Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 04.05.20

Em 22 destaques feitos pelo Sapo em Abril, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 22 menções, fazendo assim o pleno ao longo do mês.

Incluindo seis textos na primeira posição, sete na segunda e dois na terceira.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Aprender como (não) se faz (28 comentários)

Jornais, jornalistas e relações fiduciárias (20 comentários)

Eanes exemplar (156 comentários, o mais comentado do dia) 

Diário do coronavírus (6) (100 comentários, o mais comentado do fim de semana)

Criminosos (40 comentários) 

Diário do coronavírus (7) (68 comentários, o mais comentado do dia)

Os doze mais infectados (86 comentários, segundo mais comentado do dia)  

Diz-me quem te elogia (46 comentários, segundo mais comentado do dia)  

Contra a pirataria (38 comentários, segundo mais comentado do fim de semana)

Diário do coronavírus (8) (114 comentários, o mais comentado do dia)

Da importância das lombadas (76 comentários, segundo mais comentado do dia)

Efeitos da pandemia (36 comentários, terceiro mais comentado do dia)  

Tábuas em vez de livros (38 comentários, terceiro mais comentado do dia)

De mordaça e cravo (76 comentários, segundo mais comentado do fim de semana)

A casta (84 comentários, o mais comentado do dia)   

Absurdo, chocante, inaceitável (72 comentários, segundo mais comentado do dia)

Plural masculino genérico (50 comentários, o mais comentado do dia)

"Então nós íamos mascarados para o 25 de abril?" (40 comentários)

Dia da Liberdade (158 comentários, o mais comentado do fim de semana)

Diário do coronavíru (9) (30 comentários)

A morte, essa perigosa socialista (94 comentários, segundo mais comentado do dia)

"No trates de escribir bonito" (24 comentários)

 

Com um total de 1474 comentários nestes postais. Da autoria do Diogo Noivo, do JPT, da Teresa Ribeiro e de mim próprio.

Fica o agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

História em 40 mil postais

por Pedro Correia, em 17.04.20

21323797_uBblq.png

 

O próximo que aparecer depois deste será o postal número 40 mil do DELITO DE OPINIÃO. Um número redondo que merece ser assinalado. Significa que temos publicado, em média, quase quatro mil por ano - desde vídeos e fotografias a pequenos contos, crónicas, textos satíricos, prosas memorialísticas e quase-ensaios sobre os temas mais diversos, identificados em larga medida no tríptico que nos serve de mote desde o primeiro dia: política-cultura-quotidiano.

Muitos retalhos da história do País e do mundo ficam documentados nestas 40 mil peças que compõem o vasto mosaico de um dos mais antigos blogues portugueses em laboração contínua. Sem termos falhado um só destes 3758 dias que ficaram para trás.

Em nome da tribo delituosa, fica o meu agradecimento aos leitores que nos vêm acompanhando neste longo percurso, no todo ou em parte. Graças a vós chegámos aqui. É por vós e para vós que continuaremos a opinar. Sempre sem delito.

Onde andas tu, Scolari?

por Pedro Correia, em 08.04.20

20200321_114028-1.jpg

20200321_113513-1.jpg

 

«Por muito menos que isto já forrámos as janelas e os automóveis com bandeiras. Desta vez é a vida de milhares de portugueses que está em risco, e isso é algo por que vale a pena lutar.»

Palavras aqui escritas a 14 de Março pelo nosso colega Paulo Sousa. Muito apropriadas. Coincidência ou não, tenho visto cá no bairro várias bandeiras em janelas e varandas. Talvez para incentivar as enfermeiras agora contratadas a 6,42 euros por horas - é quanto o Governo paga a quem ajuda a salvar vidas.

Admira-me que o Presidente da República, em vez de se envolver na intrincada questão das máscaras, ainda não tenha pegado nesta ideia para a lançar no espaço mediático com a sua habitual capacidade de persuasão. Afinal, se virmos bem, ele é uma espécie de Luiz Felipe Scolari em versão mais refinada.

Estamos aqui

por Pedro Correia, em 03.04.20

No último mês, o DELITO DE OPINIÃO registou 147.793 visualizações. À média de 4.768 visualizações diárias. Com grande parte dos nossos leitores em quarentena doméstica, tal como vários de nós, este blogue tem servido de companhia diária a muita gente.

Em nome de todos os "delituosos", aqui fica o agradecimento a quem nos visita. Seja de que quadrante for.

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.04.20

Em 22 destaques feitos pelo Sapo em Março, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 21 menções ao longo do mês.

Incluindo cinco textos na primeira posição, seis na segunda e quatro na terceira.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Vasco Pulido Valente in memoriam (26 comentários)

Pensamento da semana (59 comentários)

Propaganda com charada (32 comentários) 

Trinta anos de "Público" (26 comentários)

E pró menino e prá menina! (tem de ser) (58 comentários, segundo mais comentado do fim de semana) 

O caso para decretar medidas severas de contenção em Portugal (36 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Sozinho em casa (26 comentários, terceiro mais comentado do dia)  

Palavras para quê? (106 comentários)  

Diário do coronavírus (74 comentários, segundo mais comentado do dia)

Havana? Caracas? Não: Lisboa (90 comentários, o mais comentado do fim de semana)

Setenta dias depois (34 comentários, segundo mais comentado do dia)

Contágio (84 comentários, o mais comentado do dia)  

O degrau do alarme ao pânico (38 comentários, o mais comentado do dia)

Diário do coronavírus (4) (46 comentários, segundo mais comentado do dia)

Em louvor da sociedade (50 comentários, terceiro mais comentado do fim de semana)   

O comentário da semana (22 comentários)

Da irresponsabilidade (76 comentários, segundo mais comentado do dia)

A coisa (46 comentários, segundo mais comentado do dia)

O raspanete (40 comentários, o mais comentado do dia)

Dat kan niet (85 comentários, terceiro mais comentado do fim de semana)

Lavouradas da semana (62 comentários, o mais comentado do dia)

 

Com um total de 1128 comentários nestes postais. Da autoria da Maria Dulce Fernandes, do João André, da Teresa Ribeiro, do Rui Rocha, do nosso leitor Costa e de mim próprio.

Fica o agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 29.02.20

Em 19 destaques feitos pelo Sapo em Fevereiro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 16 menções ao longo do mês.

Incluindo dois textos na primeira posição, quatro na segunda e três na terceira.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Ou não sabe ou sabe e cala (48 comentários, terceiro mais comentado do dia)

A beleza das coisas simples (44 comentários)

Obviamente chumbada (40 comentários) 

Pensamento da semana (60 comentários)

Sugestão ao Livre (52 comentários) 

Penso rápido (95) (26 comentários)

Será ou não será? (134 comentários, o mais comentado do dia)  

Da vida animal e da vida humana (68 comentários, segundo mais comentado do fim de semana)  

Urro racista agora é «cântico» (38 comentários, segundo mais comentado do dia)

Agitação no pântano (24 comentários)

Vai chamar racista a outro (50 comentários, o mais comentado do dia)

País real e prioridades legais (70 comentários, segundo mais comentado do dia)  

Ódios e animais de estimação (44 comentários)

Contra a preguiça intelectual (32 comentários, terceiro mais comentado do dia)

O Estado a que chegámos (50 comentários, segundo mais comentado do dia)   

Penso rápido (96) (36 comentários, terceiro mais comentado do dia)

 

Com um total de 816 comentários nestes postais. Da autoria do Paulo Sousa, do João Campos, da Teresa Ribeiro e de mim próprio.

Fica o agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.02.20

Em 23 destaques feitos pelo Sapo em Janeiro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu  20 menções ao longo do mês.

Incluindo três textos na primeira posição, seis na segunda e quatro na terceira.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Os blogues que elegemos em 2019 (14 comentários)

Mais de meio milhão de visitas (18 comentários, segundo mais comentado do dia)

Destarte vos engano (19 comentários) 

No 11º. aniversário do DELITO (56 comentários, segundo mais comentado do fim de semana)

Pensamento da semana (44 comentários, terceiro mais comentado do dia) 

Como se os crimes tivessem cor (62 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Grande dúvida num dia muito frio (110 comentários, o mais comentado do dia) 

Eleições no PSD: cinco reflexões (66 comentários, segundo mais comentado do fim de semana)  

Partido bacteriologicamente puro (38 comentários)  

Livre condiciona a liberdade (72 comentários, o mais comentado do dia)

Frases de 2020 (1) (20 comentários)

Costa a sorrir, ao fundo da sala (32 comentários, segundo mais comentado do dia)

Um voo cego a nada (28 comentários)  

Companheiros, encolhi o PSD (62 comentários, o mais comentado do dia)

Greta (22 comentários, terceiro mais comentado do dia)

O melhor candidato do CDS (28 comentários)   

Solidários com os milionários (46 comentários, terceiro mais comentado do dia)

A "direita" a medir pilinhas (32 comentários)

André Ventura (89 comentários, segundo mais comentado do dia) 

Pequenas vaidades (70 comentários, segundo mais comentado do dia)

 

Com um total de  928 comentários nestes postais. Da autoria do José Meireles Graça, do JPT e de mim próprio.

Fica o agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Para o José N.

por Pedro Correia, em 08.01.20

39952hd[1].jpg

 

 

Solo la Muerte

 

Hay cementerios solos,
tumbas llenas de huesos sin sonido,
el corazón pasando un túnel
oscuro, oscuro, oscuro,
como un naufragio hacia adentro nos morimos,
como ahogarnos en el corazón,
como irnos cayendo desde la piel al alma.

 

Hay cadáveres,
hay pies de pegajosa losa fría,
hay la muerte en los huesos,
como un sonido puro,
como un ladrido sin perro,
saliendo de ciertas campanas, de ciertas tumbas,
creciendo en la humedad como el llanto o la lluvia.

 

Yo veo, solo, a veces,
ataúdes a vela
zarpar con difuntos pálidos, con mujeres de trenzas muertas,
con panaderos blancos como ángeles,
con niñas pensativas casadas con notarios,
ataúdes subiendo el río vertical de los muertos,
el río morado,
hacia arriba, con las velas hinchadas por el sonido
de la muerte,
hinchadas por el sonido silencioso de la muerte.

 

A lo sonoro llega la muerte
como un zapato sin pie, como un traje sin hombre,
llega a golpear con un anillo sin piedras y sin dedo,
llega a gritar sin boca, sin lengua,
sin garganta.
Sin embargo sus pasos suenan
y su vestido suena, callado como un árbol.

 

Yo no sé, yo conozco poco, yo apenas veo,
pero creo que su canto tiene color de violetas húmedas,
de violetas acostumbradas a la tierra,
porque la cara de la muerte es verde,
y la mirada de la muerte es verde,
con la aguda humedad de una hoja de violeta
y su grave color de invierno exasperado.

 

Pero la muerte va también por el mundo vestida de escoba,
lame el suelo buscando difuntos,
la muerte está en la escoba,
es la lengua de la muerte buscando muertos,
es la aguja de la muerte buscando hilo.

 

La muerte está en los catres:
en los colchones lentos, en las frazadas negras
vive tendida, y de repente sopla:
sopla un sonido oscuro que hincha sábanas,
y hay camas navegando a un puerto
en donde está esperando, vestida de almirante.

 

Pablo Neruda, Residencia en la Tierra (1933)

No 11º. aniversário do DELITO

por Pedro Correia, em 05.01.20

11-anni-feste-compleanno-1117796[1].jpg

 

O DELITO DE OPINIÃO nasceu faz hoje onze anos. Dos que estávamos cá no primeiro dia, conservamo-nos cinco: o Adolfo, a Ana Cláudia, a Leonor, a Teresa e eu. Muitos outros chegaram entretanto: uns estiveram de passagem, outros vieram para ficar. Cada caso é um caso, a assiduidade vai sendo exercida com a dinâmica própria dum blogue colectivo, que funciona em vários andamentos.

Para esta dinâmica, como tantas vezes tenho sublinhado, tornou-se fundamental a participação dos leitores. Com as suas generosas palavras de incentivo, as suas sugestões, as suas críticas, a sua episódica rabujice até. Não apenas os que nos comentam com mais frequência, designadamente muitos dos que destaquei aqui, mas também aqueles que só ocasionalmente nos visitam. A uns e outros, estamos gratos.

Hoje que o DELITO entra no 12.º ano de existência, lembrei-me de divulgar um decálogo de regras fundamentais para que um blogue não se limite a um murmúrio efémero e saiba enfrentar o exigente teste do tempo.

Talvez sejam úteis para quem só agora começa...

 

...........................................................................

 

ACTUALIDADE. É fundamental acompanhar de perto os acontecimentos.

ASSIDUIDADE. Manter a escrita a um ritmo regular, levando o leitor a visitas frequentes.

DIVERSIDADE. Combater com persistência o monolitismo de opiniões.

VARIEDADE. Contra a unicidade temática, revelando permanente capacidade de surpreender quem nos lê.

CREDIBILIDADE. As opiniões são livres, mas devem alicerçar-se no rigor dos factos.

COMBATIVIDADE. É muito importante ter opiniões fortes e pugnar por elas.

ORIGINALIDADE. Há que combater a tentação de repetir por sistema o que outros escrevem ou dizem.

INTERACTIVIDADE. Todos temos a ganhar se soubermos estimular reacções dos leitores, sem recear a controvérsia.

SENSIBILIDADE. Bom senso e bom gosto: princípios basilares em todas as ocasiões.

QUALIDADE. Ambicionar ser melhor: hoje melhor que ontem, amanhã melhor que hoje.

Mais de meio milhão de visitas

por Pedro Correia, em 01.01.20

21535260_KwQ4l.png

 

Fechamos o ano com mais de meio milhão de visitas e para cima de um milhão de visualizações.

Concretamente, ao longo de 2019 recebemos 540.220 visitas e registámos 1.171.396 visualizações.

Prova reiterada do interesse que o DELITO DE OPINIÃO continua a suscitar junto dos leitores. A oferta é variada, a procura mantém-se incessante.

Os nossos agradecimentos a todos pelas provas de confiança que insistem em transmitir-nos. Prometemos não abrandar o ritmo em 2020.

Feliz Ano Novo

por Pedro Correia, em 30.12.19

A todos os colegas de blogue. E aos nossos leitores.

Em especial a estes, que ao longo do ano que agora termina estiveram em destaque no DELITO DE OPINIÃO:

 

Alexandra G.

A. Matos

Anonimus

António

Bea

Bic Laranja

Carlos Marques

Catarina Tavares

Corvo

Cristina Filipe Nogueira

Guarda Serôdio

Isabel

Isabel Paulos

Isabel Pinto

João Gil

José Carlos Menezes

Manuel Ó Pereira

Miguel

Pedro Vorph

P. N. Ferreira

Sampy

S. Moreira

V.

Vital Moreira

Vítor Augusto

Vorph Valknut

Zazie

Parabéns, Luís

por Pedro Correia, em 14.12.19

image[1].jpg

 

O Luís Menezes Leitão acaba de ser eleito bastonário da Ordem dos Advogados. Prova máxima de confiança nele por parte dos colegas de profissão. E uma excelente notícia para esta ordem profissional: tenho a certeza de que fica bem entregue à liderança do nosso estimado parceiro de blogue.

Segue o meu caloroso abraço de felicitações ao Luís, em nome de toda a tribo delituosa.

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 30.11.19

 

Em 21 destaques feitos pelo Sapo em Novembro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu  16 menções ao longo do mês.

Incluindo três textos na primeira posição, dois na segunda e dois na terceira.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Elegância (46 comentários)

Este homem chefiou o Governo de Portugal durante seis anos, três meses e onze dias (44 comentários)

Duas faces do autoritarismo (30 comentários) 

Post-it (52 comentários)

O aprendiz de feiticeiro (40 comentários) 

O fotógrafo estava lá (70 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Upskirting (99 comentários, o mais comentado do dia)

Sobre a Catalunha (7) (44 comentários, terceiro mais comentado do fim de semana)  

Um país sem corruptos (38 comentários, segundo mais comentado do dia)  

Está de chuva (38 comentários) 

A inveja é o desporto nacional (50 comentários)

Inqualificável (100 comentários, o mais comentado do fim de semana)

Já andam nisto (18 comentários)  

Elogio a sete deputados do PS (24 comentários)

Injustiças (62 comentários, o mais comentado do dia)

Um salto para a escuridão (54 comentários, segundo mais comentado do dia)   

 

Com um total de 809 comentários nestes postais. Da autoria do Sérgio de Almeida Correia, do Paulo Sousa, do Fernando Sousa, da Cristina Torrão, do Diogo Noivo e de mim próprio.

Fica o agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Política e literatura

por Pedro Correia, em 27.11.19

   thumbnail_20191125_151029-1[2].jpg thumbnail_20191125_151018-1[1].jpg

 

Passo por cá só para vos chamar a atenção para o meu trabalho publicado na edição n.º 155 da revista Ler: Dez romances sobre política, três dos quais de autores portugueses (Eça de Queiroz, Agustina Bessa-Luís e José Saramago).

Chegou esta semana às bancas.

Para o Sérgio

por Pedro Correia, em 06.11.19

falling-leaves-in-black-and-white-peter-austin[1].

 

 

PARA SEMPRE

 

Por que Deus permite

que as mães vão-se embora?

Mãe não tem limite,

é tempo sem hora,

luz que não apaga

quando sopra o vento

e chuva desaba,

veludo escondido

na pele enrugada,

água pura, ar puro,

puro pensamento.

Morrer acontece

com o que é breve e passa

sem deixar vestígio.

Mãe, na sua graça,

é eternidade.

Por que Deus se lembra

— mistério profundo

de tirá-la um dia?

Fosse eu Rei do Mundo,

baixava uma lei:

Mãe não morre nunca,

mãe ficará sempre

junto de seu filho

e ele, velho embora,

será pequenino

feito grão de milho.

 

 

Carlos Drummond de Andrade, Lição de Coisas

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 03.11.19

Em 23 destaques feitos pelo Sapo em Outubro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu  21 menções ao longo do mês.

Incluindo dois textos na primeira posição, três na segunda e três na terceira.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Pensamento da semana (73 comentários)

Fora da caixa (19) (26 comentários) 

Fora da caixa (20) (34 comentários) 

Fora da caixa (21) (38 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Fora da caixa (25) (72 comentários, segundo mais comentado do fim de semana) 

Fora da caixa (26) (74 comentários, o mais comentado do dia)

Enfim, um deputado liberal (76 comentários, o mais comentado do dia)

Quem será o Nobel da Literatura? (92 comentários, segundo mais comentado do dia)  

Bom jornalismo (36 comentários)  

Coisas realmente importantes (40 comentários) 

Demagogia (23 comentários)

Reflexão do dia (38 comentários)

Sobre a Catalunha (1) (34 comentários)  

Sobre a Catalunha (2) (76 comentários, segundo mais comentado do fim de semana)

Sobre a Catalunha (3) (44 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Miranda é uma nação (30 comentários)   

O sucesso é um fracasso adiado (30 comentários)

A rábula (27 comentários)

Pensamento da Semana (46 comentários, terceiro mais comentado do dia)

Sobre a Catalunha (5) (36 comentários)

As coisas mudam (40 comentários)

 

Com um total de 985 comentários nestes postais. Da autoria do JPT, da Teresa Ribeiro, do João Pedro Pimenta e de mim próprio.

Fica o agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 30.09.19

Em 21 destaques feitos pelo Sapo em Setembro, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 16 menções ao longo do mês.

Incluindo um texto na primeira posição, dois na segunda e cinco na terceira.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

A liberdade está no programa quente da máquina de lavar (38 comentários)

Em louvor às ditaduras (32 comentários) 

Leituras (46 comentários) 

O incorrectismo (41 comentários, terceiro mais comentado do dia)

A minha indignação bem expressa (100 comentários, segundo mais comentado do dia) 

Onde é que estavas no 11 de Setembro? (49 comentários, terceiro mais comentado))

Este século começou em Setembro (38 comentários)

Fora da caixa (7) (36 comentários)   

Sobre o fim do mundo (45 comentários, terceiro mais comentado)  

Contra a tentação da carne (174 comentários, o mais comentado do dia) 

Fora da caixa (11) (56 comentários, terceiro mais comentado)

Fora da caixa (12) (42 comentários)

O dia da metadona (68 comentários, segundo mais comentado)  

Inquietações (40 comentários)

Fora da caixa (16) (54 comentários)

Coimbra é uma lição (50 comentários, terceiro mais comentado do fim de semana)   

 

Com um total de 869 comentários nestes postais. Da autoria do Paulo Sousa, do JPT, do Diogo Noivo e de mim próprio.

Fica o agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Sapos do Ano

por Pedro Correia, em 13.09.19

21171518_QU3Zm[1].png

 

Parecendo que não, passou mais um ano. E regressa o processo de nomeações para os Sapos do Ano, graças a uma simpática e meritória iniciativa da Magda Pais e do David Marinho.

O regulamento pode ser consultado aqui.

Aproveito para lembrar que o DELITO DE OPINIÃO recebeu em 2018 a distinção Sapo do Ano na categoria de blogue de política e economia - o que muito nos honrou e sensibilizou.

Entre os mais comentados

por Pedro Correia, em 01.09.19

Em 22 destaques feitos pelo Sapo em Agosto, entre segunda e sexta-feira, para assinalar os dez blogues nesses dias mais comentados nesta plataforma, o DELITO DE OPINIÃO recebeu 15 menções ao longo do mês.

 

Os textos foram estes, por ordem cronológica:

Ética em combustão acelerada (74 comentários, segundo mais comentado do dia)

Novas fogueiras na escuridão (70 comentários, terceiro mais comentado do dia) 

O regime na primeira página (32 comentários) 

Exímio a derrotar as distritais (32 comentários)  

Um governo fura-greves (64 comentários, terceiro mais comentado) 

Os filmes da minha vida (50) (48 comentários)   

Penso rápido (94) (38 comentários)

Fiel a si própria (57 comentários)   

Dois países dentro do País (40 comentários)  

Pensamento da semana (58 comentários) 

O "desvio de direita" do PCP (54 comentários, terceiro mais comentado)

Deus ex Google (34 comentários)

A compra da Gronelândia (39 comentários)  

Ecologistas da treta (24 comentários) 

O novo ópio do povo (42 comentários)   

 

Com um total de 706 comentários  nestes postais. Da autoria da Cristina Torrão, da Maria Dulce Fernandes, do Luís Menezes Leitão e de mim próprio.

Fica o agradecimento aos leitores que nos dão a honra de visitar e comentar. E, naturalmente, também aos responsáveis do Sapo por esta iniciativa.

Pontes sim, trincheiras não

por Pedro Correia, em 21.08.19

21535260_KwQ4l.png

Imagem do DELITO em Janeiro de 2009

 

Foi um prazer, confesso, estar à conversa com o Pedro Neves nas instalações do Sapo. O pretexto para este bate-papo, que se prolongou por cerca de uma hora, foi o décimo aniversário deste nosso DELITO DE OPINIÃO, já com merecido estatuto de veterano da blogosfera.

Do simpático convite do Pedro nasceu uma entrevista que me permitiu falar um pouco sobre este percurso trabalhoso mas muito gratificante em termos intelectuais e humanos. Desde logo porque me permitiu conhecer e estreitar relações com muitas pessoas de quem me fui tornando amigo a pretexto desta escrita em jeito de registo diário do que vai sucedendo no país, no mundo e um pouco também nas nossas vidas.

Se me permitem, destaco algumas frases:

«Conseguimos fazer uma coisa que é difícil interiorizarmos em Portugal: podemos ter opiniões muito diferentes, e até opostas, e isso não afectar a relação no plano pessoal»

«Temos uma base de conteúdo político, mas captámos leitores que detestam política e vêm ler outras coisas: uma crítica de livros, uma crítica de cinema, por exemplo»

«Devemos estender pontes. É muito mais fácil encontrarmos compromisso e entendimento a meio de uma ponte do que se estivermos no fundo de uma trincheira»


O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D