Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ainda as declarações de Soares dos Santos

por João André, em 25.10.13

Como foi referido por vários comentadores (que me levaram a acrescentar a minha adenda), Soares dos Santos estava a referir-se ao aumento dos dias de trabalho das empresas. Nessa lógica, os trabalhadores teriam a mesma carga horária semanal (ou mesmo uma carga horária menor) e para completar o número de horas de trabalho semanais, as empresas teriam de contratar mais pessoas. O emprego e produtividade acabariam assim por aumentar.

 

Talvez por ser um merceeiro, Soares dos Santos apresenta contas de merceeiro. Se as coisas fossem assim tão simples, poder-se-ia levar ao limite o conceito de reduzir o número de horas de trabalho semanais ao mínimo possível (talvez umas 10 horas) para que houvesse emprego para toda a gente. Não deixa portanto de ser divertido ver Soares dos Santos quase a defender sonhos de esquerda. Simultaneamente defende também sonhos da direita liberal: trabalho a qualquer altura, sem folgas previstas, sem horas extraordinárias, etc.

 

A verdade é que quando ouvimos Soares dos Santos temos que pensar em quais são os seus motivos. Como ele não é reconhecido pela sua intelectualidade e pela profundidade da sua filosofia, as suas declarações próprias são obviamente motivadas por interesses pessoais (ou corporativos). Neste caso, e sendo o responsável por uma empresa que abre aos sábados e domingos, Soares dos Santos interessa-se por soluções que lhe diminuam os custos. Neste caso, interessa-lhe que se acabe com as compensações extra para quem trabalhe ao fim de semana. Também creio que os motivos que referi no outro post sobre trabalhar as mesmas horas mas pagar menos se aplicariam também aqui.

 

Num comentário ao outro post, André Miguel já refere uma importante falha na lógica: a procura provavelmente não acompanharia a oferta. Nada que preocupe Soares dos Santos, já que toda a gente precisa de comer. Por outro lado o nosso comentador luckylucky também refere no fim do seu comentário algo de interessante: Soares dos Santos acaba por querer impor a toda a gente as suas regras. Isto apesar de já ser possível as empresas privadas operarem ao fim de semana, tal como os vários supermercados da Jerónimo Martins provam. Mais uma vez repito: a Soares dos Santos pouco interessa o emprego ou a economia nacional/mundial. Aquilo que lhe interessa é baixar o custo unitário do trabalho. Isso seria conseguido com o fim das horas extraordinárias e dos custos acrescidos para quem trabalha ao fim de semana. Quanto a isto, estamos arrumados.

 

Em termos de emprego, valeria a pena? Sinceramente não o creio. Li em tempos um trabalho onde o autor argumentava que a razão para a divergência de horários de trabalho na Europa e nos EUA tinha sido a influência dos sindicatos. Nos EUA, quem quisesse trabalhar mais tempo (e receber mais dinheiro) deveria poder fazê-lo. Os sindicatos europeus não o permitiram sem gratificações extra e bastante custosas para as empresas. Isso fez com que os europeus tivessem semanas de trabalho por volta das 40 horas e a dos norte-americanos seja habitualmente de 60.

 

A verdade é que, para ser produtivo e ter uma vida saudável, um ser humano precisa do descanso. Como também gosta de rotinas, o descanso é mais bem vindo se vier a intervalos regulares. E como somos animais sociáveis (uns mais que outros, é certo), é sempre bom que o nosso descanso seja sincronizado com o das outras pessoas. O fim de semana existe em praticamente todas as sociedades e tem frequentemente uma base religiosa. Não sendo crente, penso que a base religiosa será a justificação para uma necessidade humana (e se o fosse poderia argumentar que Deus queria satisfazer essa necessidade).

 

Talvez seja verdade que eliminando o conceito de fim de semana, criando dias de trabalho de 24 horas, etc, a economia crescesse desmesuradamente, o desemprego desaparecesse e houvesse riqueza para todos. Infelizmente para os economistas a sociedade é composta de pessoas que têm desejos, sonhos, necessidades, etc. É por isso que essas noções lunáticas nunca funcionarão. É um pouco como o comunismo científico: até poderia ter bases teóricas sólidas, mas enquanto tiver que ser aplicado em pessoas e por pessoas, nenhum sistema ideal funcionará.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E o Nobel da Economia que já foi atribuído...

por João André, em 23.10.13

Soares dos Santos gosta mesmo de tomar os outros por parvos. Agora vem com a ideia de colocar as pessoas a trabalhar sete dias por semana mas, e aqui vem a parte hilariante, com um total de horas diárias inferior ao actual. Virão perguntar, então e qual o problema? Pode ser boa ou má ideia, mas por que razão não haveria de se pensar nisso?

 

Quase ninguém trabalha hoje em dia as 40 horas semanais que tem de cumprir. Seja no público ou no privado. Quase toda a gente fica mais tempo no trabalho. Com o esticar da semana de trabalho para 7 dias, Soares dos Santos acabaria por ter gente a trabalhar mais tempo por menos dinheiro. Durante a semana isso não é prático já que os trabalhadores são uns chatos e dizem que têm que ir buscar os filhos, fazer compras, arrumar a casa, etc. Assim, em vez de trabalharem umas 10 a 12 horas por dia e 5 dias por semana (sendo pagos 7 ou 8 horas), acabam a trabalhar as tais 7 ou 8 horas por dia, mas 7 dias por semana. Genial não?

 

E depois Soares dos Santos pode ir gozar os seus lucros para a Holanda, o país genial que não cobra impostos sobre lucros do estrangeiro de empresas sediadas no país, e que por via dessas cobranças fantásticas está agora em recessão e crise orçamental e decidiu ser mais transparente que o país de Passos Coelho e declarar o fim do estado social.

 

Correcção: como vários comentadores referiram, o que Soares dos Santos disse não foi aquilo que eu entendi. Seriam as empresas a trabalhar e não os trabalhadores. Também acho a ideia disparatada, mas disso falarei depois.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D