Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Delito de Opinião

Gestão de expectativas

Zélia Parreira, 08.04.21

e0dd4ff3-a3be-4766-b4b2-181d77b271c3.jpg

 

José Silvano confirmou a já esperada candidatura de Suzana Garcia à presidência da Câmara da Amadora. Já esperada porque, após toda a discussão, mais ou menos séria, a propósito deste assunto, seria caricato que o convite que lhe havia sido dirigido fosse agora retirado.

Para atenuar as polémicas decorrentes das indignações inflamadas da candidata, José Silvano deu uma explicação titubeante sobre o processo de castração química a que a senhora candidata se havia referido e rematou o assunto com uma afirmação, quanto a mim, surpreendente: Suzana Garcia é candidata a uma autarquia e não à Assembleia da República e que se o fosse o partido “teria outro crivo de análise".

 

Ora, vejamos:

  1. Quer isso dizer que, para o PSD, nas autarquias, os parâmetros de análise são como? Flexíveis? Para todas as autarquias ou só para a autarquia da Amadora?
  2. Para a Assembleia da República o crivo seria diferente? Só eu é que tenho a forte impressão de que as ambições da senhora candidata vão muito além da Amadora? Aliás, isso ficou bem explícito quando ela declarou que, tendo “sido convidada pelo PSD, em novembro de 2020, e disse ter preferência pelas autarquias da Amadora, Loures ou Sintra”. Não há ligação territorial, não há projecto estratégico. Há apenas o desejo de uma visibilidade que complemente a exposição mediática e que catapulte o seu nome para um lugar elegível na Assembleia da República, lugar onde, finalmente, poderá influenciar o curso deliberativo e legislativo das questões que lhe são caras.
  3. A reacção (ou falta dela) de Suzana Garcia a esta menorização das suas capacidades (ou como diz o povo, para o que é, bacalhau basta) vem, na minha opinião, confirmar isso mesmo. Bater com a porta seria deitar tudo a perder agora. Ser eleita pelo PSD ou pelo Chega é bem diferente, porque o primeiro oferece-lhe a legitimidade de integração no “sistema”, ao passo que o Chega é equivalente a estar sentada em cima de um vulcão.

 

Se Suzana Garcia não for eleita (o que me parece como o mais provável), tudo poderá resolver-se apenas com a passagem do tempo. Mas se a eleição acontecer, José Silvano bem pode começar a pensar numa estratégia para desdizer o que ontem disse. A não ser que a estratégia seja “quem vier atrás, que feche a porta”.

Pensamento da semana

Zélia Parreira, 04.04.21

"Pensar que há árvores que morrem para isto" é um pensamento que me ocorre com demasiada frequência, quase sempre acompanhado por um longo e desalentado suspiro. 

A escrita (literatura é outra coisa) de má qualidade é uma dupla ameaça ao planeta: pelos recursos que consome e pela estupidificação que promove.

(Voltarei a este assunto no final desta semana  de reflexão.)

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana

Pensar que há árvores que morrem para isto

Zélia Parreira, 03.04.21

https://scontent.flis5-3.fna.fbcdn.net/v/t1.6435-0/p526x296/41645150_2149038825129434_5036733325117489152_n.jpg?_nc_cat=103&ccb=1-3&_nc_sid=84a396&_nc_ohc=vAeYm-UEuloAX8DkitN&_nc_ht=scontent.flis5-3.fna&tp=6&oh=f25988d6650dd3b23807ca6389f0884c&oe=608EB4CB

 

Estivesse eu numa Biblioteca que escolhe os livros que compra e esta questão nunca me atormentaria. Mas a Biblioteca onde trabalho é uma das dez instituições que recebe um exemplar de tudo o que é publicado em Portugal, graças à Lei do Depósito Legal.

 

Importa dizer que este privilégio me deixa – e aos meus leitores, certamente – muito feliz. Conseguimos disponibilizar conhecimento, informação, literatura a todos os que residem na nossa área de influência. No caso da Biblioteca de Évora, esta área abrange todo o país que se estende para cá do Tejo, uma vez que é a única biblioteca de depósito legal nesta região.

 

Como não há rosas sem espinhos, com o depósito legal vem uma série de livros que, sejamos francos e directos, nunca deveriam ter visto a cor da tinta. São, sobretudo, livros de autor, mas agora elevados a um patamar mais profissional. Em vez da boa e velha edição de autor, impressa na Gráfica local, os projectos editoriais são entregues a empresas de edição. Não confundir, por favor, com editoras, essas sim, empenhadas em fazer uma distinção qualitativa, embora mais frequentemente movidas por interesses económicos (se não for bom, não vende) do que para salvar a Humanidade do delírio de uma vida sem literatura. Também as há, e o caro Leitor seguramente conhecerá algumas, que privilegiam a qualidade e o orgulho no seu catálogo, mesmo que para isso seja preciso sacrificar o rendimento económico. Mas estas estão num patamar tão elevado em relação ao que nos traz aqui hoje, que vou deixá-las fora da conversa.

 

Foquemo-nos então nas empresas de edição. Comercializam um serviço, requerido pelo presumido Autor. Entre histórias de vida sofridas (ou talvez não) e produtos delirantes da imaginação, são propostas para edição. A empresa responde sempre que o livro tem potencial e envia um orçamento. Tudo é editável, desde que seja pago. Número mínimo de exemplares, com custo unitário de X, a que acresce custo de revisão, se o Autor o pretender; custo do desenho de capa, se o Autor preferir uma capa profissional; custo adicional do papel, se o Autor não quiser imprimir o livro de uma vida em papel reciclado de má qualidade. O Autor não quer. Já paga o que pode e o que não pode, para imprimir o livro, quando, ingenuamente, esperava obter receita da sua venda.

 

A propósito de venda, embora seja prometida a colocação em redes de livrarias e grandes cadeias como a FNAC ou a Bertrand, isso nunca chega a suceder. Na Fnac, na Bertrand e nas redes de livrarias já toda a gente conhece estas empresas e a qualidade habitualmente associada à sua “chancela”. De modo que o Autor acaba a vender os 500 exemplares que pagou para imprimir ao telefone, em mensagens privadas para todos os amigos e família. “Olha lá, sabias que publiquei um livro? Gostava que o lesses” e o livro aparece na semana seguinte na casa da vítima em segundo grau, precedido de um aviso de envio à cobrança.

 

Não, não é de gosto que vos falo. É de erros ortográficos, de todos os “á”, sem excepção, com acento agudo, de frases sem significado, de vírgulas entre o sujeito e o predicado, de um papel miserável e de capas feitas com fotografias retiradas da internet, de tipos de letra insuportáveis. É mau. É mau, mau, mau.

 

Na Biblioteca onde trabalho, e nas outras 10 em iguais circunstâncias, temos que receber estes livros, catalogá-los, etiquetá-los, arrumá-los em depósito para todo o sempre. Custos de tempo, de espaço e armazenamento. Só aqui, nesta Biblioteca, e descontando o que foi editado nos últimos 3 anos (devido às obras no edifício, suspendemos a recepção de depósito legal e só agora estamos a retomar) temos já 5890 títulos de uma destas empresas de edição. Se cada um destes títulos tiver 150 páginas (média calculada por baixo), temos quase 500 mil folhas de papel. E pensar que há arvores que morrem para isto.

O fim do aperto de mão

Zélia Parreira, 26.03.21

aperto-de-mao-capa-1130201_widelg.jpg

 

O Spectator chamava, há dias, a atenção para o fim de uma era: a extinção do “aperto de mão”.

Digno de um estudo antropológico ou sociológico, o aperto de mão era mais do que um cumprimento. Sendo mãe de um rapaz e duas raparigas, sempre registei, numa espécie de espanto divertido, a forma de cumprimento que os distinguia. Elas optavam pelo olá, ou pelo beijinho e, mais tarde, pelo abraço nalguns casos. Ele, miúdo ainda ou já adolescente, a cumprimentar os amigos com o aperto de mão, “à homem”.

Apertar a mão sempre foi um gesto de cortesia, um “como está?” ou um “muito gosto em conhecer”. Foi também o sinal de acordo firmado, palavra dada e honrada, negócio fechado. Era o momento “fotografável” de conclusão de um processo de entendimento, de (re)afirmação de boas relações.

Era, também, uma oportunidade única para ter uma primeira impressão de outrem. Apertos de mão firmes e vigorosos, quase sempre correspondiam a pessoas corajosas e decididas, por oposição a apertos de mão escorregadios e dengosos, aparentemente indicativos de uma pessoa maleável, receosa, melíflua. Conjugado com a expressão facial – que as máscaras agora ocultam - o aperto de mão constituía um cartão de apresentação privilegiado, espontâneo e dificilmente contaminado por técnicas de “bem impressionar”. A posição das mãos e a determinação da duração do cumprimento era muitas vezes demonstrativa da situação de superioridade, liderança ou conforto de um dos intervenientes, por oposição ao outro. Tudo isto se perdeu. E o que também se perdeu, neste mundo asséptico do covid-19, foi a possibilidade de afrontar os que desconsideramos pela simples recusa de lhes apertar a mão.

Declaração

Zélia Parreira, 18.03.21

Pintura de Ana Rita Janeiro. Sala de Leitura da Biblioteca Pública de Évora. Retrata o momento das invasões francesas e a defesa da Biblioteca

A primeira vez que visitei um aeroporto foi pelas ilustrações de Marcel Marlier, à boleia da famosa Anita, que ia viajar de avião. Provei scones, pela primeira vez, com Os Cinco, na mesa larga de uma cozinha ensolarada na Quinta. Com eles também percorri caminhos de bicicleta, mas as primeiras grandes viagens em Inglaterra foram de comboio, com Agatha Christie. Com os livros de geografia pisei a Muralha da China, as ilhas gregas, o deserto australiano e o Canal do Panamá. Ao Porto, fui pela primeira vez com Uma família inglesa e (re)conheci Sintra pela mão de Eça de Queiroz. E Lisboa… Ai! Lisboa, a Lisboa desse mesmo Eça à Lisboa de Teolinda Gersão, tão mais atraente que a Lisboa feroz do trânsito e dos transportes públicos!

Viajei nas naus (tive tanto medo do escorbuto que me tornei consumidora convicta de citrinos) e passei o Adamastor com o Bartolomeu Dias de Afonso Lopes Vieira. Conheci D. João II praticamente tu-cá-tu-lá, de tanto que li sobre ele e do que me contou Fernando Campos n’A casa do pó.

Se o mundo fosse um grande jardim, com um muro elevado à volta, a Biblioteca seria uma espécie de escada, discretamente encostada ao muro. Uns, poucos (sempre menos do que os que poderiam aproveitar), reparam nela e sobem ao primeiro degrau. Têm aí a noção de que o muro é finito. Vêem, pela primeira vez, que esse muro os separa de algo, do desconhecido que vive, cresce e se desenvolve do outro lado. Os que sobem ao segundo degrau começam a ter as primeiras impressões do que está para lá do muro. Quanto mais sobem, mais sabem. Mas quanto mais sobem, maior é a noção da vastidão que se estende até ao horizonte e do tanto que lhes falta saber. A Biblioteca é uma janela para o mundo, dizem alguns, um caminho para ser parte desse mundo, digo eu.

Não me lembro da primeira vez que lá fui, do ritual de preencher a ficha com o nome do pai e da mãe, declarando, por minha honra, que sabia ler. Mas lembro-me bem das tardes, das corridas à saída do colégio, do caminho para a biblioteca, as escadas, o número de leitor atirado para o balcão “1536!”, para me aceitarem a devolução dos livros do dia anterior e ficar com a ficha limpa para novos livros. Nela descobri mundo, estudei, cresci, fiz-me.

As Bibliotecas mudam vidas. Mudaram a minha. Conheci-a com 7 ou 8 anos e, até hoje, bem poucos foram os dias em que não estive ou falei dela. A Biblioteca é o amor da minha vida.

----

Agradeço muito ao Pedro Correia o convite para integrar este Delito. É uma honra.