Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.11.18

Em 23 destaques feitos pelo Sapo em Outubro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 21 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Complicar o que é simples (60 comentários, segundo mais comentado do dia)

Aznavour (1924-2018) (20 comentários)

Estátuas dos nossos reis (37) (22 comentários)

Bolsonaro e Trump (52 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Palavras para recordar (40) (30 comentários)

Após um momento #metoo (2) (48 comentários)

Saramago e o Portugal de sempre (28 comentários)

Após um momento #metoo (7) (24 comentários)

Dentinho (45 comentários, terceiro mais comentado)

Após um momento #metoo (final) (59 comentários)

A CP no seu melhor (25 comentários)

Estátuas dos nossos reis (52) (32 comentários)

Os beijos dos mais-velhos (88 comentários, o mais comentado do dia)

Estátuas dos nossos reis (54) (26 comentários)

Trova ao vento que passa (1) (34 comentários)

Trova ao vento que passa (2) (52 comentários)

Calam e consentem (96 comentários, o mais comentado do dia)

Trova ao vento que passa (3) (30 comentários)

Cristas e o Brasil (112 comentários, terceiro mais comentado)

Destituição? (185 comentários, o mais comentado do dia)

A derrota do jornalismo (76 comentários, terceiro mais comentado)

 

Com um total de 1170 comentários nestes postais. Da autoria do João André, do JPT, da Teresa Ribeiro e de mim próprio.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A culpa é de Bolsonaro

por Pedro Correia, em 28.10.18

Um recorde acaba de ser batido aqui no blogue. Concretamente, um recorde de comentários. O texto do JPT intitulado A propósito de Bolsonaro supera o anterior marco, congregando 386 comentários. E ainda com tendência para crescer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 30.09.18

Em 20 destaques feitos pelo Sapo em Setembro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 15 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Estátuas dos nossos reis (9) (22 comentários)

Estátuas dos nossos reis (11) (26 comentários)

Deve haver algo errado (56 comentários, o mais comentado do dia)

Ser de esquerda ou de direita (24 comentários)

A Hungria e o social-fascismo (30 comentários)

Estátuas dos nossos reis (20) (34 comentários)

Estátuas dos nossos reis (22) (30 comentários)

Estátuas dos nossos reis (23) (24 comentários)

Um país de opereta (23 comentários)

Estátuas dos nossos reis (25) (24 comentários)

Sem rodeios (68 comentários, o mais comentado do dia)

A diferença entre "legítimo" e "asséptico" (37 comentários)

Pensamento da semana (46 comentários, terceiro mais comentado do dia)

A Uber agradece (36 comentários)

Chamar as árvores pelos nomes (62 comentários, terceiro mais comentado)

 

Com um total de 552 comentários nestes postais. Da autoria do JPT, do Luís Menezes Leitão, do Diogo Noivo e de mim próprio.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 05.09.18

Em 23 destaques feitos pelo Sapo em Agosto, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 16 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

O bloco imutável (45 comentários)

Rapazes, lembram-se? (28 comentários)

A ralé (133 comentários)

Ao ir-me embora (67 comentários, segundo mais comentado do dia)

Marcelo no país que não tem voz (45 comentários, terceiro mais comentado do dia)

O combate aos incêndios de António Costa (19 comentários)

Dois meses e 300 e tal km depois (29 comentários)

Foi chato (40 comentários)

A minha bebida deste Verão (51 comentários, segundo mais comentado)

O idílio entre Rio e Costa (43 comentários, o mais comentado do dia)

À atenção dos eucaliptófobos (38 comentários)

Pensamento da semana (16 comentários)

Quando não existe fogo, o fumo é notícia: gera cliques na mesma (45 comentários)

Agosto em Lisboa (40 comentários)

Pouca terra e pouca vergonha (18 comentários)

Estátuas dos nossos reis (1) (28 comentários)

 

Com um total de 685 comentários nestes postais. Da autoria do JPT, do João Pedro Pimenta, do Fernando Sousa, do João Campos e de mim próprio.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 03.08.18

Em 22 destaques feitos pelo Sapo em Julho, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 18 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Abaixo de tudo (74 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Transparência na gestão autárquica (40 comentários)

Por estes rios acima (8) (24 comentários)

O corpo de bailarinos de Madonna (31 comentários, terceiro mais comentado)

A proposta do PAN (71 comentários, segundo mais comentado do dia)

O ópio do povo (38 comentários, terceiro mais comentado)

Terceiro-mundismo aeroportuário (15 comentários)

Trump e a Europa. (21 comentários)

Assis tinha razão (34 comentários)

O debate em curso no PS (44 comentários, segundo mais comentado)

O delírio (35 comentários)

A tradição ainda é o que era (21 comentários)

A vitória de Puigdemont (39 comentários)

Deputação (26 comentários)

Pensamento da Semana (73 comentários, terceiro mais comentado)

A culpa terá sido do eucalipto? (150 comentários, o mais comentado do dia)

A geringonça da hipocrisia (45 comentários, terceiro mais comentado)

Despejado com justa causa (60 comentários, terceiro mais comentado)

 

Com um total de 841 comentários nestes dezoito postais. Da autoria do Luís Menezes Leitão, do Luís Naves, do Diogo Noivo, do JPT, do Sérgio de Almeida Correia e de mim próprio.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

LER.png

 

“Não é só por via da violência que o terrorismo condiciona a sociedade. É também através da cultura. O terrorismo, em particular o de cariz nacionalista, actua em nome de uma comunidade alegadamente forjada por laços históricos, por vezes até genéticos, uma coletividade feita de valores e de traços culturais tidos como singulares. Por isso, a literatura especializada em violência política, apesar dos inúmeros debates que alimenta, é consensual sobre a necessidade que as organizações terroristas têm de apoio popular, pelo menos de um sector da sociedade que dizem representar. Esta adesão social não tem de se materializar em participação activa em acções violentas; basta que se resuma à aceitação do quadro de valores e ideias que a organização defende. Se assim não for, todo o ideário do terror é insustentável e, consequentemente, a vida da organização curta. Logo, parte importante da estratégia de um grupo terrorista – e de estruturas associativas que porventura tenha como satélites – é dedicada à criação e difusão de símbolos maniqueístas de vitimização, de memórias históricas e de preceitos culturais com o objectivo de tornar a sua identidade mais saliente e distinta. (...)

Por tudo isto, combater as subculturas do terrorismo, as que o fomentam e as que dele resultam, é tão importante para a reposição da liberdade e para a recuperação da convivência em sociedade como o combate à violência nos planos jurídico e policial. Esta conclusão levou o escritor Fernando Aramburo, em entrevista ao El País em Setembro de 2016, a alertar para o facto de que a derrota literária da ETA continua pendente. A entrevista teve como mote a publicação de Patria, o seu mais recente romance, o terceiro livro que o autor dedica aos efeitos da violência etarra no País Basco. (...)

Sem relativizar ou equiparar atitudes que exigem apreciações morais e políticas diferenciadas, Fernando Aramburo reúne as duas faces da sociedade para demonstrar como o terrorismo e o ideário que o sustenta a dilaceraram.”

 

Excertos do ensaio que escrevi sobre o papel da cultura no combate ao terrorismo, tendo como base a ETA e o romance "Pátria", de Fernando Aramburu. Na revista LER, edição Primavera 2018.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.07.18

Em 21 destaques feitos pelo Sapo em Junho, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 17 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Adeus Camões, olá "camones" (46 comentários, segundo mais comentado do dia)

Indignação aposentada (34 comentários)

Frank Carlucci (1930-2018) (100 comentários)

A glória póstuma do assassino (58 comentários, terceiro mais comentado do dia)

E tudo vai bem (22 comentários)

Os "inimigos" (62 comentários, terceiro mais comentado)

Pensamento da semana (34 comentários)

Anúncio (25 comentários)

Convidada: MARIA GRACE (20 comentários)

'Melting pot' à portuguesa (58 comentários, segundo mais comentado)

A literatura sobrevive a tudo (32comentários)

Um país onde se lê pouco e mal (74 comentários, segundo mais comentado)

Uma coutada do "macho ibérico" (86 comentários, terceiro mais comentado)

Excelência (16 comentários)

Portugal, modelo de generosidade (47 comentários, terceiro mais comentado)

Da iliteracia em Portugal (34 comentários, terceiro mais comentado)

Um travão contra o populismo (28 comentários)

 

Com um total de 776 comentários nestes vinte postais. Da autoria do Luís Menezes Leitão, do Rui Rocha, do Luís Naves, da nossa convidada Maria Grace e de mim próprio.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.06.18

Em 23 destaques feitos pelo Sapo em Maio, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 20 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Quase a bater no fundo (64 comentários, o mais comentado do dia)

O nosso livro (4) (16 comentários)

Só podia ter acabado como acabou  (38 comentários)

Vestais ofendidas aos gritinhos (46 comentários)

José Sócrates e a sua gente (109 comentários, o mais comentado do dia)

Palavras para recordar (35) (26 comentários)

Palavras para recordar (36) (30 comentários)

Ferindo a democracia (62 comentários)

Primavera chuvosa (34 comentários)

Rio deixa marca na testa do PSD (24 comentários)

Isto era tudo para "branquear" (22 comentários)

Idolatria (20 comentários)

A perlenga (34 comentários)

Pensamento da semana (34 comentários)

A hipocrisia da esquerda (63 comentários, terceiro mais comentado)

Pintores sem prazo de validade (36 comentários)

Consequências da época estival (39 comentários)

Pensamento da semana (34 comentários)

Direitos inalienáveis...? (49 comentários)

Quem deu a táctica ao PSD (42 comentários)

 

Com um total de 758 comentários nestes vinte postais. Da autoria do João Pedro Pimenta, do João André, do JPT, do Luís Menezes Leitão, do Diogo Noivo, do Sérgio de Almeida Correia e de mim próprio.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E vão seis

por Pedro Correia, em 15.05.18

20180428_103217-1-1.jpg

 

Vogais e Consoantes Politicamente Incorrectas do Acordo Ortográfico (Guerra & Paz, 2013)

Novo Dicionário da Comunicação (coordenação, Chiado Editora, 2015)

Presidenciáveis (Topbooks, 2015)

Política de A a Z (em co-autoria, Contraponto, 2017)

2017 - As Frases do Ano (Contraponto, 2018)

Delito de Opinião (colectânea em co-autoria, Bookbuilders, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (18)

por Pedro Correia, em 14.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Dos textos reunidos comecei pelos de quem já partiu. Um critério, como qualquer outro.

Brevíssimas páginas. A nossa eterna dúvida, quanto ao que poderia ter sido, ao que esteve talvez quase a acontecer (se não fosse...); as sufocantes e omnipresentes estupidez e pesporrência da administração pública, essa interminável e sempre perdida guerra imposta ao cidadão (ao "contribuinte" que é o que conta) português. Depois, em registo bem mais saudável - os outros, não o sendo, não podem ser nem esquecidos nem branqueados, Antero (ainda que fatalmente triste) e os Açores.

Não me arrependo deste começo de leitura.»

 

Do nosso leitor Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (17)

por Pedro Correia, em 13.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Super parabéns ao Pedro Correia e a todo o DELITO, pelo livro acabado de lançar, e que eu ainda não tenho, mas irei ter. Também pelo blogue, onde é visível o esforço de acompanhamento da actualidade política, bem como de outros temas mais específicos mas de interesse geral. Os textos são claramente opinativos, mas não se apoiam no insulto obsessivo, nem na desqualificação desrespeitosa de quem pensa diferente, ou de quem se enquadra noutras latitudes ideológicas, coisa frequente em vários “inferninhos” que proliferam na blogosfera. Agrada-me que o DELITO seja um espaço de vida inteligente, constituído por uma turma heterogénea que transporta diferentes olhares, estimulando nos frequentadores do blogue ângulos de reflexão diversos. Os comentários, frequentemente, contundentes, controversos e irónicos, são, porém, civilizados, sendo isso uma das pedra de toque do DELITO. É, obviamente, um dos meus blogues de referência.»

 

Da nossa leitora Fátima MP

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (16)

por Pedro Correia, em 12.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Conheço o Pedro Correia do muito que lhe tenho lido na bloga ao longo de, talvez mais, uma dúzia de anos. Certamente mais anos ainda, contabilizando o que já lhe lia nos jornais.
Isso basta-me para dizer que o conheço e que por ele tenho elevada estima que vai muito para lá de qualquer divergência ideológica ou política o que, aliás, nunca foi condição para que estabeleça laços de amizade.

Ontem voltei a encontrá-lo na Almedina do Saldanha na apresentação da primeira colectânea de textos do Blog Delito de Opinião e repetimos o abraço que há uns anos havíamos trocado quando me convidou para a apresentação de um livro da sua autoria sobre o (des)Acordo Ortográfico.

A bloga tem destas coisas e, principalmente, a bloga feita por pessoas que se respeitam nas concordâncias e nas divergências é um meio maior de civilidade e de cidadania.
Vamos para velhos, mas tal como disse o Pedro Correia no breve comentário (até na brevidade do discurso ele demonstrou ser boa gente), nunca seremos velhos do Restelo.

A toda a equipa do Delito deixo um abraço e, já agora, não deixem de comprar a colectânea escrita na linguagem escorreita que há muito nos habituou a trupe do Delito.» 

 

De Luís Novaes Tito, no blogue A Barbearia do Senhor Luís

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (15)

por Pedro Correia, em 11.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Já chegou ao meu cantinho.»

 

Da nossa leitora  Maria Araújo, no blogue Cantinho da Casa

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (14)

por Pedro Correia, em 10.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

Foi bom estar hoje reunido com a tribo "delituosa" na Livraria Almedina, em Lisboa, durante o lançamento do nosso livro DELITO DE OPINIÃO.

Foi óptimo encontrar nesta sessão gente amiga, que contribuiu para o nascimento da colectânea: entre outros, o Luís Novaes Tito, a Joana Santa Marta, o António Cochicho, o João Paulo Palha, o Gonçalo Silvestre. E poder abraçar o José Ribeiro e Castro e o António Rodrigues, que apareceram por lá. E o João Gonçalves, um dos pioneiros da bloga. E o Nuno Roby, o Paulo Carmona. E a Jonas, nossa generosa anfitriã do Sapo, que tão bem soube incentivar-nos quando o DELITO mal passava de projecto.

 

Dos autores da colectânea, estivemos quase todos: a Ana Vidal, a Francisca, a Leonor, a Teresa, a Cláudia, a Joana, o Adolfo, o Luís Naves, o Bandeira, o Zé Navarro, o Diogo e eu. Mais a Ana Lima e o João Villalobos, que também compareceram apesar de não terem textos neste (primeiro) volume.

Gostei de ouvir o nosso dinâmico editor, o Hugo Xavier, dirigir umas palavras iniciais ao auditório. E a Ana lembrar os tempos pioneiros do blogue, há quase dez anos (parece que foi anteontem...). E o Tiago Salazar, que aceitou o convite para apresentar o livro, enaltecer os debates que a blogosfera propicia - sobretudo quando combate o espírito de trincheira. Gostei também muito que tivesse elogiado o contributo para este livro do João Carvalho - um dos nossos da primeira hora, infelizmente desaparecido cedo de mais.

 

Postit-1-5_preview[1].jpeg

 Tiago Salazar, apresentador do livro

 

Falei breves minutos no final para destacar o clima plural que sempre reinou no DELITO, o protagonismo que fomos concedendo aos leitores - ao ponto de alguns deles se terem tornado autores - e a saudável convivência que mantivemos mesmo contra os Velhos do Restelo. Que diziam não ser possível fundar um blogue com gente tão diversificada, que garantiam que um projecto destes teria vida curta, que juravam ser impossível transformar textos de blogue em livro, que afirmavam peremptoriamente que o modelo de subscrição antecipada da obra seria um fracasso.

Enganaram-se em tudo. É sina dos Velhos do Restelo: confundem o seu eterno pessimismo com a realidade.

Bem fizemos nós: ignorámos o que diziam e seguimos em frente. Cá estamos.

 

Postit-1-2_preview[1].jpeg

 Durante o lançamento. Ana Lima, Ana Cláudia, Ana Vidal, Leonor, Francisca, Bandeira e eu

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Livros e blogues

por Diogo Noivo, em 10.05.18

thumbnail_Convite%20Delito_27%20abril-page-0[1].jp

 

Hoje é dia de apresentação do livro deste nosso, e vosso, DELITO DE OPINIÃO. São todos bem-vindos na livraria Almedina, no Atrium Saldanha (Lisboa), às 18h30. Tal como o Pedro Correia, conto estar meia hora mais cedo, no átrio central do edifício (junto ao piano), para conhecer e trocar ideias com todos os leitores que ali possam comparecer.

 

Porém, julgo que é de aproveitar este dia para falar num outro livro, de um blogger nosso vizinho: “Não Respire”, de Pedro Rolo Duarte. Este livro de memórias, que começou a ser escrito quando o autor descobriu que estava doente, discorre sobre 53 anos de vida e mais de 30 de jornalismo. O Pedro – só estive com ele duas vezes, mas fez sempre questão que o tratasse por tu – trabalhou o texto até Novembro de 2017, momento em que o sacana do cancro o levou. Segundo António Rolo Duarte, filho do Pedro e também nosso vizinho no Dorminhoco, o livro “fala muito sobre os amigos, a sua importância e o que eles trazem para a vida que mais nada traz. É livro muito positivo”. Positiva foi, aliás, a maneira como o Pedro recebeu este nosso DELITO em 2009, palavras simpáticas que constam na contracapa da antologia que hoje apresentamos no Atrium Saldanha. Como bem nota o nosso “timoneiro” Pedro Correia na introdução à antologia do DELITO, aqui fizemos sempre questão de citar os outros. Esta prática e atitude fazem parte do espírito da casa. Por isso, no dia em que lançamos o nosso livro, julgo fazer todo o sentido referir o livro de um vizinho estimado ao qual voltaremos sempre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (13)

por Pedro Correia, em 10.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«O DELITO DE OPINIÃO é um excelente blogue colectivo, com uma existência de quase uma década.

 
Para uma antologia de textos que decidiu agora publicar, o “Delito” convidou dois prefaciadores - Ferreira Fernandes e eu próprio - e um pósfaciador, João Taborda da Gama.
 
Eis aqui o meu texto, a que chamei “Palavras liminares”.»

 

 

De Francisco Seixas da Costa, no blogue Duas ou Três Coisas

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tomem nota: amanhã, às 18.30

por Pedro Correia, em 09.05.18

Convite Delito_27 abril-page-0 - Cópia.jpg

 

A sessão de lançamento do livro DELITO DE OPINIÃO realiza-se esta quinta-feira, pelas 18.30, na Livraria Almedina, situada no segundo piso do edifício Atrium Saldanha (Praça Duque de Saldanha), em Lisboa.

A obra será apresentada pelo escritor e jornalista Tiago Salazar.

Esperamos lá por vós.

Eu estarei meia hora mais cedo, no átrio central do edifício (junto ao piano), para autografar os exemplares de todos os leitores que contribuíram para esta iniciativa e possam ali comparecer. Aos restantes, a quem foi prometida uma dedicatória personalizada, terei todo o gosto de fazê-lo noutra ocasião - mesmo fora da capital - em local e data a combinar.

E a todos renovo os agradecimentos, em meu nome e dos restantes autores. Este livro é nosso. Mas é também vosso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (12)

por Pedro Correia, em 09.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«O livro do DELITO DE OPINIÃO chegou! Fico feliz por saber que o crowdfunding foi um sucesso e que o blog agora passou a livro.

Trazia consigo uns marcadores de livros todos catitas.

Vocês já receberam o vosso?»

 

 

Da nossa leitora Cátia Samora, no blogue Há Mar em Mim

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (11)

por Pedro Correia, em 08.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Já tenho o DELITO.
Agora é diferente.
Passo com os dedos sobre as palavras e sinto que também são minhas.
Obrigado.»

 

Do nosso leitor José Vieira

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (10)

por Pedro Correia, em 07.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Como ontem fiquei sem "Frases do ano", acabei por me virar para este livro que entretanto recebi na minha morada.

A introdução feita pelo Pedro Correia nesta antologia diz o essencial. As leituras futuras dirão obviamente o resto.

Será uma arte conseguir, em menos de 250 páginas, enfiar 17 autores de enorme talento e com textos tão diferentes e tão bons. A verdade é que conseguiram.

Desde que iniciei as minhas visitas ao blogue Delito de Opinião jamais deixei de, diariamente, o visitar. E algumas vezes de comentar.

Foi outrossim uma honra ter participado naquele espaço através deste texto.

Assim sendo, sinto-me deveras entusiasmado em iniciar a leitura desta antologia.

A gente lê-se por aí.»

 

Do nosso leitor José da Xã, no blogue Lados AB

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (9)

por Pedro Correia, em 06.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«O carteiro pode atrasar mas acaba sempre por aparecer, embora agora, na minha rua só duas vezes por semana, montado numa motorizada e sempre cheio de pressa.

Parabéns ao Pedro e restante autores. Confesso que não acompanho o DELITO com regularidade mas sempre que surge a oportunidade é com muito interesse que acompanho alguns postais e rubricas que por lá vão sendo produzidas, com muita qualidade e pluralidade, pelo que será com todo o gosto e prazer o tempo que dedicarei a ler ou a reler.

Na introdução, o Pedro escreveu algo que julgo ser também muito apropriado, pelo que vou citá-lo: "Uma forma de criar elos com outros, pensem como pensarem." Nada mais evidente no És a Nossa Fé, onde até os benfiquistas são bem vindos. (...)

Termino agradecendo aos redactores destes dois espaços pela força com que, gratuitamente, vão partilhando as suas ideias, opiniões e sentimentos com os leitores.

Cumprimentos, desde a Cidade-Berço.»

 

Do nosso leitor A. Alves

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (8)

por Pedro Correia, em 05.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Recebi ontem o meu. É muito bonito. Parabéns!»

 

Da nosso leitora Catarina Duarte

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (7)

por Pedro Correia, em 04.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Li prefácios, Introdução, posfácio e notas biográficas dos Autores.

(Re)li na íntegra, e ainda no patamar de entrada do prédio, local onde se encontram as caixas de correio:

- Tocante, Irrepetível, Perpétuo Amor, de Pedro Correia;

- Nove de Abril, de Ana Cláudia Vicente.

Curiosamente, ambas as releituras permitiram recuperar o que pensei por ocasião da primeira leitura.

 

Aproveito a oportunidade para agradecer a todos os autores a partilha que aqui fazem. É de uma inestimável generosidade.

 

Vou reler todos os textos com muito gosto.»

 

Da nossa leitora CAL

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (6)

por Pedro Correia, em 03.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Lidos os prefácios e o posfácio, elegantíssimos - e até grafados em bom português (em português, enfim), mesmo de quem isso menos se esperava -, fica deles, e ultrapassando a forma, a elegia. Uma espécie de resignação, de desenganada saudade perante um fim que se antevê e se sabe nada trazer de melhor.

Talvez seja apenas a (magnífica fórmula) "diligente prudência dos desiludidos" invocada no final do prefácio à recente edição d' O Mosteiro. Desiludidos que estejamos - que não com o blogue! - continuemos por aqui.

Todos os dias.»

 

Do nosso leitor Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (5)

por Pedro Correia, em 02.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Já recebi o meu exemplar! Já li talvez um texto de cada autor. Gostei do Ouro do Reno, do indomável Bogey, da casa de Saramago na Rua da Esperança... é bom poder ler assim, por autor, por texto, sem perder o fio condutor. Como qualquer bom leitor que se preze, a procura do que ou dos que mais nos apraz ler, apesar de inconsciente, é um facto e na realidade não desaponta, muito pelo contrário.»

 

Da nossa leitora Maria Dulce Fernandes

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (4)

por Pedro Correia, em 01.05.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«O melhor sentimento foi o de assistir a tanta gente inteligente que não estava a pedir licença para dizer o que pensava, violando as regras naturais da oligarquia de disseminação do pensamento publicado em Portugal, gente de várias proveniências e de vários destinos que se foi juntando para praticar, em co-autoria, um delito de opinião. Um delito a que todos na nossa liberdade devemos porventura mais do que ainda agora reconhecemos.»

 

Do posfácio de João Taborda da Gama, intitulado "A Malta dos Blogues"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.05.18

Em 21 destaques feitos pelo Sapo em Abril, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesse dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 16 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Algumas canções da minha vida (26 comentários)

Quando os analfabetos imperam (26 comentários)

Os novos censores andam aí (7) (38 comentários)

'Chic' espertismo (40 comentários)

Calinada "cultural" (46 comentários)

Pensamento da semana (42 comentários)

De mãos dadas, cantando e rindo (44 comentários)

"Cair como uma bomba" (48 comentários)

O meu vizinho Canetti (26 comentários)

Pelo poder catalão... em Madrid (46 comentários, o mais comentado do dia)

Como foi possível? (60 comentários, segundo mais comentado do dia)

Todo está atado y bien atado (92 comentários, o mais comentado do dia)

Cicuta (44 comentários)

25 de Abril, a reflexão (38 comentários)

Com franqueza, já cheira mal (42 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Mais um dia em silêncio (40 comentários, terceiro mais comentado)

 

Com um total de 698 comentários nestes dezasseis postais.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (3)

por Pedro Correia, em 30.04.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Com algumas excepções, verifico que o "Delito" é escrito por gente de uma geração bem diferente da minha, creio que, na maioria, já oriundos de experiências anteriores na blogosfera. Para quem, como eu, tinha voltado a viver fora de Portugal, neste caso há mais de uma década, o "Delito", até pelo seu saudável hábito de citar e fazer links para outros blogues, sempre funcionou como uma janela sobre um país digital que me era alheio.»

 

Do prefácio de F. Seixas da Costa, intitulado "Palavras Liminares"

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (2)

por Pedro Correia, em 29.04.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

«Gosto de lugares de encontro onde se cruzam maduros que, sobre o processo de secessão da Catalunha, têm a opinião correcta, por acaso a minha, com outros de opinião oposta (como é possível?!). Gosto de um tuga que andou por Moçambique a indignar-se com o esquecimento a que foi votado o angolano Ruy Duarte de Carvalho, por acaso nascido português. E gosto de uma mulher que, tendo lá em casa uma dor, não fez dela uma dor, nem um troféu, fez uma filha com réplicas marotas.»

 

Do prefácio de Ferreira Fernandes, intitulado "Uma Forma de Ser Agradecido"

Autoria e outros dados (tags, etc)

O nosso livro (1)

por Pedro Correia, em 28.04.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

Ei-lo, enfim. Começou ontem a ser distribuído por todos os leitores que o reservaram e pagaram com antecedência. Tem 244 páginas, traz a chancela editorial da BookBuilders e resulta de um mecanismo de financiamento colectivo que contou com o apoio entusiástico de quem nos acompanha há vários anos - alguns mesmo do início, há quase dez anos.

 

É a nossa selecção de textos publicados no DELITO DE OPINIÃO desde a fundação, em 5 de Janeiro de 2009. Textos de todos os autores que entenderam participar nesta iniciativa - e passo a citá-los por ordem alfabética: Adolfo Mesquita Nunes, Ana Cláudia Vicente, Ana Vidal, Diogo Noivo, Francisca Prieto, Joana Nave, José Bandeira, José Gomes André, José Navarro de Andrade, Leonor Barros, Luís Naves, Patrícia Reis, Rui Rocha, Sérgio de Almeida Correia e Teresa Ribeiro. Além do João Carvalho, que infelizmente já não se encontra entre nós mas que entendemos homenagear por esta via, e de mim próprio.

 

Dezassete "delituosos" reunidos neste volume que - estou certo - agradará a quem já o adquiriu e por estes dias o receberá. E também a todos quantos poderão adquiri-lo, a partir de agora, em livrarias.

Uma edição enriquecida com prefácios de Ferreira Fernandes ("Uma forma de ser agradecido") e Francisco Seixas da Costa ("Palavras liminares"), e um posfácio de João Taborda da Gama ("A malta dos blogues").

 

Chegou. É nosso. E vosso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Reencontro com amigos no Chiado

por Pedro Correia, em 27.04.18

IMG-20180427-WA0003.jpg

IMG-20180427-WA0000.jpgimage[2].jpg

 

Confesso: ontem foi um dia para mim muito preenchido, com uma entrevista na Renascença a meio da tarde, em agradável diálogo com a Ana Galvão, uma das estrelas do nosso firmamento radiofónico. Depois com o lançamento do meu livro, na histórica Livraria Bertrand do Chiado, apresentado pelo Francisco José Viegas e pela Helena Matos (a quem agradeço as generosas palavras que me dedicaram). Finalmente, à noite, com a exibição no canal Q de uma entrevista no programa É a Vida, Alvim, à conversa com o Fernando Alvim, outro grande nome da nossa comunicação radiofónica - e televisiva.

O melhor foi mesmo o convívio ao vivo com bons amigos de várias etapas da minha vida pessoal e profissional que se deram ao incómodo de acorrer à Bertrand na sessão de apresentação de 2017 - As Frases do Ano, obra em que revivo todo o ano passado em mais de mil frases. Um ano que devemos rememorar por excelentes e péssimos motivos, como fiz questão de sublinhar na minha breve intervenção de ontem.

A quantos compareceram, e também aos muitos que me enviaram mensagens, aqui deixo um forte abraço de reconhecimento. Esperando que aqueles que já compraram o livro tenham dado por bem empregue tanto o tempo como o dinheiro. Pelo menos de frases - creio eu - ficaram bem servidos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Flagrante Delito com estreantes à mistura

por João Pedro Pimenta, em 24.04.18

Aos dezanove dias do corrente do ano da Graça de 2018, os membros do Delito reuniram-se em ambiente de obscura conspiração, em forma de um jantar no clássico e luminoso Café Império, sempre resistente aos chamamentos da vizinha igreja que se assenhoreou do ex-cinema o mesmo nome. O pretexto era a possibilidade de alguns membros da confraria se puderem estrear nestas conspirações imperiais, pelo que parte dos membros não pôde vir. Ainda assim, e com a anunciada vinda do João André dos Países Baixos, do José Pimentel Teixeira desembarcado há já uns tempos de Moçambique e dos escritor destas linhas quase directamente vindo do Porto, a coisa realizou-se.

 

Devo dizer que fui dos últimos a chegar e o primeiro a ir embora, por inadiável compromisso. Mas aquele convívio permitiu que em poucas horas se estabelecesse uma data de conversas, de uma incrível diversidade, que se cruzavam entre elas tornando difícil seguir uma e outra. Os escritos dos membros do Delito não são prosa para impressionar o leitor com o seu incrível conhecimento geral dos factos, mas produtos de reflexão, conversa e troca de impressões várias, como se podia comprovar ao vivo. 

 

Assim, e entre a chegada dos bifes da vazia (com maioria qualificada) e das cervejas que constantemente arribavam à mesa, falou-se na experiência na blogosfera e nos nossos fieis comentadores, aos quais qualquer dia teremos de endereçar convites para um convívio, caso queiram (pôs-se a possibilidade de alguns serem criações do Pedro Correia para estender e melhorar o nível de conflituosidade nos comentários); de como nos mantemos resilientes apesar do domínio das redes sociais; do início dos blogues e de como em determinadas situações foram trampolins para um maior mediatismo; de casos de perseguição obsessiva (stalking, não é?), incluindo o conhecimento do nosso paradeiro; mencionaram-se antigos jovens assistentes universitários e as suas actuais ambições políticas; falou-se de bola, com maioria leonina, e apostou-se em Jesus para substituto de Wenger no Arsenal.

 

Do lado onde me encontrava ouvi sobretudo as recentes impressões de Roma (algo desiludidas) do José Bandeira, ao qual asseguraram que Nápoles estava muito melhor que a capital, e dos mais harmoniosos percursos pela Toscana; as recordações de buscas arqueológicas da Ana Cláudia, com a velha discussão dos mármores do Pártenon levados por Lord Elgin e da defesa da civilização ocidental logo assumida pelo José Teixeira. Ressoaram também as opiniões jurídica abalizadas do Luís Menezes Leitão e as suas memórias de viagem ao gelo da Rússia, o percurso de vida do João André, que pelo meio o levou ao Delito, e de novo a defesa da civilização agora pelo José Navarro de Andrade. A distância  e os obstáculos sonoros ainda me impediram de ouvir melhor o Luís Naves e a Teresa Ribeiro. O Pedro coordenava o jantar e distribuía assuntos de conversa. Eu tentava ouvir um pouco de tudo e limitava-me a lançar algumas opiniões, na esperança de que tivessem algum impacto.

 

Ainda houve tempo para admirarmos, em primeira mão, e nas nossas mãos, o novo opus do Pedro - 2017 - As Frases do Ano - antes do lançamento oficial e que é um apanhado exaustivo e divertido de tudo quanto se disse no ano passado, arrumado de forma cronológica. Para a coisa ser melhor, faltou apenas o livro do próprio do Delito, que deve estar por dias.

 

Como disse atrás, tive de sair mais cedo do que seria desejável, ao mesmo tempo que o Luís. Não posso descrever o fim da conspiração, sendo certo que teria certamente valido a pena continuar caso pudesse. A desforra ficará para próxima reunião, previsivelmente à hora de jantar.

 

Jantar Delito Abr.2018.jpg

 

PS: a fotografia já tinha sido revelada antes, bem sei, mas além de não ter outra, acho que vale a pena ser exibida novamente. Os membros do Delito merecem-no.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fomos dez - e três em estreia

por Pedro Correia, em 21.04.18

20180420_224130-1.jpg

 

Juntámo-nos esta noite em mais um jantar de blogue. Como sempre temos feito no DELITO, desde há quase dez anos. O cenário escolhido voltou a ser o Café Império, em Lisboa. E o repasto contou desta vez com três estreantes: o João André (vindo da Holanda), o João Pedro Pimenta (que veio do Porto) e o José Teixeira (residente muito mais próximo, no bairro dos Olivais).

O relato há-de ser esmiuçado por um destes caloiros, embora já veteranos na escrita delituosa. Por agora fica só a notícia sintética, acompanhada pelo retrato de grupo com duas senhoras - nossas colegas muito estimadas.

A minuta segue dentro de momentos. Ou de dias, logo se vê.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E vão cinco

por Pedro Correia, em 14.04.18

20180414_084027-1.jpg

  

Vogais e Consoantes Politicamente Incorrectas do Acordo Ortográfico (Guerra & Paz, 2013)

Novo Dicionário da Comunicação (coordenação, Chiado Editora, 2015)

Presidenciáveis (Topbooks, 2015)

Política de A a Z (em co-autoria, Contraponto, 2017)

2017 - As Frases do Ano (Contraponto, 2018)

Autoria e outros dados (tags, etc)

250x[1].jpg

 

Chegou ontem às livrarias o meu mais recente livro, intitulado 2017 - As Frases do Ano. Um registo dos acontecimentos do ano passado (sem falhar um dia) em discurso directo. Com declarações de políticos, jornalistas, empresários, desportistas, escritores, actores, cantores, humoristas. Sem esquecer personalidades tão diversas como Madonna ou o Papa Francisco, que de algum modo marcaram também a actualidade portuguesa em 2017. 

Esta obra tem 262 páginas e é editada pela Contraponto. 

 

Aqui ficam algumas das frases recolhidas, só para vos abrir o apetite:

«Os portugueses são os nórdicos do século XXI.» (Marcelo Rebelo de Sousa)

«Mário Centeno é o Ronaldo do Ecofin.» (Wolfgang Schäuble)

«Nunca recebi dinheiro de ninguém.» (José Sócrates)

«Fiquei praticamente com o correspondente a dois salários mínimos.» (Ricardo Salgado) 

«Mariana Mortágua há-de ser ministra das Finanças.» (Francisco Louçã)

«O PS nunca mais vai precisar da direita para governar.» (Pedro Nuno Santos)

«Prefiro um enfarte à desilusão de o Benfica perder.» (Ricardo Araújo Pereira)

«Bardamerda para todos aqueles que não são do Sporting.» (Bruno de Carvalho)

«É extraordinário como gostamos de comer merda desde que seja açucarada.» (António Lobo Antunes)

«Os homens têm medo de mulheres livres.» (Isabel Moreira)

«É evidente que Nossa Senhora não apareceu em Fátima.» (Padre Anselmo Borges)

«Faz imensa falta uma primeira-dama em Belém.» (Maria Cavaco Silva)

«Que venha a chuva. Bom dia.» (Catarina Martins)

 

Espero que gostem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.04.18

Em 22 destaques feitos pelo Sapo em Março, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesse dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 15 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Penso rápido (88) (46 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Não, o PSD não pode dormir descansado (32 comentários)

Feminina, não feminista (79 comentários, segundo mais comentado do dia)

De Sidónio a Marcelo (42 comentários)

A igualdade é só para os outros (60 comentários)

Penso rápido (89) (38 comentários)

Os livros, as listas e nós (52 comentários, segundo mais comentado)

"Banho de ética" ameaça dilúvio (32 comentários)

Convites a rejeitar (31 comentários)

Os filmes, as listas e nós (50 comentários)

Uma detenção sem carpideiras (68 comentários, segundo mais comentado)

A importância da caligrafia (40 comentários)

Músicas de filmes, listas e nós (42 comentários, segundo mais comentado)

"Combatentes" (86 comentários, segundo mais comentado)

Negócios Estrangeiros (45 comentários)

 

Com um total de 744 comentários nestes quinze postais.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.03.18

Em 20 destaques feitos pelo Sapo em Fevereiro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesse dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 16 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Acima dos restantes cidadãos (40 comentários)

Os saudosistas da Censura (32 comentários)

O derrotado (24 comentários)

Procura-se (32 comentários)

Os novos censores andam aí (4) (68 comentários, segundo mais comentado do dia)

Os novos censores andam aí (5) (38 comentários)

O Luso-portuguesismo (45 comentários)

Estarei a "cometer um ilícito"? (47 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Frases de 2018 (11) (32 comentários, segundo mais comentado)

Rui Rio e o "novo PSD" (52 comentários, terceiro mais comentado)

O comentário da semana (20 comentários)

Faz falta ter generais com sorte (28 comentários)

Sermão ministerial a jornalistas (30 comentários)

Rio: a primeira valsa em Lisboa (26 comentários)

"Ser imparcial não é humano" (54 comentários, segundo mais comentado)

Rio de trapalhada em trapalhada (62 comentários)

 

Com um total de 630 comentários nestes dezasseis postais.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agradecimentos devidos

por Pedro Correia, em 26.02.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

Ao Luís Novaes Tito, à Catarina Duarte, à Gabriela, à Luísa, à Joana Marques, à Cátia Samora, ao Pedro Oliveira, ao António Agostinho, ao Filipe Nunes Vicente, ao Carlos Guimarães Pinto, ao  José da Xã, ao  Octávio dos Santos, ao  David Marinho, ao João Espinho, à Manuela Matos, ao Armando Palavras e ao nosso JPT no seu blogue pessoal.

 

A estes e a outros, na blogosfera e nas redes sociais, por ajudarem a promover e a divulgar a antologia DELITO DE OPINIÃO, editada em sistema de crowdfunding - espécie de mecenato em que os futuros leitores contribuem para que a obra se torne realidade.

E vai tornar-se mesmo, como ficou garantido. Com a ajuda de tão bons amigos e de muitos dos nossos leitores. Alguns dos quais já nos acompanham há nove anos, desde o início desta longa caminhada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

DELITO: o livro está a chegar

por Pedro Correia, em 22.02.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

Já é oficial, posso portanto escrever aqui a boa notícia: a antologia de textos do DELITO DE OPINIÃO vai tornar-se realidade no mês que vem. Isto porque conseguimos reunir um mínimo de 160 apoiantes desta edição que já reservaram e pagaram os seus exemplares. Prova de confiança redobrada num projecto editorial que agradará seguramente aos leitores. Tanto aos que nos acompanham desde o início, há quase dez anos, como àqueles que só mais recentemente passaram a seguir este blogue, como às pessoas que virão em sentido contrário, chegando ao blogue depois de lido o livro.

Na próxima semana darei mais novidades. Para já fica o registo de termos ultrapassado o próprio número inicial de adesões que estava programado ainda antes de concluído o prazo estabelecido, que era o fim de Fevereiro.

A todos quantos, na blogosfera e nas redes sociais, têm ajudado a promover e divulgar este livro, deixo um caloroso e grato abraço de reconhecimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É já para a agenda

por João Villalobos, em 16.02.18

FB-CoverPhoto-Terapias-v3.jpg

Quem não aparecer vai reencarnar como escaravelho da batateira, só estou a avisar. Livro à venda num Pingo Doce perto de si a partir do próximo dia 21.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 03.02.18

Em 13 destaques feitos pelo Sapo de 15 a 31 de Janeiro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesse dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu oito menções.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Só com um pano encharcado (78 comentários, segundo mais comentado do dia)

A acusação para censurar  (48 comentários)

Dois pesos e duas medidas (48 comentários)

Óscares: todas as nomeações (38 comentários)

Uma lição diária de optimismo (52 comentários)

O apedrejamento de Woody Allen (84 comentários, o mais comentado do dia)

Almas gémeas anti-Marcelo (50 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Guerrilha islâmica em Moçambique (22 comentários)

 

Com um total de 420 comentários nestes oito postais.

Fica o nosso agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sempre a somar

por Pedro Correia, em 28.01.18

Nos últimos cinco dias, registámos 24.020 visualizações aqui no DELITO DE OPINIÃO. Média: 4.804 visualizações diárias.

Prova inequívoca - mais uma - da atenção que os leitores nos manifestam. E da responsabilidade acrescida que isso nos traz.

Queremos continuar a retribuir-lhes, como merecem, ao longo de 2018 - o décimo ano de existência deste blogue. Que não é só de quem aqui escreve: é também de quem nos lê.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Relato de um jantar imperialista em modo autista

por João Villalobos, em 26.01.18

thumbnail_jantar%20delito%20jan%202018[1].jpg

 

Fui injustamente nomeado relator do jantar do Delito, que ainda decorre no Café Império, nesta altura em que escrevo do meu leito, qual Mark Twain. A minha saída logo após a sobremesa deveu-se ao facto de estar afónico, por um lado, e ao Alexandre Guerra ter pronunciado a frase "Houve uma coisa que há alguns anos ouvi o Pacheco Pereira dizer e tinha razão...", por outro. Nessa altura a mão tremeu-me, a mim que juro pela saúde do meu gato Beltrão que só bebi água o jantar inteiro. Falava-se de cultura, embora sem uma única menção à Supernanny. Temi ter dado um passo errado na carreira blogosférica ao imiscuir-me neste grupo de convivas.

Estavam onze homens e quatro mulheres, numa perigosa ameaça à paridade nos tempos que correm e entre as quatro constava a Ana Vidal, que levou um exemplar do seu mais recente livro, o qual se encontra à venda nas melhores livrarias (comprem-no!). Também se falou muito do livro do próprio Delito, que ainda não está à venda em livraria alguma (mas irá estar, depois de o comprarem também em modo crowdfunding). Consegui, a custo, perceber que terá um prefaciador e um pósfaciador e pouco mais, uma vez que o Luís Naves ao meu lado não parava de gritar que ele é que era o chefe da oposição neste blogue e iria tomar e assumir o poder, numa deriva alucinada em que incorporava o General Alcazar do Tintim em 'O Ídolo Roubado', enquanto o Alexandre Guerra e o José Navarro discutiam os limites da crítica literária nos jornais que nem um par de perigosos intelectuais bolcheviques.

Nessa altura, o Luís Menezes Leitão já tinha bazado para apanhar o seu avião até à Índia, mas não sem antes discutirmos o inevitável tema do alojamento local, contando com a participação bem informada do Adolfo que tentava debalde convencer-nos de que não escreve mais aqui porque não tem tempo.

Do outro lado da mesa, passaram-se igualmente diversas coisas dignas de menção e apreço mas que ignoro de todo, dado que, além de afónico, como nunca fui picado por uma aranha radioactiva não ouvi pevide.

O bife do lombo à Império estava tão macio quanto as minhas cordas vocais enervadas. As batatas deviam ser melhores. Os anónimos comentadores deste blogue idem. Bem feita não terem ido ao jantar, é para aprenderem. Se comprarem o livro do Delito...quem sabe, um dia...coiso e tal. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Olá cá estou eu

por João Villalobos, em 07.01.18

Eis-me de regresso à 'blogocoisa', anos passados. Em busca de um espaço de maior tranquilidade, mais reflexivo e, espero bem, mais construtivo do que o facebook ou o Twitter, aqui entre amigos, conhecidos e desconhecidos. Bati à porta desta casa e ela foi simpaticamente aberta pelo Pedro Correia, companheiro de outras lides e lutas. A ver vamos o que se seguirá e se terão paciência para me ler e aturar. "Conhecerás o futuro quando ele chegar; antes disso, esquece-o", já dizia o sábio Ésquilo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nove anos depois: vir para ficar

por Pedro Correia, em 05.01.18

c880a1f9fca5baad234912b70a9a4e17[1].jpg

 

Nascemos sob o signo do Capricórnio, como ficou sublinhado no momento inicial. Um signo do elemento Terra, com densidade e peso, apreciador da substância e da solidez.

Características que de algum modo conformaram este blogue desde o nascimento. Um blogue que veio para ficar e pegou de imediato: ainda a nossa primeira semana de vida não chegara ao fim e já tínhamos ultrapassado o milhar de leitores. Consulto as mais recentes estatísticas: nos quatro primeiros dias de 2018 superámos as 17 mil visualizações.

 

O que logo muitos prediziam naqueles dias pioneiros de Janeiro de 2009 estava certo: este não era um blogue como então havia tantos outros, de existência efémera e rasto irrelevante. Nem um blogue monolítico, com todos a remar para o mesmo lado.

Este pluralismo está aliás inscrito no nosso estatuto editorial: o DELITO DE OPINIÃO "acredita na diversidade de ideias, sem contemporizar com extremismos de qualquer espécie, e congrega autores oriundos de diferentes formações académicas, múltiplas áreas profissionais e várias zonas do País".

 

Sem delitos de opinião, portanto, este é um blogue onde mais de meia centena de autores já escreveram com regularidade. Um blogue onde quase três centenas de internautas de outros paradeiros vieram escrever, como convidados especiais. Hoje mesmo, com todo o gosto, recebemos mais uma convidada. Que, sendo de fora, não deixa de ser cá de casa.

Porque este foi um blogue que nunca receou a concorrência. Fizemos sempre questão de citar os outros: não passou um só dia sem mencionarmos alguém alheio a nós. Por isso mantemos com orgulho uma profusa lista de endereços de blogues na nossa aba lateral. Por isso criámos desde o início a rubrica Blogue da Semana. Por isso já estabelecemos aqui quase mil ligações directas, recomendando outras leituras, bem diversas da nossa. Por isso nunca perdemos a noção de que o País está muito longe de se circunscrever aos circuitos da capital: cá temos a rubrica De Portugal Inteiro para nos lembrar isso.

Convictos da nossa argumentação mas sabendo escutar os outros. Com ideias fortes mas sem espírito de trincheira. Assumindo opiniões com nome e rosto. Não pedimos licença para pensar como pensamos - e cada um pensa por si - mas mostrando abertura para acolher argumentos alheios. Daí outra rubrica permanente deste blogue: o Comentário da Semana, escolhido à vez por cada autor. Conscientes como estamos de que um projecto como este não faz sentido sem dar voz a quem nos lê.

 

"Primeira escolha da semana em 2009, um blogue novo, um sinal de renovação, ainda que os nomes envolvidos sejam quase todos eles de bloggers bem activos." Palavras do saudoso Pedro Rolo Duarte aos microfones da sua Janela Indiscreta. Foi um dos primeiros a saudar-nos com palavras de boas-vindas, abrindo o caminho a muitos outros. Palavras que nunca esqueceremos. E que nos deram ainda maior incentivo a prosseguir. Sem nunca mutilarmos consoantes: aqui escreve-se sem "acordo ortográfico".

Alguns pioneiros deste clã delituoso ficaram pelo caminho. O João Carvalho e o Joaquim Coutinho Ribeiro, companheiros da primeira hora, já cá não estão: serão sempre lembrados com saudade.

Felizmente outros foram chegando. Esta é hoje, como no primeiro dia, uma tribo irreverente e ruidosa, que nunca se toma demasiado a sério nem perde o sentido de humor. As caixas de comentários do DELITO, sempre muito frequentadas, são igualmente prova disso.

 

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

Temos um novo desafio pela frente, prestes a concretizar-se: a edição de uma antologia de textos deste blogue. É outra iniciativa só tornada possível pela grande adesão dos nossos leitores. Vocês, que estão desse lado, e que no fundo são como nós: emocionam-se e reflectem, umas vezes alegram-se e outras zangam-se, sabem apreciar tanto um livro como uma bebida ou uma paisagem.

Aqui continuaremos a encontrar-nos - hora a hora, dia a dia, mês a mês. Neste blogue, que é nosso mas também é vosso. No livro, a curto prazo. E na vida, que nunca deve confundir-se com realidades virtuais.

Emitindo opiniões sem delito.

Agora como no primeiro dia, faz hoje nove anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agradecimentos devidos

por Pedro Correia, em 01.01.18

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

Ao Luís Novaes Tito, à Catarina Duarte, à Gabriela, à Luísa, à Joana Marques, à Cátia Samora, ao Pedro Oliveira, ao António Agostinho, ao Filipe Nunes Vicente, ao Carlos Guimarães Pinto, ao  José da Xã, ao  Octávio dos Santos, ao  David Marinho, ao João Espinho e ao nosso JPT no seu blogue pessoal.

 

A estes e a outros, na blogosfera e nas redes sociais, por ajudarem a promover e a divulgar a antologia DELITO DE OPINIÃO, editada em sistema de crowdfunding - espécie de mecenato em que os futuros leitores contribuem para que a obra se torne realidade.

E vai tornar-se mesmo. Com a ajuda de tão bons amigos e de muitos dos nossos leitores. Alguns dos quais já nos acompanham há nove anos, desde o início desta longa caminhada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

divisao-mapa-de-portugal.jpg

O Pedro Correia reconvidou-me para blogar no Delito ... Avisei os amigos. Que me deixasse de bloguices, "acaba mas é o que estás a fazer", uma empreitada infindável, que me faz Penélope todas as noites. E dias. Não perceberão a coisa. Um tipo participa num sítio assim: está aqui, nesta imagem. Ao quase lado catalunham. E aqui diz-se isto desse catalonismo. E também isto, o seu invés. Digam que é auto-elogio (colectivo), que é mesmo. Pois como se pode resistir ao apelo de uma casa assim?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agradecimentos devidos

por Pedro Correia, em 19.12.17

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

Ao Luís Novaes Tito, à Catarina Duarte, à Gabriela, à Luísa, à Joana Marques, à Cátia Samora, ao Pedro Oliveira, ao António Agostinho, ao Filipe Nunes Vicente, ao Carlos Guimarães Pinto, ao  José da Xã, ao  Octávio dos Santos, ao  David Marinho e ao nosso JPT no seu blogue pessoal.

 

A estes e a outros, na blogosfera e nas redes sociais, por ajudarem a promover e a divulgar a antologia DELITO DE OPINIÃO, editada em sistema de crowdfunding - espécie de mecenato em que os futuros leitores contribuem para que a obra se torne realidade.

E vai tornar-se mesmo. Com a ajuda destes nossos amigos e de muitos dos nossos leitores. Alguns dos quais já nos acompanham desde o início, há quase nove anos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

DELITO de blogue a livro

por Pedro Correia, em 16.12.17

1507200652_9szAFaVeSNvwtbPn4Zc[1].jpg

 

 

«O DELITO DE OPINIÃO, um espaço que já se transformou numa referência da blogosfera portuguesa.»
Francisco Seixas da Costa, blogue Duas ou Três Coisas
(Agosto 2010)
 
«Dois anos de DELITO DE OPINIÃO, e é bem feito.»
Francisco José Viegas, blogue A Origem das Espécies
(Janeiro 2011)
 
«A melhor reportagem sobre os momentosos acontecimentos da escadaria do Parlamento, encontrei-a ontem num blogue, o DELITO DE OPINIÃO.»
Ferreira Fernandes, Diário de Notícias
(Novembro 2012)

 

Conforme já tinha anunciado, vamos reunir numa colectânea alguns dos melhores textos publicados no DELITO, por escolha exclusiva dos autores que entenderam participar neste projecto. Esta obra surge em resposta a vários apelos de leitores, que queriam passar a ler-nos também em livro. E assinala a entrada, para muito em breve, do décimo ano de existência do nosso blogue.

O sistema que adoptámos para tornar possível esta antologia, que terá cerca de 260 páginas e chancela editorial da Bookbuilders, é o da subscrição. Ou crowdfunding, como agora se diz em "português técnico". Isto implica a existência de um número prévio de leitores inscritos, fazendo reserva de exemplares, para que a obra entre no mercado.

Esperamos um número mínimo de 160 subscritores, que passam a figurar como "apoiantes do DELITO" nesta iniciativa que a partir de agora deixa de ser só nossa e se torna também vossa.

No momento em que escrevo estas linhas, aproximamo-nos dos cem aderentes. Mas queremos que apareçam mais, daí o apelo que faço àqueles que ainda não se inscreveram: podem fazê-lo a todo o momento na loja virtual da Bookbuilders, especificando quantos exemplares pretendem, através de três modalidades de pagamento. Assim garantem o acesso a esta nossa primeira colectânea. E abrem o caminho a que outras apareçam.

Falo por mim e pelos meus colegas aqui representados: todos esperamos que gostem tanto de nos ler em livro como já demonstraram gostar de nos ler em blogue.

Autoria e outros dados (tags, etc)

REGRAS DA CASA

por Inês Pedrosa, em 04.12.17

Cansada de perder o meu precioso tempo a responder a comentários de "Anónimos", detestando a prática da peroração sob camuflagem, seja essa opinião positiva ou negativa, informo que, de hoje em diante, não publicarei qualquer comentário anónimo aos meus posts. A democracia é linda, sobretudo porque não usa burka.  

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D