Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Estátuas dos nossos reis (extra)

por Pedro Correia, em 29.06.19

afonsoVI.jpg

img.jpg

 

D. Afonso VI (1656-1683)

 

Autor: Rui Goulart

Ano da inauguração: 2019 (21 de Junho)

Localização: Pico das Cruzinhas-Monte Brasil, ilha Terceira (Açores)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma estátua para D. João II

por Pedro Correia, em 18.06.19

Retrato-de-Dom-João-II_pormenor (1).jpg

D. João II (retrato do século XVI)

 

Quase todas as grandes cidades portuguesas têm estátuas de figuras ilustres da nossa História. Incluindo, naturalmente, dos monarcas que contribuíram para fundar e robustecer este Estado-Nação, um dos mais antigos do mundo com as suas actuais fronteiras, definidas no rectângulo continental desde 1249, com a conquista do Algarve, e na sua globalidade desde o século XV, com a descoberta e povoamento das ilhas atlânticas.

São conhecidas da generalidade dos portugueses estátuas tão majestosas e emblemáticas como a de D. José implantada em 1775 no Terreiro do Paço, ou a de D. Pedro IV, descerrada em 1866 no coração da Baixa portuense. Sem esquecer a do nosso monarca fundador, D. Afonso Henriques, que se ergue junto ao castelo de Guimarães. Ou a moderna evocação de D. Sebastião, no centro de Lagos.

Várias outras cidades ou vilas têm estátuas de reis que de algum modo lhes estiveram ligados por acontecimentos diversos - ou por lá terem nascido, ou por lhes terem atribuído carta de foral ou ali feito uma inauguração de vulto, ou porque as tomaram aos mouros, alargando o perímetro das fronteiras portuguesas. Acontece, por exemplo, na Guarda (D. Sancho I), em Silves (D. Sancho II), Faro (D. Afonso III), Leiria (D. Dinis), Cascais (D. Pedro I), Lisboa (D. João I), Alcochete (D. Manuel I), Coimbra (D. João III), Vila Viçosa (D. João IV), Mafra (D. João V), Queluz (D. Maria I), Castelo de Vide (D. Pedro V) ou Cascais (D. Carlos). Com maior ou menor mérito, todos são ostensivamente recordados em mármore ou bronze.

Há, no entanto, uma evidente lacuna neste vasto conjunto de estátuas régias distribuídas de norte a sul do País. Refiro-me a D. João II, que passou à História com o cognome de Príncipe Perfeito. Reinou durante 14 anos, entre 1481 e 1495, embora tenha assumido a governação do Estado desde 1477, por abdicação efectiva de seu pai, Afonso V. Foi sob o seu comando que Portugal deu um impulso decisivo à epopeia das navegações, assumindo-se como precursor da globalização em vários marcos: chegada de Diogo Cão às costas de Angola e da Namíbia; início da colonização de São Tomé e Príncipe; envio de Pero da Covilhã por terra à Etiópia, Cairo, Adém, Ormuz e Goa; passagem do cabo da Boa Esperança, assim baptizado por Bartolomeu Dias; assinatura do Tratado de Tordesilhas com os reis de Espanha; preparação da armada de Vasco da Gama que inauguraria o caminho marítimo para a Índia.  

D. João II é o único dos nossos grandes reis ainda sem estátua numa cidade portuguesa. Em 1998, numa rotunda do que hoje se chama Parque das Nações, foi inaugurada uma peça em bronze supostamente em sua homenagem: é um bloco abstracto, que em nada alude ao Príncipe Perfeito. Fica o desafio aos decisores políticos, a nível nacional, regional ou autárquico: pôr fim a esta chocante omissão erguendo um monumento a D. João II realmente digno desse nome. Em 2020 assinala-se o 525.º aniversário da morte do monarca: é um ano apropriado para tal fim.

 

Publicado originalmente no jornal Dia 15.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (apêndice 5 e último)

por Pedro Correia, em 23.04.19

S. Pedro de Moel - Estátua de D. Dinis e da Raín

Estátua de D. Dinis e da Rainha Santa Isabel, em São Pedro de Moel (1972)

 

D. Afonso Henriques (1128-1185) 26

Estátuas e bustos em Alcanede, Alcobaça (2), Amares, Arcos de Valdevez, Barcelos, Caldas da Rainha, Cartaxo, Castelo Branco, Corroios, Guimarães (4), Leiria, Lisboa (3), Ourique, Porto, Santarém, Torres Novas, Viseu, Luanda (Angola), Rio de Janeiro (Brasil) e Zamora (Espanha)

D. Sancho I (1185-1211) 10

Estátuas e bustos em Alcobaça, Castelo Branco, Famalicão, Guarda, Guimarães, Lisboa, Penalva do Castelo, Sesimbra, Silves e Torres Novas

D. Afonso II (1211-1223) 4     

Estátuas e busto em Alcobaça, Castelo Branco, Guimarães e Lisboa

D. Sancho II (1223-1248) 6       

Estátuas, bustos e mini-estátua em Alcobaça, Castelo Branco, Elvas (2), Guimarães e Lisboa

D.Afonso III (1248-1279) 7   

Estátuas e busto em Alcobaça, Castelo Branco, Faro, Guimarães, Leiria, Lisboa e Viana do Castelo

D. Dinis (1279-1325) 16      

Estátuas e bustos em Alcobaça, Caldas da Rainha, Castelo Branco, Coimbra (2), Guimarães, Leiria, Lisboa, Odivelas, Ourique, Salvaterra de Magos, São Pedro de Moel, São Roque do Pico, Trancoso, Vila Flor e Vila Nova de Foz Coa

D. Afonso IV (1325-1357) 4        

Estátuas e busto em Alcobaça, Castelo Branco, Guimarães e Lisboa

D. Pedro I (1357-1367) 7  

Estátuas e busto em Alcobaça, Cascais, Castelo Branco, Coimbra, Guimarães, Lisboa e Lourinhã

D. Fernando I (1367-1383) 5     

Estátuas e busto em Alcobaça, Castelo Branco, Guimarães, Leça do Balio-Matosinhos e Lisboa

D. João I (1385-1433) 6    

Estátuas e busto em Alcobaça, Castelo Branco, Guimarães e Lisboa (3)

D. Duarte (1433-1438) 4 

Estátuas e busto em Castelo Branco, Guimarães, Lisboa e Viseu

D. Afonso V (1438-1481) 5      

Estátuas e busto em Alcobaça, Castelo Branco, Guimarães e Lisboa (2)

D. João II (1481-1495) 6       

Estátuas e busto em Alcobaça, Alvor-Portimão, Castelo Branco, Guimarães e Lisboa (2)

D. Manuel I (1495-1521) 11     

Estátuas e bustos em Alcobaça, Alcochete, Almendra-Foz Coa, Castelo Branco, Elvas, Funchal, Guimarães e Lisboa (4)

D. João III (1521-1557) 7   

Estátuas e busto em Amarante, Castelo Branco, Coimbra (2), Guimarães, Lisboa e Portalegre

D. Sebastião (1557-1578) 9 

Estátuas e busto em Amarante, Amares, Castelo Branco, Esposende, Guimarães, Lagos e Lisboa (3)

D. Henrique (1578-1580) 4   

Estátuas, mini-estátua e busto em Amarante, Amares, Castelo Branco e Lisboa

D. António (1580) 2   

Estátua e busto em Angra do Heroísmo e Santarém

D. Filipe I (1580-1598) 2   

Estátua e mini-estátua em Amarante e Castelo Branco

D. Filipe II (1598-1621) 1

Mini-estátua em Castelo Branco

D. Filipe III (1621-1640) 1

Mini-estátua em Castelo Branco

D. João IV (1640-1656) 5 

Estátuas e bustos em Amares, Castelo Branco, Lisboa (2) e Vila Viçosa

D. Afonso VI (1656-1683) 3 

Estátuas e busto em Alcobaça, Castelo Branco e Lisboa

D. Pedro II (1683-1706) 4  

Estátuas e bustos em Alcobaça, Castelo Branco, Coimbra e Lisboa

D. João V (1706-1750) 8

Estátuas e bustos em Alcobaça, Alter do Chão, Castelo Branco, Lisboa (2), Mafra (2) e Santos (Brasil)

D. José (1750-1777) 5 

Estátuas e bustos em Alcobaça, Castelo Branco, Coimbra e Lisboa (2)

D. Maria I (1777-1816) 4 

Estátuas e bustos em Lisboa (2), Malveira e Queluz

D. João VI (1816-1826) 14  

Estátuas e bustos em Lisboa (3), Porto, Queluz (2), Brasília, Rio de Janeiro (6) e Salvador

D. Pedro IV (1826) 15

Estátuas e bustos em Alfeite-Almada, Angra do Heroísmo, Lisboa (2), Porto (3), Vila Nova de Gaia, Brasília, Itu-São Paulo, Rio de Janeiro (4) e São Paulo

D. Maria II (1834-1853) 4 

Estátuas e bustos em Famalicão, Lisboa, Mafra e Rio de Janeiro

D. Fernando II (1836-1853) 5 

Estátua e bustos em Alfeite-Almada, Lisboa e Sintra (3)

D. Pedro V (1853-1861) 7 

Estátuas e bustos em Braga, Castelo de Vide, Lisboa (3), Mafra e Porto

D. Luís (1861-1889) 6 

Estátuas e bustos em Alfeite-Almada, Cascais (2), Covilhã e Lisboa (2)

D. Carlos (1889-1908) 6

Estátuas e bustos em Cascais, Lisboa (3), Mafra e Ponta Delgada

D. Manuel II (1908-1910) 3

Estatueta e bustos em Lisboa, Oliveira do Hospital e Vila Nova de Gaia

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (apêndice 4)

por Pedro Correia, em 22.04.19

57ad4f06d4c6d061a852d8c3d7cf09ea.jpg

A mais célebre estátua do nosso primeiro Rei, erguida em Guimarães (1887)

 

O nosso Rei mais representado em estátuas é D. Afonso Henriques: ao longo de quase oito meses, contabilizei nada menos do que 26. Não admira: foi o fundador da nacionalidade, é um dos nossos heróis nacionais e distinguiu-se também por ser o monarca português com reinado mais longo.

Segue-se D. Dinis - rei-lavrador, rei-poeta, fundador da Universidade de Coimbra. Com 16 monumentos em forma de estátua ou busto espalhados pelo território nacional. 

O terceiro e quarto mais enaltecidos em estátua, com praticamente o mesmo número de monumentos evocativos, são pai e filho: D. João VI e D. Pedro IV. Contando, cada qual, com um bom contributo de representações no Brasil, como já indiquei. D. Pedro tem 15, D. João tem 14.

Na quinta posição figura o nosso Rei Venturoso, D. Manuel I, em cujo reinado foram inauguradas as rotas marítimas para a Índia e o Brasil. Conta com 11 estátuas. 

Seguem-se D. Sancho I (com dez), D. Sebastião (com nove) e D. João V (com oito). Amanhã, para rematar a série, publicarei aqui a lista completa das 232 estátuas que consegui identificar - mais duas do que o registo inicialmente estabelecido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (232)

por Pedro Correia, em 21.04.19

image016.jpg

transferir (1).jpg

 

D. Pedro IV (1826)

 

Autor: Francesco Benaglia

Ano da inauguração: 1937

Localização: Museu Nacional de Belas Artes, na Avenida Rio Branco (Rio de Janeiro)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (231)

por Pedro Correia, em 20.04.19

IMG_8206.JPG

IMG_8205.JPG

 

D. João II (1481-1495)

 

Autor: ainda por identificar

Ano da inauguração: ainda por apurar

Localização: Baixo relevo numa placa de mármore à entrada da vila de Alvor, concelho de Portimão

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (apêndice 3)

por Pedro Correia, em 19.04.19

93oyjeldoqyz.jpg

Estátua equestre de D. Pedro IV (Pedro I do Brasil) inaugurada em 1862 no Rio de Janeiro

 

Das 230 estátuas de reis que aqui apresentei entre 27 de Agosto de 2018 e 13 de Abril de 2019, há 19 que não se encontram em território português. Cinco monarcas estão representados, em estátua ou em busto, noutras paragens. E existe até um homenageado em três países, além de Portugal.

Destaque, neste grupo de reis, para D. João VI - perpetuado em bronze ou mármore oito vezes nas cidades brasileiras do Rio de Janeiro, Brasília e Salvador. Algo que facilmente se entende, pois este monarca decidiu transferir a capital do reino de Lisboa (então ameaçada pela invasão das tropas napoleónicas) para o Brasil, numa inédita deslocação de uma corte europeia para outro continente. E lá permaneceu entre 1808 e 1821, dinamizando a cidade do Rio de Janeiro e criando de algum modo as bases para a independência do país irmão - prefigurada na criação do Reino Unido de Portugal e do Brasil, em 1815, ainda com D. João como príncipe regente, governando em lugar de sua mãe, D. Maria I, rainha titular mas incapacitada para a função.

O segundo Rei mais representado fora das nossas fronteiras é D. Pedro IV - que foi Pedro I do Brasil, após ter ali proclamado a independência, a 7 de Setembro de 1822, instituindo-se nos nove anos seguintes como imperador. Tem estátuas ou bustos em Brasília, Itaú, Rio de Janeiro e São Paulo. Seis, no total.

Outros dois reis de algum modo ligados ao Brasil são D. João V, que geriu um dos períodos de maior prosperidade desde sempre registados em Portugal precisamente devido à extracção do ouro brasileiro durante o seu longo reinado (1706-1750), e a sua trineta D. Maria II, nascida em 1819 no Rio de Janeiro - única monarca portuguesa vinda ao mundo fora do rectângulo lusitano. Ele tem um monumento em Santos, ela está representada em estátua na cidade onde nasceu e viveu até aos nove anos.

Falta mencionar o nosso primeiro Rei. D. Afonso Henriques é evocado em três estátuas implantadas fora de Portugal: a mais antiga está em Luanda e data de 1938, encontrando-se hoje na fortaleza de São Miguel; a segunda existe desde 1993 na cidade espanhola de Zamora para assinalar os 850 anos do tratado luso-castelhano que ali formalizou a independência de Portugal; a terceira foi descerrada em 2018 na sede da Casa do Minho do Rio de Janeiro.

A História em pedra viva lembra-os a todos, lá e cá.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (apêndice 2)

por Pedro Correia, em 18.04.19

b.jpg

 

O levantamento que fui fazendo ao longo de quase oito meses no DELITO DE OPINIÃO permitiu-me concluir isto: há seis capitais de distrito sem qualquer monumento evocativo de um monarca português. O que não deixa de ser estranho, dada a estreita ligação de várias destas cidades a reis durante mais de sete séculos da nossa História. 

Sem surpresa, Lisboa é a cidade que mais se destaca nestas evocações em forma de estátua ou busto. Com representações de quase todos os monarcas, excepto D. Miguel, D. Maria II e os dois reis consortes (Pedro III e Fernando II), que não consegui vislumbrar. As mais célebres são as de D. José, dominando em estátua equestre o majestoso Terreiro do Paço, D. Pedro IV, no alto da coluna que se agiganta no centro do Rossio, e D. João I, imortalizado também sobre uma montada real, na Praça da Figueira.

Segue-se Castelo Branco, onde estão representados todos os nossos reis até D. José - incluindo o cardeal D. Henrique e os três Filipes, em ponto pequeno. No jardim do paço episcopal, o ponto mais emblemático da cidade.

Coimbra - que foi durante o primeiro século capital do Reino de Portugal, até ao reinado de D. Afonso III - é também, de algum modo sem surpresa, outra cidade com grande representação escultórica de monarcas. São cinco: D. Dinis, D. Pedro I, D. João III, D. Pedro II e D. José. 

Segue-se o Porto, com quatro: D. Afonso Henriques, D. João VI, D. Pedro IV e D. Pedro V. Destaque para as estátuas equestres de D. João VI, no Castelo do Queijo, e do seu filho que viria a ser igualmente imperador do Brasil, na imponente Praça da Liberdade.

Com três estátuas, destaca-se Leiria (D. Afonso Henriques, D. Afonso III e D. Dinis). Com duas, contabilizei Santarém (D. Afonso Henriques e D. António, prior do Crato), Viseu (D. Afonso Henriques e D. Duarte) e Angra do Heroísmo (bustos de D. António e D. Pedro IV). 

Finalmente, há representações em estátua ou busto de monarcas nas seguintes capitais distritais ou regionais: Braga (D. Pedro V), Faro (D. Afonso III), Funchal (D. Manuel I), Guarda (D. Sancho I), Portalegre (D. João III), Ponta Delgada (D. Carlos) e Viana do Castelo (D. Afonso III).

Não detectei a existência de monumentos alusivos a qualquer dos nossos reis em Aveiro, Beja, Bragança, Évora, Setúbal e Vila Real. Lapso meu? Se assim for, peço desde já aos leitores que me corrijam. Confesso alguma estranheza por ver cidades importantes assim desligadas de personalidades que marcaram a História de Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (apêndice 1)

por Pedro Correia, em 17.04.19

Infante_D._Miguel_de_Bragança_(1827),_by_Johann_N

 

Na sequência de uma outra, dedicada aos rios portugueses, lancei aqui no DELITO uma série de postais com estátuas (e bustos) dos nossos reis. Era só mudar uma vogal, para passar de rio a rei. Mas esta, confesso, demorou muito mais do que eu imaginava à partida. Iniciei-a a 27 de Agosto de 2018, crente de que três meses depois se esgotaria.

No entanto, à medida que fui fazendo pesquisas - e muitas horas demorei nisto, acreditem -, ia percebendo como estava enganado. Afinal eram muito mais as estátuas em memória dos nossos monarcas do que eu havia suposto. De tal maneira que, em vez de terminar a série no final de Novembro, como tinha previsto, acabei por encerrá-la só a 13 de Abril. Duzentos e trinta dias depois.

Contei, para o efeito, com a prestimosa e generosa colaboração dos leitores. Não vou destacar ninguém, para evitar a omissão involuntária de nomes que também mereciam ser realçados, mas deixo aqui o meu agradecimento a todos quantos me alertaram para a existência de estátuas ou bustos ou estatuetas que eu desconhecia. O que muito me satisfez, pois a assumida intenção destes postais blogosféricos é todos aprendermos alguma coisa. A começar por mim.

Nos próximos dias, farei aqui um pequeno balanço com as conclusões que esta série me permitiu extrair. Algumas, verdadeiramente surpreendentes; outras, nem por isso. Desde logo, a de que apenas existem dois reis portugueses sem representação escultórica, em pedra ou bronze.

O primeiro foi D. Pedro III - filho, irmão, marido, pai e avô de reis, monarca consorte pelo casamento com D. Maria I, entre 1777 e 1788. Era bisneto de D. João IV, o Restaurador. Filho de D. João V, irmão de D. José, pai de D. João VI, avô de D. Pedro IV e D. Miguel. Com a sobrinha Maria manteve um matrimónio feliz, segundo rezam as crónicas.

O segundo foi precisamente D. Miguel. O mais novo dos filhos de D. João VI, monarca absolutista, derrotado após seis anos de guerra civil pelo irmão Pedro, que sempre lhe chamou «mano» mas não evitou o seu banimento perpétuo do País após Miguel ter renegado a Convenção de Évora-Monte que selara a paz na sequência de seis anos de sangrenta guerra fratricida e da instauração das longas décadas de monarquia constitucional.

Um e outro, cada qual à sua maneira, foram apagados da memória histórica perpetuada em estátua. Quase como se nunca tivessem existido. Para compensar de algum modo esta omissão, trago hoje o belo retrato de D. Miguel que se encontra no Palácio de Queluz - pintado em 1827 por Johann Ender, quando o jovem monarca tinha 25 anos.

Um dia, se tiver tempo e paciência, talvez me lance noutra empreitada, reproduzindo aqui os quadros com imagens dos nossos reis, como fiz com as estátuas nos quase oito meses que ficaram para trás. Mas enquanto não chega a nova série, ainda há que cuidar do balanço da que agora terminou.

Amanhã regresso ao tema.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (230)

por Pedro Correia, em 13.04.19

1459433758.0705_4754420815a5e0f8f06d22[1].jpg

602px-A_Varanda_dos_Reis,_Igreja_São_Gonçalo_(48

 

D. João III (1521-1557)

 

Autor: Manuel do Couto

Ano da inauguração: algures, no século XVII

Localização: Amarante, na Varanda dos Reis do Convento de São Gonçalo (João é o primeiro nesta imagem)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (229)

por Pedro Correia, em 12.04.19

140017388.5fobtqtE.Lisboa_Sao_Domingos_Benfica5661

fuji-x-t10-46.jpg

 

D. Afonso Henriques (1140-1185)

 

Autor: desconhecido

Ano da inauguração: algures no século XVIII

Localização: Lisboa, no Palácio dos Marqueses de Fronteira

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (228)

por Pedro Correia, em 11.04.19

9058927_orig.jpg

Metello-Small.jpg

 

D. Manuel II (1908-1910)

 

Autor: José Simões de Almeida, sobrinho

Ano da inauguração: 1986

Localização: Oliveira do Hospital, na Casa-Museu da Fundação D. Maria Emília Vasconcelos Cabral. Antes, desde 1959, esteve no Museu José Malhoa, nas Caldas da Rainha

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (227)

por Pedro Correia, em 10.04.19

20190408_234213-1.jpg

camara-municipal-de-gaia-1.jpg

 

D. Manuel II (1908-1910)

 

Autor: Carlos Meireles

Ano da inauguração: 1909

Localização: Vila Nova de Gaia, na Câmara Municipal, a cujo espólio pertence

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (226)

por Pedro Correia, em 09.04.19

3162083.jpg

Sala_despacho_600px.jpg

 

D. Manuel II (1908-1910)

 

Autor: José Simões de Almeida, sobrinho

Ano da inauguração: 1908

Localização: Lisboa, no Palácio Nacional da Ajuda

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (225)

por Pedro Correia, em 08.04.19

thumb_800_1403350609.jpg

depositphotos_124582324-stock-photo-statue-of-dom-

thumb_800_1403349870.jpg

 

D. Carlos (1889-1908)

 

Autor: Luís Valadares

Ano da inauguração: 2008

Localização: Cascais, junto à Cidadela, de frente para a baía

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (224)

por Pedro Correia, em 07.04.19

monumento-rei-dcarlos.jpg

lxi-3001-01.jpg

 

D. Carlos (1889-1908)

 

Autor: António Teixeira Lopes

Ano da inauguração: 1963

Localização: Lisboa, no Largo da Ajuda, fronteiro ao palácio nacional

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (223)

por Pedro Correia, em 06.04.19

20190405_183243-1.jpg

hO1XS6yHWraT4dTpTIwxwxhyvjNJYktigliRGbu-oKc.jpg

 

D. Carlos (1889-1908)

 

Autor: António Teixeira Lopes

Ano da inauguração: 1902

Localização: Lisboa, no átrio do Palácio de São Bento. Até à I República, esteve no nicho central da sala de sessões da Câmara dos Deputados

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (222)

por Pedro Correia, em 05.04.19

1063.jpg

QtovestirdoTorreaoSul.jpg

 

D. Carlos (1889-1908)

 

Autor: Simões de Almeida (sobrinho)

Ano da inauguração: 1905

Localização: Palácio Nacional de Mafra

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (221)

por Pedro Correia, em 04.04.19

ptac012.jpg D. Carlos.jpg5397760666_34f70249ef_b.jpg

 

D. Carlos (1889-1908)

 

Autor: ainda por identificar

Ano da inauguração: ainda por apurar

Localização: Ponta Delgada, no jardim José do Canto

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estátuas dos nossos reis (220)

por Pedro Correia, em 03.04.19

68e711fdbf2fbd1e521b83e389003521.jpg

timthumb.jpg

 

D. Carlos (1889-1908)

 

Autor: Cesare Sighinolfi

Ano da inauguração: 1865

Localização: Lisboa, no Palácio Nacional da Ajuda

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D