Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os dez mais infectados

por Pedro Correia, em 04.04.20

Este é o quadro detalhado da evolução do novo coronavírus por todos os países e territórios do planeta, com base em mais de duas dezenas de fontes consultadas e confrontadas - desde logo, a Organização Mundial de Saúde. Detalhado e tão fiável quanto possível, na medida em que as estatísticas oficiais oriundas de grande parte destes locais do globo são rudimentares ou marteladas por governos autoritários, que interditam testes ou proíbem a difusão dos verdadeiros números.

Chamo especial atenção para a proporção entre o número de infectados e cada milhão de habitantes dos países que constam deste quadro (a Coreia do Norte, por exemplo, está ausente).

Um registo que nos leva a ordenar hoje os países com registo oficial de Covid-19 da seguinte maneira, excluindo microestados e países com menos de um milhão de habitantes:

Espanha: 2.549 casos por milhão de habitantes

Suíça: 2.276

Itália: 1.982

Bélgica: 1.447

Áustria: 1.282

França: 1.259

Alemanha: 1.088

Noruega: 991

Portugal: 970

Holanda: 918

 

Destaco igualmente o registo da relação entre o número de óbitos confirmados e a população de cada país, por milhão de habitantes:

Itália: 243

Espanha: 240

França: 100

Bélgica: 99

Holanda: 87

Suíça: 70

Reino Unido: 53

Irão: 39

Suécia: 35

Portugal, Irlanda e Dinamarca: 24

"Isto está a estabilizar", dizem

por Pedro Correia, em 28.03.20

 

Itália: o mais elevado número de mortos por Covid-19 de sempre.

 

Espanha regista o maior número de vítimas mortais num só dia.

 

Portugal: já 100 mortos e 754 profissionais de saúde infectados.

 

Bruno Lage e Portugal

por jpt, em 21.03.20

bruno lage.jpg

(Postal mais pessoal - e menos cuidado - escrito para o meu blog)

O ano passado o Benfica, atrasado no campeonato, mudou de treinador, promovendo Bruno Lage. Então desconhecido, algo jovem (ainda que, de facto,  já quarentão), Lage não só teve enorme sucesso desportivo como colheu generalizado agrado: bom discurso, plácido, elegante. E inteligente. Bem diverso do vigente no mundo do futebol, e também no agreste discurso público português. Na hora do triunfo teve uma saída que foi aclamada como exemplar, ao dizer que "Se vocês se unirem e tiverem a força e a exigência que têm com o futebol nos outros aspetos do nosso Portugal, da nossa economia, da nossa saúde, da nossa educação, vamos ser um país melhor".

Tem razão, os portugueses são muito exigentes com o futebol (qualquer pessoa que tenha vivido no estrangeiro pode, por comparação, perceber como a nossa cultura está futebolizada). O  dos respectivos clubes. E o da selecção, na qual me centro para a analogia que procuro (e que as declarações de Lage alimentaram). Pois longe vão os tempos dos elogios ao "brilharete" dos "magriços" de 1966, que duraram 20 anos, constantes na imprensa portuguesa. Desde há décadas que se exigem triunfos à selecção. Queremos que ela ganhe aos outros. Que seja mais pressionante, mais bem sucedida, mais sortuda, mais estratégica e mais táctica, mais forte e mais artística. Ou seja, que ganhe seja lá como for. Não queremos que Cristiano Ronaldo seja tão bom marcador como Higuaín ou Benzema, mas que marque mais. Que Rui Patrício defenda tantos penalties como Neuer ou De Gea, mas mais um pelo menos. Que Pepe corte tanto como Sérgio Ramos, mas mais. Que Moutinho ou Bernardo sejam tão funcionais como Pogba ou Hazard, mas mais, muito mais. Por isso o engenheiro Santos é tão gostado, pois ganhou não apenas uma mas duas vezes. E por isso Queirós, que sossobrou diante de uma enorme Espanha com um golo fora-de-jogo, anda pelos longínquos e secundários estrangeiros, mal-amado aqui. Tal como Paulo Bento, que perdeu uma meia-final nos penalties.  Pois somos mesmo exigentes com a nossa selecção. 

O troféu que deparamos agora é uma luta terrível contra o Covid-19. Tivemos tempo para nos preparar o melhor possível. Mas preparámo-nos como os nossos parceiros, ao mesmo ritmo que a França de Pogba, a Espanha de Sérgio Ramos, a Bélgica de Courtois, etc. Não fomos mais rápidos, não fomos mais pressionantes, não  fomos mais argutos, não fomos nem mais estratégicos nem mais tácticos. E temos menos meios, menos jogadores, menos campos (o racio de camas hospitalares per capita é muito pior, o serviço de saúde pública é menos capacitado em termos infraestruturais). Mas ainda assim reina a ideia de que o governo (e o Estado) esteve globalmente bem. Apenas porque não somos exigentes com as coisas reais - e até com estas dramáticas - como o somos na "bola".

Diante desta verdadeira crise reina a congregação, entre compatriotas e residentes. E há quem apele ao acriticismo, à suspensão do olhar crítico. Certo, há uma necessidade (executiva mas também espiritual) de coalizão. Mas isso não implica a suspensão do olhar crítico, nem deve convocar a amnésia futura. Algumas coisas poderão ser lembradas, outras avisadas. O aviso que tenho, e é por deformação profissional que me ocorre, é que todas as sociedades convocam bodes expiatórios (e já brinquei com isso). Se o drama for grande, como se anuncia, a comoção convocá-los-á. E sempre de forma injusta, até aleatória. Sejamos racionais, na avaliação futura do que se passou. Mas também, de modo mais comezinho, efectuando  de modo mais plácido essa expiação: o humor sobre os dignitários agora em voga, políticos e funcionários destacados, é por muitos criticado como indigno. Julgo que não, julgo mesmo que é a melhor forma de deixar fluir esse resmungo social. Muito mais justo do que as furibundas piras a posteriori.

Outras coisas poderão ser lembradas, para crises futuras mas, acima de tudo, para avaliação de quem nos governa (nos governos e nos altos postos do funcionalismo) e de como o regime está estruturado, tanto em termos formais como em termos de redes de relações sociais que alimentam o poder. O Presidente esteve péssimo, ainda que possa vir a recuperar o seu fito único, a popularidade. Esteve horrível. E também isso, essa sua deserção intelectual e política, vem valorizando António Costa. Este muito aprendeu com os efeitos da inenarrável postura que teve na dramática crise dos incêndios florestais (e com a pantomina da pequena crise militar com o "affaire Tancos"). E tem discursado bem, dando segurança à população. Para além disso, as medidas tomadas pelo governo são, mais dia menos dia, similares e contemporâneas às dos países nossos vizinhos. O que aparenta legitimar a pertinência do ritmo das decisões estatais.

Mas isso não é suficiente para projectarmos o futuro. Repito, tivemos tempo para nos preparar de modo mais eficiente, mais lesto, do que os nossos vizinhos. Mas temos responsáveis da saúde que despreocuparam a sociedade em relação ao que se passava na saúde pública mundial, que nos isentaram de riscos. E temos uma ministra da agricultura que saudava as hipóteses que a nova gripe abria para nossas exportações. Já a vizinha Itália sofria e os nossos responsáveis pela saúde negavam a gravidade da situação - não se preocupem, nós avisaremos quando houver motivo para isso, dizia a ministra da saúde. Há nisto uma enorme incompetência intelectual, uma incapacidade para prever e planificar que ultrapassa o aceitável. E há também uma mundividência anti-democrática, estapafúrdia no mundo actual hiper-comunicante, o de "evitar o pânico" através do sonegar de informação à população. E que é inadmissível no Portugal democrático actual.

E, num momento em que o auto-confinamento da população era urgentíssimo, houve um verdadeiro desvario.  Na semana anterior ao governo fechar as escolas (de modo já tardio) a directora da saúde protestava com a própria escola das suas netas por ter encerrado as aulas. As universidades públicas, alertadas, começaram a fechar. Mas nem todas: numa universidade pública do centro de Lisboa a reitora não o fez, ao contrário das suas congéneres, por esperar a deliberação da direcção-geral da saúde. Que levou alguns dias. É um mero exemplo do tergiversar, que neste momento é inadmissível. Tal como o foi o patético e descabido atraso do encerramento escolar devido a uma reunião de um absurdo conselho de saúde pública, pejado de dezenas de figuras excêntricas à problemática, após o qual surgiu Jorge Torgal, veterano da cooperação com Moçambique, enfileirado com a directora-geral e a ministra da saúde, a negar a realidade. Como logo se viu. 

Para quem se recuse a reconhecer isto, a incapacidade de céleres decisões de ruptura: a minha filha adolescente tinha viagem marcada para a Jordânia, onde vive sua mãe. No dia 9 de Março esse reino tinha proibido a entrada de viajantes provenientes de Espanha, Itália, França e Alemanha. E a vizinha Israel proibira a entrada de estrangeiros. Ao invés, dois dias depois os passageiros de paquetes turísticos ainda desembarcavam em Lisboa, para a jornada do agora sacrossanto turismo. Por essa altura um deputado e dirigente do BE, que continuará a ser ouvido e influir em assuntos importantes no nosso devir, clamava que o encerramento de fronteiras era projecto da "extrema-direita". Onde está a racionalidade do Estado e dos políticos, diante da inércia e do disparate?

De facto, o que aconteceu foi que foram os próprios cidadãos, múltiplas instituções privadas e mesmo públicas e as famílias, que começaram o processo de recuo, de necessário resguardo. Adiantando-se ao Estado, e seu governo, e a estes compelindo à acção. Foi a sociedade - os tais indivíduos que os governantes temiam que entrassem em pânico - que se foram adiantando a um Estado moroso, inábil. Todos olhamos e criticamos as "festas Coronas" e as idas à praia dos alunos universitários. Mas estas aconteceram por falta de uma avisada política de informação - e mesmo de propaganda [os "influencers" do youtube que Marcelo corteja, os campeões de futebol, as figuras da TV e etc, foram agora chamados para apelar ao recuo da população? Nada, nem uma acção dessas, nem a norte nem a sul do Sado, diante do silêncio e inaptidão da ministra da cultura] - e são menos significantes do que todos os esforços pessoais e familiares feitos em relativa autonomia do Estado.

Ou seja, muito podemos falar sobre o desinvestimento estrutural no SNS. E elaborar sobre as causas disso - que mais do que o maquiavélico projecto das iniciativas privadas é o da incapacidade de diferenciar os processos internos ao Estado e seu alto funcionalismo -, que é um processo de regime, não deste governo. Mas, num outro âmbito, mais imediato temos que encarar que a forma como esta crise anunciada, este "crónica das mortes anunciadas", não foi suficientemente abordada. E que não são boas conferências de imprensa, entrevistas ou discursos do político António Costa que o poderá elidir. Esperemos que os resultados não sejam excessivamente dolorosos. 

Quer este postal resmungar e pedir a cabeça de Costa e do PS? Não. Julgo, sinceramente, que após esta crise - e até porque compatível com o calendário eleitoral - um homem como Rebelo de Sousa tem que abandonar o posto para o qual, em má-hora, o elegeram. Mas nas questões do poder legislativo e executivo são bem diferentes as conclusões que se podem perspectivar. Temos que ter melhores pessoas nos postos importantes (tem sido um rosário de desajustes ministeriais) e isso implica outros funcionamentos partidários. E temos que enfrentar a confusão "regimental", aligeirar a democracia - o caso do tal conselho de saúde etc. e tal é demasiadamente pungente para poder ser esquecido.  E, francamente, governar menos por "consenso" e mais com "rupturas". Porque foi, muito, essa apologia do "consenso" que conduziu ao rame-rame.

Em suma, se formos tão exigentes com a sociedade e sua política como somos com o futebol, deveremos agora obedecer às regras e às instruções estatais. Mas não nos podem pedir que aplaudamos quem não ganhou. Podemos respeitar o esforço, reconhecer o empenho. Mas devemos procurar um  melhor plantel, exigir um competente "scouting". Mesmo que mantendo o treinador. (Mas nunca o presidente, repito-me, exasperado).

Em louvor da sociedade

por Pedro Correia, em 21.03.20

Tenho ouvido, por estes dias, loas imensas ao Estado. O mesmo Estado, convém salientar, de que faz parte a directora-geral da Saúde, que a 15 de Janeiro declarava com todas as letras: «Não há uma grande probabilidade de um vírus deste chegar a Portugal.»

O mesmo Estado, convém não esquecer, de que faz parte uma ministra da Agricultura entretanto desaparecida em combate e que a 5 de Fevereiro - quando já havia 490 mortos e mais de 24.500 infectados na China - se ufanava perante a hipótese de o coronavírus poder vir a ter «consequências bastante positivas» para as exportações portuguesas.

 

Julgo ser tempo de elogiar não o Estado mas a sociedade. A que não precisou dos ditames estatais - incluindo a inédita declaração do estado de emergência a nível nacional, com a suspensão de direitos fundamentais - para se organizar e reagir à doença galopante.

Às empresas, aos clubes, aos ginásios, às colectividades, às igrejas (incluindo a supressão de missas e outras celebrações de culto).

Aos responsáveis da rede escolar privada que foram encerrando antes de um patético Conselho Nacional de Saúde, que ninguém conhecia, ter vindo a público, já no dia 11 de Março, recomendar que os estabelecimentos de ensino e os museu permanecessem abertos - precisamente na véspera de a Organização Mundial de Saúde proclamar o coronavírus como pandemia e de o Governo ordenar o encerramento de todas as escolas, mostrando a inutilidade daquele órgão de consulta criado sabe-se lá para quê.

 

Apetece-me, portanto, elogiar a sociedade. Onde se integram agricultores, assistentes de bordo, auxiliares de saúde, bancários, bioquímicos, bombeiros, caixas de supermercado, camionistas, carteiros, cientistas, comerciantes, controladores aéreos, cozinheiras, cuidadoras, distribuidores, educadoras de infância, empregadas de limpeza, enfermeiras, estivadores, farmacêuticas, ferroviários, informáticos, jornalistas, maquinistas, médicos, merceeiros, motoristas, operadores de máquinas, operários, padeiros, pastores, pescadores, pilotos, professores, psicólogos, revendedores, seguranças, taxistas, técnicos de informática, veterinárias, vigilantes, voluntários.

Gente que trabalha por vezes sem rede, sem horário, sem "direitos adquiridos", sem pedir nada em troca, sem a perspectiva de poder ter emprego no mês seguinte.

Gente como vós, gente como qualquer de nós. 

Os dias que vivemos são únicos. Esta poderia ser uma observação banal aplicável a qualquer dia da nossa vida. Mas de facto este fenómeno que nos entrou pelo dia-a-dia a dentro já assumiu contornos que o fará ser lembrado daqui a muitos anos.

Gostei do discurso do deputado Ricardo Baptista Leite. A mensagem foi colocada a um nível bem superior do que tinha sido dito até então. Colocou o foco onde ele deve estar, não em apontar culpas mas em unir esforços.

Portugal está em estado de guerra! Nunca tinha ouvido esta mensagem durante os meus dias de vida. Mas efectivamente vivemos um momento em que todos temos de aceitar uma mudança radical nas nossas rotinas de forma a minimizar as baixas.

Por muito menos que isto já forrámos as janelas e os automóveis com bandeiras. Desta vez é a vida de milhares de portugueses que está em risco, e isso é algo por que vale a pena lutar.

Se todos re-colocássemos na varanda aquela bandeira que temos na arrecadação, guardada desde uma qualquer competição desportiva, mostraríamos que estamos disponíveis para este combate e que aceitamos as consequências de cumprir as medidas necessárias. A coragem não é mais do que isso e ficar no sofá é muito menos do que foi pedido a muitos outros, sem os quais não seríamos o que somos.

Desde hoje à tarde, a minha bandeira regressou à janela.

Está na hora de cerrar fileiras

por Sérgio de Almeida Correia, em 14.03.20

5e6b52f154f25c38de16a352.jpeg(créditos: Tyrone Siu, Reuters)

Quando no início de Fevereiro estive em Portugal, a situação na China e em Hong Kong era muito grave. Macau já tinha os seus casos e haviam sido decretadas medidas de excepção, desde o final de Janeiro, visando evitar a disseminação do novo coronavírus, hoje COVID-19, e assim proteger as pessoas.

A velocidade da propagação do vírus e o cenário trágico que se desenhava a isso aconselhavam, razão pela qual o Chefe do Executivo, Ho Iat Seng, que acabara de tomar posse em 20 de Dezembro de 2019, acompanhado por uma Secretária para os Assuntos Sociais e Cultura que já dera provas de ser tão discreta quanto competente enquanto directora dos Serviços de Identificação de Macau, determinou o cancelamento das populares paradas e manifestações de boas-vindas ao novo Ano Lunar, que começou em 25 de Janeiro pp..

No entanto, em Portugal e na Europa continuava tudo displicentemente a funcionar, sem que houvesse qualquer controlo, pelo menos visível, nos aeroportos. Podia-se chegar da China ou de qualquer outro lado e entrar no país sem preocupações.

Em 9 de Fevereiro voltei a embarcar de regresso à Ásia e era como se nada estivesse a acontecer. Ainda em Janeiro ouvi gente responsável a dizer que o COVID-19 não era mais do que uma gripe e que se estava a exagerar. O Presidente dos Estados Unidos e o seu homólogo do Brasil, do alto da sua cultivada e pesporrente ignorância, a que agora se associou o primeiro-ministro do Reino Unido, desvalorizaram a situação, chegando a dizer que o novo coronavírus não era problema algum e que tudo não passava de “fake news” e de uma maquinação dos media. 

Em Portugal não foi diferente, bastando para tal recordar as declarações feitas em Janeiro pela Directora Geral da Saúde e por alguns clínicos em programas de grande audiência. A displicência na forma como se lidou com a situação e a ignorância revelada sobre o que estava a acontecer, e que entretanto se tinha alastrado ao Irão, ao Japão e à Coreia, e a rapidez de progressão eram tais que uma conhecida apresentadora de televisão chegava a perguntar, no seu estilo de pregoeira de lota, porque é que o vírus só atacava os chineses. Vê-se agora que não ataca por etnias ou nacionalidades e que os primeiros a cair são por sinal os ignorantes. 

Eu aproveitei o facto de ter estado em Portugal para comprar máscaras cirúrgicas, na altura indisponíveis de imediato nalgumas farmácias, mas que era possível encomendar e receber alguns dias depois, como efectivamente aconteceu, embora por preços exorbitantes.

A Organização Mundial de Saúde, daquele senhor que terá ficado a dever a sua eleição à China, foi adiando enquanto pôde a declaração de pandemia, quando todos os sinais e a velocidade a que surgiam novos casos e em vários continentes há muito aconselhavam.

Quando a situação começou a ser conhecida na Alemanha, em Itália e em Espanha foram muitos os que continuaram a circular com pouco ou nenhum controlo. Uma tragédia a somar à tragédia maior.

Já não bastava o atraso na tomada de medidas na China, provocado pela estreiteza de vistas do Partido Comunista Chinês e seus dirigentes, que protelaram a divulgação da situação real, silenciando quem teve o mérito de alertar os seus semelhantes para o que aí vinha e que pagou com a vida a coragem profissional e cívica que demonstrou. O resultado da desgraçada gestão da crise e a dificuldade em serem tomadas, desde o início, medidas drásticas, ainda que social e economicamente com facturas pesadíssimas, está à vista, muitos milhares de mortos e de infectados depois, obrigando o inenarrável Trump a dar o dito por não dito em 48 horas. 

Quando há dias vi um vídeo e fotos da praia de Carcavelos cheia, de miradouros lisboetas apinhados de gente a curtir o pôr-do-sol, de garotada a divertir-se nos bares do Cais do Sodré, deu para perceber que uma boa parte da "geração mais bem preparada de sempre" não passava de um bando de ignorantes e que muita coisa correu mal. E não apenas por causa das infelicíssimas declarações da ministra da Agricultura, que via numa pandemia uma janela de oportunidade para as exportações dos nossos agricultores. Já todos se esqueceram que houve um ministro que em tempos foi despedido por causa de uma anedota, outro por fazer corninhos no parlamento, e ainda mais um por se ter descuidado e ter dito que ainda enfiava uns tabefes num palerma qualquer, tudo coisas muito menos graves do que o que foi dito pela senhora ministra que ainda lá está. Não fossem as esclarecidas declarações de Francisco George e de mais um ou outro, e dir-se-ia que em Portugal não se passava nada.

Empurrado pelos acontecimentos, o Governo acabou por reconhecer, e bem, a gravidade da situação, mas a decisão tomada ficou aquém do que era desejável. Com o exemplo do que tinha acontecido em Itália e do que estava a suceder em Espanha e no resto da Europa, creio que era natural que os portugueses, embrutecidos com as novelas, os “reality shows”, os programas das Cristinas e de discussão do “chuto-na-bola”, como diz com razão um amigo meu, não acatassem com bom tempo e de ânimo leve o aconselhamento a permanecerem em casa e evitarem contactos sociais.

Devia por isso ter sido desde logo declarado o estado de emergência e tomadas medida drásticas, que ainda iremos a tempo de tomar e que deverão passar por um apertadíssimo controlo nas fronteiras e nas ruas das nossas cidades, vilas e aldeias. Mas para isso é preciso ainda mais empenho. Estamos numa guerra pela sobrevivência. Ouça-se o que o médico David Nabarro disse à CNN para se perceber o quão grave e incerta é esta guerra se não formos capazes de ir mais longe.

A falta de informação e a ignorância das pessoas é aquilo que mais me aflige. Um médico que trabalha numa unidade de cuidados intensivos no Porto escrevia há pouco, numa mensagem pessoal para o irmão, que “as pessoas devem entender que apesar dos idosos e doentes morrerem muito mais, as pessoas novas podem adoecer gravemente e nunca mais ficarem iguais (fragilidade neuro-muscular prolongada, perda neuropsíquica, e fadiga por doença pulmonar, tudo designado por comonsindrome pós doença crítica ou pós-cuidados intensivos”.

Mais, um artigo da Business Insider de ontem (13 de Março) revelava que mesmo as pessoas que recuperam do COVID-19 ficam com sequelas permanentes, incluindo com uma redução substancial da função pulmonar, isto é, de 20 a 30%. E há casos de gente que foi dada como curada e passados dias o vírus voltou a manifestar-se.

Em Macau são permanentes os anúncios na televisão, na rádio, nos jornais, nas ruas, como aconteceu no início, com carros equipados de megafone a mandarem toda a gente para casa e com recomendações em português, chinês e inglês. Desde que a crise começou que há uma barra em permanência a passar na parte inferior dos ecrãs de televisão. Na última que passa agora escreve-se o seguinte: “O Governo da RAEM solicita: vamos todos persistir. Evite a concentração de pessoas, lave as mãos com frequência, use uma máscara adequadamente, declare a sua condição de saúde, reduza as saídas para fora de Macau”.

Pode-se criticar muita coisa mas não se pode dizer que o Governo de Macau e o novo Chefe do Executivo, quando confrontados com uma situação gravíssima, não tivessem decidido atempadamente o que se impunha. Revelaram estar à altura da gravidade da situação e isso foi fundamental para dar confiança às pessoas. Por isso mesmo tivemos dez casos, todos sobreviveram, e nunca mais houve novos. Esperemos que assim continue.

O custo das medidas tomadas é brutal. Não foi preciso esperar para ver, não foi preciso termos dezenas ou centenas de casos ou aguardar pelas recomendações da OMS para se tomarem medidas imediatas. Os sinais estavam lá todos e vinham daqui do lado. Não se podia perder tempo.

A única actividade económica com dimensão, o jogo, parou completamente durante 15 dias. Foram cerca de 800 milhões de patacas por dia (mais de 87 milhões de euros), em média, que deixaram de entrar nos casinos. As escolas fecharam logo, as crianças foram obrigadas a ficar em casa e terem aulas à distância desde o final de Janeiro, e só deverão voltar às escolas depois da Páscoa. O aeroporto está praticamente reduzido a 10% do seu movimento habitual, muitos negócios entraram em colapso, as missas foram logo proibidas, a procissão do Senhor dos Passos foi cancelada e o meu próprio escritório, como muitos outros, não teve movimento praticamente nenhum durante todo o mês de Fevereiro, embora os salários fossem todos pagos na íntegra e sem que se tivesse pedido a ninguém para ir para casa até a crise passar metendo dias de férias.

Não sei como irei sair disto. Nenhum de nós sabe. Nem sabemos quando iremos recuperar tudo o que se perdeu. Continua tudo a meio gás, ficaremos todos muito mais pobres. Ninguém tem dúvidas disso apesar das medidas que foram tomadas e dos apoios concedidos (e ainda a conceder).

O trabalho que o Governo tem neste momento é o de controlar as entradas, o que tem feito, colocando toda a gente que vem de zonas de risco (a partir de terça-feira também quem vá de Portugal ou do Espaço Schengen) em quarentena. Muitos de nós tiveram de cancelar viagens, fossem de trabalho ou de lazer, em semanas seguidas, e há custos que serão sempre irrecuperáveis. Todavia, salvaram-se vidas humanas. Ninguém olhou para o custo porque em causa estava a saúde de todos. É para ir à faca, então vai-se logo.

O Governo da RAEM investiu, todos ajudámos fazendo a nossa parte, e aos poucos vamos tentando recuperar a vida (e alguns clientes) que perdemos com o COVID-19, ainda com muitas limitações porque o perigo continua à espreita. E se não está cá dentro pode vir de fora a qualquer momento e a situação reverter à estaca zero.

Eu gostaria que o Governo do meu país fosse suficientemente corajoso para ir mais longe, se necessário impondo o uso das tão desagradáveis e incómodas máscaras, e fechando fronteiras, pelo tempo que for necessário, promovendo uma campanha de informação a sério e permanente em todos os canais de televisão e nas rádios, bombardeando sem cessar a ignorância, alertando até à exaustão, apelando à cidadania, à responsabilidade de todos. Motivando as pessoas.

Depois da tragédia acontecer nunca haverá medidas que cheguem. E os custos em vidas humanas e na saúde dos que sobreviverem serão sempre muito superiores e irreversíveis.

Agarrem o touro pelos cornos e acabem com a conversa mole nas televisões. Mobilizem tudo e todos, a começar pelos partidos políticos, pelas autarquias e pelas comunidades das diversas religiões para um combate sem quartel. Não vacilem em nenhum momento. E não hesitem se tiverem que mudar generais a meio do combate. Deixem-se de paninhos quentes e façam-no já, sem demora. Apoio não vos faltará. Temos todos de vencer esta guerra com o menor número possível de baixas.

 

Adenda (15/03/2020): Vejo no FT que a Alemanha decidiu fechar as fronteiras com a França, Áustria e Suíça a partir de amanhã. Outros já o decidiram também fazer. Que relatório espera o Governo português para seguir o exemplo? Será sempre possível assegurar os abastecimentos essenciais, há muitas maneiras de o garantir. Seria bom que não se atrassassem. O tempo voa. O vírus também. 

País real e prioridades legais

por Pedro Correia, em 20.02.20

 

Seis distritos portugueses (Aveiro, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Leiria e Vila Real) sem uma só equipa de cuidados palitativos continuados no Serviço Nacional de Saúde. Rede nacional necessita de 400 médicos e dois mil enfermeiros. Falta de profissionais põe em causa a qualidade e o tempo de atendimento aos doentes.

 

Doente com diabetes e hepatite C morreu a 31 de Janeiro numa cadeira de rodas do serviço de urgência do Hospital de Beja após mais de três horas de espera sem ser atendido por um médico. Chegou às 17.30 e morreu cerca das 21 horas, apesar de lhe ter sido atribuída uma pulseira amarela à chegada.

 

Doente pulmonar crónico morreu às 20 horas de 10 de Fevereiro após seis horas de espera sem atendimento no serviço de urgência do Hospital de Lamego, onde chegou com dificuldades respiratórias. À chegada, às 14 horas, recebeu uma pulseira amarela - indicando que deveria ser examinado por um médico no intervalo máximo de uma hora. Responsáveis do centro hospitalar alegam que naquele dia a afluência «foi excepcionalmente alta, quando comparada com os dias anteriores».

 

Assembleia da República debate hoje, pela segunda vez em menos de dois anos,  a legalização da eutanásia em Portugal. Com projectos de lei apresentados por cinco partidos: Bloco de Esquerda, Iniciativa Liberal, PAN, PS e "Verdes".

sd.jpg

Sindika Dokolo apresenta a maior coleção de arte africana no Porto (24 Fevereiro, 2015)

(Memória - até intimista - por causa do que está a acontecer por aí).
 
Quando em 15 voltei a Portugal o que mais me custou não foi o frio, do qual me desabituara. Foi o silêncio. O próprio. Passara 15 anos a leccionar, a co-organizar seminários, a participar noutros, a comentar e debater. Assim a falar, muito. Quando regressei isso acabou. Não podia falar ("não tens doutoramento, não podes falar", é assim mesmo, são as regras, é o mercado laboral). Podia assistir mas não convinha contrapor, discordar, esmiuçar, que reina a cultura do silêncio defronte e da maledicência a posteriori ("ela é histérica", "ele é estúpido", diz-se dos colegas sem qualquer rebuço), associada à ofensa sentida se alguém questiona o que se disse. Eu sei que dizer isto provoca noutros a ideia, aqui habitual, do "este está ressabiado, ressentido". Mas estão errados. É apenas observação participante.
 
Pronto, ficou-me o silêncio próprio. Foi uma espécie de envelhecer (um pouco) avant la lettre. Um gajo é velho e ninguém o ouve, foi isso mesmo. Neste caso ainda com lucidez (presunção e água benta ...) para o perceber, e saber que será assim para a frente. Ultrapassei isso, ganhei o hábito de falar sozinho - falo imenso sozinho. A minha filha preocupa-se com isso, teme ser sintoma de algo mais. É nova demais para perceber que é apenas uma escapatória. Um gajo tem que falar, tem o vício, e se não tem audiência fala sozinho. Mal seria se eu começasse a fazer podcasts ou lá como se diz, e a metê-los no facebook.
 
Bem, vem esta memória a propósito disto: o silêncio não foi total. Nos primeiros anos ainda falei um bocadinho. Almas caridosas convidaram-me para leccionar lá na Invicta Porto, num mestrado ("éh pá, não tenho doutoramento", avisei. "Anda na mesma", magnanimizaram), durante dois anos. Lá fui, falar como Amador (no velho e nobre sentido do termo). De literatura africana. De arte moderna e contemporânea africana. Não sei como terá corrido (ao longo dos anos tive alunos que de mim gostaram, outros aos quais fui indiferente, outros que não gostaram. Haverá piores do que eu, há melhores, há muitos mais ou menos na mesma. É como é). Mas, repito, fui lá à terra do meu pai, à universidade do meu pai - e disso gostei muito -, falar de literatura africana e de arte africana.
 
Foi na época em que o Porto estava todo aperaltado para visitar a exposição - bem boa, digo-vos - da colecção de arte africana contemporânea de Sindika Dokolo, genro de José Eduardo dos Santos. Gostei de visitar, pausadamente. E deu-me muito, imenso, jeito, pois recomendei-a vivamente aos escassíssimos alunos.
 
Então sorri, com o fenómeno. A gente não avalia e frui a arte devido aos mecenas que lhe coube. Mas avalia o fenómeno da recepção. Sorri ao Porto. A Portugal.
 
E falei, sozinho. Continuo a falar sozinho. A Carolina não gosta, teme que seja sintoma de algo. E é, minha querida, é sintoma de ser patrício destes tipos.

 

Angola

por jpt, em 26.01.20

Os-Donos-Angolanos-de-Portugal.jpg

Os que me conhecem, e os que me vão aturando no(s) blog(s), sabem que não simpatizo com o BE - ainda que me tenha ocorrido votar, e também por algumas razões até espúrias, em Marisa Matias (depois ponderei e votei bem à "direita", em Henrique Neto). Não gosto da coligação "guevarista" (et al) acima de tudo porque abomino o "identitarismo" e os requebros que o acompanham. E mais coisas, claro. Por isso tanto gostei do "affaire Robles" a desnudar o horizonte que se vê em Telheiras e no Bairro Alto. E tanto gozei com as patacoadas do prof. Rosas ("as nossas meninas", "a direita já tem o seu gay" - cito apenas de cor), a mostrar o quão plástico chinês é o "politicamente correcto" - já para não falar do célebre "eu tenho filhos, você não tem" (idem) de Louçã a Portas, o Paulo. Enfim, são quem são, esta minha Lisboa ...

Dito tudo isto, como vera auto-justificação, aqui fica a entrevista que Louçã e Teixeira Lopes deram quando lançaram o seu livro "Os Donos Angolanos de Portugal", há já cinco anos a mostrarem as ligações desta nossa elite político-económica com o poder económico (a "Isabel dos Santos") de Luanda.

É bom lembrar, porque parece que agora todos se esquecem.

A Bé

por jpt, em 24.01.20

casino-polana-completo.jpg

(Memória a propósito disto que aconteceu à Bé):

Há alguns anos abriu o casino em Maputo. Depois inauguraram o restaurante (uma espécie de "brasserie", se bem me lembro). Acorreu-se à novidade. Lá fui: resmunguei-o algo caro para a minha bolsa, e barulhento apesar do ambiente frio. Fui e até voltei, duas ou três vezes, coisas de jantares colectivos.

Uma sexta-feira lá isso me aconteceu. Cheguei, só e cansado, sentei-me na mesa dos conhecidos. Ainda não deitara o olho ao cardápio e entrou um patrício, desses muito conhecidos da política, que por lá aportara nas negociações da entrega de Cahora-Bassa e fora ficando, em regime "sanduíche" claro, em conselhos de negócios e coisas dessas. Rosnei para o lado "não janto na mesma sala deste fdp". Levantei-me, enjoado - que era o tempo do Sócrates, cujo fedor chegava a Maputo ainda que aqui os inteligentes, antropólogos, outros académicos e gente bem-informada o sentissem "perfume" -, e fui-me embora, talvez para o Piripiri, talvez para casa, não me lembro.

Os anos passa(ra)m. Eu sou da "direita" (e escrevo coisas que parecem da "extrema-direita", diz-me gente mui amiga). E vim-me embora do Índico. E os tipos como aquele botam agora o quão incomodados estão com aquilo da Bé, cá no Atlântico. Eles são muito de esquerda, estão no governo. Ou perto, seguindo muito apreciadores do simpático presidente que temos. A mim vale-me, pelo menos, que não sou migrante. Ahnn? É isso mesmo. Não sou migrante.

m'espanto às vezes

por Diogo Noivo, em 22.01.20

Há algo que me fascina no caso de Isabel dos Santos: aqueles que a apoiaram, que enalteceram o seu investimento na economia portuguesa, que se desdobraram em vénias, que acusaram de provincianismo quem recomendava prudência (troque “Isabel dos Santos” por “República Popular da China” e verá o futuro, caro leitor), desapareceram. Pura e simplesmente desapareceram. A Helena Matos escreve no Blasfémias que esta gente lhe dá asco. Eu ainda estou na fase da estupefacção.

Facto nacional de 2019

por Pedro Correia, em 04.01.20

image_content_2544174_20191023083445[1].jpg

 

 

NOVOS PARTIDOS NO PARLAMENTO

O ano que agora terminou foi dominado por factos políticos a nível nacional. A 6 de Outubro, os portugueses regressaram às urnas para escolher um novo elenco parlamentar do qual saiu o segundo Executivo liderado por António Costa - desta vez vencedor, embora longe da maioria absoluta que o PS ambicionava. Em 2019, recorde-se, houve dois outros escrutínios: as europeias, a 26 de Maio (triunfo eleitoral do PS, com 33,4%), e as regionais na Madeira, a 22 de Setembro (vitória do PSD, com 39,4%, e a consequente formação de um Governo de coligação com o CDS, facto inédito a nível regional).

Na opinião maioritária dos autores do DELITO DE OPINIÃO, o mais relevante neste conjunto de consultas eleitorais foi a entrada de novos partidos na Assembleia da República - ampliando o que já sucedera em 2015, com a eleição do solitário deputado do PAN.

Desta vez o partido animalista foi muito mais bem sucedido: obteve 3,3% nas urnas, multiplicando por quatro a representação parlamentar. E três forças políticas estreantes passaram a ter assento no hemiciclo: o Chega (1,3%), com André Ventura, a Inciativa Liberal (1,3%), com João Cotrim de Figueiredo, e o Livre (1,1%), com Joacine Katar Moreira.

Onze dos nossos 24 votos distinguiram esta ascensão dos novos partidos parlamentares como acontecimento do ano em Portugal. Em segundo lugar, com seis votos, ficou a degradação do Serviço Nacional de Saúde - facto que não deixou de ser notícia ao longo de 2019.

 

Os restantes sete votos recaíram, isoladamente, noutras ocorrências, confirmando o variado leque de opções aqui registado de ano para ano.

Foram mencionadas desta forma:

- Vitória eleitoral do PS nas legislativas;

- Prepotência de Ferro Rodrigues como presidente da Assembleia da República;

- O fim da "geringonça";

- Greve dos camionistas de matérias perigosas;

- O novo sindicalismo;

- Violência doméstica;

- A maior carga fiscal de sempre.

 

 

Facto nacional de 2010: crise financeira

Facto nacional de 2011: chegada da troika a Portugal

Facto nacional de 2013: crise política de Julho

Facto nacional de 2014: derrocada do Grupo Espírito Santo

Facto nacional de 2015: acordos parlamentares à esquerda

Facto nacional de 2016: Portugal conquista Europeu de Futebol

Facto nacional de 2017: Portugal a arder de Junho a Outubro

Facto nacional de 2018: incúria do Estado

Postais de Évora

por Pedro Correia, em 27.12.19

thumbnail_20191130_123252-1[2].jpg

«As arcarias abrem um túnel de silêncio, as fachadas descem em obliquidade de vertigem.»

(Vergílio Ferreira, Aparição)

 

thumbnail_20191129_123601[2].jpg

Praça do Giraldo, vista da Igreja de Santo Antão

 

thumbnail_20191129_103733[1].jpg

Fragmento do Aqueduto da Água de Prata

 

thumbnail_20191128_143425[2].jpg

Medronheiro com muralha em fundo

 

thumbnail_20191128_143740[2].jpg

Pombas e pedras confundidas

Greta

por jpt, em 12.12.19

youngest-person-of-the-year-1.jpg

Greta Thunberg visitou Portugal. Estava eu ausente do país, de longe apenas notei o coro dos incomodados. E logo depois é escolhida como "Personalidade do Ano" pela Time (ainda por cima com foto de capa feita em Lisboa) - e é audível como recrudesce o silvo dos dichotes. Broncos e incultos - p. ex. a quantidade de imbecis que leio considerando, até explicitamente, essa escolha como um "Prémio" mostra o quão grave é a pandemia de morcanzite no país.

Quem me conhece sabe do quão autofágico sigo, mesmo que o tom assertivo, até exarcebado, de alguns postais possa aparentar o inverso aos desconhecidos "amigos-FB" e/ou visitas-de-blog. Razões minhas (que seria demasiado intimista explanar). Mas ainda que sob essa condição gosto deste meu texto Greta D'Arc, que aqui botei há meses. Pois nele inventei o cognome à rapariga (não vira antes atribuirem-lho). E porque lá está tudo, até de forma concisa, que é necessário para demonstrar o quão visceral é a estupidez reinante, nesse apatetado e cada vez mais "venturoso" nicho de atrasados intelectuais que se dizem "direita". De alguns, poucos, até sou amigo.

E um tipo envelhece, cada vez mais entalado entre esta vizinhança energúmena feita de joacin@s, (afinal) rangéis e piores-que-isso, para além da asquerosa ladroagem socratista, esta que chamávamos "ciganada" quando éramos putos.

O que vale é que há a esplanada do bairro. E o futebol para se conversar, cruzando imperiais. E é neste refúgio que releio este meu "Greta d'Arc". E digo, humilde, "na mouche, jpt".

Injustiças

por Diogo Noivo, em 27.11.19

JKM.jpg

 

Apresentou-se aos eleitores como “mulher, afrodescendente e gaga”. O partido pelo qual se candidatou confirmou que, de facto, era “mulher, afrodescendente e gaga”. E, para dissipar qualquer dúvida que pudesse existir, a comunicação social atestou repetidamente que a candidata era “mulher, afrodescendente e gaga”. Estas três características foram o alfa e o ómega do projecto político em apreço, com todos – candidata, partido, e órgãos de comunicação social – a resumir a mensagem ao sexo, à melanina e às dificuldades de fala.

Por isso, as críticas lançadas a Joacine Katar Moreira e ao partido LIVRE são manifestamente injustas. Eleita, a deputada é escrupulosa no cumprimento do seu programa eleitoral: é mulher, afrodescendente e gaga. Nunca um/uma candidat@ foi tão rigoros@ no cumprimento do que afirmou em campanha – julgo que esta é a forma correcta de escrever a frase na novilíngua vigente.

Ninguém quis falar de política, de ideias, de convicções. A definição de interesse público e a forma de o defender estiveram em parte incerta durante toda a contenda eleitoral. A comunicação política foi propositadamente centrada em aspectos inócuos, já que a síntese “mulher, afrodescendente e gaga” nada nos diz sobre a experiência, a competência e o discernimento da pessoa para o exercício de funções públicas. Por isso, exigir à deputada e ao partido coisa diferente é injusto.

A manifestação das Forças de Segurança

por Diogo Noivo, em 21.11.19

imagemPublico.jpg

 

Por dever de um ofício passado, dialoguei e negociei diariamente com os sindicatos da PSP e com as associações profissionais da GNR ao longo de quase três anos. Terminadas essas funções, o respeito que tinha pelas Forças de Segurança transformou-se em profunda admiração.

Sei que muitas das reivindicações que estão na base da manifestação de hoje são inteiramente justificadas. Falta de material e de equipamento, postos e esquadras em condições deploráveis, e insuficiência de efectivo em algumas zonas do país são queixas com basto fundamento. Sei também que nenhum governo português terá capacidade financeira para colmatar os problemas existentes, uma dificuldade muito agravada pela calamitosa gestão do actual Executivo na área da Administração Interna.

Dito isto, há quatro aspectos que têm sido convenientemente esquecidos pelas estruturas sindicais e que, salvo raríssimas excepções, a comunicação social não percebe (honra seja feita ao Diário de Notícias, que por sistema aborda os temas relacionados com as Forças de Segurança com a atenção e profundidade devidas).

 

1. Carreiras e remunerações. Ao longo de décadas, os sucessivos governos – de esquerda e de direita – foram incapazes de aumentar os salários na PSP e na GNR de forma estruturada porque isso implicaria redesenhar por completo a organização de carreiras e de categorias profissionais, uma caixa de pandora que ninguém quer abrir. Em compensação, criaram-se subsídios e foi-se aumentando o seu valor – subsídio de patrulha, subsídio de operações especiais, subsídio de binómio cinotécnico, subsídio de fardamento, etc. Em resultado, entre 20% e 50% da remuneração mensal de um elemento das Forças de Segurança depende de subsídios, que são variáveis, o que faz com que uma parte importante dos polícias e dos militares da GNR não saibam ao certo quanto ganham por mês. Em síntese, em vez se de pensar as remunerações de maneira racional e sustentável, optou-se por ir colocando remendos. A alteração deste estado de coisas é onerosa, mexe com interesses corporativos e, por isso, conta com a firme oposição de sindicatos e associações profissionais. Porém, se nenhum governo tiver a coragem de mexer neste aspecto, o problema continuará a agravar-se.

 

2. O valor político dos subsídios. Na época em que trabalhei no MAI, e apesar do programa de assistência financeira ao qual Portugal se encontrava sujeito, foi possível aumentar o subsídio de fardamento em 100%, passando de 25€ mensais para 50€. Este complemento salarial tem duas particularidades: está isento de tributação fiscal; e, não obstante se designar “de fardamento”, pode ser usado para qualquer fim, sendo por isso parte do salário. Na altura, foi proposto aos representantes sindicais a alternativa de ser o Estado a fornecer o fardamento, o que naturalmente implicaria o fim do dito subsídio. Sem surpresa, os sindicatos não aceitaram a proposta, entre outras razões porque a manutenção de subsídios lhes permite afirmar que o salário de muitos polícias ronda os 700€ (esquecendo-se de referir que este valor é o salário base) e, dessa forma, conseguir a simpatia da opinião pública para mais reivindicações.

 

3. A falta de efectivos. Há zonas do país onde faltam profissionais. Por outro lado, os poucos que estão ao serviço têm mais de 45 anos de idade. É a mais absoluta das verdades. Contudo, esquecem-se habilmente os sindicatos e as associações profissionais que parte do problema se deve à alocação de recursos humanos, em particular aos milhares de elementos da PSP e militares da GNR que se encontram em funções de apoio operacional (vulgo ‘funções administrativas’ ou 'de secretaria'). São funções cobiçadas, desde logo porque, em regra, decorrem em horário de expediente, não implicando por isso a realização de turnos penosos. Os representantes sindicais não o referem porque têm associados a desempenhar funções de apoio operacional, que obviamente desejam manter. Uma melhor alocação de recursos não resolverá a falta de pessoal – até porque há funções administrativas que só podem ser realizadas por gente da PSP e da GNR –, mas ajudaria bastante a mitigar o problema.

 

4. O aparecimento Movimento Zero. Criado há não muito tempo por profissionais da PSP e da GNR, não tem liderança nem porta-vozes. É aquilo a que agora se chama ‘movimento inorgânico’. Teme-se que nas suas fileiras haja gente de extrema-direita e indivíduos apostados em desestabilizar as Forças de Segurança.

Em Julho deste ano, membros do Movimento Zero viraram as costas ao Ministro da Administração Interna e, mais grave, ao Director Nacional da PSP numa cerimónia pública. Julgo que foi a primeira vez que tal aconteceu. Dada a natureza hierárquica das Forças de Segurança e o espírito de corpo que as caracteriza, foi um gesto muito sério. A classe política – governo e partidos da oposição – foi incapaz de perceber a seriedade do acontecimento. Salvo honrosas excepções, a comunicação social noticiou o sucedido com a mesma atenção com que informa sobre a ocorrência de um acidente rodoviário.

Não sei o que é o Movimento Zero nem quem o conduz. É o resultado da profunda insatisfação que existe nas Forças de Segurança, agravada pelo alheamento do actual governo. Mas, não menos importante, é fruto da ineficácia dos sindicatos e das associações profissionais: até há bem pouco tempo, a PSP tinha 12 sindicatos e a GNR pelo menos cinco, mas juntos não representavam metade do efectivo. Não me surpreende que tenham sido ultrapassados por um grupo sem rosto que ninguém controla. O inenarrável André Ventura e o PNR tentam apanhar boleia do Movimento, no qual suspeito que têm apoiantes. Mas aposto que o Movimento Zero não se deixará capturar por interesses partidários, com tudo de bom e de mau que daí resulta.

 

São muitos os problemas em causa, alguns complexos e antigos. Por incapacidade dos vários governos e por resistência dos sindicatos e associações profissionais, o que eram pequenas dificuldades transformou-se em desafios graves e prementes. Porque não vejo quem seja capaz de inverter a marcha, creio que a manifestação de hoje é apenas o início de algo que veio para ficar.

A inveja é o desporto nacional

por Pedro Correia, em 21.11.19

image[1].jpg

 

Ao contrário do que muitos supõem, o maior desporto nacional não é o futebol: é a inveja. Pura e dura.

Como os comentários lidos e ouvidos nas últimas 24 horas sobre a ida de José Mourinho para o Tottenham confirmam, uma vez mais.

"Barco Negro"

por Cristina Torrão, em 31.10.19

Barco Negro.jpg

 

Depois de ter postado aqui sobre os “Portugal-Krimis”, ou seja, livros policiais situados em território português, mas escritos por alemães, houve um escritor, com pseudónimo Mario Lima, que se manifestou nos comentários. Este autor alemão vive há vários anos no Minho com a mulher e três gatos e dedica-se à produção (em pequena escala) de vinho verde tinto.

Fiquei curiosa quanto aos seus livros, não só por ter trocado impressões com ele, como por ele os situar no Porto, uma cidade que me diz muito. Nasci em Castelo de Paiva, vivi muitos anos em Vila Nova de Gaia e licenciei-me na Universidade do Porto. A personagem principal dos dois livros de Mario Lima é o inspector Fonseca, da PJ do Porto.

Li o primeiro, Barco Negro, inspirado no lindíssimo fado homónimo de Amália Rodrigues (no link indicado, pode ouvir-se a versão original e a cantada por Mariza). Trata-se de um enredo bem construído e uma leitura que entretém, mantendo o leitor em suspense. Não há dúvida de que Mario Lima conhece bem o Porto e Matosinhos e consegue transmitir a atmosfera dessas duas cidades, pelo menos, no Inverno. Este foi um aspecto que apreciei particularmente. Ainda não li mais nenhum destes “Portugal-Krimis”, mas sempre imaginei que os autores falassem muito do sol e das praias.

Pois bem, a acção de Barco Negro decorre de início de Novembro até Janeiro do ano seguinte, ou seja, em plena estação fria e cheia da chuva. A história inicia-se debaixo de uma chuva torrencial, que atrapalha o trabalho dos investigadores da PJ, quando surgem dois cadáveres em Perafita, Matosinhos. Embora haja dias de sol pelo meio, o frio não deixa de nos perseguir durante todo o livro, havendo inclusive uma cena passada perto de uma casa de montanha, na zona de Montalegre, com temperaturas abaixo de zero. Pois, isto também é Portugal! Achei igualmente interessante alguma referência ao tempo da ditadura e à PIDE.

Entre os investigadores da PJ, encontra-se uma jovem estagiária, psicóloga, que, na verdade, chega a roubar protagonismo ao inspector Fonseca, perguntando-se o leitor quem será, afinal, a personagem principal. Enfim, o inspector Fonseca é o único que vem mencionado na capa dos dois livros. Não sei como é no segundo, Tod in Porto (Morte no Porto), mas, na minha opinião, se Mario Lima pretende criar um inspector carismático para a sua série de policiais, vai ter de se dedicar mais ao Fonseca e refrear a sua “paixão” pela bonita e sexy Ana Cristina.

Infelizmente, o livro só existe em língua alemã e eu recomendaria a sua tradução. Se há algo que aprecio em obras destas, é a nossa imagem vista por alguém de fora. Por isso, não resisto a traduzir uma pequena passagem da página 265. O cenário é um hipermercado em vésperas de consoada natalícia:

«Na secção do peixe, encontravam-se quantidades extra de bacalhaus empilhados sobre mesas. Escolher o bacalhau certo para a consoada não era resolução para tomar de ânimo leve. Todos se aglomeravam à volta das mesas, cada qual o melhor especialista na matéria. Um bacalhau assim, salgado e seco, não devia ter uma cor muito esbranquiçada e também a consistência era importante: fosse ele mole demais, não servia. As pessoas pegavam nos bacalhaus e vergavam-nos, de olhar crítico. Era aquele o certo? A maior parte dos peixes acabava por ser novamente atirada para a pilha. Não haveria melhor? Casais mais velhos entreolhavam-se preocupados, abanando a cabeça. “Não valem nada”. Uma velhota baixinha desconfiava que os melhores estavam escondidos bem lá no fundo. Resoluta, arrancava um bacalhau a seguir ao outro do fundo da pilha, atirando-os para cima do monte, examinando cada um deles de testa franzida. Nada, mais uma vez. Venha o próximo!»

Notas breves sobre a noite eleitoral

por Diogo Noivo, em 07.10.19

1. Ao contrário do que foi dito por António Costa, os portugueses não gostam da geringonça. Os portugueses gostam do PS. Os socialistas reforçaram o seu respaldo eleitoral, mas o Bloco de Esquerda perdeu mais de 57.000 votos e a CDU mais de 115.000 (um desaire colossal). Ver nestes resultados um triunfo da geringonça é um delírio.

Captura de ecrã 2019-10-07, às 10.26.33.png

fonte: SGMAI

 

2. O resultado do PSD é inenarrável. Pior só mesmo o discurso de Rui Rio. O Pedro Correia já aqui disse o essencial sobre o assunto.

 

3. Mais do que um mau resultado, o CDS pode ter iniciado o princípio do fim. A próxima liderança será determinante.

 

4. Dos pequenos partidos que entram o parlamento, o mais votado foi o Chega, ainda que por margem diminuta. É favor abrir os olhos. A culpa não é dos eleitores, frequentemente acusados de incultura quando partidos desta natureza chegam aos parlamentos (aliás, olhando para a votação por grau de escolaridade, o campeão junto daqueles que menos formação têm será o PS). Os eleitores têm sempre razões atendíveis e importa compreendê-las.

 

5. A Tunísia também foi às urnas ontem. Tem cerca de 11 milhões de habitantes e 7 milhões de eleitores. Portugal tem mais ou menos a mesma população e mais de 10 milhões de eleitores. Um destes países tem um Ministério para a modernização administrativa.

Cancro da Mama

por jpt, em 03.10.19

soc.jpg

[Cartaz da exposição* que decorre desde anteontem, 1.10, no Instituto Português de Oncologia do Porto. Página no Facebook, com as fotografias e os textos da exposição, estes últimos da autoria de artistas musicais e escritores. Grupo no Facebook aberto a quem queira escrever sobre as fotografias, sob o mote "movimento de empatia"]

No átrio da ala do cancro da mama, no I.P.O. do Porto, estão expostas dúzia e meia de fotografias. Os modelos são homem e mulheres que disso padecem. Sem rebuços, surgem com as suas amputações, como agora vão, mostrando-se na sua beleza, a de cada um, o quinhão dela que a cada um de nós coube, maior ou menor consoante quem nos vê e como nos olha. E na formosura da imensidão da força que denotam e da esperança com que nos reconfortam.

Propõe o projecto que cada um faça o seu "exercício de empatia" escrevendo algo - ou pensando algo, presumo eu. Hesito, procuro o tom, esse que poderá parecer adequado, o do sentimento, fraterno/amoroso, talvez aposto em vestes de requebros poéticos, abraçando com palavras o camarada homem, e sendo algo mais caloroso, até aprisionado pelo atrevimento próprio àquela toxicidade que agora vem sendo denunciável, com as camaradas mulheres. Assim louvando-lhes a coragem, celebrando-lhes a beleza, nada idealizada mas sim esta, óbvia, do tal qual estamos neste agora. Talvez até, distraindo-me, elevando uma ou outra, ou mesmo o conjunto, a arquétipo. Esse que falso, é óbvio, pois ali estão apenas indivíduos. Belos, corajosos. Desejáveis. Seguiria eu então para um ensaio (antropológico) sobre a constituição do desejo?, um poemaço romântico? uma narrativa erótica?, uma qualquer-coisa assim ficcionando sentimentos?

Mas eu não sou esse tipo. Pois vejo as fotografias e vivo outras histórias, menos poetizáveis, até menos narráveis. E é essa minha empatia, rude, descelebratória, que me ocorre. Pois surge-me Sousa, o cidadão presidente, no seu constante "somos os melhores do mundo". E concordo. Pois, dizem-me, somos nós, portugueses, os campeões europeus do divórcio com as mulheres com cancro da mama. Seguimos nº 1 do ranking,  mais de 60% ... Implacáveis seguimos, nisso competentes. Vem o cancro às nossas mulheres? Partimos para outras. Tratamentos? As unhas macilentas, quebradiços os dentes, corpos engordados com os químicos, ancas alargadas, nem um pêlo para amostra, da vagina à cabeça, que aos de abaixo pouco prezamos, olhos baços, e nem falo do medo, quantas vezes até desespero, dos padeceres que nem imagino, dos temores de desacompanhar os filhos, quando os há, tudo isso tão pouco apelativo? E ainda por cima cortam-lhes as nossas tão queridas mamas, a uma ou mesmo às duas? E ainda para mais arrancam-lhes o útero? Nisso tudo durante tempo mulheres sem desejos, vontades? Não foi isto que contratualizámos. Ficou danificada?, vamos para outras. Nisso, nessa mobilidade, nesse verdadeiro empreendedorismo, seguimos "Os melhores da Europa", competentes. E isto vai assim em todos os estratos, "acontece nas melhores famílias". E há bónus, não acaba aqui. Que há quem não se separe, que isto do divórcio empobrece - e de que maneira, como o afiançará quem por ele passa. E assim, conta quem sabe, tantas são as mulheres do cancro da mama, essas durante temporadas menos atreitas ao sexo, menos belas, e, se calhar pior do que tudo, menos airosas como fadas do lar, que às mágoas da doenças juntam as marcas das agressões, as dos "apenas" dichotes e as das verdadeiras pancadas dos extremosos maridos. E isto já não entra para o "ranking".

É esta a minha "empatia". Antipatizando, imenso, com o meu à volta. Compatriota.

*Fotografados / Textos: Telma Feio / Samuel Úria; Susana Neto / Fernando Ribeiro (Moonspell); Susana Cunha / The Legendary Tigerman; Sandra Gil / João Gil; Rute Vieira /  Rita Redshoes; Lourdes Pereira / Ricardo Ramos, Beatriz Rodrigues (The Dirty Coal Train); Paula Pereira / Jorge Benvinda, Nuno Figueiredo (Virgem Suta); Maria Maria / Olavo Bilac; Lucinda Maria Almeida / Jorge Palma; Ivete Oliveira / José Cid; Cristina Filipe Nogueira / António Bizarro; Carla Sofia Henriques / Alice Vieira; Ana Bee / Suzi Silva; Joana Barros / Ana Isabel Pereira; Agostinho Branco / Lena d'Água

 


O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D