E também para si.

Costa
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 23.05.2016 às 08:20

Acompanho-o inteiramente. Nunca acreditei que uma coisa destas nos poderia acontecer e estou convencido que uma boa parte dos apoiantes do PS pensam como eu.
Sem imagem de perfil

De V. a 23.05.2016 às 11:19

Ah, então também não votou neles? Nunca encontro ninguém que o tenha feito..
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 23.05.2016 às 14:23

Nunca encontrou ninguém que tenha votado no PS? Olhe que uma em cada três pessoas que foram votar, votaram PS. Mesmo com a abstenção elevada que houve, cerca de 50%, um em cada seis pessoas com idade de votar, votou PS. Tudo isto quer dizer que é fácil encontrar votantes do PS.
Mesmo sabendo que é maior o número de pessoas que, como eu, votaram na coligação (que foi quem ganhou a eleições), não compreendo que seja assim como diz, que não é fácil encontrar um eleitor da geringonça.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.05.2016 às 18:16

Diz-se que "De Espanha, nem bom vento, nem bom casamento». Ou a sociedade matrimonial de lá é mais coesa do que a de cá em todos os aspectos, ou não tarde e seremos a Ibéria das Geringonças.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.05.2016 às 19:53

Como se dirá geringonça em castelhano?
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 22.05.2016 às 23:58

Mau, isto de me sair em branco, já está a ser muito chato....
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.05.2016 às 18:30

"Imaginem o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista..." Depende da nossa visão do mundo. Para quem é de direita isso seria uma desgraça. Para quem é de esquerda (meu caso) isso é uma agradável esperança (difícil de atingir, parece-me). Para quem é democrata: aceita o que o eleitorado escolher.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.05.2016 às 19:53

Que pensamento tão profundo. Sinto-me esmagado.
Sem imagem de perfil

De jo a 22.05.2016 às 20:39

É por isso que não há lugares cativos em democracia. Os sucessivos escândalos dos com figuras dos partidos tradicionais não matam mas moem.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.05.2016 às 20:43

Plenamente de acordo: não há lugares cativos em democracia.
Sem imagem de perfil

De J. L. a 22.05.2016 às 21:33

Profundo? Tem toda a razão, o comentário tem a mesma profundidade do post como é evidente.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 23.05.2016 às 03:20

Qual surpresa?
Os "Idiotas Uteis" - jornalistas e universitários na maioria- ganharam a Esquerda e desmantelam no processo os seus antigos mentores da Esquerda moderada e Comunistas.
Uma inversão de poder na Esquerda.
A endoutrinação passou dos partidos para os media e a escola. Os compagnons de route tornaram-se os líderes. Quem controla a mensagem manda.

Bernie nos EUA
Corbyn no UK
etc etc.

O BE e PCP vão ultrapassar o PS porque a cultura dominante é o Marxismo. È isso que domina o discurso das Igrejas dos nossos dias: Os jornais e TVs.
Sem imagem de perfil

De do norte e do país a 23.05.2016 às 11:08

O insulto preferido da esquerda é "neoliberal". Também referem amiúde capitalismo selvagem.
Na realidade existe uma espécie de neoliberalismo de populismo selvagem de esquerda que vai tentando tomar o poder aqui e ali, sem escrúpulos. Nesse movimento vão insultando os adversários baseados nos piores defeitos que eles próprios possuem.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D