Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um país de opereta.

por Luís Menezes Leitão, em 19.09.18

1-4-1060x600_c.jpg

Eu julgava que neste país existiam leis que puniam os bloqueios de estrada e a ocupação da via pública, impedindo a normal circulação do trânsito. Afinal parece que em Portugal é possível fazer uma manifestação a utilizar carros indevidamente estacionados para cortar a via pública nas principais cidades do país, causando o caos no seu funcionamento e prejudicando centenas de milhares de pessoas. E as autoridades, em lugar de cumprirem a lei, até se dispõem a colaborar nesse objectivo, cortando elas mesmas o trânsito e reservando as vias para o estacionamento dos manifestantes. Digam lá se isto não é um país de opereta.

Autoria e outros dados (tags, etc)


23 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro a 19.09.2018 às 08:21

Em França e em Espanha é igual
Sem imagem de perfil

De Pedro a 19.09.2018 às 10:49

https://www.google.pt/amp/s/observador.pt/2018/07/28/taxis-de-barcelona-e-madrid-parados-contra-uber-e-cabify/amp/

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.09.2018 às 08:21

Caro Luís Menezes Leitão
Respeitosamente, não insulte a opereta, coitada, não tem culpa.
Está a chegar-se a um ponto em que de Estado exíguo se caminha apressadamente para Estado falhado.
As autoridades /forças de segurança devem ter ordens para ser mansas. Depois, elas próprias se encolhem, não estão para ter chatices.
Cada vez mais há-de ser assim. Mas o pessoal pelos vistos aprecia.
O direito à indignação e outros que a CRP estabelece, e muito bem, com a conivência dos poderes instituídos esmaga a vida dos cidadãos, e cresce o consequente desrespeito pelas pessoas.
António Cabral
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.09.2018 às 08:29

..opereta talvez não... Eu escolheria o País "da ganga com blazer de botão dourado"..:-))

Jorg
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.09.2018 às 10:09

Outra vergonha.
O Sr P.M. deu-se ao luxo de não respeitar ninguém. Indecoroso.
Perfil Facebook

De Rão Arques a 19.09.2018 às 08:31

IMBROGLIO
“Vamos refundar Portugal”.
Qual é o molde?
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 19.09.2018 às 08:53

Curioso: a notícia refere que as únicas carreiras de autocarro reforçadas serão as que ligam o centro da cidade ao aeroporto.
Parece interessar muito mais à câmara quem nos visita do que quem cá trabalha. Diz tudo sobre as prioridades de Medina.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 19.09.2018 às 09:18

as únicas carreiras de autocarro reforçadas serão as que ligam o centro da cidade ao aeroporto

Essas carreiras percorem todo o percurso do protesto. Portanto, reforçando essas, todo o percurso fica reforçado.

Parece interessar muito mais à câmara quem nos visita do que quem cá trabalha.

Qualquer pessoa, e não somente quem utiliza o aeroporto, pode utilizar uma das carreiras que liga o centro da cidade ao aeroporto.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 19.09.2018 às 10:55

Parece interessar muito mais à câmara quem nos visita do que quem cá trabalha. Diz tudo sobre as prioridades de Medina.

Eu sou um morador e trabalhador em Lisboa. Voto para a Câmara de Lisboa. O protesto dos taxistas não me afeta absolutamente nada, porque posso ir (e vou) a pé ou de metropolitano para o trabalho. Quem é afetado pelo protesto dos taxistas são predominantemente pessoas que não moram em Lisboa mas vêem para Lisboa de carro. Essas pessoas, como não moram em Lisboa, Medina pode bem estar-se nas tintas para elas. A Medina e aos votantes nele o protesto dos taxistas pouco afeta.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.09.2018 às 12:04

Eu acho que os privilegiados que podem ir a pé para o trabalho deviam pagar um adicional ao adicional ao IMI. A casa tem uma localização estratégica que lhe aumenta o valor.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 19.09.2018 às 09:19

Segundo entendo, o protesto não consiste em estacionar ilegalmente na via pública, ao contrário daquilo que diz o post, mas sim em circular a velocidade muito reduzida. Não é ilegal circular a baixa velocidade. A polícia nada pode fazer contra isso.
Sem imagem de perfil

De Elsa a 19.09.2018 às 09:51

"A polícia nada pode fazer contra isso." Pode, pode. Pode começar à cacetada indiscriminadamente. Há países em que é assim. Não são de opereta.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.09.2018 às 14:26

A "Ingenuidade calculista" do sr Lavoura só tem paralelo com a ganga do sr.costa !



A.Vieira
Sem imagem de perfil

De Diogo Moreira a 19.09.2018 às 15:16

O Luís, neste assunto como em muitos outros, está bastante equivocado.

Do Código da Estrada:

"Artigo 26.º
Marcha lenta
1- Os condutores não devem transitar em marcha cuja lentidão cause embaraço injustificado aos restantes utentes da via.
2- Quem infringir o disposto no número anterior é sancionado com coima de € 60 a € 300, se sanção mais grave não for aplicável por força de outra disposição legal."

in: http://www.ansr.pt/SegurancaRodoviaria/CodigoDaEstrada/Documents/Codigo_Estrada_2014_versaoWEB.pdf

Quanto ao post inicial, em Portugal (como em vários outros sítios), é possível marcar manifestações e, sendo as mesmas aprovadas, terem o beneplácito das autoridades para cortar o trânsito em determinadas ruas ou para promover corredores de segurança para os manifestantes. Desconfio que não foi isso que se passou (isto é, que não houve de facto um pedido para o encerramento das vias), mas na prática foi o que aconteceu. Daí a Portugal passar a um país de opereta vai um longo caminho...
Sem imagem de perfil

De Luis Eme a 19.09.2018 às 09:26

Embora pense que somos realmente um "país de opereta" em quase tudo, neste caso particular, penso que parar o trânsito numa grande cidade, é uma das coisas mais fáceis do mundo.

Aliás, basta haver um pequeno acidente e instala-se logo o caos no trânsito...
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 19.09.2018 às 10:32

Há uns anos a GNR escoltou um "protesto" de "activistas" que consistia em destruir uma cultura de um agricultor, a nenhum jornalista de interessou em saber como é que o Estado apoiou a destruição da propriedade de uma pessoa e se alguém foi punido.

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 19.09.2018 às 10:52

as autoridades até se dispõem a colaborar nesse objectivo, cortando elas mesmas o trânsito

As autoridades cortam o trânsito aquando de qualquer manifestação com um mínimo de pessoas. Às vezes basta meia-dúzia de pessoas a manifestarem-se para que as autoridades cortem o trânsito. A única originalidade da manifestação dos taxistas é ter lugar a um dia de semana - se fosse num fim de semana seria uma manifestação como tantas outras (e não somente manifestações - também corridas e coisas similares) em que o trânsito é cortado no eixo central de Lisboa, para desespero de muita gente.

A mim, como morador de Lisboa que sou, incomoda-me muitíssimo mais um corte de trânsito ao fim de semana ou à noite (por exemplo, uma festa do Benfica), do que uma manifestação de taxistas a um dia de semana.
Sem imagem de perfil

De Octávio dos Santos a 19.09.2018 às 13:12

«País de opereta» ou «república (à) portuguesa» - delegação nacional da «grande república europeia».

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D