Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Delito de Opinião

Listas VIP dos tempos de Sócrates e Pinto Monteiro

José António Abreu, 25.03.15

«No tempo do Dr. Pinto Monteiro, quem tinha processos mediáticos, como regra, acabava com um processo disciplinar», afirma. «Com este tipo de atitude não havia grande incentivo para investigar pessoas poderosas.»

António Ventinhas, presidente do sindicato do Ministério Público. Noutros tempos - desculpem-me o trocadilho primário -, iam-lhe às ventinhas.

Coincidência

Pedro Correia, 05.12.14

Sabe-se agora, pelo relato cronológico dos factos contido no acórdão do Supremo Tribunal de Justiça que indefere o pedido de habeas corpus, que o despacho do juiz Carlos Alexandre a determinar a detenção de José Sócrates teve data de 18 de Novembro. A mesmíssima terça-feira em que o ex-primeiro-ministro se reuniu num almoço "completamente inocente" com o antigo procurador-geral da República, Fernando Pinto Monteiro. "Uma coincidência desagradável", como já reconheceu Pinto Monteiro, garantindo ter sido esta a primeira vez que "almoçou a sós" com Sócrates, que logo após o repasto se ausentou de Lisboa rumo a Paris.

Há sempre uma primeira vez. Mas tantos dias tem o ano - e há tantos anos que ambos se conhecem - e logo haviam de marcar este almoço inaugural para aquela terça-feira tão atribulada...

Acredite nesta coincidência quem quiser. Eu já deixei há muito tempo de prestar tributo ao Pai Natal. 

Sem perdão

Rui Rocha, 26.11.14

Pinto Monteiro, antigo Procurador Geral da República, almoçou com José Sócrates em vésperas de ter sido ordenada  a sua detenção. De acordo com Pinto Monteiro, falaram de viagens e livros. Foi, disse, uma conversa inocente. O mesmo termo - inocente - foi utilizado por Strawberry Alice para descrever William Munny (Clint Eastwood) em Unforgiven, depois de Little Bill Dagget lhe ter dado um arraial de porrada: you just kicked the shit out of an innocent man. Pena que nenhum jornalista se tenha lembrado de perguntar a Pinto Monteiro o que Little Bill Dagget respondeu, naquela ocasião, à prostituta: inocente de quê?