Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Delito de Opinião

O despacho

Pedro Belo Moraes, 02.07.22

Tudo despacha o PS: Crises de Governo, desautorizações entre os membros que o compõem, mais as vergonhas políticas públicas que disso advém. São disso exemplo, os dois protagonistas do mais recente caso da arte de aviar, de apressar a difusão da ideia de que nada aconteceu na governação do país, que está tudo bem, que nada passou de um ligeiro mal-entendido, de um simples "erro de comunicação".

E, na minha opinião, nenhum deles se humilhou, como clamou a esmagadora maioria do comentariado politico ao descrever a desfaçatez e a ligeireza que nos serviu o ministro das infra-estruturas. O que Pedro Nuno Santos fez foi ter cara de pau. Vestiu a pele do queirosiano e arrependido Dâmaso Salcede para salvar a carreira. Tivesse ele sido o honrado Egas Moniz e teria oferecido a vida como paga pelo incumprimento da promessa feita ao rei de Castela. E hoje não estaríamos tão mal. A propósito, neste alarmante episódio do estado do Executivo, António Costa, o rei das jogadas palacianas e tácticas de bastidor, serviu-nos aquela inefável postura da Gioconda com o seu intrigante e não menos irritante sorriso que disfarça a verdadeira história.  

O despacho publicado em Diário da República, assinado pelo ministério de Pedro Nuno Santos,  é claro: o Governo decidiu construir dois novos aeroportos para Lisboa. Um temporário no Montijo, outro definitivo em Alcochete.

Ou não. Ou não!

Nem 24 horas passaram sobre o anúncio e o primeiro-ministro comunicou publicamente que o despacho do ministério das Infra-estruturas seria revogado. Ou seja, se a decisão da solução aeroportuária tinha sido do Governo, como se lia no decreto entretanto anulado pelo Chefe de Governo, temos de concluir que há um Governo dentro do Governo. 

Discorda António Costa daquela decisão anunciada por Pedro Nuno Santos? Ou não tinha conhecimento que aquilo estava a ser burilado pelo seu ministro? E o alegado erro de comunicação foi então o de que o plano da maior obra pública em décadas não lhe foi comunicado?

Seja qual for a resposta será sempre grave para António Costa. Ou não diz tudo, ou tem um ministro em rédea solta no seio do Governo ou o Governo é totalmente incompetente despachando em Diário da República o novo aeroporto de Lisboa, os mesmos despacho e obra  que acabaram despachados.

Leituras e análises a este episódio inédito na nossa democracia têm sido muitas. A minha, e admitindo que não conhecemos os factos todos, suporto-a no facto do ministro permanecer no Governo. Não ter saído. Nem ter sido corrido. Circunstâncias que me levam a concluir ter sido esta uma disputa partidária. Conhecendo-se as pretensões de Pedro Nuno Santos e o peso que tem no PS para concretizar o sonho de ser o seu Secretário-Geral fica mais plausível a teoria de que Costa optou por manter o adversário por perto. Tê-lo fora seria muito mais trabalhoso. E, acredito, já lhe canse recorrer tantas vezes à expressão da Gioconda.

O Governo está, portanto, capturado pela guerra interna no Partido Socialista. Partido que nos últimos 26 anos governou 19. E isso não lhes deu experiência de decisão acertada, deu-lhes experiência de poder e muita arrogância política. Soberba, mesmo. Traços cada vez mais grosseiros nos socialistas que despacham tão facilmente más governações, crimes cometidos por quem as chefiou, golpadas no seio do Executivo, crises económicas e financeiras só resolvidas com intervenção externa, caos no SNS. E podia continuar a despachar exemplos. 

 

 

 

 

 

 

Pensamento da semana

Pedro Belo Moraes, 30.05.21

No discurso da vida toda a contradição é recomendável. Numa contradição meramente aparente, digo-vos, a contradição é mesmo o caminho mais verdadeiro. Só convictamente acreditando numa coisa, experimentando-a e vivendo-a, teremos sobre ela propriedade, ao ponto de mais tarde e maduramente para o seu contrário mudarmos. Vimos, sentimos, estivemos, conhecemos. A contradição é mãe da mudança, essa filha da liberdade. Em tanto da nossa vida só assim verdadeiramente chegaremos à nossa verdade.

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana.

Pensamento da semana

Pedro Belo Moraes, 24.01.21

Entre o Marcelfie, o táctico afectuoso, o calceteiro com Tino de nome, a Ana péssima em campanha Gomes, o Tiago dos cartazes melhores que ele, o Ventura das atoardas lançadas da mesa do café, a Marisa maior que o partido que a apoia mas também ela em queda, o João da cassete PC Ferreira, uns maus outros piores, entre todos eles e a sempre eterna Isabel II, Carlos XVI Gustavo, o rei dos Suecos ou Rama X, soberano da Malásia, preferirei os nomes do primeiro grupo. Afinal, e em bom rigor, nos do segundo nem poderia votar, só levar com eles. Ser-me-iam impostos. Não teria escolha e a minha opinião de nada valeria. A poucos dias de ir escolher o Chefe de Estado de Portugal não imagino pior e mais triste pesadelo.

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana.

Donald Trump(a)

Pedro Belo Moraes, 14.01.21

Torre Trump.jfif

 

A imagem que acompanha este texto reforça o que aqui quero dizer e com urgência: de Trump só se aproveitam as piadas que dele se fazem. O todo e o resto do Donald são deploráveis. 

O legado que deixa é imensamente vergonhoso para a Nação norte-americana, toda ela, a que do mesmo é cúmplice e a que dele é vítima. A herança que deixa é preocupante, assustadora. O Donald é um cancro cujas metástases prosperam na política e na sociedade daqueles que são hoje - por enorme e afincado empenho de Don - os grandes Estados Desunidos da América.  

Já lá vai o tempo em que à antiga estrela de reality show se dava o mero e desculpabilizante rótulo de sintoma. "Ele é um sintoma, não é a causa dos verdadeiros e profundos males do mundo", disseram-me e repetiram-no vezes e vezes sem conta. Fizeram-no durante quatro anos e ainda o fazem hoje. Espantosamente há ainda quem isso afirme, passando uma esponja embebida, talvez, em hidroxicloroquina ou até lixívia sobre os quatro desastrosos anos de permanentes atropelos ao Estado de direito e de violações constantes de todas as regras do jogo democrático, que Trump inquinou, corrompeu e instrumentalizou em benefício próprio.

Não! Trump não é um sintoma do que está mal entre governos e governados. A ainda administração da maior potência do mundo depressa se emancipou da ligeira condição sintomática para se transformar numa das verdadeiras causas dos males do mundo de hoje.

Prova disso é a complacência com que o evasor fiscal é tratado e analisado depois de todos os abusos, ilegalidades e mesmo crimes cometidos sentava-se ele na Sala Oval.

Os trumpistas, os ruidosos e os serenos racionais, uns e outros, ao nomearem uma só que seja nota positiva da miserável presidência que agora finda (a económica, é sempre essa mais que discutível virtude que invocam), ao não exigirem o seu imediato afastamento da presidência e compulsivo julgamento pelos sucessivos e gravíssimos atentados à democracia, todos eles compõem afinal a deslumbrada plateia que em 2016 aplaudiu a tirada alarve e alarmante do destruidor de casinos, disparada no decorrer da primeira corrida à Casa Branca: "Podia dar um tiro em alguém na 5.ª Avenida e não perdia votos."

Ao contrário de outros assuntos, neste Trump não está mesmo nada longe da verdade: dos 75 milhões que votaram nele no último 3 de Novembro, 71% continuam ao seu lado, permanecem fiéis ao maestro, cuja batuta incitou uma multidão marioneta à insurreição, ao inédito e chocante assalto ao Capitólio, com o único e determinado propósito de impedir que o Congresso, os senadores e os representantes, uns e outros eleitos pelo povo, confirmassem a vitória eleitoral de Joe Biden, o candidato cuja maioria dos americanos escolheu para desalojar Trump da Casa Branca e desempenhar o papel de 46.º presidente dos EUA. 

"We love you!", mimou-os a figura laranja, esforçada na missão impossível de sequer aparentar estadismo. Como o cabelo e a cor da pele, tudo nele é fake, instrumental, encapotado. A declaração de amor feita ao mesmo tempo que pedia à turba cega que deixasse o edifício que invadia e destruía assegurando-lhes que "We love you!", fazendo de novo uso da ferramenta preferida dele, o dog whistle, o som soprado pelo apito que só a matilha ouve. E a matilha desembestada ladrou, mordeu e matou. Morreram cinco pessoas e a democracia ferida de morte. 

Trump tem de ser julgado e condenado no Senado mas também nos tribunais. Tem de ser destituído da presidência e também barrado, impedido com força de lei de exercer todo e qualquer cargo federal para o resto da vida. 

Aquilo que ele mais abomina nos outros é o que ele é: um loser. Perdeu tudo. A Casa Branca, a começar e a acabar, primeiro nas urnas, depois nos tribunais, passando pelos Congressos estaduais e culminando no gritinho sumido do Ipiranga berrado pelo seu vice no Congresso Federal. Mentiroso e ele sim fraudulento, em tribunal nunca provou a fraude eleitoral que alegou ter dado a vitória ao adversário e assim perdeu em todas as mais de 60 tentativas interpostas na justiça para na secretaria inverter a derrota que Biden lhe impôs.

Trump é um loser, um falhado, como é o projecto de poder que encabeçou e que culminou na revelação de outro enorme derrotado. Chama-se Partido Republicano e hoje assusta-se com a besta que alimentou para benefício maquiavélico e que agora lhe ameaça o futuro. Ao fim de quatro anos, o trumpismo devolveu a maioria da Câmara dos Representantes e do Senado aos democratas. Enfraqueceu os republicanos, portanto, e isso dividiu-os. Divisão que poderá ser larvar e que por sobrevivência de alguns poderá ditar a facada mortal nas costas de Trump como nos Idos de Março quando no Capitólio for o momento de votar o processo de destituição.

O vendedor de muros deixou de ser um trunfo para os republicanos, passou a ser incómodo.  

Desconcertantemente há por cá gente mais trumpista que o Trump. São os anti-Partido Democrata que o rotulam de feroz e perigoso esquerdista. Um quase promotor de uma nova Cortina de Ferro. Por cegueira ideológica e anti-esquerdismo primário alinham, portanto, na conveniente propaganda do empresário da construção. A esses trumpistas tenho a dizer que a dita direita moderada e liberal portuguesa está à esquerda do Partido Democrata. Veja-se como são as economias, os papéis e pesos do estado num e noutro país. O Partido Democrata é pelo capitalismo mas mais regulado, é pela iniciativa privada, nasce e cresce no caldo cultural da meritocracia avessa a amiguismos e clientelismos. Podemos dizer isto da dita direita moderada e liberal portuguesa? Não. 

Admirador dos Estados Unidos da América que sou, a Trump não lhe perdoo tê-los tornado pequenos no Mundo. O nacionalismo bacoco, o isolacionismo estéril, a rejeição do multilateralismo criaram mais desordem e incerteza no globo. Apostando naquelas máximas e comprando uma guerra tarifária com a China deixou vazios que os chineses exploraram nos bastidores, reforçando-se à conta da inépcia diplomática e geostratégica de Donald John Trump, o 45.º presidente dos Estados Unidos da América de quem nada se aproveita a não ser as piadas que dele podemos e devemos fazer.