Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Recordar é viver.

por Luís Menezes Leitão, em 13.05.20

António-Costa-e-Mário-Centeno-na-reunião-do-

Em 2017 escrevi isto sobre a ascensão de Mário Centeno: "Por muito bom que seja o seu desempenho na pasta das Finanças, não há a mínima possibilidade de Mário Centeno aspirar a substituir António Costa. Se Mário Centeno tem alguma esperança de usar a pasta das Finanças para chegar a primeiro-ministro, que se desengane. A história não se repete e nem Mário Centeno é Salazar nem António Costa se chama Domingos Oliveira".

Hoje, conforme então previ, a história não se repetiu.

Pensamento da semana.

por Luís Menezes Leitão, em 26.04.20

Estávamos habituados a encarar o mundo em que vivemos como um sistema determinista, com regras claras e estáveis, em que todos confiavam. Mas o que a teoria do caos nos ensina é que mesmo os sistemas deterministas podem ser afectados por pequenos eventos imprevisíveis. Isto é explicado pelo denominado efeito-borboleta, que refere que um simples bater de asas de uma borboleta na China pode provocar um furacão na Califórnia.

Desta vez não foi uma borboleta, mas uma mordedura de morcego num pangolim, que depois foi vendido num mercado chinês. E o que causou não foi um furacão, mas uma pandemia mundial com consequências dramáticas a nível da saúde e da vida de imensas pessoas e com uma provável quebra brutal do PIB mundial, a que se seguirá uma recessão gigantesca. A dúvida, no entanto, é que mundo iremos encontrar depois desta pandemia. Depois de o caos se ter instalado, a recuperação integral do sistema pode tornar-se impossível.

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana.

Luís Sepúlveda (1949-2020).

por Luís Menezes Leitão, em 16.04.20

Tenho imensa pena pelo falecimento do escritor Luís Sepúlveda, do qual li a maioria dos seus livros. Era um escritor que adorava Portugal, o que lhe ficou do facto de, ao contrário do que habitualmente lhe sucedia, não ter sido controlado na nossa fronteira, tendo antes o guarda do aeroporto lhe perguntado se não era o autor do livro O velho que lia romances de amor, e perante a resposta afirmativa, tê-lo mandado imediatamente passar.

A sua morte é um aviso para os que querem minimizar os riscos da doença Covid-19. A pessoa infectada pode adquirir uma insuficiência respiratória que, nos casos mais graves, o obriga a estar entubado com um ventilador durante semanas. Os doentes só conseguem suportar esse tratamento se forem colocados em coma induzido. Depois se vê quem recupera e quem infelizmente não sobrevive a esse inimigo insidioso e traiçoeiro.

Luís Sepúlveda perdeu infelizmente essa batalha. Ficamos com os seus livros para recordar a sua passagem pelo mundo.

 

Estado de emergência.

por Luís Menezes Leitão, em 17.03.20

É evidente há muitos dias que estamos numa emergência global de saúde pública. É precisamente para esse tipo de situações que a Constituição prevê a declaração de estado de emergência. O estado de emergência é a única forma de limitar o direito de os cidadãos livremente se deslocarem dentro do território nacional. Por isso é evidente que o mesmo já há muito deveria ter sido decretado. Se o tivesse sido, e efectivas restrições às deslocações tivessem sido implementadas, talvez a epidemia não tivesse chegado aos Açores e à Madeira. Debater hoje se se justifica ou não decretar o estado de emergência é como discutir o sexo dos anjos quando os turcos atacam Constantinopla.

Discordâncias.

por Luís Menezes Leitão, em 17.03.20

Diz-se aqui que o Primeiro-Ministro e o Presidente da República discordam sobre a declaração do estado de emergência.Esta discordância não é irrelevante. Apesar de o art. 138º da Constituição prever que a declaração é da competência do Presidente da República, após obtida a autorização da Assembleia da República e apenas exigindo a audição do Governo, a verdade é que este acto do Presidente da República precisa de ser referendado pelo Primeiro-Ministro sob pena de ser considerado juridicamente inexistente (art. 140º da Constituição).

Controlo de fronteiras.

por Luís Menezes Leitão, em 14.03.20

Com a gravidade da epidemia em Espanha, 62 países já limitaram a entrada de viajantes vindos de Espanha. No nosso país, o Governo da Região Autónoma da Madeira proibiu a aterragem de vôos vindos de Espanha. Mas o Governo da República mantém a fronteira com Espanha totalmente aberta, quando uma das medidas essenciais para conter a propagação de uma epidemia, prevista no art. 35º da Lei de Bases da Saúde, é precisamente o controlo na fronteira. Como é que se explica a constante hesitação do Governo em tomar as medidas que se impõem?

O tiro de partida.

por Luís Menezes Leitão, em 05.02.20

iowa-caucus-registration-ap-jt-200203_hpMain_16x9_

O Iowa é normalmente considerado o tiro de partida para a nomeação do candidato democrata às presidenciais americanas, podendo atribuir ao vencedor da noite um avanço considerável na corrida. Foi assim com Barack Obama que emergiu decisivamente do Iowa como o candidato presidencial dos democratas em 2008. Mas já não parece que vá ser assim em 2020. As confusões no apuramento do vencedor, com Peter Buttigieg a cantar vitória, apesar de estar taco a taco com Bernie Sanders, e o afundamento de Joe Biden não auguram nada de bom para a candidatura democrata, que aliás se afundou na tentativa desastrada de impeachment de Donald Trump. Esse foi um erro de principiante de quem pareceu esquecer que um processo de impeachment não é apenas do foro criminal, mas também eminentemente político. Neste âmbito, um processo de impeachment pode ser facilmente decretado perante um presidente que perdeu o apoio popular, como aconteceu com Dilma Rousseff no Brasil, e iria facilmente acontecer com Richard Nixon após o escândalo Watergate. Mas não haveria qualquer possibilidade de o decretar perante um Presidente que mantém intacta a sua base de apoio popular, como é o caso de Trump. Como bem disseram os senadores republicanos, isso seria visto como um golpe de Estado por metade do país, uma situação em que obviamente o Senado nunca se poderia envolver.

Restam assim as eleições de Novembro e estas manifestamente começaram mal para os democratas. Pela primeira vez em muitos anos, corre-se o risco de não emergir das primárias um candidato definido, o que deixaria a nomeação presidencial para uma convenção aberta, onde até Hillary Clinton poderia voltar a ter hipóteses de ser nomeada. Vamos ver se New Hampshire permite recuperar do cenário do Iowa. Mas manifestamente as coisas não estão fáceis para os democratas. Trump soma e segue, e a menos que de facto surja um candidato democrata forte, tudo aponta para que seja facilmente reeleito em Novembro.

Blogue da semana.

por Luís Menezes Leitão, em 19.01.20

Chamou-se em tempos a nona arte, mas hoje anda muito esquecida. Recordo, no entanto, com saudade o tempo em que tínhamos inúmeras revistas de banda desenhada à nossa disposição. Comprava sempre com imenso gosto o Mundo de Aventuras, o Tintin (que se intitulava a revista dos jovens dos 7 aos 77 anos), o Jacaré e o Spirou, que faziam questão de nos fornecer semanalmente as melhores histórias de banda desenhada que apareciam. Infelizmente, com o passar dos anos, todas essas magníficas revistas foram desaparecendo, mas hoje há um blogue que faz questão de nos recordar o melhor que se produziu em banda desenhada. O BDBD é por isso o blogue da semana.

Viagem a Israel (11).

por Luís Menezes Leitão, em 04.01.20

81746034_3382974235062287_9193326374092275712_n.jp

81752282_3382974301728947_5083316098028273664_n.jp

81063519_3382974358395608_7417576084046086144_n.jp

81134382_3382974438395600_7033334011799797760_n.jp

Impressionante a visita à Fortaleza de Massada, junto ao Mar Morto, onde os Judeus foram cercados pelos Romanos em 72 d.C., logo após a destruição de Jerusalém. Tomaram a decisão de ali morrer pois preferiram a morte à escravatura. Um símbolo da liberdade e da resistência ao opressor que ainda hoje é recordado.

Viagem a Israel (10).

por Luís Menezes Leitão, em 03.01.20

81942972_3380493881976989_3569873574011338752_n.jp

81146149_3380493921976985_2902921532978233344_n.jp

81223693_3380494005310310_1406324480581566464_n.jp

Antes de entrar nas muralhas de Jerusalém encontra-se o Monte Sião com o túmulo do Rei David e o Cenáculo onde teria tido lugar a última ceia. Como o lugar data da época das cruzadas é manifesto que nunca poderia estar aqui o túmulo de David. No entanto os judeus começaram a querer prestar veneração ao lugar, o que ainda hoje fazem. Na altura foram impedidos de o fazer pelos franciscanos, o que levou os judeus a apelar para o Sultão do Cairo, Barsbay, que não esteve com meias medidas e expulsou ambos os infiéis, que ocupavam o túmulo do Profeta David. Consta que mais tarde, quando Suleimão o Magnífico, se apercebeu que o túmulo estava fora das muralhas que mandara construir, mandou executar os dois arquitectos, dizendo os guias que os seus corpos foram colocados nas muralhas. Se a lenda é melhor do que o facto, imprima-se a lenda.

Viagem a Israel (9).

por Luís Menezes Leitão, em 02.01.20

81202113_3379316642094713_3564478133014888448_n.jp

82195552_3379316715428039_6676215293682909184_n.jp

81672287_3379316865428024_988305097597386752_n.jpg

Benjamin Disraeli escreveu que “a vista de Jerusalém é a história do mundo; é mais do que isso; é a história do céu e da terra”. É pelo menos a cidade do mundo mais vezes conquistada e mais vezes destruída. Primeiro por Nabucodonosor, Rei da Babilónia, em 587 a. C., depois pelo Imperador Tito em 70 d. C., e finalmente pelo Imperador Adriano em 135 que até lhe mudou o nome para Elia Capitolina. Sempre a cidade se reergueu mas sempre se transfigurou. No Monte Moriá, onde Abraão tentou o sacrifício de Isaac, e onde Salomão construiu o seu templo, ergue-se hoje a muito islâmica Cúpula da Rocha. Mas os historiadores refizeram em maqueta o que foi antigamente esta cidade.

Viagem a Israel (8).

por Luís Menezes Leitão, em 02.01.20

1.jpg

2.jpg

3.jpg

4.jpg

 

É interessante em Belém a visita à Basílica da Natividade. A Basílica teve a sorte de ser poupada à destruição dos lugares santos pelos persas, ao que consta, porque viram que um dos Reis Magos tinha um turbante persa. A porta de entrada está reduzida em relação ao que era na época das cruzadas e na época bizantina para não deixar entrar invasores montados a cavalo. Lá dentro encontram-se três igrejas, Arménia, Católica e Ortodoxa e a gruta onde segundo a tradição terá nascido Jesus Cristo, lugar onde só se acede depois de aguardar horas na fila. Historicamente é pouco credível o nascimento de Cristo em Belém, que fica a 200 km de Nazaré. A deslocação é explicada pela necessidade de obedecer a um censo, mas o censo de Quirino só teve lugar em 6 d.c., vários anos após o nascimento de Jesus. Mas era importante para se cumprirem as profecias o seu nascimento na cidade do Rei David, e ainda hoje é lá que o mesmo se assinala.

Viagem a Israel (7).

por Luís Menezes Leitão, em 01.01.20

1.jpg

2.jpg

3.jpg

4.jpg

 

Manhã de ano novo passada em território da Palestina. Separada de Israel por um gigantesco muro a fazer lembrar o de Berlim, esta mantém colonatos judaicos neste território. Dois povos vivendo completamente de costas voltadas num território tão pequeno.

Viagem a Israel (6).

por Luís Menezes Leitão, em 01.01.20

1.jpg

2.jpg

3.jpg

4.jpg

 

Em Nazaré vale a pena ver a Basílica da Anunciação, construída sobre o lugar onde, segundo a lenda, Maria terá recebido a visita do anjo Gabriel e que como tal é venerado pelos cristãos desde o século I. Em latim surge a frase “verbum caro hic factum est”: Aqui o verbo se fez carne. A Basílica recebe imagens de Maria vindas de todo o mundo não faltando sequer uma de Fátima.

Viagem a Israel (5).

por Luís Menezes Leitão, em 31.12.19

1.jpg

2.jpg

3.jpg

4.jpg

5.jpg

 

Subida ao Monte das Bem-Aventuranças onde, segundo a lenda, Cristo terá proferido o sermão da Montanha. Curiosamente a paisagem é verde, como todo o Norte de Israel, ao contrário da representação habitual desta cena nos filmes. Por todo o lado surgem estes versículos, de enorme beleza literária. Mas é especialmente curioso encontrar este texto como agradecimento pelo salvamento de centenas de milhar de refugiados vietnamitas, que fugiram de barco após a invasão de 1975. Faz-nos recordar os migrantes que todos os dias arriscam a vida nas águas do Mediterrâneo às portas da Europa.

Viagem a Israel (4).

por Luís Menezes Leitão, em 30.12.19

1.jpg

2.jpg

3.jpg

4.jpg

 

A norte de Haifa encontra-se Acre, a cidade conquistada a Saladino por Ricardo Coração de Leão que depois a entregou à Ordem dos Hospitalários. Uma fortaleza imponente onde a memória dos Cruzados se encontra presente. Mas a fraqueza dos Cruzados está patente na célebre mensagem que Ricardo Coração de Leão dirigiu a Saladino, desejando uma batalha breve pois pretendia ir passar o Natal no seu país. Saladino respondeu que não se preocupava com esse assunto pois estava no seu país, onde iria passar o ano todo e os anos seguintes se fosse necessário. Uma vitória com tropas estrangeiras é sempre efémera. Mas fica para a eternidade o registo da sua passagem por esta terra.

Viagem a Israel (3).

por Luís Menezes Leitão, em 30.12.19

1.jpg

2.jpg

3.jpg

4.jpg

 

Impressionante a vista de Haifa a partir do Monte Carmelo, onde se encontra um mosteiro que simultaneamente presta culto ao Profeta Elias e a Nossa Senhora do Carmo. Mais à frente encontram-se os jardins que servem de santuário à Fé bahá’i, uma religião monoteísta de origem persa. Mais uma vez a enorme diversidade religiosa deste país. Na primeira fotografia vê-se o Líbano ao fundo.

Viagem a Israel (2).

por Luís Menezes Leitão, em 29.12.19

1.jpg

2.jpg

3.jpg

4.jpg

5.jpg

 

É imperdível uma visita a Cesareia Marítima, a cidade fundada pelo Rei Herodes, o Grande, onde se encontram importantes ruínas romanas, como o teatro e o hipódromo, onde se organizavam os jogos de circo. Aqui foi descoberta em 1961 uma pedra que relata uma homenagem feita ao Imperador Tibério por Pôncio Pilatos, prefeito da Judeia, o único registo desta célebre personagem do evangelho. Mas do magnífico palácio do Rei Herodes, construído junto ao mar, resta apenas o chão e uma muralha, que teima em não ser engolida pelas águas. Sic transit gloria mundi.

Viagem a Israel (1).

por Luís Menezes Leitão, em 27.12.19

Se há coisa que impressiona na velha Telavive (Jaffa) é a diversidade religiosa. Logo atrás de uma mesquita aparece a Igreja de São Pedro, uma igreja católica franciscana, que representa a visão de Pedro, de que os cristãos poderiam comer quaisquer animais, deixando de estar sujeitos às interdições alimentares judaicas. Mais abaixo surge a casa de Simão, o curtidor, que se diz ser o lugar onde Pedro terá tido essa visão. A missa na Igreja está a ser celebrada em indonésio para visitantes desse país, o que ainda torna mais cosmopolita este lugar.

1.jpg

2.jpg

3.jpg

Blogue da semana.

por Luís Menezes Leitão, em 10.11.19

Sou um apreciador de cinema, procurando manter-me actualizado sobre os filmes surgidos recentemente. Neste âmbito há um blogue que nos informa sobre os novos filmes e possui críticas excelentes sobre os mesmos. O split screen é, por isso, o blogue da semana.


O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D