Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um tributo merecido

por Diogo Noivo, em 23.03.16

MiguelTiago.jpg

 

Pobreza gera terrorismo. Sempre que somos abalroados por actos de uma brutalidade indizível como os de ontem, há sempre alguém que levanta o braço para dizer que este tipo de violência tem as suas raízes na precariedade, nas desigualdades e, em geral, na pobreza. Desta vez, foi Miguel Tiago, deputado do PCP, a assumir a causa, designando pobreza sob a forma de “política de direita”. O post entretanto foi apagado, o que demoveu o Sérgio de o comentar. Ainda assim, e dado o assunto, acho que se justificam dois ou três apontamentos.

 

Embora recorrente, o argumento que associa pobreza a terrorismo carece de fundamento. Aliás, nunca teve qualquer sustentação. A literatura que aborda o referido lugar-comum é vasta (veja-se, a título de exemplo, estas páginas, estas ou ainda estas) e, como tal, é difícil resumi-la aqui. No entanto, repare-se que os ideólogos e os líderes do jihadismo – Hassan al-Banna, Osama Bin-Laden, Ayman al-Zawahiri, entre outros – são, em regra, oriundos da classe média-alta ou mesmo dos sectores mais privilegiados das sociedades que os viram crescer. Note-se igualmente que muitos dos que executam atentados, por vezes estando até disponíveis para abdicar da própria vida – Mohammed Atta (célula do 11 de Setembro), Umar Farouk Abdulmutallab (underwear bomber), entre outros –, pertencem a estratos socioeconómicos não muito diferentes daqueles que os lideram. Isto para não abordar o óbvio: se existisse um vínculo de causalidade entre terrorismo e miséria, países como o Congo, a África do Sul, Cuba ou a Venezuela seriam viveiros de actividade jihadista. E, para não deixar pontas soltas, se quisermos olhar para o fenómeno através de uma amostra cronológica mais ampla, veremos que organizações terroristas como o Baader Meinhof, a ETA ou as Brigate Rosse tornam ainda mais difícil estabelecer uma ligação entre violência e pobreza (embora a ligação entre extrema-esquerda e terrorismo se torne mais fácil). Abreviando, não há relação entre terrorismo e pobreza.

 

Mas este argumento gasto, para além de infundado, é ainda insultuoso. Dele resulta que em todo o pobre há um terrorista em potência. Talvez alguém tenha explicado isto a Miguel Tiago e, por essa razão, o post tenha desaparecido.

 

Em Teoria Geral da Estupidez Humana, Vítor J. Rodrigues diz-nos que, nos dias de hoje, a estupidez consiste numa resistência estóica à inteligência. Dada a enorme difusão de conhecimento, e a facilidade em aceder a esse conhecimento, a estupidez é produto de um esforço notório. Escreve Vítor J. Rodrigues que “a exuberância dos fenómenos estupidológicos, a sua extrema variedade, a riqueza das suas realizações ou a elegância dos seus refinamentos [esta última parte, evidentemente, não se aplica a Miguel Tiago], tudo nos faz encontrar na estupidez mais, muito mais do que uma vacuidade, uma ausência de inteligência”. Por esta razão, e apenas por esta razão, importa prestar algum tributo a Miguel Tiago.


26 comentários

Sem imagem de perfil

De lucklucky a 23.03.2016 às 14:34

O que cria o terrorismo são todas as ideologias onde não há limites conceptuais ao Poder: O Islamismo e o Marxismo e um jornalismo conivente.

A Cultura do Terrorismo começou com o Marxismo, o apoio de Moscovo e do restante Bloco de Leste, o apoio dos mais diversos Partidos Comunistas nos anos 60-70. Essa Cultura de terrorismo foi apoiada e ajudada a criar extensivamente por jornalistas - a BBC até chorou pela morte de Arafat - quando era terrorismo de Esquerda.

Com a podridão e falhanço dos regimes socialistas Àrabes - nunca mais nasce o homem novo do Socialismo - o Islamismo simplesmente tomou as rédeas a essa Cultura estabelecida pelo jornalismo marxista.

Hoje têm perto de casa o que defenderam para os Americanos e Israelitas.

Isto é só o começo.

E não é nada de novo os Comunistas a explorarem a violencia de terceiros para seu benefício . Também defenderam o Nazismo quando vigorava o Pacto Molotov-Ribbentrop.

Os grupos terroristas não começam a fazer terrorismo contra os inimigos externos, primeiro fazem-no contra os não violentos nas próprias populações de que fazem parte. Depois contra os competidores directos.
Claro que essa parte da história, a violência contra propria população necessária para criar um grupo terrorista já não vem nos jornais...
Sem imagem de perfil

De FF a 23.03.2016 às 14:36

Muito bem!
Sem imagem de perfil

De campus a 23.03.2016 às 14:51

Diogo não se acanhe o sujeito é mesmo estúpido.!
Sem imagem de perfil

De José7 a 23.03.2016 às 14:59

Sem tratarmos dos comunistas tipo pêcê e beé pelo caminho, não estou a ver como é que vamos tratar dos terroristas...
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 23.03.2016 às 14:59

Muito bom, Diogo.
Sem imagem de perfil

De do norte e do país a 23.03.2016 às 15:09

Faço minhas as palavras do caro Pedro Correia. Estou cansado de dizer a mesma coisa, parte inicial do artigo, sem grande sucesso. Até parece que ainda há muito inocentes para serem chacinados. Também deve ficar claro que estes crimes só aproveitam à extrema-esquerda (com as mentiras do costume, como o bloco usou há pouco tempo atrás) e à extrema-direita.
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 23.03.2016 às 15:43

Caríssimos, parece-me tão com o pé mais à mão, esta do deputado Tiago, como a do mantra do islamismo radicalizado. Eu, que não sou muito de recomendar leituras, recomendo a leitura de Badiou e Zizek sobre este assunto. O inestimável papel da identidade étnica, histórica e cultural, da frustração, da inviabilidade, da ausência de hipóteses emancipatórias, na produção e reprodução da sedução apocalíptica, em que o islão, ou outra qualquer religião, não passarão de mera capa de forma ou intróito linguístico para legitimador!!
Recomendo. Vem de dois grandes pensadores habitualmente bem recebidos http://www.newstatesman.com/world/europe/2016/01/slavoj-zizek-cologne-attacks
Sem imagem de perfil

De anonima a 23.03.2016 às 15:53

Ao pensar na referida pessoa, só surge uma palavra "cretino".
Quem dá direito de antena a um cretino fica sujeito a isto.
Sem imagem de perfil

De do norte e do país a 23.03.2016 às 16:07

Aconselho a leitura de:
http://rr.sapo.pt/noticia/50012/general_carlos_branco_o_problema_esta_dentro_da_europa
Todos sabem, mas ninguém quer saber.

Só a extrema esquerda (em Portugal bloco e pcp que têm tido o mesmo discurso mentiroso) e extrema-direita é que tentam ganhar com isto (desgraça alheia).
Sem imagem de perfil

De Peregrino a Meca a 23.03.2016 às 16:21

Mas vamos la ver. Porque a extrema esquerda beneficia com isso? quem tem ganho todas as eleições com ajuda do discurso xenófobo baseado em falsidades relativas à ameaça terrorista? A extrema esquerda? Não, a extrema direita. Portanto se beneficia alguém é a extrema direita, não?
Onde tem a extrema esquerda beneficiado para ganhar eleições e votos (Grecia, Espanha, Portugal se quiserem). Em 2 temas:
1. Corrupção
2. Austeridade
Nunca terrorismo.
O problema é demasiado grave para aproveitamentos políticos e falsidades descaradas desta maneira. Tenham juizo do alto da proteção que dá viver em Portugal, um país que nenhum terrorista quer atacar.
Sem imagem de perfil

De do norte e do pais a 24.03.2016 às 11:07

Não é falsidade, e as suas próprias palavras mostram-no. Em Portugal, Grécia, Espanha (coincidência..) esse discurso tem rendido dividendos à extrema esquerda. Não sei se mais ou menos que a corrupção, mas tem.
Sem imagem de perfil

De Peregrino a Meca a 29.03.2016 às 11:49

Que parte de "2 temas: corrupção e austeridade" é que associa com terrorismo ou imigração? Uma vez mais, o terrorismo e a imigração é o fardo que a esquerda tem de carregar, não é o que lhe leva a vitorias eleitorais. Onde é que encontra aproveitamento político do António Costa nas questão do terrorismo ou imigração para ganhar eleições (só para dar um caso caseiro).
Atenção que me refiro a terrorismo e imigração, não estou a perguntar tudo o que acham de mal e diabólico no António Costa, ou o seu oportunismo político ou o que quer que seja fora do tema em causa.

Sem imagem de perfil

De do norte e do pais a 05.04.2016 às 07:57

O discurso do pobrezinho.
E julgo que não falei do acosta, mas deve imaginar a minha opinião acerca dele.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.03.2016 às 18:17

Não tenha duvidas que a pobreza e a marginalização, dão origem a actos destes e já está mais que provado. Esses cabecilhas que mencionou que tudo tiveram e já nada os satisfazia dedicaram-se ou dedicaram-se a satisfazerem a sua loucura, a qual têm como fim a destruição. Para tal vão em busca dos marginalizados, dos sem emprego, dos sem perspectiva de vida porque são esses que perante a falta de um futuro digno e que perante a sua fraqueza mental, são totalmente manipuláveis a lavagens cerebrais. Não podemos de modo algum descurar estes dados porque se os relevarmos, jamais teremos paz. É perante estes factos que as autoridades mundiais, profissionais de saúde psíquica e não só se têm de debruçar, estudar e em conjunto, tomarem medidas para que esta loucura que cresce a olhos vistos, tenha um fim.
Sem imagem de perfil

De do norte e do pais a 24.03.2016 às 11:03

Não está nada provado, antes pelo contrário. Se lesse um dos links que deixei percebia isso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.03.2016 às 23:59

Está provado e basta pensar um pouquinho, para perceber que as coisas não acontecem por acaso. Há sempre um motivo, uma razão o que quer que seja, mas há. Que acontece a alguém que não tem perspectivas de futuro, em que a vida nada lhe oferece a não ser a marginalização? Acontece que estão receptivos a todo o aliciamento possível e imaginário e se forem mentalmente frágeis, nada como uma boa lavagem cerebral, para os levarem a fazer aquilo que os loucos lhes mandam fazer. Pode estar certo que os chefes não o fazem, mandem os manipuláveis fazê-lo. É esta sociedade que estamos a construir e enquanto não pensarmos a sério no mundo que nos rodeia, podemos apanhar hoje dois, amanhã dez......que eles nunca mais acabam e proliferam como cogumelos.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 25.03.2016 às 14:07

Você não mesmo a noçao da porra que é a pobreza. Pobreza é ter de pensar na comida do dia seguinte. Da semana seguinte.
Não é limpar a arma, treinar , sabe que as armas têm de ser limpas?
Que os explosivos e detonadores têm de ser desenhados e contruídos?

Que é preciso criar uma cultura terrorista?

É boom lembrar que isso só se fez com a ajuda do Marxismo e do seu jornalismo.

Diga-me quantos Africanos pobres - muito mais pobres que Árabes -se matam com bombas
Quantos Filipinos que vão trabalhar para o Golfo se matam com bombas?

Não matam porque não têm cultura para o fazer.
Cultura que foi criada e suportada pelo Marxismo nos anos 60-80 e tomada pelo Islamismo quando o Socialismo Árabe se estilhaçou.

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D