Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Delito de Opinião

Estraga tudo em que mexe

Pedro Correia, 17.07.21

26826269.jpg

 

Já no terceiro mês após a comemoração do título de campeão nacional pelo Sporting, o ministro da Administração Interna - bem ao seu jeito - tenta sacudir a água do capote, em permanente fuga às responsabilidades próprias.

Tem sido assim em tudo, desde o assassínio de Ihor Homeniuk no aeroporto de Lisboa à questão das golas inflamáveis, dos atropelos à legalidade em Odemira ao recuo em toda a linha na intenção de "acolher" imigrantes na ala sul da prisão de Caixas.

Passando, obviamente, pelo atropelamento mortal do trabalhador Nuno Santos na A6 por uma viatura oficial em que o ministro seguia. Sem o menor pudor, o gabinete ministerial cuidou logo de sair de cena, atirando para cima do morto a responsabilidade pelo trágico atropelamento. Foi desmentido. E calou-se. A propósito, continuamos sem saber a que velocidade seguia a viatura e se foi feito o teste de alcoolemia ao motorista.

 

Não acerta uma.

 

Repete-se o procedimento. O ministro acusa sem fundamento e o Sporting responde à letra, chamando-lhe mentiroso.

Algo me diz que o visado vai comer e calar. Enquanto ensaia nova fuga para a frente. No caso do cobarde assassínio de Homeniuk, lembrou-se de extinguir o SEF - e até pretendia tomar esta decisão sem qualquer fiscalização da Assembleia da República.

Agora, a propósito das comemorações do título do Sporting, anuncia espantosamente que pretende rever o exercício do direito de reunião e manifestação, consagrado em diploma legal desde 1974, aliás elaborado por um ilustre socialista: Francisco Salgado Zenha, à época ministro da Justiça. Se há lei que nunca mereceu reparos foi esta. Até agora.

 

É uma iniciativa condenada ao fracasso: Eduardo Cabrita estraga tudo em que mexe. Entretanto, aquele que a 12 de Maio lhe chamou «excelente ministro» para o País ouvir faz o que é costume: empurra com a barriga.

Está em Luanda, a comemorar o aniversário. Nunca o apanhamos no olho do furacão.

A redenção pela bola

João Pedro Pimenta, 17.07.21

Se as história de superação são apelativas, mais ainda se tornam se lhes forem acrescentadas certas concidências e acasos. O Euro 2020 que acabou há dias é disso exemplo.

Julgava que a superação seria a de um homem, Gareth Southgate, o actual treinador de selecção inglesa. Até agora, em Europeus, a Inglaterra normalmente ficava-se pelo primeiro jogo a eliminar (o guarda-redes Ricardo que o diga), tirando em 1996, quando a competição teve lugar precisamente em solo inglês. Só que nas meias finais jogaram contra a velha rival Alemanha, em Wembley, empataram a um golo e nas grandes penalidades um jogador inglês falhou, impedindo a sua seleção de chegar à final perante o seu público. O seu nome? Gareth Southgate.

Um quarto de século depois, Southgate levou a seleção inglesa pela primeira vez à final de um Europeu, tendo deixado pelo caminho a Alemanha, com um emotivo 2-0. Passadas as meias, de forma algo duvidosa contra uma aguerrida Dianamarca, a Inglaterra lá chegou a uma final, ainda por cima (e como quase todos os jogos que disputou) em Wembley, quase como em 1996 - quase porque se demoliu e reconstruiu o mítico estádio. E o povo enchia o estádio, ignorava os casos crescentes de covid e cantava, em fervilhante entusiasmo, It´s Coming Home, do célebre hino dos Ligthing Seeds Three Lions (A partir dos vinte segundos do video abaixo vê-se Southgate a falhar o penalty; noutra versão, a original, de 1996, aos 30 segundos a seleção inglesa marca um golo à portuguesa, defendida pelo malogrado Neno).

 

Não estava propriamente a apoiar os Three Lions, mas confesso que me interessava a ideia da redenção de um homem, que, 25 anos depois, naquele mesmo espaço, poderia conduzir a sua seleção à vitória na competição como treinador, depois de o impedir como jogador. Mas como sabemos, a história não acabou assim, e mesmo tendo chegado à final, a Inglaterra perdeu em Wembley com a Itália, de novo nos penaltys - e aqui sim, Southgate falhou pela escolha dos marcadores.
 

Mas se não houve redenção por um lado, ela veio de outro. A equipa técnica da Itália é constituída quase em exclusivo por velhas glórias da Sampdória de Génova, como Roberto Mancini, Gianluca Vialli, Lombardo ou Evani. E precisamente em Wembley, em 1992, na final da Taça dos Campeões perdida para o Barcelona de Cruyff, Mancini e Vialli, a dupla de ataque, os "gemelli del gol", jogaram juntos uma última partida. Vialli prossseguiu uma carreira  de sucesso na Juventus, Mancini na Lazio e ambos foram mais tarde técnicos de sucesso em Inglaterra. Até se reencontrarem na equipa técnica da selecção, um pedido expresso de Mancini, e que como se viu no Domingo, até pelo ambiente da equipa, voltou a dar resultado. 29 anos depois de perderem o título europeu de clubes em Wembley, ganharam o de selecções. É só isto, a redenção? Apenas o pretexto. Porque Vialli, já com funções na Azzurrasofreu um canco no pâncreas, um dos mais difíceis de debelar, recuperou, teve uma recaída, e finalmente venceu-o completamente, sem mais vestígios. Chegou a dizer numa entrevista que "tinha vergonha de estar tão feliz", quando Itália sofria a primeira e mortífera vaga da pandemia. Um ano depois da sua recuperação, GianlucaVialli, que protagonizou uma destas superstições em que o futebol é fértil, no mesmo lugar onde não tinha sido feliz anos antes, voltou a festejar, em lágrimas, com todas as razões do mundo para o fazer, ou no mínimo com muito mais razões do que apenas um penalty falhado.

 

Portugal-Bélgica (crónica)

jpt, 08.07.21

037-07 TINTIN timb F CAPITAINE HADDOCK.jpg

(Já velho postal, colocado a 28.6.2021 no meu Nenhures)

Na véspera dos oitavos-de-final deste Euro 2020/1 fui infiltrado, o que me criou más expectativas para o encontro pois temi alterações nas condições físicas apropriadas. Mais ainda, no próprio dia recebi a novidade, esperada é certo, de que nas relativas cercanias do estádio de Wembley a minha filha, também ela, assinara pelo clube Pfizer. Algo que me causou uma enorme desconcentração, prejudicial ao embate face aos belgas.

Pois assim me mergulhei em memórias inúteis: de quando na época passada a aguardei, ela com traumatismo asmático, agravado no pesado calendário inglês, para logo nos confinarmos num Nenhures campestre, eu em pânico, inseguro sobre os efeitos que uma hipotética fractura covidesca poderia ter na carreira dela. E isso quando o Presidente da Federação, Sousa, e o director das Relações com as Filiais, Silva, nos garantiam da impossibilidade de fechar fronteiras, sendo que Sousa prosseguia entre festejos em estádios teatrais no reduto de Pinto da Costa. E Freitas, a responsável pelo departamento médico, nos pedia para visitarmos os núcleos de veteranos - onde a minha mãe, antiga campeã de paciência, viria a definhar e morrer enclausurada - e nos alertava para não usarmos máscaras nos treinos nem aceitarmos que nos fizessem testes anti-doping. Já para não falar de Antunes, responsável dos relvados de Alvalade e Alcochete, que se debruçava sobre possíveis transferências de jogadores para o campeonato chinês. Lembrei ainda os meus frémitos quando a minha filha, já nesta época regressada à Premier League, contraiu uma lesão no tendão covidiano, ainda por cima sem que eu tivesse total confiança nos fisioterapeutas do seu clube. Enfim, tamanho foi o meu alívio, até eufórico, com a sua transferência para o Pfizer, que no domingo me alheei dos cuidados tácticos face ao nº 1 do ranking mundial e à ponderação dos titulares necessários para cumprir as matizes estratégicas que se poderiam impor durante o tempo regulamentar e, mesmo, no sempre temível prolongamento.

Tão abstraído estava que nem verdadeiramente notei que a equipa nacional, após entoar o hino, se ajoelhou como se fosse uma qualquer equipa de futebol americano, nisso decerto que arrebitando os ademanes dos holigões socratistas do Sport Campo Grande, do Atlético de Campolide e do Académico de Coimbra, já para não falar do entusiasmo que decerto sentiram os literais "Black Panthers", recém-contratados pelo Desportivo da República, ao verem o enérgico Sanches de "Poder Negro" em riste.

Assim sendo só após soar o apito inicial pude constatar algumas evoluções na filosofia do Engenheiro Santos: poventura para mitigar o número de punhos racistas erguidos no início do jogo cuidou de enviar William Carvalho, sua excentricidade, para a bancada, e Danilo, seu óbvio talismã, para o banco de suplentes. Um pouco mais à frente tudo na mesma como a lesma - como diz o povo, na sua infinita sageza - com os alas da direita e da esquerda (se é que este o era) impassíveis, pobres avatares dos excelentes Bernardo Silva e Diogo Jota que ali estavam encarregados de representar. 

As equipas entraram em cuidadosa fase de estudo, a qual teve direito a 2ª chamada e se prolongou até à 2ª época, o que comprovou o acerto da escolha do Prof. (Jubilado) João Moutinho como titular. Nesse entretanto, e apesar de algumas irreverências do aluno Sanches, decerto que devidas a ser oriundo do ensino técnico-profissional, posso afiançar que foi o período em que mais estive em jogo. Pois decorreu um futebol mastigado, condizente com a nossa claque aqui presente, entregue ao manuseio de uns belos ovos com farinheira (cuja origem não averiguei), uns rojões com molho amostardado do mais fino recorte técnico, uns decentes camarões austrais cozidos debruados com a maionese caseira, tudo circundado com tremoços temperados bem frescos e o pequeno luxo de tijelas de castanha de caju, estas ali em homenagem aos sempre indefectíveis apoiantes africanos da selecção nacional, como bem o comprovou o hino da selecção, o "Vamos Com Tudo" de autoria e trinados do artista David Carreira. Mas nestas manobras reconheci o meu estado de abatimento, o qual nada de bom augurava para o desiderato final, pois acompanhei-as com apenas uma cerveja, a condignamente titular "Super Bock".

Enfim, cerca do final da primeira parte aconteceu o rude golpe belga, selecção que - reconheço-o - muita simpatia me convoca e não só devido a Moulinsart. Ao intervalo o nosso estado era de algum torpor, em murmurados lamentos face à opção de retirar o play-maker Ferro Rodrigues da equipa, substituindo-o por um apático e inexperiente Brandão Rodrigues. Pois não basta ser (quase) homónimo para se poder levar a equipa ao triunfo. Confesso que a segunda parte por cá encontrou uma moldura humana já mais rarefeita e ainda menos confiante. Foi reconhecida, com justiça, a (tardia) afoiteza do Engenheiro, o qual com sucessivas substituições tratou de "meter a carne toda no assador", tentando inverter o agora regressado triste fado luso. Ficará para sempre a dúvida sobre porque não o fez antes, pois foi óbvio - como o demonstrou a inútil arrochada do Tio Pepe, que lhe provocou a reprimenda arbitral - que a carne assada em tão pouco tempo se torna demasiado nervosa, dando-se pouco macia às gengivas adeptas. Ainda assim o Engenheiro não mereceu a traição cometida por Raphael Guerreiro, que decidiu atirar ao poste quando as instruções recebidas eram para repetir exactamente a manobra de Budapeste.

Terminado o confronto de Sevilha, constatado o atentado blasfemo à religião oficial de Estado, retirámo-nos acabrunhados sem mesmo escutar os sacristões congregados nos painéis televisivos. Já no leito algo me reanimei ao ler as doutas declarações do presidente da Federação, Sousa, afiançando-nos que tínhamos sido os melhores e que, mais importante, somos como os melhores. Nisso convocando o nosso fervor para 2022, ano no qual, prometeu o Engenheiro, seremos campeões do mundo. Adormeci, mais pacificado. E sonhei com múltiplas medalhas em Tóquio. E com Eduardo Ferro Rodrigues.

«Cristiano podia ter metido naquele livre»

Pedro Correia, 07.07.21

Marcelo R Sousa.jpg

Ferro.jpg

 

Nasceu uma nova estrela no comentário futebolístico em Portugal: chama-se Marcelo Rebelo de Sousa e parece ter jeito para mandar bitaites sobre bola. Mostrando assim estar em sintonia com a esmagadora maioria dos compatriotas.

Talvez saudoso dos tempos em que dominava os serões televisivos de domingo, o Presidente da República não resistiu a debitar opiniões sobre o Portugal-Bélgica que já se tornou desafio de má memória para todos nós. Conseguiu até pôr fora de jogo dois comentadores titulares: Marques Mendes, na SIC, e Paulo Portas, na TVI, abdicaram no passado dia 27 de comparecer nas suas tribunas televisivas dominicais. Não há como o futebol para destronar a política.

Se não podes vencê-lo, junta-te a ele. Assim terá pensado o inquilino de Belém, que trocou a cansativa deslocação a Sevilha por um jantarinho mesmo ao pé de casa, no seu bairro de Cascais. Foi aí que uma chusma de repórteres o encontrou, certamente não por casualidade. Gerou-se uma competição de microfones, por vezes mais emocionante do que o embate entre portugueses e belgas na Andaluzia.

Marcelo até parecia António Costa cruzado com o saudoso Zandinga: surgiu em registo de “optimista irritante”, falando no intervalo do jogo e emitindo vaticínios para o desfecho da partida. “A Bélgica domina 15 minutos, nós estamos melhor 20 minutos. O Cristiano podia ter metido naquele livre. Jogámos melhor do que a Bélgica, surpreendemos a Bélgica, mas depois a Bélgica, muito eficaz, em três tentativas de remate à baliza acerta uma. Apanha-nos em contrapé, avançados, num contra-ataque muito rápido. Era praticamente imparável, aquele remate. Acho que temos jogado primorosamente bem. Agora só falta entrar a bola, ter golo.”

O Presidente podia ter ficado por aí, mas quis ir mais longe: arriscou que Portugal daria a volta e venceria 2-1. Confidenciando que trouxera uma garrafa de espumante para a celebração. Faltou-lhe a prudência de João Pinto, antigo campeão europeu do FC Porto: o melhor é fazer prognósticos só no fim.

Mais valia não ter falado, resmungam agora os supersticiosos, inconformados com a vitória belga. Mas fica-lhe este consolo: no confronto com as anteriores declarações de Ferro Rodrigues, levou a melhor. O que pouco surpreende, dada a insistente tendência do presidente da Assembleia da República em propiciar títulos de jornais e telejornais pouco abonatórios para a dignidade institucional do cargo. A novela da sua controversa deslocação a Sevilha – anunciada em Budapeste, reiterada no hemiciclo parlamentar e afinal transformada numa prosaica ida ao Algarve – parecia uma rábula do Ricardo Araújo Pereira, talvez para compensar o súbito desaparecimento do programa deste humorista na SIC.

Em linguagem futebolística, dir-se-ia que Marcelo venceu Ferro por margem tangencial. É certo que o segundo protagonizou mais tentativas de remate, mas nenhuma se concretizou. E acabou derrotado com autogolo.

 

Texto publicado no semanário Novo

Portugal/Bélgica

José Meireles Graça, 28.06.21

O meu amigo de andanças feicebuquianas Pedro Brinca é professor de economia em Lisboa, ao que sei respeitado pelos pares e estimado pelos alunos, não sendo portanto provável que entenda grande coisa do assunto. Mas de futebol, reconheço contrariado, sabe. Isto é um problema porque a analisar os jogos não é menos sofisticado do que seria se estivesse a falar dos de xadrez, e outro tanto fazem os melhores comentadores, ainda que em geral sejam mais proficientes em geometria e matemática do que em gramática. Ora eu sou do tempo em que, para falar do jogo, os analistas, que nele viam o que toda a gente via, adoptavam um palavreado intensamente lírico, às vezes pitoresco e ainda mais frequentemente asneirento: as equipas distinguiam-se pelo pundonor e o jogador xis pelo arreganho, enquanto tal ponta-de-lança chutava com o pé que tinha mais à mão.

O melhor futebol era o brasileiro, e quem viu Tostão, Gérson, Rivellino, Pelé e inúmeros outros sabe do que estou a falar.

Depois vieram os engenheiros da bola, que descobriram que fintar um defesa é um risco e uma perda de tempo, até porque onde dantes havia um agora há dois, e se a coisa demorar três, de modo que o melhor é passar ao camarada que está mais bem colocado, porque toda a gente que está no campo corre que se mata, a ganhar posições quem ataca e a anulá-las quem defende.

De modo que há pelo menos dois jogos, um com bola e outro sem, e as capacidades atléticas, mais a precisão do passe, é que passaram a fazer a diferença, com o ocasional tipo de génio lá à frente, que porém não consegue marcar se a bola não lhe chegar ou, chegando, tiver uma chusma em cima dele.

Isto seria o menos. Mas como pela mesma maré também ficou assente que não sofrer golos é mais importante do que marcá-los, o jogo transformou-se num cansativo exercício de paciência em que duas equipas, em particular se tiverem níveis semelhantes de competência, ficam o tempo todo a “rodar a bola” (expressão consagrada pelos cognoscenti, catálogos ambulantes e infelizmente falantes de lugares-comuns), tolhidos de medo e à espera de um deslize.

O jogo Portugal/Bélgica foi assim: chato. Um belga foi feliz e, de meia-distância e porque nenhum defesa o atrapalhou, marcou; e um médio português, no caso Rafael Guerreiro, rematou, com grande galo, ao poste (para não falar de dois balões que não foram à baliza, de outros, o esférico moderno sobe muito), uma bola que seria indefensável.

Ou seja: perdemos e as análises são umas; e seriam outras se tivéssemos empatado e, talvez, ganho no prolongamento, onde o cansaço facilita as distracções – a enconar ganhamos improvavelmente o último campeonato, e este, pelo mesmo processo, também estava ao nosso alcance.

Eu, que sou intelectual de grandes cogitações e tendo a detestar todos os clubes com excepção do FC do Porto, portanto pessoa de elevação e distanciamento, há muito entendo que quem está enfarinhado nestas coisas não está a ver bem a questão.

A questão é esta: os jogadores são mais altos, mais atléticos, mais calculistas; os treinadores estudam os adversários cuidadosamente, de modo a anular-lhes as vantagens; e toda a gente, antes de jogar para ganhar, joga para não perder.

O calculismo vai a ponto de as faltas poderem ser “cirúrgicas”, porque a penalidade é menos gravosa do que o risco de uma jogada prosseguir, e, nos casos relativamente mais sérios, que dão origem a cartões amarelos, pode ela beneficiar não a equipa ofendida mas uma terceira que nem ali está, escândalo com o qual os adeptos convivem alegremente.

Lembremo-nos apenas de um exemplo: as medidas da baliza são as mesmas de sempre. Porém, os guarda-redes dos primórdios eram muito mais baixos (o assunto está particularmente bem documentado por causa das incorporações militares, onde sempre a altura dos mancebos foi medida), pelo que os contemporâneos levam vantagem.

Alterar regras? Nem pensar, dizem os amantes de futebol. O que de certo modo é reconfortante: comunas, bloquistas, socialistas, progressistas sortidos, rezam nesta matéria todos pela mesma cartilha, que é a conservadora.

Pena seja só no futebol.

Acabaram-se as contas

Sérgio de Almeida Correia, 28.06.21

22114287_k2ySy.jpeg

(foto daqui)

 

A fase de qualificação não fora brilhante.  Uns dias melhor, outros pior. Os altos e baixos foram sendo transportados de uns jogos para os outros, mas esperava-se que depois, nos jogos da fase final, se superassem e mostrassem o melhor.

As escolhas foram obviamente do seleccionador nacional, e tirando este ou aquele jogador com contratempos de última hora, havia gente com qualidade e em quantidade para fazer alguma coisa vistosa. Ninguém lhes pedia o título, que nestas coisas não costuma funcionar por encomenda.

No final, o balanço não deixa de ser sofrível. Houve quem já tivesse escrito que foi a pior classificação de Portugal em Europeus. Nos tempos recentes, claro.

Tirando um outro momento individual, uma ou outra jogada com cabeça, tronco e membros, viu-se muito pontapé para a frente, muita bola a sair pelas linhas laterais nas reposições a partir da baliza, muito passe perdido e transviado, pouco acerto nas combinações ofensivas, algumas boas defesas, também umas quantas faltas e "fitas" desnecessárias. Em matéria de remates à baliza nem valerá a pena fazer a contabilidade do que de bom, mau e muito mau se viu.

Terminou tudo em desalento e com uma imagem do capitão atirando a braçadeira ao chão. Era evitável.

Entraram juntos, saíram juntos. Por aí nada a dizer. 

No resumo final, porém, as pessoas apenas recordarão para a história quatro jogos, uma vitória, um empate, duas derrotas, sete golos marcados e sete sofridos, dos quais quatro num único jogo.

E que chegámos aos oitavos de final com mais quinze equipas. Das vinte e quatro à partida só há oito que mostraram ser piores do que os actuais campeões da Europa.

Alguém se pode orgulhar disto? Estão feitas as contas.

A falta de sorte

Paulo Sousa, 28.06.21
 
“Hoje é dia de futebol, e aqui estamos todos unidos em torno do futebol e, portanto, eu não vou agora estar a falar de outros temas, porque é desconcentrar o fundamental.”
Marcelo Rebelo de Sousa, no ínicio do jogo com a Hungria em 15 de Junho de 2021

Deixamos que a falta de sorte se tornasse na última camada de pele do nosso ADN cultural. Foi por ela que ficámos repetidas vezes no lado errado da história. Os nossos governantes alimentam essa ideia e sempre que se lhes exige responsabilidades e consequências apontam sonsamente para a falta de sorte.
Assim, e mais uma vez devido à causa habitual, fomos ontem afastados do “fundamental” e relegados para a nossa vidinha cheia de coisas “secundárias”, tais como a pandemia e os seus efeitos, a estagnação económica e social, a pobreza, o marasmo e a endogamia política, o nepotismo, a dívida, a iminente subida das taxas de juro, a subserviência dos média e mais uma mão cheia de idênticas banalidades.
Os nossos políticos adoram que mergulhemos nesta anestesia colorida em que os torneios internacionais de futebol se tornaram e, quando terminam, ficam a pensar se no próximo campeonato ainda estarão no poder.
Será no Qatar e já no próximo ano. Até lá regressemos às tricas secundárias.

Ser sensato, ser prudente, ser imbecil

Pedro Correia, 25.06.21

Uma enorme vaia

Pedro Correia, 25.06.21

img_440x274$2014_09_30_15_15_00_233917.jpg

 

O governo do partido do senhor Ferro Rodrigues proíbe-nos há 15 meses de assistir a jogos de futebol em Portugal e há poucas horas reiterou essa interdição em toda a Área Metropolitana de Lisboa. Alegando motivos sanitários.

Entretanto, o próprio senhor Ferro incentiva os portugueses, proibidos de frequentar estádios em Portugal, a encher um estádio... em Espanha. Por espantosa coincidência, precisamente na zona de Espanha onde existe maior risco sanitário.

 

Obedecendo a fidelidades tribais, há quem bata palminhas a isto.

Da minha parte vai uma enorme vaia.

A ambição do país

Paulo Sousa, 23.06.21

Vivemos num país em que a matemática só entusiasma quando se está num apuramento para, ou durante, uma competição internacional de futebol.

Ainda os jogadores não tinham regressado ao balneário, após a derrota com a Alemanha, e já os mais talentosos matemáticos de bancada tinham sossegado o país com a garantia de que no jogo de hoje, com a França, até podemos perder por dois golos que continuamos na competição.

Se a Selecção das Quinas fosse treinada pelo PS, a táctica teria sempre a derrota como objectivo, mas só por dois golos. Se conseguíssemos esse objectivo ambicioso festejaríamos emocionados essa grande vitória. Se por azar, ou arte do adversário, sofrêssemos o terceiro golo, então a cabeça do responsável de gestão do Regulamento Geral da Protecção de Dados da Federação teria de rolar. Com coisas sérias não se brinca.

Um telegrama alemão

João André, 21.06.21

Em 1886, um major do novo exército alemão telegrafou aos seus superiores um novo conceito ofensivo. Estes receberam a nova ideia de forma tão positiva que a incorporaram imediatamente como parte dos manuais de guerras alemães, apesar da sua especificidade em combate. este conceito ganhou tanta popularidade que se tornou parte da mentalidade Junker, que dominava o exército alemão. Em 1914, o General Moltke tinha-o tão incorporado na sua abordagem à guerra que preparava como os horários ferroviários necessários à sua estratégia ofensiva. Durante 1939-1941, Guderian e Rommel modernizaram o conceito e adaptaram-no às suas tácticas no uso de tanques. Na Europa pós-Guerra, tanto a NATO como o Pacto de Varsóvia adoptaram os conceitos às suas disposições ofensivas e defensivas, o que terá em grande parte contribuído para o impasse que resultou na ausência de hostilidades entre os dois lados. Após 1989, a Alemanha unificada introduziu estes conceitos, sob uma forma política, na sua Constituição, os quais têm sido utilizados em certos casos nos argumentos do Tribunal Constitucional Federal alemão, em Karlsruhe, para rejeitar certas medidas da União Europeia.

Falo, obviamente do conceito táctico de enviar a bola para as costas dos defesas laterais portugueses.

 

 

Censura, desinformação e falta de pudor

Pedro Correia, 19.06.21

russa.jpg

RPB.jpg

RPB 2.jpg

 

Ao quarto desafio do Europeu de futebol que venho acompanhando pela televisão, pude finalmente ver uma cara bonita em destaque numa bancada por corajosa decisão do realizador de turno. Era uma adepta russa no confronto caseiro com a Bélgica: o jogo correu mal à selecção anfitriã mas a moçoila exibia um contagiante sorriso optimista. Eis a festa do desporto-rei em todo o seu esplendor, bem espelhada neste rosto.

Infelizmente, ao que me garantem vozes autorizadas, estas imagens tornaram-se quase clandestinas nas transmissões televisivas por exigência dos manda-chuvas da bola: a UEFA quer evitar a todo o custo acusações de sexismo e exploração da beleza feminina por parte das madres superioras das redes sociais, cada vez mais vigilantes contra o mais leve indício de fuga à norma. E a norma agora é mostrar uns mecos barrigudos ou espadaúdos, nada de graciosos rostos de jovens aficionadas. O severo olhar das microcensuras actuais chega tão fundo ou mais ainda do que o lápis azul dos majores de antanho.

 

Por estes dias disputa-se portanto o Euro-2021. Maquilhado de Euro-2020, num dos mais chocantes atentados ao rigor informativo de que há memória. Em 2020, como ninguém ignora, o desporto foi posto à margem. Não houve Europeu nem Jogos Olímpicos, tudo ficou adiado para este ano. Mandaria o amor à verdade que este dado factual não fosse varrido para debaixo do tapete. Estranhamente, porém, ouvimos a todo o momento alusões a um “Euro-2020” que jamais existiu. Nos mesmos órgãos de informação que se proclamam paladinos da luta contra a desinformação.

Faz algum sentido? Não. Tal como englobar o Azerbaijão, país da Ásia Menor, entre as nações europeias para efeitos de futebol. Transformando a geografia em ciência nada exacta e mandando às malvas o tal rigor que tanto se invoca mas tão pouco se pratica.

 

E por falar em futebol: uma das cenas mais divertidas da última semana foi ver a profusão de repórteres portugueses em Budapeste insistindo em manter ali máscaras, como se estivessem em Lisboa, apesar de na Hungria quase ninguém circular na rua com elas. Pareciam mais funcionários da DGS do que jornalistas, procurando impor aos húngaros os padrões sanitários portugueses.

Menos divertido foi o que aconteceu em dois espaços dedicados ao comentário desportivo, escassos dias atrás: enquanto na SIC Notícias se garantia que Rui Pedro Braz seria o novo director-geral do futebol do Benfica, na TVI 24 o próprio Braz surgia à mesma hora, enquanto comentador da casa, dando novidades sobre o seu clube do coração. Com manifesta falta de pudor, como se fosse parte desinteressada.

 

Nisto de máscaras, existem as reais e as metafóricas. Naquele preciso momento, ao comentador em trânsito da TVI para o posto de comando do SLB, sem o mais leve período de nojo nem intervalo para respirar fundo, caía em definitivo o que lhe restaria da máscara da isenção.

Há quem chame jornalismo a isto. Não acreditem. Nada tem a ver.

 

Texto publicado no semanário Novo

Euro-2021, não Euro-2020

Pedro Correia, 13.06.21

image.jpg

 

Até 11 de Julho, irei acompanhar o Europeu de Futebol na medida do possível. Como fiz aqui em 2016. Está documentado.

Euro-2021, para mim. Chamar-lhe Euro-2020 é fake news, como dizia o outro na sua linguagem rudimentar.

Em 2020 estávamos encerrados, devido à pandemia: foi adiado o Europeu, foram adiados os Jogos Olímpicos. Não contem comigo para alimentar aldrabices ou reescrever a história.

O que a pandemia separou, o futebol uniu

Pedro Correia, 09.06.21

emplastro.jpg

RTP praia.jpg

SIC praia.jpg

 

Sabemos de certeza absoluta que o desconfinamento se tornou mesmo realidade quando revemos uma popular figura que há muito andava arredada dos ecrãs. Refiro-me àquele cidadão a quem costumam chamar “Emplastro”: parece imitar um papagaio de pirata, salvo seja, por ter aquele estranho hábito de aparecer empoleirado no ombro de um repórter.

Após longa ausência, lá irrompeu ele de novo nas pantalhas. Fiel às directivas iniciais da doutora Graça Freitas: a máscara transmite uma “falsa sensação de segurança”. Daí surgir de cara ao sol, desprotegido, em sintonia com os milhares de súbditos da Rainha Isabel II que desembarcaram em força na Baixa portuense a pretexto da realização da final da Liga dos Campeões.

Vendo-o assim, desmascarado, quase o confundíamos com um turista do Reino Unido: faltava-lhe apenas a garrafa de cerveja para lhe conferir certificado de origem britânica.

Também não manteve distância física, fiel à sua imagem de marca. Nisto poderia igualmente passar por um inglês em férias bem regadas no nobre burgo tripeiro. Os planos que os canais televisivos iam exibindo, sobretudo na zona da Ribeira, eram elucidativos: muito abracinho, muita beijoca, bastante afago, imenso calor humano. Nem um vislumbre da “bolha de segurança” a que a ministra Mariana Vieira da Silva havia aludido dias antes, no solene cenário da Presidência do Conselho de Ministros.

Apetece entoar um hino ao deus da bola: aquilo que a pandemia separou, o futebol uniu. Mas só o futebol que fala estrangeiro, porque nós, portugueses, continuamos impedidos de frequentar recintos desportivos cá no rectângulo. Espécie de xenofobia invertida promovida por este Governo que é farol do progresso, Costa seja louvado.

 

Talvez para compensar a fobia dos britânicos às máscaras, as enviadas especiais da RTP e da SIC a zonas balneares iam remando na direcção oposta: ao ar livre, sem quase ninguém por perto, a tão escassa distância do mar, apareceram ambas de rosto coberto – revelando assim o dress code daqueles dois canais, sempre atentos às tendências da moda Primavera/Verão.

As praias podem estar desconfinadas, mas estas simpáticas repórteres permanecem desconfiadas. Fazem bem, não vá a estirpe inglesa ou sul-africana pregar-lhes uma partida, já sem falar das variantes indiana ou brasileira deste vírus apátrida que empacou o mundo.

Será incómodo, mas pior ficariam se o Emplastro pululasse por ali, qual papoila saltitante. Houve um tempo em que ele parecia ter o dom da ubiquidade, multiplicando aparições de canal em canal.

Hoje esse é um privilégio reservado ao doutor Costa, que teima em transmitir-nos uma falsa sensação de segurança, chova ou faça sol. Como as saudosas máscaras iniciais da directora-geral da Saúde. Só passaram 15 meses mas parece ter sido há uma eternidade.

 

Texto publicado no semanário Novo

Aldrabice

Pedro Correia, 07.06.21

Vai agora por aí um enorme alarido no combate às aldrabices - a que alguma intelectualidade indígena, sempre pronta a agachar-se perante a última moda "amaricana", chama fake news sem sequer reparar que foi Donald Trump a popularizar tal expressão. 

Põem-se aos gritos insistindo na institucionalização de mecanismos de confirmação de factos - a que adoram chamar fact check, como se fôssemos todos "amaricanos" - esquecendo que a produção jornalística é, toda ela, constituída por confirmação de factos. Quando essa confirmação é omitida não existe jornalismo mas aldrabice (insisto no termo). 

Andam aí de lupa em punho, procurando distinguir entre facto e boato. Mas vasculham sobretudo nas franjas mais duvidosas das redes sociais, talvez por falta de coragem para escrutinarem os órgãos de informação, que - ao contrário das redes - têm o estrito dever de cumprir normas deontológicas.

Querem um exemplo de mentira servida como verdade? Vai realizar-se em breve o Campeonato da Europa em futebol. Todos lhe chamam Euro-2020 como se ainda estivéssemos nesse ano ou fôssemos protagonistas daquele filme intitulado O Feitiço do Tempo. Acontece que estamos em 2021. Este certame desportivo realiza-se um ano depois do previsto devido à pandemia. Mas a UEFA e as autoridades oficiais mantiveram a designação inicial, que não podia ser mais enganosa.

Viram alguém insurgir-se contra isto? Eu também não. Mas é aldrabice, mesmo assim.

A culpa é do Sporting

Pedro Correia, 02.06.21

Lembram-se de ouvirem as vozes histéricas clamando contra os festejos do título do Sporting a 11 de Maio?

Lembram-se dos adeptos do FC Porto - começando pelo presidente dessa agremiação - a disparar contra a "vergonha" dessas ruas e praças cheia de gente em alegre confraternização?

Lembram-se dos urubus da pantalha - um tal Óscar Felgueiras, um tal Manuel Carmo Gomes - soltando gritinhos de aflição contra o "inevitável aumento de contágios" que esses festejos causariam?

Pois tomem lá esta série de lindos postais da Invicta com milhares de briosos cidadãos cumprindo galhardamente as normas sanitárias - distanciamento físico e máscara - neste fim de semana em que lá se disputou a final da Liga dos Campeões.

No fim de tudo, se os contágios dispararem, não se esqueçam de dizer que a culpa é do Sporting.

 

111.jpeg

222.jpeg

333.jpeg

444.jpeg

555.jpeg

666.jpeg

O caos

Pedro Correia, 19.05.21

22087727_58NcY.jpeg

 

Não me lembro de gestão tão caótica no futebol português. E não me falem na pandemia. A pandemia não pode servir de desculpa para tudo.

Primeiro anunciaram que haveria público nos estádios, na última jornada da Liga 2020/2021. A ministra da Presidência fez o anúncio no final de um Conselho de Ministros, alegando que seria um "evento-teste"

Depois admitiram que talvez as duas últimas rondas tivessem público.

A seguir, vem-se a saber que os estádios continuarão interditos aos portugueses até ao último apito do último jogo deste campeonato. Descobriram à última hora que era necessário salvaguardar a equidade.

Anunciaram entretanto que a final da Champions voltaria a ser este ano em Portugal, no estádio do Dragão. Para júbilo do velho crocodilo, que logo lançou farpas a Lisboa. Como se Porto e Lisboa não fizessem parte do mesmo país.

Esta final da Liga dos Campeões terá público. Mas a final da Taça de Portugal será disputada com bancadas vazias, ao contrário do que chegou a admitir-se.

«A ideia de haver público na última jornada era uma ideia de só haver público do visitado, coisa que é manifestamente impossível haver no final da Taça, uma vez que o jogo vai realizar-se no estádio de Coimbra», disse o alegado e baralhado secretário de Estado do Desporto, voltando a confirmar a sua inutilidade no Governo. Enquanto justifica o privilégio concedido à final entre Chelsea e Manchester City por «circunstâncias muito distintas» que não especificou.

Duas realidades diferentes: uma para estrangeiros, outra para portugueses. Ambas em solo nacional, o que torna tudo mais revoltante.

Alguém entenderá seja o que for no meio deste caos?

Após a festa

jpt, 12.05.21
Pode ser uma imagem de 1 pessoa, monumento e ao ar livre
 
Ontem fui ao Marquês, logo após o jogo. Quando a mole começou a aumentar eu e o meu comparsa regressámos a casa, Covid oblige. Pois ainda não vacinados mas já velhotes - e vejo uma fotografia minha de ontem no metro e até me assusto com aquele Matusalém que já vou. Hoje leio muita gente incomodada com as multidões que se congregaram junto ao estádio, nas manifestações subsequentes ao jogo, com a violência ocorrida, com a hipotética indução de infecções (e até quem se queixa com os efeitos no turismo veraneante. A esses replico que melhor seria pensar em produzir algo em vez de vender vinho barato, raios de sol, peixe grelhado, sexo cálido e souvenirs reais e intangíveis aos estrangeiros, mas isso é coisa que não entendem os morcões infectados de estupidez que falam de "indústria hoteleira" e "indústria turística". Infecção estupidifadora que mata menos gerontes mas mais lixa o país do que o Covid-19).
 
Mas enfim aos ofendidos com as massas sportinguistas (com as gentes dos futebóis) convém lembrar duas coisas: nada disto foi surpresa, como não o foram as grandes ondas da Nazaré e as corridas de Portimão, quando também o povo se congregou em massa e sem futebóis, diante do estupor das autoridades. O que ontem aconteceu em Lisboa foi um estrondoso e apatetado exemplo de incapacidade, indecisão, incúria das autoridades: do governo de Cabrita, da câmara das ciclovias. E, acima de tudo, da polícia. Da PSP.
 
Os milhares de putos que se acotovelaram no Lumiar e nas avenidas novas, as dezenas de famílias, as centenas de graúdos? Somos aqueles que estamos há 15 meses (desde 2.2020) a levar com o rosário de incompetências, atrapalhações e desvario da "Super-Marta" e seus colegas. Com o Sousa e seus três jantares de Natal... Pois o campeonato acabou, nós saudámos com júbilo os tipos que foram competentes (e não corruptos, como tantos anteriores) nisto tão estrito do jogo da bola. E, também por isso, convençam-se de uma coisa indiscutível: quem esteve mal, e muito, quem foi javardo foi quem ontem andou aos tiros. Estão há 15 meses para se organizar. E ainda que os assalariados do ISCTE-IUL os digam "super" não o são. São tão maus que acabam em Maio de 2021 aos tiros sobre os putos da cidade.
 
Finalmente, aos meus amigos: vim ontem de madrugada do para-além-do-Tejo. À saída o benfiquista que me acolhe saudou-me sorridente num "porta-te bem". Depois, já na capital, o amigo (neutral de clube) ao volante despediu-se como "diverte-te". Logo abanquei em esplanada bairrista diante de meia-dúzia de vizinhos, onde era o único sportinguista. Bebemos vinho do Porto, qual homenagem aos dignos "vices". Almocei em Marvila - e muito bem - com o meu padrinho benfiquista e meu afilhado belenense, que fizeram questão de pagar a refeição "do título". Também por isso não me mandem mais um texto desse Luís Osório, uma merda vácua e apatetada de óbvia a saudar familiares e amigos que são adeptos do Sporting, que corre por aí como se fosse exemplo de algo peculiar - quando é mera condição normal. Lembrem-se mas é que é tipo do "Causa Nossa", anos a ombrear com socratistas, ministros e candidatos, e que agora faz doces e militantes felações a estes ministros. A este estado das coisas. Acabou a festa. Não a conspurquem com estes tipos.