Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um epitáfio

por Rui Rocha, em 08.01.17

As contradições de Soares salvaram o país da coerência de Cunhal.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De isa a 08.01.2017 às 22:02

Tenho resistido à tentação de comentar este assunto porque, propositadamente, nem sequer tenho visto a informação "tradicional" e, como tenho boa memória e pouco "detergente", esta tendência de amnésia e de apostar nos "floreados", quando alguém "passa para o outro lado", na realidade, não faz parte da minha natureza.
No entanto, um epitáfio adequado seria recordando as palavras de quem o conhecia melhor do que ninguém, a própria Maria Barroso que o descreveu como "um menino a quem a vida satisfez todos os caprichos" que, em conjunto com outras coisas, podem reler aqui:

http://www.cmjornal.pt/mais-cm/domingo/detalhe/mimado-mulherengo-e-socialista

O problema deste País tem sido, precisamente, os "meninos" que nunca se transformam em adultos responsáveis ou, no mínimo, responsabilizados por aquilo que fazem. Como o exemplo tem, sempre, de vir de cima, hoje até temos cidadãos que sofrem do mesmo mal, imaginando que, com birras e, apenas, concentrados nos seus desejos imediatos, para eles, nunca chegará o dia de enfrentar as verdadeiras dificuldades ou as consequências das suas escolhas porque, em último caso e, como de costume, culparão "os papás meninos" passados ou presentes.

No entanto, tenho pena que ele tenha falecido, agora que estamos prestes a "saborear", em pleno, a nossa entrada na U.E., sem Referendo nem Debates.
Sem imagem de perfil

De Soares é fixe a 09.01.2017 às 08:51

Para uma apologista do amor livre, revela-se um pouco preconceituosa. Mário Soares, tal como a Isa, devem ter lido Osho. ..que grande sorte tem aquele a quem vida satisfez todos os caprichos.
Sem imagem de perfil

De isa a 09.01.2017 às 12:24

Mas onde é que ouviu essa do amor livre? O que eu digo é que adultos responsáveis não precisam de delegar o Poder em "grupinhos"e, mesmo numa versão soft tem o caso dos Suíços onde há Referendos para quase tudo e onde os políticos não poderem "abusar" do Poder que têm e, deve ser por "acaso", não terem uma percentagem de dívida referente ao PIB, como os outros "inteligentes" todos, de 134,18%, 143,22, 103,32 e até bem menor do que a da Alemanha cujo PIB nem se lhe compara e, já vão com 78,06% mas, 15,84% ou outros que só por não terem o euro, conseguem uma percentagem bem menor. Raposas a guardar galinheiros, só para quem goste de enfiar barretes ou comer nas mesmas gamelas.
Sem imagem de perfil

De Charrua a 09.01.2017 às 14:12

A Isa é uma anarca. Acredita na boa natureza humana. Segue Rosseau. Eu sigo o Hobbes e acredito que somos animais, por natureza, cruéis. Acredito na democracia parlamentar, e não na popular. Quanto aos suíços não os admiro em nada, todos uma cambada de calvinistas cruéis.

"O referendo da Suíça, em 2014, teve um resultado que não é só embaraçoso para a União Europeia. É uma vergonha para os suíços. Ou melhor para os 50,3% dos suíços que foram na cantiga da extrema-direita contra os imigrantes"

E depois perde tempo com as cantilenas do Bundaberg e nem olha para quem lhe serve de exemplo. Muita parra e pouco Osho.

Quanto a gamelas, se fossemos seguir os seus exemplos/ideologia era de onde, decerto, passaríamos a comer.

Sem imagem de perfil

De isa a 09.01.2017 às 17:58

Não gosto da palavra anarquismo porque já a sujaram, suficientemente, para enganar os "rebanhos" e, até, terem medo dela. Sou Voluntarista porque não acredito nos resultados de tudo o que seja feito, obrigado pela força, seja ela de que natureza for, até a legislativa.

Se você segue alguém, eu apenas ouço todas as opiniões, depois, racionalmente, sem misturar emoções, chego à minha própria conclusão e, não sigo ninguém especificamente, apenas sigo a minha consciência que sabe, perfeitamente, a diferença entre o Mal e o Bem. Não sou perfeita mas, pelo menos tento e é um trabalho para uma vida inteira.

Curiosamente, todos nascemos com uma Consciência, se a ouvem ou não, é um problema pessoal e, imagine que até nascemos com livre-arbítrio (nem pela força, seguirei uma Ordem que faça mal ou possa prejudicar outro Ser Humano portanto, nem podia ser polícia e, muito menos, militar, correndo o risco de me ordenarem, matar pessoas, muitas delas que só querem viver a sua vida, exactamente, como nós) e, se pensa que os Seres Humanos só conseguem viver debaixo de coação, está completamente enganado, apenas precisam de ter bons exemplos na sociedade onde nascem e vivem. A sua própria consciência os fará viver conscientemente, não com, cada vez mais leis, quase impossíveis de as saber todas e, é assim que temos o mundo que temos onde uma grande maioria só espera continuar a fazer o Mal mas, conseguir fazê-lo, à socapa.

Posso dar-lhe um exemplo de como a sociedade onde se cresce faz a diferença:
Há muitos anos, conheci uma família de portugueses que emigrou para a Holanda e, quando chegou à parte de entregar o equivalente ao IRS, não os preencheu da mesma maneira que os holandeses, coisa que mais tarde vim a confirmar, numa conversa, com uma holandesa de que, eram incapazes de mentir nos dados desse IRS e, considerava, não mentir no papel dos impostos, a coisa mais natural do Mundo.

Imagina o que fizeram os portugueses, quando descobriram que não tinham de comprovar nada?
Inventaram um pai que não existia, pobre e inválido, para terem direito a maior dedução?
Pior do que isso, passaram não só a ter dedução mas, direito a um reembolso extra, a que nunca teriam direito (uma espécie de subsídio).
O mais chocante foi ver a chacota e, sentirem-se muito importantes com a sua chico-espertice.
Ora, numa sociedade onde o Exemplo e a Consciência são a única "Lei", se tivessem nascido e sido criados naquele tipo de sociedade, sentiriam-se da mesma maneira que um holandês, seria uma vergonha e sabiam que estariam a prejudicar outros holandeses, nem pensar ou imaginar, em sonhos, mentir nos impressos. (holandeses daquela época porque, desta, não conheço nenhum e, com tanta moléstia vinda de fora, o Mal mais depressa prolifera do que o Bem)

Extrema direita contra os refugiados? Mas você só se "alimenta" da "palha" que lhe dão a comer? Nisto, não lhe posso fazer a papinha, já deve ser "crescidinho" para poder procurar outras fontes informativas e, se não souber inglês, aprenda porque estamos sempre a tempo de aprender coisas novas

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D