Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ter sorte não dá trabalho nenhum

por Teresa Ribeiro, em 13.05.14

Sorte é perder o avião que se despenhou, é encontrar na rua uma nota de 500, é ser amigo de quem nos pode arranjar emprego, é encontrar a nossa alma gémea e, claro, ganhar na lotaria. Ter sorte é, por definição, beneficiar de algo que é obra do acaso. Por isso dizer, como agora se usa, que "a sorte dá muito trabalho", é falacioso. A sorte não dá trabalho, cai-nos no colo. A sorte que se conquista não é sorte, é recompensa. Resulta da perseverança e da iniciativa e não de factores arbitrários.

Afirmar que a sorte dá trabalho é dizer aos azarados que além de azarados ainda têm culpa de ser azarados, mas também aplaudir quem teve a sorte de alcançar o que deseja sem esforço. É claro que esta confusão não é inocente e radica na ideologia da moda, a que promove o empreendedorismo, a "proactividade" e detesta gente piegas, dividindo sumariamente a sociedade em "falhados" e "bem sucedidos". Só que neste suposto esforço de combate à depressão nacional os ideólogos de serviço não devem confundir conceitos, sob pena de agravarem ainda mais  o estado mental de quem por um lado não vê os seus esforços recompensados nem foi bafejado pela sorte e por outro dos que tendo beneficiado de favores ainda acham que isso não é sorte, mas mérito seu.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Luis Eme a 13.05.2014 às 10:48

Teresa, eu percebo o teu ponto de vista.

mas onde se utiliza muito essa expressão é no desporto, onde o factor sorte está muitas vezes presente. mas não está só, há muito trabalho por detrás.

por exemplo numa final olímpica, em que existem três quatro atletas ao mesmo nível, a sorte também acabará por decidir, por coisas pequeninas...
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 13.05.2014 às 11:11

No desporto o factor sorte pesa, e de que maneira, Luís. E às vezes é bem injusta, premiando equipas mais fracas e ateletas menos esforçados.
A frase é contraditória nos seus termos, por isso a contesto. Mas que seja usada no desporto, não me incomoda. Quando é aproveitada para pedagogias ideológicas é que me chateia e muito.

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D