Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Aprendam com o Coelho, camaradas

por Pedro Correia, em 09.10.11

José Manuel Coelho, sozinho, mostrou ao PS, ao BE e à CDU como se faz oposição pela esquerda a Alberto João Jardim na Madeira. Bem pode Jerónimo de Sousa insurgir-se -- como disse há pouco, sem o desassombro de mencionar expressamente o antigo candidato presidencial -- contra "candidaturas inconsequentes, e até provocatórias", que na opinião do secretário-geral comunista mereceram os favores da comunicação social. São palavras de mau perder. Coelho, com 6,9% dos votos, fez eleger três deputados no Parlamento madeirense para o quase virtual Partido Trabalhista Português. Enquanto a CDU baixava de dois para um o número dos seus eleitos e o Bloco era riscado do mapa político da região.

Aprendam com o Coelho, camaradas.

Umberto Eco é um entusiasta das listas. De tal maneira que organizou em 2009 uma exposição no Louvre dedicada ao tema. Para o pensador e escritor italiano, as listas são a forma adequada de encontrarmos alguma ordem perante o infinito. As ideias pré-concebidas são, elas própria, listas que nos permitem evitar a angústia de enfrentar o mundo sem qualquer referência. Nas nossas listas, um político é um homem de quem se pode desconfiar. Mas, para se desconfiar de alguém, é preciso que este se apresente sob uma capa de seriedade. A situação em que nos sentimos cómodos neste jogo é aquela em que os políticos proclamam que estão no combate de forma séria. O que permite aos adversários e aos eleitores fazerem a sua parte. Isto é, procurar demonstrar o contrário. Daí a invocação dos ideais, das batalhas, das bandeiras e a contrapartida dos ataques ao carácter, da procura de contradições e de outras estratégias aparentadas. A nós eleitores convém-nos, todavia, manter uma opção menos escrutinada para podermos votar nela sem demasiados problemas de consciência. O problema começa, porém, quando alguém como José Coelho se apresenta ao eleitorado sem ocultar as suas intenções. Afirmando-as, à partida, como não sérias de acordo com os nossos padrões. Coelho deixa-nos sem lista em que o possamos arquivar para nosso sossego. A estupefacção é maior quanto maior for a importância que atribuímos ao acto eleitoral. Admitir um Tino de Rans como candidato a uma Junta de Freguesia não incorpora a mesma transgressão à norma que está implícita  na existência de um Coelho que se propõe saltar para o poleiro da Presidência. É a esta luz que se entende o estilo da já muito debatida entrevista de Judite de Sousa. Judite suspeitava que Coelho não era sério e que queria escondê-lo. Daí a utilização da agressividade extrema. Completamente despropositada e chocante dirigida como foi a quem nada queria esconder. Todavia, extremamente útil ao propósito de Coelho que era precisamente promover o ridículo. É preciso dizer que Coelho não é exterior ao mundo político. O escárnio sempre funcionou como contraponto do poder. Neste sentido, um não pode viver sem o outro. Mas, é mais do que isso. À falta de ideais em que acreditem realmente, os políticos na luta por parecerem sérios, refugiam-se em fórmulas cada vez mais vazias. O discurso de José Coelho é, assim, tão legitimamente político quanto o de qualquer outro candidato. Com a diferença incómoda de não pretender ocultar a sua real vacuidade. O problema para o poder em geral e para a democracia em particular não é portanto o da transparência de José Coelho. Pelo contrário, ele reside em ser cada vez mais difícil os políticos a sério esconderem, apesar de tentarem, que são tão vazios e ridículos como ele. E para o jogo político cumprir o objectivo de vivermos sossegados era muito mais conveniente que a ocultação fosse credível.

José Coelho + José Mourinho = José Coelhinho.


O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D