Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Tu, o guardião das fronteiras

por Rui Rocha, em 15.11.15

Pensa numa sala de espectáculos. Por exemplo, o Bataclan, em Paris. Pode ser? Agora, imagina que, por absurdo que possa parecer, durante um concerto, o Bataclan é tomado de assalto por terroristas. Estão lá dentro terroristas, três ou quatro, e muitos inocentes. Imagina agora que te cabe a ti tomar uma decisão sobre uma questão fundamental: em nome da segurança dos que estão cá fora, podes mandar fechar as portas e manter uns e outros lá dentro, abandonando-os à sua sorte. Uma decisão terrível, não é? Pois é precisamente essa a decisão que queres que seja tomada quando defendes que se fechem as fronteiras da Europa aos refugiados.


28 comentários

Sem imagem de perfil

De Nuno Pereira a 15.11.2015 às 16:30

Em cada atentado, vivemos horas e horas apreensivos.
Imaginamos o local devastado pelas balas assassinas.
Pelos corpos inertes no chão ensanguentado e destruído pelo terror em tentar fugir pelo buraco da agulha.
Pelas imagens logo a seguir ao massacre ainda se avistando vestígios de pólvora ardente, misturado com o que resta de dezenas de inocentes.
De paramédicos impacientes e outros mais descrentes em tentar salvar vidas. Que mesmo se salvando, se mudarão para sempre.
Em militares fortemente armados, depois do caos instalado, esperando sei lá o quê? Talvez surjam outros terroristas enlouquecidos!
Passados uns dias, esquecemos e olhamos pela nossa vida. Nada mais sobra que voltar à vidinha, já de si um tanto ou quanto crítica, em virtude do que nos prometeram, que logo viraram mentiras.
Por vezes sentimo-nos reféns de imensos terroristas.
Sejam eles de arma em riste, roubando-nos o que nos alimenta para a vida. Ou de braço no ar, aprovando medidas assoladoras que nos mingam a alegria.
Até mesmo em discursos eloquentes de uma dor banhada em lágrimas de crocodilo.
Estão tão perto, que já não receamos pela própria vida!
Sem imagem de perfil

De João a 15.11.2015 às 17:04

De pleno acordo. Não podemos é deixar que continuem os massacres dos que fogem do horror da guerra e para isso, os políticos têm de travar, na medida do possível, a loucura de estados de gente louca que se proclamam estados, sem o serem e de continuarem a crescer. Há que começar por algum lado, possivelmente pela venda de armas tão apetecível para uns e para as suas economias, mas tão maléficas para outros. São esses que ajudam a que os bandidos cresçam dia a dia, na sua loucura e em número. É nisto que temos de reflectir para terminar com este terror que nos afecta e com o terror dos refugiados que fogem em busca da paz que muitos teimam em ignorá-los e a desprezá-los.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 15.11.2015 às 17:44

Curioso como se dá tiros nos pés desta maneira como o autor.

Dezenas de pessoas salvaram-se no Bataclan precisamente ao fecharem-se em várias das dependências.

Isto se o problema principal dos refugiados fosse o terrorismo hoje. Não é. É a guerra civil amanhã, depois e depois.

Sem imagem de perfil

De CGS a 15.11.2015 às 18:54

Se o autor deu tiros nos pés, o que não posso estar mais em desacordo.
Já você, deu uma rajada na própria cabeça, que por acaso, pouca falta lhe deve fazer!
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 16.11.2015 às 04:25

Resumindo você não é capaz de argumentar.

O autor deu tiros nos pés porque o exemplo que deu funciona ao contrário. Dezenas de pessoas salvaram-se no Bataclan precisamente porque se fecharam.

Pior espero que você e o autor só têm estas opiniões porque o jornalismo marxista censura boa parte do desastre que é a imigração islâmica.

Jornalismo que no entanto é incapaz de censurar explosões de granadas na Suécia, ataques em França, e só 10 anos depois aparecem as notícias sobre violações em série em Inglaterra a mais de 1000 raparigas com a conivência dos serviços sociais e polícia porque seria "racista" caso fosse denunciado.

O autor e você querem multiplicar o extenso mal que já existe devido a imigração islâmica. Querem mais. Multiplicar os ataques, e criminalidade.
Sem imagem de perfil

De CGS a 16.11.2015 às 08:43

Não me conhecendo, cola-me a etiqueta simpatizante marxista.
Próprio de quem não encontra argumentos válidos e sérios.
Nunca discuto com idiota.
Ele vence-me sempre pela experiência!
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 16.11.2015 às 17:24

Pelos vistos também incapaz de ler.

Disse que a censura da Comunicação Social aos problemas de imigração é fruto do Marxismo de boa parte dos Jornalistas.

A única coisa que disse é que você está mal informado devido a esse motivo.
Logo onde é que eu disse que você é Marxista?
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 16.11.2015 às 15:07

Não consegue ver uma alegoria, mesmo quando ela entra pelos olhos dentro?
Sem imagem de perfil

De gato a 15.11.2015 às 17:46

Quem pelo ferro mata, pelo ferro morre.
Ditado (Diktat) do povo.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 15.11.2015 às 18:17

Rui, desculpa que te diga, a tua "comparança" parece-me uma "comparança" tola. É que, no meu entender, essas situações não são comparáveis.
Sem imagem de perfil

De Psz a 16.11.2015 às 01:10

Perfeita comparação para quem quer entender, tola, para quem não vai mais além, na compreensão do óbvio.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 16.11.2015 às 08:21

Para defender o teu ponto de vista, achas necessário insultar quem pensa diferente?
Sem imagem de perfil

De PsS a 16.11.2015 às 11:44

Rui, desculpa que te diga, a tua "comparança" parece-me uma "comparança" tola. É que, no meu entender, essas situações não são comparáveis.
"Tola" vem do seu próprio comentário.
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 16.11.2015 às 13:12

Quem não sabe distinguir entre uma "comparança tola" e um tolo não merece que lhes prestemos grande atenção.
Sem imagem de perfil

De jj a 15.11.2015 às 18:41

Autores de post como este,só aprendem quando lhes estalarem as catanhas na mão...e mesmo assim.
Tch,tch.
Sem imagem de perfil

De CGS a 15.11.2015 às 18:56

Felicito o autor, pelo brilhante post.
Claro que vai muito para além da compreensão de algumas pessoas que se recusam a ver a realidade!
Sem imagem de perfil

De Cristina Torrão a 15.11.2015 às 19:31

Muito bom!
Por mais fronteiras que se fechem, os terroristas encontram sempre um meio de contornar as barreiras. As pessoas que precisam de ajuda ficavam de fora; os terroristas conseguiriam entrar.
Sem imagem de perfil

De JSP a 15.11.2015 às 21:41

Para o terrorista contornar barreiras,fronteiras ou quaisquer outras brincadeiras, há uma condição "sine qua non" : o terrorista tem de estar vivo.
Ora um observador desprevenido é capaz de alimentar a suspeita de que, no chamado mundo ocidental( o do "polìticamente correcto", do "diálogo" , da "tolerância" e demais vigarices sortidas) desapareceu essa arte básica, esse "modus operandi"de uma utilidade literalmente vital, de matar terroristas para podermos , nós, continuar a viver.
Nada mais , nada menos do que legítima defesa.
P.S.Aceitam-se os insultos "que correspondan".

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D