Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Todo está atado y bien atado

por Pedro Correia, em 20.04.18

2669477w380[1].jpg

 

Ah, como é cómodo "proclamar" um Presidente da República em vez de ter a maçada de eleger um. Como é sensato ter uma sucessão antecipadamente garantida durante décadas - primeiro de irmão mais velho para irmão mais novo, depois de vice-presidente para presidente, confirmando assim as virtudes do sistema monárquico, mesmo quando se intitula "republicano". Como é reconfortante verificar que o quadro político é tão aberto que permite aos jovens alcançar o poder - tanto assim que um líder de 86 anos cede o lugar a um quase adolescente de 57 anos. Como é inspirador ter uma "revolução" que petrifica as estruturas do poder em vez de transformá-las.

Ah, como é sábio autorizar a existência de um só partido "condutor da sociedade" para impedir a inaceitável bagunça dos sistemas multipartidários. E como é tranquilizador saber que à frente do partido único e das forças armadas se manterá pelo menos até 2021 o Presidente da República cessante, um general que constitui a garantia suprema de pôr travão antecipado a eventuais irresponsabillidades da juventude quinquagenária, sempre tão irrequieta e irreverente. Assim se mantém tudo "atado e bem atado", como ensinou outro general, Francisco Franco, esse visionário da grande Espanha que inspirou os seus discípulos das Caraíbas a conquistar e conservar o poder. Um caudilho tão galego como Fidel Castro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


92 comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 20.04.2018 às 09:55

O Pedro Correia nota (e bem) isto em relação a Cuba. Mas podia fazer observações similares em relação a outros países bem piores do que Cuba. Por exemplo, a Arábia Saudita.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 20.04.2018 às 10:57

Sim, a Arábia Saudita também tem uma monarquia absoluta. Tal como a Coreia do Norte.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.04.2018 às 19:24

Mas os sauditas são amigos dos americanos por isso as violações de direitos humanos que eles cometem é para ignorar.
Por algum motivo neste século houve guerras no Iraque, na Líbia e na Síria mas não na Arábia Saudita, cujo regime faz Saddam, Kaddafi e Assad parecerem democratas.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.04.2018 às 20:09

Reescrever a história..
A Arábia Saudita tem um apartheid sexual, ninguém claro protesta porque entre outras razões os $$$ sauditas vão para organizações esquerdistas e centristas na Europa e nos EUA...
E existe ainda uma aliança Marxista-Islamista.
E existe o Politicamento Correcto outra narrativa Marxista.
Mas quer Saddam, quer Kaddafi, quer Assad mataram muito mais da própria população do que a tribo de Saud.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 20:57

E a Fundação Carnegie? O Instituto Thomas Jefferson? A Fundação Rockefeller? O CFR? A Comissão Trilateral? O FMI?

Não financiam todos eles apenas países alinhados com o crédito neoliberal?
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.04.2018 às 20:04

É interessante como nunca tivemos declarações de Feministas sobre o domínio do "patriarcado" nos regimes Comunistas.

O Publico ou o Expresso choraram alguma lágrima por uma pipi não ter substituído uma pilinha à frente de Cuba?

Escreveram algum texto?

Claro que não. Quando o Marxismo já está no poder essas questões não se colocam.

Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 21:07

Sem imagem de perfil

De lucklucky a 22.04.2018 às 19:03

Qual é pergunta Vlad?

Não se lembra dos olhos de águia dos Publicos, Expressos & Co. quando algum governo que não seja deles para começarem a contar o numero e proporção de mulheres e assim passarem o julgamento de "discriminação", "sexismo" etc...Em modo tipicamente corporativista não diziam que agora era a vez das mulheres nos EUA?

Nunca uma mulher governou um regime Comunista. Mas isso já não os faz pegar no teclado.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.04.2018 às 10:30

Hoje mesmo, ouvi uma crónica na A1 sobre a mudança de género a partir dos 16 anos. No essencial, acusava-se a reação dos setores católicos de quererem impor as suas convicções aos outros.
Tal qual como este texto.
Gostava de ver em que, tudo ponderado, o regime em que vivemos produz melhores resultados que o de Cuba.
Terá que haver uma qualquer terceira via.
É que a árvore conhece-se pelos seus frutos.
João de Brito
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 20.04.2018 às 10:56

Nada como uma "mudança de género" para se atingir a "terceira via".
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 20.04.2018 às 11:07

Terá que haver uma qualquer terceira via.

Eu prefiro o caminho das oito vias para a cessação do sofrimento.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 20.04.2018 às 13:11

Os cubanos anseiam por outra coisa qualquer que não seja o modelo com que têm sobrevivido

A maioria dos cubanos quer sair da ilha
Numa rara sondagem, os habitantes de Cuba defendem uma aproximação aos EUA e mostram-se descontentes com o sistema político em que vivem.

https://www.google.pt/amp/s/www.publico.pt/2015/04/10/mundo/noticia/a-maioria-dos-cubanos-quer-sair-da-ilha-1691865/amp
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 20.04.2018 às 13:13

João não há melhor sistema que a democracia parlamentar. Não sendo uma perfeição é o melhor possível.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.04.2018 às 13:59

Parece que o rendimento medio mensal dos cubanos é de 30$. Precisa comentario? ( fonte: um qualquer canal de tv portuguesa, ontem )
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.04.2018 às 01:14

Rendimento médio: 30 euros, sim.
Gostaria de ver o que diriam por cá os apoiantes da "revolução cubana" se vivessem com um salário dez vezes superior a isso.

Um médico especializado em Cuba ganha muito menos do que um porteiro de hotel em Madrid.
Mas a elite cubana - da tropa e do partido único - ganha muito mais.
É o "igualitarismo" comunista. Uns são mais iguais que os outros.
Como os porcos do Orwell.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2018 às 01:17

"Um médico especializado em Cuba ganha muito menos do que um porteiro de hotel em Madrid."
Um médico especializado em Cuba não precisa de gastar um peso que seja em propinas para tirar um curso. Um médico especializado nos EUA tem que se endividar e ficar o resto da vida a pagar os famosos "student loans".
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 11:54

Engraçado! Nunca ouvi falar em médicos americanos que tenham que acumular dois empregos para sobreviverem
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2018 às 01:18

"É o "igualitarismo" comunista. Uns são mais iguais que os outros.
Como os porcos do Orwell."
Orwell era comunista. E até escreveu um livro chamado "Homenagem à Catalunha".
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 11:51

Comunista, ou não, Orwell era um democrata, um defensor da Liberdade e um inimigo do Totalitarismo

Veja -se "1984".
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.04.2018 às 20:19

Mais mentiras. "Homenagem à Catalunha" é anti-comunista.

Orwell escapou das purgas Comunistas em Barcelona 1937.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 21:02

Engana-se. É anti totalitarista!
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 24.04.2018 às 04:01

Anti-Comunista.
Orwell escapou por pouco de ser fuzilado em Espanha pelos Comunistas. Teve a cabeça a prémio "legalmente".
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.04.2018 às 20:21

Orwell era antifascista, logo anticomunista também.
Porque o comunismo é irmão gémeo do fascismo.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 21:05

Olhe que não!

Pedro, lembre-se da Rosa Luxemburgo. Orwell era Socialista. E o Comunismo é uma forma de Socialismo
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 21:14

Descobri!! O Pedro é o alter ego do Lucklucky
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.04.2018 às 00:30

"Porque o comunismo é irmão gémeo do fascismo."
Por isso é que foram os comunistas a derrotar Hitler.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 23.04.2018 às 00:44

Os comunistas andaram aos beijos na boca ao Hitler durante dois anos, entre 1939 e 1941. E foram colaboracionistas: Estaline deu instruções, através da Internacional Comunista, para os militantes do partido nas fábricas europeias sabotarem o esforço de guerra ocidental enquanto vigorou o pacto germano-soviético.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 23.04.2018 às 07:55

Não se beija um homem de bigode. Sorve-se-lhe a sopa de ontem.
Imagem de perfil

De Sarin a 23.04.2018 às 12:50

Os ingleses também, Pedro, Chamberlain ignorou o Tratado de Versalhes e vendeu os Checos em troca de uma paz que durou seis meses, e até à equipa inglesa de futebol foi ordenado que fizesse a saudação nazi para não irritar Hitler...

todos os que declararam guerra à Alemanha ou ao Japão fizeram-no quando viram os seus quintais ameaçados, não pela "defesa de valores universais"

... e se repugna pensar na hipocrisia das políticas externas, não devemos ainda assim esquecer que foram os esforços conjugados dos que lhes declararam guerra que desgastaram os exércitos (também eles) imperialistas alemão e japonês.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 24.04.2018 às 04:22

Chamberlain não andou a vender matérias primas de primeira necessidade para a guerra aos Nazis, a suportar o esforço de guerra Nazi com artigos pacifistas nos jornais após a guerra começar.
Usar os sindicatos para sabotarem as fábricas Farman e outras ajudando assim a uma vitória mais fácil aos Nazis sobre o seu próprio país.

Sabe que o Partido Comunista Francês foi proibido e dissolvido por lei em França em 1939 pelo seu apoio ao Pacto Nazi-Comunista e apoio à conquista parcial da Polónia pela União Soviética? Polónia com que França tinha um tratado de paz.

Chamberlain apaziguou, não jogou na equipa de Hitler abertamente como fizeram os Comunistas.


Sem imagem de perfil

De Vlad a 24.04.2018 às 17:48

"Chamberlain não andou a vender matérias primas de primeira necessidade para a guerra aos Nazis"

É verdade. Foram os americanos nomeadamente os Rockefeller a financiar a IGFarben, que produzia o Zyklon B. Mais a Standard Oil que vendia combustível à Luftwaffe
Sem imagem de perfil

De Alexandre Policarpo a 20.04.2018 às 16:08

Infelizmente em Cuba, "os frutos" como diz, estão podres. As "conquistas da revolução", como a nomenklatura cubana e os seus aficionados por cá gostam de dizer, não passam de falácias. 60 anos depois da tomada do poder pelo gang dos Castros, os cubanos continuam a viver tão mal como viviam no tempo do Bautista. Há mais médicos e menos analfabetos em Cuba em 2018 do que havia em 1959? concerteza, mas isso acontece até no Burkina Fasso.
P.S. o idiólogo da Revolução dos Cravos, refiro-me ao Tenente-Coronel Ernesto de Melo Antunes, que era um admirador do Titismo e defendia um regime parecido para Portugal; também falava da 3ª via, muito antes de aparecer o Blair. A 3ª via que muita gente defendia nos 70s/80s, enquanto berravam o slogan "nem NATO, nem Pacto de Varsóvia", seria uma coisas assim entre o marxismo estalinista da URSS e a Social-Democracia sueca do Olof Palme. Mas esqueciam-se de um pormenor fundamental: o socialismo não cria riqueza, só a distribui enquanto há dinheiro, mas sempre muito mal. A nomenklatura fica com o fillet-mignon e os outros ficam com os ossos.
Sem imagem de perfil

De Vlad a 20.04.2018 às 17:09

"via, muito antes de aparecer o Blair. A 3ª via que muita gente defendia nos 70s/80s, enquanto berravam o slogan "nem NATO, nem Pacto de Varsóvia"

Bom, isso esteve na génese do III Mundo - Movimento dos Países Não Alinhados (MNA) - qual era o problema?

"o socialismo não cria riqueza, só a distribui enquanto há dinheiro, mas sempre muito mal."

Tem razão. Para a criação e redistribuição equitativa temos o Crony capitalism .

"o idiólogo da Revolução dos Cravos, refiro-me ao Tenente-Coronel Ernesto de Melo Antunes, que era um admirador do Titismo e defendia um regime parecido para Portugal"

Claro, toda a gente sabe, não fosse o Otelo, e Portugal seria hoje uma Republica Soviética. Aliás ainda bem que ,aquilo do Documento dos 9, não foi avante, esse libelo estalinista - Documento dos Nove (onde eram cantadas loas ao modelo da Europa de Leste)

https://www.publico.pt/1999/08/12/jornal/o-heroi-discreto-da-democracia-122210

Recordemos uma "titista", que considerou ter sido Melo Antunes:

(Maria de Lurdes Pintasilgo) "a figura mais importante no estabelecimento da democracia em Portugal

Epá, então não era o Jaime Neves?...Tá calado pá, não desestabilizes!!

Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 20.04.2018 às 19:54

Ou era o Kaulza de Arriaga, o paladino democrata ???? Já estou baralhado....
Sem imagem de perfil

De Alexandre Policarpo a 20.04.2018 às 20:33


Sabe quando é que foi publicado o "Documento dos Nove"? em Agosto de 1975. Sabe quando foi o 25 de Abril de 1974? isso, foi em 1974! Sabe quando foi o 11 de Março de 1975, e as consequentes nacionalizações? pois foi, foi em Março de 1975. Agora, se quiser, vá ver o que o Melo Antunes andou a dizer e a escrever entre Abril de 1974 e Agosto de 1975, no Expresso e no Jornal, p. ex..
O MNA apareceu em 1961 e quando o Melo Antunes nasceu para a politica o único sobrevivente do fundadores era o Tito, que como sabemos era um modelo de democrata e à excepção da Índia nenhum dos países tinha um sistema politico democrático. Por isso, era um problema, um grande problema, de ditaduras já nos chegava a do Estado Novo.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 10:16

Meu caro,também me lembro do Sá Carneiro (Terreiro do Paço? ?) dizer apoiar, para Portugal ,
um Socialismo em Liberdade

https://youtu.be/bysPResFr_o

Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.04.2018 às 20:12

A terceira via é o Fascismo.

https://it.wikipedia.org/wiki/Terza_via_(fascismo)

Cuba obviamente já começa a lá estar, logo é de esperar que a vida melhore em comparação com o Comunismo. Tal como sucedeu na China.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 21:12

Existe uma outra 3' Alternativa :


https://en.m.wikipedia.org/wiki/Alternative_3
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.04.2018 às 12:26

Gostei do seu post e da clareza de ideias. Lastimo o distanciamento que certa Comunicação Social faz a propósito e, é confrangedor ouvir alguns responsáveis ditos de esquerda falar de democracia e de tudo o que ela envolve (eleições, parlamentarismo, por ex.).

Para mim, que aguentei o mesmo dirigente em São Bento por quarenta anos não suporto estes falsos democratas plenos de cinismo afirmarem com afã expressões como " é a democracia a funcionar ". É uma expressão querida para os verdadeiros democratas que dispõem, entre outras formas e métodos, de actos eleitorais através do voto.

Imagem de perfil

De Sarin a 20.04.2018 às 16:10

Cuba continua Cuba.
Com embargos, com exilados, com apoiantes, com ditadores.

Nenhuma ditadura subsiste sem apoio de parte da população, e sempre estranhei como é que uma ilha isolada economicamente e rodeada de países que querem derrubar o regime se mantém sob ditadura há quase 60 anos.

No dia em que tiverem eleições farão como na Rússia e elegerão governos autoritários?


Há valores que tomamos como universais, e não são. Valorizamos a liberdade de expressão e o direito à privacidade. Até que ponto estaremos dispostos a sacrificar ambos em nome da segurança, por exemplo na luta contra o terrorismo? Quantos dos que se indignaram agora com o Facebook não se indignaram também com a Apple, o primeiro por facultar acesso e a segunda por recusar?

Valorizamos a Democracia, defendêmo-la à boca-cheia - nós, que somos governados por gente escolhida pelos partidos e que por sua vez governam sob regras definidas por gente em quem nem votámos nem foram escolhidos por alguém por nós mandatado para o efeito, num bonito efeito dominó.
Temos Democracia, esta. Que podemos e devemos melhorar. Os Cubanos não têm nenhuma. Mas não sei se ou como a quererão - e só saberei quando o puderem dizer.
A grande reinvindicação deverá ser sempre o direito de os povos escolherem o sistema de governo que querem. Ainda que a resposta seja quererem ficar na mesma. Tudo o mais é ingerência.
Em Cuba, na Catalunha, na Arábia Saudita ou na Síria.


A grande diferença entre Fidel e Franco é que Franco derrubou uma Democracia e Fidel derrubou uma ditadura. Curiosamente mas não por acaso, só o segundo sofreu embargos ao seu regime.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.04.2018 às 16:52

Nenhuma ditadura subsiste sem apoio de parte da população

Há valores que tomamos como universais, e não são.

Os Cubanos não têm nenhuma [democracia]. Mas não sei se ou como a quererão - e só saberei quando o puderem dizer.

A grande reinvindicação deverá ser sempre o direito de os povos escolherem o sistema de governo que querem. Ainda que a resposta seja quererem ficar na mesma. Tudo o mais é ingerência.

Excelentes frases. Muito bem!
Sem imagem de perfil

De Vlad a 20.04.2018 às 17:16

"Nenhuma ditadura subsiste sem apoio de parte da população"

- Presumo que se refira ao Exército...

"Fidel derrubou uma ditadura"

- Engana-se. Fidel apenas trocou um ditador, por outro (ele mesmo)

"A grande reinvindicação deverá ser sempre o direito de os povos escolherem o sistema de governo que querem. Ainda que a resposta seja quererem ficar na mesma. Tudo o mais é ingerência."

- Engana-se. O voto não legitima tudo. Deverão haver Direitos mínimos Consagrados em qualquer regime politico, independentemente do Povo gostar.
Imagem de perfil

De Sarin a 20.04.2018 às 20:38

O Exército também, não recordo nenhum país onde pertencer ao exército ou a outra arma implique perda de estatuto de cidadão.
Mas não apenas o Exército. Por muito poderoso que seja, nenhum exército conseguirá conter e controlar todos os aspectos-chave do quotidiano de uma nação no longo-prazo. Tem de haver aceitação e colaboração de parte da população civil. Tal como haverá, provavelmente em todos os regimes, membros das forças armadas e das forças de segurança que desejam desertar.


Não leu o meu comentário todo, Vlad? Falo em Cuba viver em diradura.
Falei em grande diferença entre Fidel e Franco. Não me enganei.


Os Direitos dos Povos aos Povos pertencem. Ou acredito que cada Povo tem capacidade para assumir a responsabilidade de decidir por si mesmo, ou aceito as Ditaduras e as imposições de quem se acha mais iluminado.
Não aceito.
Direitos Fundamentais só são Fundamentais quando assimilados, quando incorporados. Não quando impostos.
Usarei todas as ferramentas pacíficas ao meu alcance para dissuadir uma opinião contrária; apenas obrigarei os que de mim dependem e apenas depois de esgotada a via da explicação.
Considerar a existência de "Direitos mínimos (...), independentemente de o Povo gostar" é passar um atestado de menoridade ao Povo. E quem define os "Direitos Mínimos"? Os mesmos que defendem ninguém poder afirmar defender liberdade de qualquer-coisa se não defender a Liberdade em si mesma? A ONU, cuja Carta foi assinada por muitos países mas não todos? O TPI, reconhecido por metade dos países-membro da ONU? Deus? Qual deus?

São exactamente os direitos fundamentais que devem ser votados. E votados ciclicamente. Por todos sem excepção.

Os deveres fundamentais também.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 11:58

http://expresso.sapo.pt/internacional/2018-02-07-Mutilacao-genital-feminina.-Uma-pratica-sem-fim-a-vista#gs.tH2Q948

Se for voluntária e prática culturalmente aceite, presumo que não devamos interferir! Seria ingerência
Imagem de perfil

De Sarin a 21.04.2018 às 16:38

Esclareçamos de uma vez por todas a diferença entre voto, sondagem e prática:

- Voto é uma escolha manifestada claramente de forma escrita, oral ou gestual, passível de contabilização e registo.
Vou mais longe quando neste discurso falo em Voto, porque falo em Povos: desejo que o Voto seja um direito transversal a cores de pele, etnias, confissões religiosas, géneros, estatutos académicos e profissionais, posses de bens, estados civis e de saúde e idades desde que adultos, que seja exercido de forma pessoal e intransmissível, sem coacção e sem contrapartida que não o exercício do direito de escolher.

- sondagens (também chamadas "estudos de opinião") são ferramentas matemáticas que permitem pegar no resultado obtido numa amostra considerada representativa de um determinado universo e, por extrapolação sujeita a maior ou menor erro em diferentes etapas do processo, inferir que esse será o resultado obtido no universo em causa.

- uma prática cultural é algo que se repete numa geração porque assim transmitido pelas gerações que a antecederam. Pode ter raízes em crenças, superstições, mecanismos de defesa, ...; mas o que não tem é raiz no plebiscito. Já este, pode ou não ser uma prática cultural.

Se a população do país votar que a integridade física não é um direito fundamental, ou se o país não tiver assinado a Convenção dos Direitos do Homem, no país em causa é ingerência, sim - mas não é ingerência se interferir com indivíduos desse país que estejam, transitoriamente ou não, noutros países.
A comunidade internacional pode repudiar, pode fazer pressão diplomática, pode tudo - menos invadir o território e forçar a aceitação de regras.
O auxílio deve* ser prestado a quem pede, e deve* estar disponível para quem, não pedindo, o queira usar - caso contrário não é auxílio, é ingerência.
* o dever aplica-se apenas aos países ou aos grupos ou aos indivíduos que repudiam.

E, mais uma vez, o Vlad foge às respostas.
Desculpe, meu caro, mas começo a cansar-me de lhe responder e de lhe explicar as minhas perspectivas e até as palavras que uso sem ter resposta às questões que lhe coloco.
Não se incomode mais, fico por aqui. Certamente não lhe faltarão oportunidades para retomarmos o tema :)
Sem imagem de perfil

De Vlad a 21.04.2018 às 18:51

Portanto, presumo que se Hitler se tivesse confinado ao território alemão, os Aliados não teriam o Direito de interferir na barbárie!! (Hitler chegou ao poder, como sabe, pelo plebiscito - o seu programa politico era conhecido desde 1923)
Imagem de perfil

De Sarin a 21.04.2018 às 20:38

Pode presumir o que quiser, desde que não diga que o faz a partir daquilo que escrevo.
Esta semana o Vlad tem andado perdido, pelo que, e conforme lhe disse antes, lhe aconselho alguns exercícios para ajudar à concentração.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 22.04.2018 às 00:37

Preciso é de exercitar a cervical. ....Sarin tem razão, tirei a semana para a picar
Imagem de perfil

De Sarin a 22.04.2018 às 01:57

Eu não me importo que me pique, Vlad - não gosto é de o ver usar argumentos falhos de lógica, comparações inúteis de factos históricos... e deploro que pessoas que considero inteligentes coloquem no meu discurso palavras que não disse :)
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 22.04.2018 às 10:23

Está muito irascível. ...não se leve a si, nem a mim, tanto a sério. Quanto à lógica, acredite que ela está lá.

E outra coisa , sou menos inteligente do que pareço. Vá por mim....
Imagem de perfil

De Sarin a 22.04.2018 às 15:20

Não estou irascível, estou cansada de falácias.
Parece que o raciocínio sem alinhamento partidário e sem rótulos é raro, a história serve como arma de arremesso em vez de aprendizagem, usam-se palavras e conceitos pelo chavão e não pelo seu significado, exige-se liberdade para afinal impor ao outro... e entretanto exigimos santidade em vez de honestidade e transparência, e vamos compactuando com o mais-do-mesmo fazendo figas para que seja desta.

Caramba, os clubes existem para que quem quiser possa cegar perante um símbolo; a política, os valores direitos e deveres, não deveriam ser discutidos por cores...

À direita ou à esquerda os discursos pouco mudam, na tasca ou no Parlamento; e eu, que não era nascida na altura, dou por mim olhando os mais novos e cantando "where have all the flowers gone" - embora com voz menos doce que a Baez :)

Cansada, Vlad, mas não desfalecida. Nem irada :)
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 22.04.2018 às 19:56

Vou-lhe contar um segredo

Nada vale um pôr de sol, ao som do rouxinol. Tudo o resto é inconsequente.
É vaidade. Por muito que esbraceje no final ninguém de si se há -de lembrar. Como a mosca que ontem esborrachou.
Imagem de perfil

De Sarin a 23.04.2018 às 00:20

Não quero que se lembrem de mim senão aqueles que amo.

Mas se não for para nos ajudarmos a encontrar soluções para o dia-a-dia, de que servem estas trocas de ideias? Se não nos abrimos às perspectivas dos Outros corremos o risco de ficar encerrados em nós, exemplos não faltam.
Os dias são feitos de prosa e às vezes de poesia, assolam-nos dúvidas e dívidas - de carácter, de honra, de tempo...
Se for perda de tempo, talvez o suicídio por "reality shows"...

Ao Sol e aos rouxinóis prefiro a Lua e o coaxar das rãs no Lis :)
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 23.04.2018 às 07:58

"que servem estas trocas de ideias"

Para nos crermos mais interessantes do que não realidade somos. Vaidade.

Se nos preocupassemos não estávamos aqui, ao teclado.
Imagem de perfil

De Sarin a 23.04.2018 às 09:26

Bom, devo dizer que as suas certezas são maiores que as minhas dúvidas :)

É que, Vlad, quem está ao teclado também está noutros locais - não em simultâneo, claro! E alguns desses locais onde está "acontece" serem locais onde efectivamente se trabalha, onde trabalha, pelos valores, direitos e deveres.

Não todos, não sempre; mas votar, fazer carreira num ou noutro partido e emitir opinião em jornais tv e disco não são as únicas formas de se ser activo na vida pública.
E esta não é dúvida, é certeza.
Sem imagem de perfil

De Alexandre Policarpo a 20.04.2018 às 18:25

O Fidel teve mais sorte do que o Franco, porque em Espanha existe um regime democrático e em Cuba trocaram uma ditadura por outra, se possivel, ainda pior...
O embargo é apenas para produtos made in USA. A prova é que enquanto existiu, a ex URSS mandava para lá tudo e um par de botas.
Imagem de perfil

De Sarin a 20.04.2018 às 20:47

O Fidel teve menos sorte que o Franco, Franco não sofreu qualquer embargo. Que a Cuba foi decretado pelos países da NATO e seus parceiros económicos, não apenas pelos EUA.
E num país rodeado de espaço aéreo e marítimo que o embarga, torna-se difícil receber um par de botas, quanto mais tudo.

Quem não teve sorte nenhuma foi quem sofreu a ditadura sendo contra, em Cuba ou em Espanha. Pior sorte ainda se não conseguiu o exílio.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.04.2018 às 20:30

Sarin nem sabe o significado das palavras.
Endoutrinada pelo Marxismo, temos este belo resultado, pessoas sem capacidade de se quer utilizar e compreender a língua que falam.
E limitadas no conhecimento sobre como funciona o mundo.

Você sabe o que significa a palavra embargo?

Se você mandar 10000 botas para Cuba o que acontece?




Imagem de perfil

De Sarin a 21.04.2018 às 20:58

Sem embargo que sei, lucklucky.
Em compensação, no mundinho de palavras tolas onde me encontro, mais do que endoutrinada, fico zonza ao ver tal número dito por si.
Enfim, nem se quer - nem se consegue evitar.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 22.04.2018 às 19:17

Não sabe, por isso não respondeu à questão.

Você confunde Embargo com Bloqueio. Embargar é proibir os próprios Americanos de transacionar com Cuba - nem é parcialmente verdade boa parte da comida que Cuba compra é nos EUA.
https://www.fas.usda.gov/data/us-agricultural-exports-cuba-have-substantial-room-growth

Leia se quer aprender alguma coisa.

Diz asneiras destas:
"E num país rodeado de espaço aéreo e marítimo que o embarga, torna-se difícil receber um par de botas, quanto mais tudo."

Não tem nada que ver com "espaço aéreo e marítimo", e demonstra que não sabe sequer a diferença entre águas territoriais, ZEE, águas internacionais.




Imagem de perfil

De Sarin a 22.04.2018 às 20:53

Tentei. Mas nada há que eu possa fazer por ou para si.

Insultá-lo, a si ou a quem for, não é o meu estilo, portanto não vale a pena provocar-me, luck, o seu nível e o meu nem sequer fazem parte da mesma ordem de grandeza.
São-me indiferentes os atributos com que me brinda ou a opinião que tem de mim ou das minhas capacidades; e se for verdade que é a indiferença que gera o ódio, acabou de receber um Visto para alimentar o que bem entender.

Podia continuar a tentar dialogar consigo, mas o luck envereda sempre pelo mesmo caminho, alegremente monologando.

Podia continuar a gozar o pratinho brincando com as suas afirmações, mas fazer piadas para quem não as percebe é deslealdade.

Podia limitar-me a rebater os seus "factos", mas seria pelos outros comentadores, não por si - só que a generalidade dos comentadores do DO tem horizontes e discursos no mínimo um bocadinho menos obsessivos que os seus, e eu não sou nenhum Athos lutando pela verdade e pela justiça.
Para cavaleiro, basta o lucklucky no seu Rocinante.

Assim, esgotadas as opções, só me resta... o quê?! Ah, sim!
Mandar-lhe beijinhos.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 24.04.2018 às 03:59

É sempre bom ver um Comunista recorrer às frases vazias.

Assim não continuam a enganar ou tentar enganar, como você fez ao tentar transformar um embargo - e no caso um embargo parcial - num bloqueio.



Sem imagem de perfil

De lucklucky a 24.04.2018 às 04:02

E não é Rocinante, é jumper jolly!
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 21:16

A Baía dos Porcos?
Sem imagem de perfil

De Carlos a 20.04.2018 às 19:38

A sarin admira-se que “uma ilha isolada economicamente e rodeada de países que querem derrubar o regime se mantenha 60 anos sob uma ditadura”. E será assim porque, no seu entender, as ditaduras só podem subsistir com o apoio de PARTE da população.
É evidente que o regime que vigora em Cuba é apoiado por PARTE da sua população, certamente a parte que, directa ou indirectamente, é beneficiada pelo poder ditatorial que ali vigora.
Mas também se sabe que a maioria da população gostava de viver sob outro regime. São muitíssimo frequentes os gestos que nos mostram essa realidade, bastando apenas lembrar aqueles que se atiram ao mar de qualquer maneira para atingirem os EUA, não esquecendo os grupos, de todo o género, que aproveitam a oportunidade de irem ao estrangeiro representar o seu país para desertarem e pedirem asilo.
Também me parece que os nossos Partidos têm poder a mais e que aos cidadãos está a ser-lhe coarctado o direito de elegerem os seus verdadeiros representantes – no mínimo metade dos deputados deveriam ser eleitos em listas uninominais.
Mas não me parece legítimo comparar Fidel com o Franco: se ambos foram ditadores, Franco criou condições para a Espanha viver em democracia, enquanto Fidel tudo fez para perpetuar o regime que ali vigora, condenando a maioria do seu povo a viver na miséria, muito diferente do povo espanhol que era pobre quando Franco tomou o poder e hoje a Espanha é uma potência industrial e um dos países mais ricos do mundo. Só não vê isto quem não quer.
Sendo certo que as ditaduras não são eternas, façamos figas para que a ditadura de Cuba acabe sem sangue, tal como aconteceu na Espanha.
Imagem de perfil

De Sarin a 21.04.2018 às 03:36

"Franco criou condições para a Democracia"?! É anedota?!
Franco liderou o golpe de estado contra a Segunda República e esteve 39 anos no Poder - que foi obrigado a deixar... porque morreu; foi apenas por morte de Franco que Alfonso Suárez, homem forte do regime franquista, conduziu Espanha para a Democracia, com o apoio (ou orientação?) de Juan Carlos.
A prosperidade da Espanha adveio de não sofrer embargos nem ter embarcado em isolacionismos. E de ter entrado na CEE. Só não sabe quem não quer.

E não percebo qual a dificuldade na interpretação da frase "nenhuma ditadura sobrevive sem o apoio de parte da população".
Não é apologia, é facto. Seja em Cuba, no Chile, em Espanha...Todas tiveram fugitivos, refugiados, exilados, mortos. E todas tiveram civis felizes com a ditadura - por exemplo, só em 2006 os saudosistas do regime franquista foram proibidos de se manifestar pela Lei da Memória Histórica, aprovada na sequência de uma condenação internacional ao regime franquista por parte do Conselho da Europa.



Em Espanha (36 anos de ditadura após a guerra civil) ficaram por explicar 140.000 desaparecidos e continuam a encontrar valas comuns; no Chile (17 anos de ditadura) entre torturados, desaparecidos e mortos vão quase em 60.000 e ainda não acabou a análise; em Cuba (59 anos de Ditadura, em vigor) os números do Archive Cuba indicavam, em 31/12/2015, 7062 mortos e desaparecidos.
Cada morto é muito mais do que um número, seja espanhol, chileno, cubano, russo, alemão ou coreano. Mas não me fale em injustiças nas comparações e muito menos em sangue que não foi derramado em Espanha.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 22.04.2018 às 10:35

De acordo com o projeto Cuba Archive, o regime de Fidel Castro foi responsável por três vezes mais mortes que o regime instalado no Chile por Pinochet.

A ditadura cubana iniciada pela revolução conduzida por Fidel Castro em 1959 é o regime mais sanguinário em impacto relativo à sua população entre as diversas autocracias espalhadas pela América Latina na segunda metade do século 20.

https://www.google.pt/amp/m.folha.uol.com.br/amp/mundo/2016/12/1837361-ditadura-cubana-e-a-mais-letal-das-americas.shtml

https://www.google.pt/amp/s/observador.pt/2016/11/26/os-numeros-do-regime-sangrento-de-fidel-castro/amp/

https://www.google.pt/amp/s/oglobo.globo.com/mundo/mortes-de-refugiados-no-mediterraneo-ja-batem-recorde-anual-em-2016-20360816%3fversao=amp

É, e foi o mar o grande aliado de Fidel
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.04.2018 às 14:49

Uma outra diferença: os fuzilados em Cuba têm número, nome e campa, no Chile ainda não sabem quantos foram ao certo, quem foram exactamente e mesmo daqueles que comprovadamente foram executados, os familiares continuam a escavar as valas comuns para lhes encontrarem os ossos.

"Sangrento" é um termo bonito para fazer campanha.
Imagem de perfil

De Sarin a 22.04.2018 às 20:59

A Anónima das 14 e picos sou eu, que ainda não descobri a causa das falhas intermientes na id 🤨
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 20.04.2018 às 19:39

A sarin admira-se que “uma ilha isolada economicamente e rodeada de países que querem derrubar o regime se mantenha 60 anos sob uma ditadura”. E será assim porque, no seu entender, as ditaduras só podem subsistir com o apoio de PARTE da população.
É evidente que o regime que vigora em Cuba é apoiado por PARTE da sua população, certamente a parte que, directa ou indirectamente, é beneficiada pelo poder ditatorial que ali vigora.
Mas também se sabe que a maioria da população gostava de viver sob outro regime. São muitíssimo frequentes os gestos que nos mostram essa realidade, bastando apenas lembrar aqueles que se atiram ao mar de qualquer maneira para atingirem os EUA, não esquecendo os grupos, de todo o género, que aproveitam a oportunidade de irem ao estrangeiro representar o seu país para desertarem e pedirem asilo.
Também me parece que os nossos Partidos têm poder a mais e que aos cidadãos está a ser-lhe coarctado o direito de elegerem os seus verdadeiros representantes – no mínimo metade dos deputados deveriam ser eleitos em listas uninominais.
Mas não me parece legítimo comparar Fidel com o Franco: se ambos foram ditadores, Franco criou condições para a Espanha viver em democracia, enquanto Fidel tudo fez para perpetuar o regime que ali vigora, condenando a maioria do seu povo a viver na miséria, muito diferente do povo espanhol que era pobre quando Franco tomou o poder e hoje a Espanha é uma potência industrial e um dos países mais ricos do mundo. Só não vê isto quem não quer.
Sendo certo que as ditaduras não são eternas, façamos figas para que a ditadura de Cuba acabe sem sangue, tal como aconteceu na Espanha.
Imagem de perfil

De Sarin a 21.04.2018 às 04:48

O Carlos copiou a resposta de Tiro ao Alvo, ou vice-versa. Porque não gosto de me repetir, respondo metade a um, metade a outro :)

"certamente a parte que, directa ou indirectamente, é beneficiada"
Certamente?
A História do séc. XX demonstra à saciedade que houve e há regimes apoiados e aceites por ideologia, por comodismo e por indiferença - apoio e aceitação demonstrada por pessoas e grupos para os quais o benefício prático é inexistente. O Anschluss é um bom exemplo.
Mas claro, já me esquecia, ninguém era fascista estado-novista a 26 de Abril, ninguém era nazi depois da derrota, ninguém era comunista depois da queda do Muro...

"Mas também se sabe que a maioria da população gostava de viver sob outro regime."
Sabe? Sabe, como? Sabe, quem?

O Carlos Tiro ao Alvo desculpe, mas se sabe tanta coisa em nome de tanta gente que nunca teve hipótese de se pronunciar talvez seja melhor oferecer os seus préstimos à CNE - olhe o dinheiro que poupávamos em eleições!


E acabando com o seu início: eu não disse que me admiro. Disse que estranho.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 12:57

"História do séc. XX demonstra à saciedade que houve e há regimes apoiados e aceites por ideologia, por comodismo e por indiferença "

E quantos o aceitam pelo medo?

Presumo, pelo que diz ,terem sido todos os funcionários públicos, do Estado Novo, colaboracionistas....

Imagem de perfil

De Sarin a 21.04.2018 às 15:20

Presume erradamente.

Antes de presumir, páre um pouco e raciocine até achar ilógica a afirmação "se o segmento de recta AB intersecta o eixo das ordenadas Y então o segmento de recta AB não intersecta o eixo das abcissas X" - a inclinação não constitui premissa. Enquanto achar lógico, continue a raciocinar.


Só depois leia com atenção o que escrevi.
Se depois disso quiser contra-argumentar, cá estarei para responder. Mas só quando esclarecermos a diferença entre "parte" e "todo", entre "inclusivo" e "exclusivo", caro Vlad.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.04.2018 às 19:30

Cuba tem de facto muitos erros.
Nenhum desses erros consiste em recusar cuidados de saúde ao seu povo como os falsos moralistas americanos.
Nenhum desses erros consiste em ter crianças a dormir na rua ao contrário do que acontece nas ilhas vizinhas.
Nenhum desses erros consiste em ser um satélite do imperialismo americano, ao contrário da maioria da América Latina.
Cuba não é o modelo de país que eu defendo, mas se tivesse que escolher entre Cuba e um qualquer país do 3º mundo, escolheria Cuba sem hesitar.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.04.2018 às 20:31

Faça as malas e vá para lá.
Eles devem agradecer-lhe ter finalmente um imbecil que aceita viver na mais repugnante ditadura do hemisfério ocidental, a ganhar no máximo o equivalente a 25 euros por mês.

Cuba é dos raros países de onde só sai gente: cerca de 660 mil pessoas fugiram da ilha entre 1994 e 2015.
http://www.elnuevoherald.com/noticias/mundo/america-latina/cuba-es/article99869227.html

Estes números estão avaliados muito por baixo; todas as ditaduras manipulam as estatísticas a seu favor. Estimativas independentes indicam que mais de um milhão zarparam nesse período.
Muitos, infelizmente, não escaparam vivos. Morreram no mar, em busca da liberdade, mortos pela sede ou devorados por tubarões.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 21.04.2018 às 21:20

Não são só as ditaduras que martelam números. De Cuba e sobre Cuba tudo serve de arma política
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.04.2018 às 20:38

"Nenhum desses erros consiste em recusar cuidados de saúde ao seu povo"

Claro que incluí. Vá lá visitar os hospitais em Cuba, descubra o que falta ao povo em vez de à nomenklatura em vez de dizer asneiras.

Fidel até foi tratado por médicos espanhóis, veja-se a confiança do poder no que produziram.
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 20.04.2018 às 20:06

Fazer um paralelo entre Franco e Fidel até pode dar um bom texto. Mas não deixa de ser uma aberração.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.04.2018 às 01:10

Tem razão. Depois do Franco veio a democracia.
Depois do Castro, continuou a ditadura.
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 21.04.2018 às 09:23

No tempo do Fulgêncio é que era bom.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.04.2018 às 20:34

Era bem melhor. Desde logo foi uma ditadura que só durou seis anos. Esta já durou seis vezes dez.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.04.2018 às 20:43

"No tempo do Fulgêncio é que era bom."

Era menos mau. Cuba era um dos países mais ricos da América central para começar. Não tinham fugido milhões de pessoas com risco da própria vida.

Não falamos de atravessar a fronteira mas de entrar num bote.
Sem imagem de perfil

De Makiavel a 22.04.2018 às 09:10

Era menos mau. Eheheheheh
"Cuba era um dos países mais rico" Deve estar a contar com os casinos.
Não diga disparates.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 30.04.2018 às 22:25

Toda a gente sabe que hoje em Cuba não há casinos. Nem bordéis. Nem miséria. Nem corrupção.
Quase um paraíso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.04.2018 às 22:57

Muito bem observado e relatada a situação em Cuba por Pedro Correia, curioso é de facto observar que tanto Franco como Fidel são galegos e mais curioso ainda é ver-mos actualmente em Madrid mais outro galego Rajoy com alguns tiques de ditador, é caso para nos interrogarmos se será efeito do clima na Galiza ou possivelmente de qualquer linha genética talvez.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.04.2018 às 01:11

E há ainda os anónimos, que não sabem de que terra são.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.05.2018 às 18:48

Já o Pedro Correia todos sabemos que é de Madrid.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 04.05.2018 às 19:23

Sou. Do Atlético de Madrid.
Sem imagem de perfil

De João Marques a 21.04.2018 às 00:40

Bloquistas e fanáticos do PC logo acorrem em defesa da honra da "revolução cubana". Realmente, o que tem Cuba a menos que os corruptos governos do centro direita do mundo civilizado? Cuba é má? E a Arábia Saudita?! Não, essa não, essa é quase tão civilizada quanto a república progressista da coreia do norte, na senilidade das palavras dos comícios do vosso pequeno líder. Bom, mas mesmo em bom, foi a união das "repúblicas" "socialistas".
Só é de admirar que não se engasguem com as palavras que escrevem.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 22.04.2018 às 09:27

Só mesmo um senil ainda defende a "revolução cubana". Tão senil quanto o general que quase aos 87 anos sai enfim da presidência mas se mantém à frente da tropa e do partido único, não vá o herdeiro ungido urinar fora do penico.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D