Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Delito de Opinião

O Polígrafo, a queda de Medina e os Olivais

jpt, 04.10.21

meter-03-true-but-dark.png

A propósito dos hipotéticos efeitos nos resultados eleitorais de Lisboa tidos pela reportagem da "Sábado" sobre as práticas aquisitivas da presidente da junta de freguesia de Arroios, o Polígrafo tem hoje um artigo - de Carlos Gonçalo Morais - que mostra terem sido substanciais as perdas da candidatura de Medina nessa freguesia. E através da comparação com as outras freguesias lisboetas onde o PS não ganhou a freguesia (perdendo a presidência ou repetindo a derrota) evidencia ser Arroios uma das freguesias onde a punição eleitoral do PS, tanto para a Câmara como para a Junta, foi maior, apenas ultrapassada pela acontecida no Lumiar, deixando assim implícito (quase explícito...) que o desvendar daquelas deselegantes práticas da presidente da Junta terão lesado a candidatura camarária do partido incumbente. Para comprovar isso o artigo apresenta uma tabela com os resultados dessas freguesias. E conclui, certeiramente, que "é verdadeiro que a freguesia presidida por Margarida Martins – Arroios - foi uma daquelas em que o PS perdeu mais votos nas últimas autárquicas em Lisboa, quer para a Câmara Municipal, quer para a Assembleia de Freguesia, com a erosão a ser ainda maior para Margarida Martins do que para Fernando Medina."

Eu direi que é "Verdadeiro, Mas...". E recordo este meu postal, "Os Olivais e a derrota de Medina" - nisso para ele apelando à atenção do Polígrafo, se tal for possível. É certo que na freguesia dos Olivais o PS não perdeu a presidência da Junta (o critério que o artigo escolheu para a comparação). Mas as suas perdas foram substanciais, e isso será um dado interessante para esta reflexão sobre o peso global da derrota em Arroios. 

Para o evidenciar vou aduzir Olivais à lista de freguesias apresentadas pelo Polígrafo:

I. Perdas do PS nas freguesias onde deixou de ser a força política mais votada para a Câmara Municipal (Fernando Medina) + Olivais

FreguesiaVotosPontos percentuais
OLIVAIS237712,92
Lumiar1.97711,07
Arroios1.83911,17
Alvalade1.3438,97
São Domingos de Benfica1.2727,74
Avenidas Novas1.0318,43
Areeiro9468,82
Parque das Nações6478,68

 

II. Perdas do PS nas Assembleias de Freguesia onde deixou de ser a força política mais votada (candidatos às juntas) + Olivais

FreguesiaVotosPontos percentuais
OLIVAIS328018,8
Lumiar1.97711,07
Arroios1.83911,17
Alvalade1.3438,97
São Domingos de Benfica 1.2727,74
Avenidas Novas1.0318,43
Areeiro9468,82
Parque das Nações6478,68

 

Por isso este meu sorridente "Verdadeiro, Mas" ao cuidadoso artigo do Polígrafo, pois a derrota do PS não se deve apenas - como aqui comprovo - ao acontecido nas freguesias onde a coligação "Novos Tempos" ganhou a freguesia. Repito o que disse há dias: as perdas do PS nos Olivais são superiores à distância (2194 votos) entre as candidaturas de Moedas e de Medina.

Enfim, é provável que com tudo o que aconteceu nos últimos quinze dias a concelhia do PS, alguns dos simpatizantes desse partido e até Fernando Medina estejam algo magoados com o desempenho de Margarida Martins em Arroios, e ela própria algo dorida com o ocorrido. Mas sosseguem ela e os seus correligionários. Pois, de facto, quem rebentou com aquilo tudo foi a "nossa" Rute Lima, presidente dos Olivais e colunista do prestigiado boletim "Público". Como os números o comprovam.

ADENDA: só agora reparo que o Correio da Manhã já publicara esta esclarecedora imagem -

olivais votos.jpg

 

Medina no governo?

jpt, 28.09.21

eco.jpg

Este é o tipo de "notícias" atiradas para se ver quais as reacções. Pois seja, muito bem isto de Medina no governo remodelado, a "bem da Nação", demonstrando como Costa entende o processo político nacional. Talvez como ministro da Administração Interna, pois prefere bicicletas a altas velocidades motorizadas. Ou substituindo o académico Santos Silva, dadas as suas boas relações com as embaixadas estrangeiras.

 

Os apoios eleitorais fortuitos

jpt, 25.09.21

jpp.jpg

Todos, e mesmo se militantes de um partido, somos livres de apoiar as candidaturas políticas que entendemos. E se essa liberdade deve ser defendida em geral, mais ainda é pertinente - no caso dos militantes - aquando das eleições autárquicas, onde mais abrangentes e até sistémicas concepções da sociedade não estão (tanto) em jogo. Ainda assim espera-se (não se obriga, espera-se...) alguma contenção nessas deambulações naqueles que optaram por ter uma carreira política activa e que usufruem desse estatuto. 

É disso muito elucidativa esta imagem do encontro de anteontem entre José Pacheco Pereira e Fernando Medina, numa acção de campanha deste último. Alguém dirá que foi "fortuito" mas é óbvio que não se trata de um acaso que tenha surpreendido o comentador político. O homem está no seu direito de ter estas demonstrações públicas. E o seu apreço por esta "esquerda" é consabido - alguns esquecem o encontro na Aula Magna em 2013, uma espécie de réplica dos "Estados Gerais" de Guterres, no qual se congregaram o centro-esquerda, a esquerda e as esquerdas comunistas. Durante o qual Pacheco Pereira surgiu saudando "amigos, companheiros e camaradas", aventando o que veio a ser conhecido como "geringonça", da qual assim se poderá reclamar se não ideólogo pelo menos profeta. Algo que se lhe impunha - como ficou patente ao invocar, em registo de analogia, o Manuel Alegre da Rádio "Voz da Liberdade" na Argélia - como uma luta contra um verdadeiro fascismo que assombra(ria) o país, mesmo se dito mera "direita radical". 

E é relevante que Pacheco Pereira continue opinando contra a "direita radical" que quer usurpar o seu PSD. E nisso defendendo - "por dentro", enquanto militante - a sua presidência partidária actual. A qual acolheu e lançou a actual candidatura municipal de Carlos Moedas. Ainda assim Pacheco Pereira entende necessário o "fortuito" apoio público à candidatura rival. Por puro silogismo depreendo que para o consagrado comentador Moedas pertencerá à tal "direita radical", contra a qual urge levantar a "Voz da Liberdade". É uma posição legítima, ainda que possa parecer algo contraditória, pois a cada cabeça sua sentença.

Mas este "fortuito" apoio público lembra-me outras intervenções de Pacheco Pereira. Por vezes tem aludido a que os locutores da tal "direita" se acoitam em órgãos de comunicação social - presumo que se trate, fundamentalmente, do "Observador" -, os quais invectiva por serem alheios à procura de viabilidade financeira e por pertencerem a grupos económicos. Alusões que são uma evidente desvalorização moral (e intelectual) desses opinadores, produtores de opinião pública. Que assim quer fazer parecer quais mercenários, ao serviço de interesses (económicos) esconsos. E ainda que eu pense essa análise algo redutora, mecanicista por assim dizer, ela é legítima pois é a opinião do analista.

E é nessa linha de raciocínio que olho para esta atitude "fortuita" - e também da continuada - do "social-democrata" Pacheco Pereira. Nisso, e de certa forma, eu sou-lhe um "co-idealista", acredito (matizadamente) nas potencialidades de uma tutela estatal indutora da redistribuição o mais equitativa possível, e assim reprodutiva, dos recursos societais. Aquilo a que a gente da minha geração e da minha profissão chamou - porventura com alguma candura - "desenvolvimentismo". Acontece que 75 anos depois da explosão da crença desenvolvimentista sabemos bem, por evidência mundo afora, que o nepotismo desbragado, o clientelismo sedimentado, isso do (neo)patrimonialismo, são inibidores do desenvolvimento. E da (social-)democracia. E face a isto não há qualquer erudição bibliófila nem "escavação" arquivística local que possa servir de contraditório. Ou seja, o apoio a esta situação actual do país nada é "social-democrata", é apenas situacionista. E anti-desenvolvimentista.

Porque segue Pacheco Pereira nesta via? Eu posso elaborar sobre o percurso do meu antigo (e excepcional) professor, de quem muitos livros e artigos li. Posso especular sobre um enquistamento intelectual proveniente no mergulho arquivístico na épica anti-fascista e pós-Abril. Que o fará pensar a actualidade através de pobres analogias com esse passado. Mas, de facto, o que devo seguir é o seu método de análise dos actos locutores. E perceber que estes seus apoios a forças inibidoras do desenvolvimentismo social-democrata e, até mesmo, anti-democráticas, são devidos ao financimento estatal que recebe e ao apoio estatal ao seu trabalho em órgãos de comunicação social sem intuitos lucrativos, pertencentes a grupos económicos.

Ou seja, nada há de "fortuito" no apoio de Pacheco Pereira ao PS e a Medina. É apenas reflexo das declarações (e pressões) do  primeiro-ministro António Costa: "A democracia não pode prescindir da Quadratura do Círculo" (Janeiro de 2019). E nesse trabalho (remunerado) recuperado o comentador se prestar à pantomina de ombrear com uma secretária-geral adjunta em exercício do PS enquanto ela se finge "comentadora" - esta pérfida idiossincracia portuguesa, isto de mascarar políticos no activo de "comentadores" televisivos. Nem há algo de "fortuito" nesse apoio quando o presidente apoiado financia o projecto pessoal do comentador político: Acordo entre Câmara Municipal de Lisboa e Associação Ephemera. (2021, Abril). E do que dele li ao longo dos anos só posso concluir isto: a sua arrogância intelectual é tanta que nem perceberá até onde chegou. Até onde desceu.

Enfim, o que nos cumpre, cidadãos democratas, em particular os lisboetas, é votar amanhã consoante o nosso viés democrático. Mas contra esta hidra municipal, inculta, patrimonialista. Que anda para aí à chinchada... Sabendo que nada é "fortuito". Muito menos as arengas dos "comentadores" remunerados.

A Lisboa de Medina (20)

Pedro Correia, 23.09.21

Lisboa

Pedro Correia, 06.09.21

O debate na SIC da passada quinta-feira em Lisboa demonstrou que há três corridas na corrida à autarquia da capital. A propriamente dita, a de Fernando Medina para liderar o PS e a de Carlos Moedas para suceder a Rui Rio no PSD.

João Ferreira, no PCP, nem precisa de correr: já está ungido pelo Comité Central. Nestas coisas os comunistas têm muito sentido prático.