Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Maradona e o síndrome de impunidade dos artistas

por João Pedro Pimenta, em 06.07.18

Não há Campeonato do Mundo de Futebol que não traga estrelas das competições passadas. No que está a decorrer agora já pude ver o dinamarquês Schmeichel, o alemão Lotthar Matthaus, o brasileiro Ronaldo (o "Fenómeno") e os colombianos Higuita e Valderrama. E Maradona, claro. A fumar charuto em locais proibidos, a insultar adversários, a criticar opções dos treinadores ou a entrar em transe quando a Argentina marca um golo (ou a sofrer uma vertigem quando sofre outro), a estrela dos anos oitenta e campeão do México 86 está lá sempre.

 

Confesso que tenho pouca paciência para Maradona, para a impunidade dos seus actos e para a ideia que transmite de que pode fazer tudo e ainda assim é um injustiçado. Era o maior jogador do seu tempo, sim, e um dos maiores de sempre. Mas nunca vi Zidane ou Beckenbauer, tal como não via Eusébio e Cruyff, a fazer semelhantes figuras (Pélé é outro caso, diferente mas não necessariamente exemplar). Maradona critica tudo e todos, não raras vezes insultando, faz o que lhe dá na real gana, arma-se em entendido na matéria, quando como treinador se revelou um desastre, e para piorar as coisas ainda passa por moralista, quando as suas aventuras com a droga  - não esquecendo que no seu último Mundial acabou afastado por doping - não o aconselhariam. Para mais, não se exime a exprimir as suas ideias políticas, que passam por usar tatuagens de Che Guevara, tendo sido visita frequente de Fidel Castro, ou por oferecer os préstimos a Nicolás Maduro, participando em comícios do protoditador venezuelano ou oferecendo-se como "soldado da revolução bolivariana" para "libertar a Venezuela e combater o imperialismo", isso numa altura de fortíssima repressão do regime vigente, com visível desrespeito por pelo princípio da separação de poderes, e de uma crise económica generalizada. E como não podia deixar de ser há ainda as suas "opiniões" sobre a Guerra das Faklandsl/Malvinas, considerando que a Rainha Isabel II e o príncipe Carlos têm as mãos "tintas de sangue"; curiosamente, do tempo em que jogava, não se lhe conhecem grandes críticas à brutal junta militar que comandava a argentina e que deu origem ao conflito que seria o início do seu fim, e que só por isso haveria que dar elogios aos ingleses. Parece que finalmente Maradona culpou os militares pelo desastre dessa aventura. Foram precisos mais de trinta anos...

 

Tudo isso adorado por uma patética "igreja maradoniana", com ritos em tudo semelhantes aos da igreja católica mas colocando o nome do antigo craque no lugar dos santos, assim como em Nápoles o seu culto concorre com o de S. Gennaro. As declarações, imagens e situações descritas podem ser vistas no filme Maradona por Kusturica, em que o realizador sérvio faz uma hagiografia ligeiramente envenenada ao argentino, aproveitando para fazer uma crítica ao ocidente.

 

Toda esta bajulação não é muito diferente da que é feita a boa parte das gentes das artes e das letras, que por mais barbaridades que digam e façam têm sempre uma desculpa, ou no mínimo vêm os seus actos ou declarações sempre atenuados. Se compararmos com os políticos, verificamos que a tolerância para com os primeiros é sempre muito maior, ou, no mínimo, gera sempre menos indignação, esse sentimento tão comum hoje em dia. Nunca percebi bem porquê. Quanto maior é a notoriedade do artista, do escritor ou do desportista maior é a sua responsabilidade. E a ideia estapafúrdia de que um escritor tem de ser um exemplo moral, e que a sua vida reflecte as ideias contidas na sua obra é uma infantilidade que tarda em passar. É a velha discussão do valor da obra Vs a vida pessoal dos seus autores. Artistas há que criaram obras intemporais e magníficas mas que tiveram vidas a todo o título miseráveis. O mesmo se aplica aos vultos literários, e claro está, aos desportistas. Não percebo nada de psicologia, mas a falta de distinção entre obra e autor parece-me dos comportamentos mais irracionais que imaginar se possa. E no entanto é algo tão comum que quase parece natural. Talvez não valha a pena admirarmo-nos com os panos quentes que são passados nestes casos. Maradona poderá sempre proferir barbaridades enquanto fuma em locais interditos e se oferece como "soldado da revolução" que terá sempre um culto qualquer a louvá-lo. Desde que não nos proíbam de os criticar já não é mau.

 

maradona .jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Helénicos mas balcânicos

por João Pedro Pimenta, em 14.03.18

Se acham que o futebol português seja uma acumulação de indignidades, falta de desportivismo e fanatismo, o melhor será compará-lo com o futebol grego para nos animarmos um pouco. 

O campeonato grego é fértil em incidentes que de tão repetidos já são rotina. É o caso das invasões de campo. Ou das recepções violentas a equipas adversárias. Este ano, com a possibilidade do crónico campeão Olympiacos do Pireu ser derrubado, a disputa é entre estes, os seus vizinhos do AEK de Atenas e o PAOK de Salónica, na longínqua Macedónia grega. No encontro recente entre o PAOK e o Olympiacos o jogo teve de ser interrompido pelo arremesso de objectos (um deles acertou no treinador dos do Pireu) e implicou a derrota administrativa dos de Salónica. Agora, no mesmo estádio, no encontro entre PAOK e AEK que muita influência teria no título, a decisão do árbitro, com razão, em anular mesmo no fim um golo dos da casa levou a nova fúria, com a entrada em campo não só do público como do próprio presidente do clube, um grego-russo dono de meia cidade e que não achou nada melhor que interpelar o árbitro de pistola no coldre, fazendo menção de a utilizar. 

 

 

Depois disso as autoridades competentes já suspenderam o campeonato. Entrar em campo de pistola à cinta é demais até na liga grega. Mas esta imagem caracteriza ainda mais um país que, por romantismo ou atavismo, muitos ainda acham que conserva a pureza civilizacional da Antiguidade, como se os gregos fossem de pura raça helénica, nada tendo em comum com os povos vizinhos, esses autênticos bárbaros.

A ideia vem de longe, já que ingleses e franceses ajudaram a moderna Grécia a tornar-se independente dos turcos muito por causa do romantismo vigente. Mas a verdade é que o farol civilizacional dos gregos actuais é mais Constantinopla do que Atenas, o cristianismo ortodoxo do que o Olimpo dos deuses, ou o Basileus do que a ágora (belo nome, já agora).

Sim, o "berço da democracia" - esse conjunto de cidades estado e pequenos territórios - mudou muito desde então. Tirando a língua, os nomes e a situação geográfica (e também o facto de não terem ficado sob influência comunista na Guerra Fria), os gregos pouco se distinguem dos seus vizinhos sérvios e búlgaros. E dos macedónios da chamada FYROM, já agora, com quem mantêm um litígio por causa do nome que consideram ser exclusivamente seu.

O irónico da coisa é que os gregos da Antiguidade consideravam a Macedónia uma terra de bárbaros por causa do seu sistema social, político e económico. Agora reivindicam o seu legado e do conquistador Alexandre Magno. No fundo, é terra de balcânicos que não se entendem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dualidade de critérios

por Rui Rocha, em 08.07.16

dualidade.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Futebol

por Rui Rocha, em 01.07.16

Onze contra onze e no final do tempo regulamentar Portugal empata.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agora, coisas realmente importantes:

por Rui Rocha, em 20.11.15

Alguém sabe a que horas começa a transmissão em directo do trajecto dos autocarros do Sporting e do Benfica nos canais de notícias?

Autoria e outros dados (tags, etc)

gaitan.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marco Silva já respondeu à nota de culpa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Braga instaura processo disciplinar a Sérgio Conceição por insultos e ameaças de agressão ao presidente António Salvador.

Autoria e outros dados (tags, etc)

cristo.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

O que é que se segue?

por Rui Rocha, em 03.06.15

Incrível. Corrupção no futebol! A continuarmos assim, um dia destes ainda vamos ver bancos a enganarem clientes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

- Amor, vou assistir à antevisão do Porto-Sporting na SIC Notícias.

- Ok. Não te esqueças de telefonar todos os dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Incredulidade

por Rui Rocha, em 18.10.14

O que fazia o Deportivo de Oporto numa eliminatória da Taça de Portugal?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Antevisão da nova época futebolística

por Rui Rocha, em 07.08.14

Do ponto de vista da fé, a nova época será mais pobre. Privados de Espírito Santo, que orientará o Valência, resta-nos esperar pelos embates épicos entre Deus, do Gil Vicente, e Jesus, do Benfica. Mas, por outro lado, digam-me, se conseguirem lembrar-se, em que outros momentos da história do ludopédio lusitano estivemos tão perto de ter um derby que opussesse Rabiu a Rabia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rescaldo de um jogo em futebolês

por Pedro Correia, em 04.05.14

 

-- Boa noite. O que achaste deste jogo tão emocionante?

-- Duas palavras bastam. Em futebol o desequilíbrio pode tomar números absolutamente impensáveis. Tivemos aqui um choque entre um modelo de jogo e a estratégia. O modelo de jogo que mais gosto de ver é aquele que tem posse de bola e futebol largo e tentativa permanente de domínio do adversário. A dimensão estatégica do jogo, ou seja a abordagem em concreto do adversário, pode ser determinante sobretudo quando estamos perante duelos a eliminar. A equipa vencedora teve uma abordagem de quatro-quatro-dois inicial procurando diagonais com mais uma unidade ofensiva mas defendendo sempre com duas linhas de quatro e subidas. Apertou sempre a construção dos centrais e dificultou muito a saída da turma antagonista. E travaram os corredores, que são o grande ponto de força dos rivais, com um futebol mais rendilhado. Podemos chamar àquilo um quatro-dois-três-um, mas aquilo em rigor é quatro-dois-quatro. Jogaram com os extremos projectados, muito na órbita dos laterais, e em subida permanente. Os outros, sem um médio de recuperação de bola, revelaram uma estratégia quase suicida. Falharam a abordagem estratégica, mas isso pode sempre acontecer aos melhores. Fiz-me entender?

-- Bem... não propriamente. Não te importas de repetir tudo outra vez, mas um pouco mais de-va-gar?

-- Impossível, pá. Já não faço a menor ideia do que disse.

Também aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Houve uns senhores de amarelo, com apito na boca e pau na mão que não foram profissionais.

António Salvador, presidente do Sporting de Braga.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lição de futebolês em dia de Portugal-Israel

por Pedro Correia, em 11.10.13

 

É um quatro-dois-três-um mas muitas vezes é mais um quatro-cinco-um de uma equipa que não se desorganiza nem se desposiciona muito e que sai bem na transição sobretudo nas bolas a passar em momentos de definição dessa transição ofensiva com alguma criatividade e alguma atenção à bola parada e ao jogo aéreo muito forte com os laterais a centrar nessa circunstância pois quando pressionada em bloco meio alto a equipa vai jogar tendencialmente em bloco baixo sobretudo quando os alas não são jogadores de largura e têm dificuldade nas acções de construção e a contratransição é vital porque quando se perde a bola em zona ofensiva se o pressing foi imediato pode ser recuperada instantaneamente e a contratransição numa equipa que a faça bem e que tenha qualidade de finalização muitas vezes é fatal e este é um jogo em que interessa revelar capacidade de pressionar alto e de recuperar alto e de meter grandes intensidades sobretudo na primeira parte sem deixar o adversário trocar a bola naqueles dois metros de construção da zona defensiva nem jogar no risco pois quando se recupera mais atrás eles encontram-se lá todos.

 

Fui suficientemente claro ou preferem que faça um desenho?

Também aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Magrebinos"

por jpt, em 22.05.13

 

Carlos Abreu Amorim, bloguista no Blasfémias e político, é um andrade. No twitter celebrou (mais um ...) título do seu clube e chamou-nos, aos adeptos do Benfica e de clubes do Sul (um Sul tão próximo, já agora), "magrebinos", termo com requebros de particular perversão pois denotando maior "estrangeirice" do que o habitual "mouros", dado que estes chegaram a povoar a Península e, por vezes, ainda "andam pela costa".

A reacção, à esquerda e à direita, a sul e norte, ao facebook e aos blogs, foi abespinhada. Inúmeros ademanes adversos ao "muro do Mondego" assim proposto, ao que pareceu. CAA já veio lamentar que lhe tenham descontextualizado o dito, que diz ter sido qualquer coisa como "piada infeliz". Presumo que o fez por ser político, de não se sentir em situação de enfrentar coros alheios, má propaganda, por motivos destes.

Mas o óbvio é que são reacções toleironas. De gente incapaz de entender o registo de "invectiva" no futebol, jocosa, pacífica, o cutucar fraterno, amigável, social. Um registo que, mesmo que às vezes exasperante (nas super-derrotas), não vale pelo seu valor "facial", aparente, pois "faz parte" da festa comum, da comunhão. E que assim é entendida no contexto.

Desentendem isso os marginais culturais,  os "sobre-futebolizados", essa figura vazia do "holigão" que inverte esse registo e parte para a real confrontação. E, pelos vistos, outros marginais culturais, nichos de vozes públicas. Também elas "sobre-futebolizadas". Incapazes de entender o que as rodeia. Mas perorando, claro.

Ao ler sobre o "affaire CAA" não pude deixar de me lembrar da cena que acima coloco, uma pérola, um cume de reflexão. Não será exactamente o mesmo caso de entre-identidades, assim constituídas, mas com toda a certeza que uma ligeira transposição poderá esclarecer os esclarecíveis. 

 

[Em nota, antevendo comentadores mais mal-dispostos. Não conheço CAA. Sei que é candidato à câmara de Gaia, processo no qual é apoiado por Luís Filipe Menezes, que o anunciou como seu "único verdadeiro herdeiro". Basta-me esse apoio  para lhe desejar, sinceramente, o insucesso eleitoral. E, para além disso, que mantenha o seu humor.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pérolas futebolísticas

por Ana Vidal, em 27.01.13

"O Benfica atacou em grandes golfadas de velocidade" e "O jogador contribuíu muito para as golfadas de futebol atacante"

 

(Joaquim Rita, comentando o jogo Benfica-Braga na SIC N)

 

"O Joãozinho até tem nome de jogador de futebol. Se fosse João Silva era muito pior"

 

(Jesualdo Ferreira, em entrevista na SIC N)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ninguém pára o Gloricoiso

por Rui Rocha, em 16.11.12

 

Todos os clubes, grandes e pequenos, têm na sua história momentos inolvidáveis. Um título que se conquista, um apuramento para as provas europeias, uma subida de divisão, uma descida que se evita, um golo memorável, um resultado inesperado e sabe-se lá que mais. Porém, é justo reconhecê-lo, só o Benfica é capaz de colocar em campo um onze em que pontificam um Luisão e um Luisinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lost in translation

por Rui Rocha, em 04.09.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

Problemas de comunicação

por Rui Rocha, em 02.08.12

 



 



 



 * Publicado também aqui.



Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Prezidente,

Escrevo-le porque o Prezidente sabe ca se for preciso comer a relva para sermos campiões eu fácio. E até sou gajo pra deitar fora a pastilha. E ca não gosto de tratar de açuntos do forno interno do clube na praça da república. E o Prezidente sabe ca eu confio no Prezidente. Prexemplos, quando diziam ca o Prezidente só ia buscar muntos estranjeiros, eu sabia ca o Prezidente estava a tratar do processo de neutralização. Mesmo nos momentos mais defíceis, dei-le a dúvida Prezidente. E o Prezidente sabe caté alombei com o Emerso e tudos. E protegio quando queriam fazer-le o bode respiratório. Mas eu sou Jasus, não sou Deus, Prezidente. Eu estou cá para dezer aos rapazes que vaiam à bola coma ca fossem leõzes. Mas o Prezidente  é ca tem ca tratar das aquesissões. E o clube preciza de um lateral esquerdo coma de pão pá boca, Prezidente. O Malaguejo é munta pôquechinho pra encarararmos a época de frente. Sem um lateral esquerdo de raiz mundial qué cagente havemos de fazer, Prezidente? O clube está em prigo, Prezidente. Salvio, Prezidente. Salvio já, Prezidente.

Sou quem sabe, O Mister, Jorge Jasus

 

*publicado também aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Noventa minutos, uma bola, onze jogadores para cada lado abraçados por uma multidão em júbilo, uma massa exultante que se vai dividindo e esmorecendo, enquanto o tempo decorre e na proporção dos golos metidos nas respectivas balizas. Um balneário vedado aos demais e onde, ao que parece, acontece muito mais do que uma troca de roupa e massagens nos gémeos. E é isto. O futebol para mim é isto. Há contudo variáveis a incluir: se os jogadores são giros e morenos, pode abrir-se uma excepção para alguns louros, ostentam um belo par de pernas e um torso de fazer ruborizar a mais benta das mulheres. A propósito acho um nojo que a UEFA ou a FIFA ou lá quem foi, tenha instituído essa tal regra de marcar falta ou mostrar cartão amarelo aos rapazes que em explosão de felicidade arremessam à maneira masculina as camisolas transpiradas e ostentam os torsos bem definidos. É que, a menos que compremos uma dessas revistas que se ocupa da vida alheia, o povo em austeridade perdeu a oportunidade de ver os abdominais trabalhados do nosso Cristiano Ronaldo e do nosso Nani. Isso sim, é, grosso modo, futebol. O mesmo é válido para os treinadores. Alguns, evidentemente. Outros não só podem como devem manter as camisolas, camisas e blazers, e preservar-se e preservar-nos de visões dantescas. O resto é como digo: um campo, onze robustos e atléticos jovens homens transbordando testosterona para cada lado, duas balizas, uns quantos que supervisionam os excessos dos miúdos, outro que gesticula do banco e pronto. Como em outras situações, parece que estou errada. 

Devia tê-lo percebido naquele dia em que um amigo holandês me mostrou ufano um livro sobre a vitória dos holandeses sobre os alemães. Recuava aos anos oitenta e o livro estava recheado de imagens de homens cabeludos vestidos de laranja e outros igualmente cabeludos e de bigode mas vestidos de branco. Dizia ele que os holandeses toleravam tudo, menos os alemães. Bela tolerância. Fiquei impressionada. Devia tê-lo entendido naquele dia em que sentada na esplanada da Mexicana, um colega benfiquista recusou a água com gás que o empregado lhe trouxera. Diz que era do Sousa Cintra e num outro dia em que, ao passarmos pela montra de uma loja de electrodomésticos, esse mesmo afirmou que não comprava nada marca Phillips. O PSV tinha derrotado o Benfica e isso não se faz.

Acontece que ontem o Chelsea derrotou o Bayern de Munique. Diz que era um jogo importante. Para mim apenas um jogo de futebol. Visto por um outro prisma, um jogo de futebol de duas equipas provenientes de duas cidades que estão nas minhas preferências: Londres em grande destaque e Munique com carinho. O meu mundo por uma Brezel e um Weissbier na Augustiner. Mas não. A derrota dos alemães foi a oportunidade perfeita para aguçar o ressentimento contra os alemães. Como toda a gente sabe, o povo não deve ser confundido com os seus governantes. Cruzes credo se me confundem com o Passos Coelho ou com o homem do ‘coiso’. Angela Merkel não é a Alemanha nem os alemães. Nada disso interessa. Ontem quem perdeu foi a Merkel e a supremacia alemã. A derrota de Merkel ontem no Arena de Munique fez o povo acreditar que ainda há esperança de correr com os alemães. Pouco importa se era o Bayern, o Mönchengladbach, ou o Hertha de Berlim. Podia até ser o FC Badenia St. Ilgen. Nunca a Schadenfreude foi ironicamente tão bem ilustrada. E eu a pensar que o futebol eram onze caramelos e uma bola.

 

Também aqui. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Milagre!

por Rui Rocha, em 30.04.12

 

Sim, já todos sabemos que o futebol é terreno fértil em factos assombrosos. E que desde que um célebre dirigente viu um porco a andar de bicicleta os fenómenos sobrenaturais começaram a suceder-se a uma velocidade vertiginosa. Se dúvidas houvesse, aí teríamos o cabelo de Jorge Jesus a comprová-lo. Todavia, há fronteiras que eu próprio acreditava serem insuperáveis. Por exemplo, parecia-me impossível que uma equipa com um guarda-redes e sete jogadores de campo pudesse actuar em 4x3x3. Mas isso foi antes de ler a edição online do Record.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Axioma lusopédico

por Rui Rocha, em 25.02.12

 

Equipa que ganha o Djaló não se mexe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hip hop do Djaló (featuring Boss AC)

por Rui Rocha, em 02.02.12

A inveja é um sentimento muito feio
Mete na cabeça que ele não vai competir num único torneio
Vai andar aos empurrões e nunca será o primeiro

Ser verdadeiro não é acreditar no que dá na Canal Benfica  o dia inteiro
Não é por ele ter contrato com o Benfas que vai chegar ao céu
Tu não sabes metade do que já lhe aconteceu
O Djaló não é banda sonora de nenhum time
E se pensas que estar junto à águia vitória impressiona, enganas-te deprime
Se pensas que para chamar a atenção tem de usar o cabelo assim
Enganas-te outra vez porque isto não funciona assim
Djaló é dar pontapés na atmosfera à segunda e à terça
Djaló é ouvir este granda beat e falhar de cabeça
Breakdance, Graffiti, DJ, MC
Beatbox, street wear, rimar no m.i.c.
O Estádio da Luz a deitar por fora, o people sempre a assobiar
O Jesus a mixar e a Luciana a aplaudir

 

refrão - Hip Hop don't stop, traz a tua crew, Djaló já a sair
DJ, B-Boy, ouvinte ou mc, Hip Hop sou eu e és tu
Hip Hop don't stop, todos  a assobiar, sente o beat
He throws is hands down and he is never fit
O Djaló já saiu e és tu a sorrir, yo.

 

* publicado também aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Olhar de leiga

por Leonor Barros, em 17.01.12

O mundo insondável do futebol é isso mesmo, insondável. Para quem como eu continua a ver vinte e dois vestidos de cor diferente, é certo, mas ainda assim vinte e dois homens a correr atrás de uma bola, sem grande noção de passes, trivelas e outros truques de magia, o futebol é um mundo hermético. Um universo cheio de subtilezas mau grado a virilidade dos rapazes, prenhe de códigos a serem decifrados e dotado de uma linguagem muito própria. Acresce a tudo isto um código de conduta estranho onde dar uma opinião pode ser punido sem grandes pruridos, atitude que se transferida para uma outra esfera social seria assunto para uma infinidade de posts, acusações, refilanços, vozes que se ergueriam gritando Delito de opinião! No futebol não. É proibido criticar o mister, ou lá como chamam os senhores da bola, os guardiães da rapaziada, os feiticeiros das técnicas e tácticas. Assim sendo quem ousa proferir aquilo que para mim seria um reparo no mundo do futebol é um crime de lesa-mister. Os rapazes calam-se tementes. E depois há as entrelinhas. As 'bocas' que são mandadas para o balneário, esse mundo oculto onde, ao que parece, muito se passa e onde para mim se reúne a rapaziada em trajos menores.

Mas o que me traz aqui foi fruto da observação directa, pura observação dos misters que se me entram pela casa fora de vez em quando. De norte a sul, os misters são rapazes carrancudos a quem raramente se vislumbra um sorriso. Quer ganhem quer percam têm quase sempre o sobrolho franzido, uma carranca de poucos amigos, um ar de enfado e respondem às perguntas com esgares condoídos. É preciso mostrarem sempre aquelas caras? Estão zangados com o mundo? O futebol dói?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um Sporting x Porto numa imagem

por Rui Rocha, em 06.01.12
Cerélac com fruta

Autoria e outros dados (tags, etc)

Psst, com licença...

por Ana Vidal, em 30.01.11

Ao jornalista da SIC N que pergunta ao mui douto Rui Santos se "acha normal uma atitude tão irritada de Jesus", em vez do interminável arrazoado do filósofo do esférico - que o deixou exausto e baralhado - respondo eu, de uma maneira muito mais simples: Claro que sim, homem! Já não se lembra do que aconteceu com os vendilhões do Templo?

 

Ó p'ra mim a falar de futebol!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Irradiante

por Ana Vidal, em 02.12.10

Os irradiantes gémeos Sócrates e Zapatero apresentaram hoje ao mundo (que digo eu? ao universo!) a sua irradiante candidatura ibérica ao próximo mundial de futebol, com irradiantes sorrisos de prosperidade e um irradiante panorama de futuro garantido pelas irradiantes economias que lideram. O povão ibérico rejubila, irradiante de esperança para 2018. Até lá, passa fome.

 

Adenda (às 15.30h): E lá vamos nós ter de ir irradiar para outra freguesia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Treina, rapaz...

por Ana Vidal, em 24.09.10

 ... que TAS aqui TAS perdoado.

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D