Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pode ser mais depressa?

por João Carvalho, em 13.09.09

A campanha eleitoral arranca formalmente. Daqui a 15 dias, vamos às urnas. Aceitando que os processos judiciais não conhecem os calendários eleitorais, vamos às urnas com muitas conclusões adiadas. Mas nem tudo está confinado à justiça.

Ao fim de tanto tempo, a ERC ainda está a investigar o caso TVI? Mesmo sem ter luvas, malas pretas e outras percentagens ocultas? É que convinha, a 15 dias das eleições, saber exactamente o que se passou, por obra de quem e o que vai agora acontecer.

Claro que a gente imagina a conclusão que a ERC vai tirar. Mas, já agora, podia dizê-lo mais depressa e em tempo útil, só para justificar um bocadinho a sua existência.

O dinheiro é do Estado, é do PSD II

por Jorge Assunção, em 07.09.09

Afinal, parece que a história não estava bem contada pelo jornalista Tolentino de Nóbrega. Apesar de tudo, como afirmava João Vasconcelos no blogue Activismo de Sofá, no início de 2008, Podemos sempre questionar a parcialidade das notícias de Tolentino Nóbrega. Questionar inclusive o facto de apenas as suas notícias de denúncia sobre as actividades de Jardim, do seu governo e do seu partido conseguirem amplo destaque num jornal nacional. De qualquer modo, o seu tipo de jornalismo de denúncia é muito importante em democracia. Embora com algum sensacionalismo, tende a ser um não desprezável mecanismo de controlo da acção governativa e dos seus responsáveis.

Quem está a ganhar com a diversão?

por João Carvalho, em 06.09.09

Esta noite, ao assistir ao Eixo do Mal (como contei em post abaixo), verifiquei com espanto que ainda há muita gente a ver o caso TVI só com um olho. Mesmo entre pessoas que pontuam na comunicação social, o que é mais espantoso ainda. Consigo entender a confusão de um leigo nestas matérias, como de alguns comentários que temos recebido aqui, de quem está menos atento e mais afastado destas coisas e tem outras preocupações. Entendo, sim. Mas – que diabo! – começa a ser altura de distinguir o que está em causa. Era o que eu esperava, pelo menos, por parte daqueles que era suposto estarem informados e acostumados a ter uma visão mais ampla dos acontecimentos.

Trata-se de intuir que a legislação sobre esta matéria foi atropelada. Trata-se de reflectir sobre o afastamento de uma jornalista. Trata-se de discutir a alçada e os limites das administrações que querem ter órgãos de comunicação social. Trata-se de tudo isso. Só não se trata de avaliar a qualidade da jornalista e do jornalismo que ela expunha naquele espaço de informação.

Sejamos sérios: não houve tempo bastante, ao longo de tantos meses, para fazer essa avaliação e opinar sobre isso à fartazana? A que propósito se perde agora tempo a discorrer sobre a jornalista e o seu tom? A quem interessa ficar a chover no molhado e deixar o sol tapado com a peneira? Só por manobra de diversão, que alguns ingénuos têm ajudado a prolongar. E isso – pensem bem – é muito capaz de estar a dar jeito a alguém.

Subscrevo integralmente

por João Carvalho, em 06.09.09

Acabo de assistir ao Eixo do Mal (SIC-N), dedicado em grande parte ao caso TVI. Entre umas banalidades e outras tantas parvoíces, um ou outro detalhe mais ou menos consensual, mas não mais do que isso. Com uma ressalva, que merece o destaque: Daniel Oliveira salvou a honra daquele convento de costumeiros disparates.

Pela lucidez da análise e acerto da posição que tomou, não teve qualquer paralelo na mesa. Não me custa, por uma vez, subscrever tudo o que ele disse sobre o caso. Sabendo-se, mais a mais, que o Daniel Oliveira definitivamente nunca poderia ser um admirador do tal telejornal das sextas e da respectiva protagonista.

O triste humorista

por João Carvalho, em 04.09.09

Não lhe fixei o nome até chegar aqui (e não tenciono voltar atrás), mas a memória do computador deixou-me fixar que o texto é este. Do autor só presumo que é o humorista de serviço do Simplex.

Confirma-se aquilo que quase toda a gente sabe: fazer humor não é para qualquer um. Mais triste ainda é quando o próprio não o sabe.

Comparações

por Jorge Assunção, em 03.09.09

O caso Marcelo Rebelo de Sousa (MRS) em nada pode ser comparado com o caso Manuela Moura Guedes (MMG). Passo a explicar: 1) MMG não vai ter direito a ser recebida por um Presidente da República preocupado com a liberdade de imprensa (imaginem que Cavaco tentava algo semelhante com o que fez Jorge Sampaio. Imaginam? Pois, eu também não). 2) MRS era uma voz incómoda de dentro do próprio partido (uma das coisas que me espanta nos actuais socialistas é a incapacidade de pensamento critico, nisso, reconheça-se, os sociais democratas há cinco anos revelaram ser bem melhores). 3) Santana Lopes nunca beneficiou da retórica da campanha negra, nem do benefício de dúvida, de que Sócrates parece beneficiar (comparem a quantidade de casos de um e do outro lado e eu arrisco-me a dizer: volta Santana que estás perdoado).

Jornalismo travestido (2)

por André Couto, em 24.04.09

 

Falta uma hora...

"Jornalismo travestido"

por André Couto, em 22.04.09

 

 


O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D