Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Até o diabo se ri!

por Maria Dulce Fernandes, em 22.06.19

21487913_8C5Jp.jpeg

 

Não há ser mais inseguro do que este humano que somos. Os ditos irracionais que vivem condicionados à subsistência diurnal são tantas vezes mais ousados, mais resolutos  e expeditos do que os pensantes.

É certo que se vive num habitat social onde cumprir regras é fundamental para coabitarmos pacificamente, mas existe o livre arbítrio, aquilo que imprime em cada indivíduo a marca da sua personalidade. São as escolhas que fazemos que nos definem como pessoas. Somos nós que transportamos o passado, criamos o presente e lançamos a pedra basilar do nosso futuro .

Não há prescrição para o advir, mas é normalíssimo atribuir-se os agravos da existência a outrem, principalmente aos nossos medos, insatisfações e negatividade a que normalmente chamamos diabo, porque tudo o que corre mal é sem dúvida obra do diabo.

"São coisas do diabo"; "Às vezes, atrás da cruz está o diabo escondido"; "Quem com o diabo se deita, com o diabo amanhece"; "Não vá o diabo tecê-las"; "O diabo a quatro"... O mais característico de todos os dizeres "diabólicos" é sem dúvida "Que venha o diabo e escolha".

Escolheremos nós assumir as nossas escolhas como próprias, e não imputá-las a um qualquer pobre diabo?  

O orgulho é a raiz de todo o mal, e apesar de enraizado e ramificado na consciência dos homens não é robusto nem preciso como um relógio suíço, nem o relojoeiro é o diabo. O detentor da chave que lhe dá corda e alimenta somos todos, é cada um de nós.

 

Bom fim de semana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agora escolha

por Maria Dulce Fernandes, em 27.09.15
Se consciência significa memória e antecipação, é porque consciência é sinónimo de escolha.

Henri Bergson






A angústia invade quer o inquieto,
 exclusivamente deslumbrado por aquilo que arde com uma luz vaga,
 quer o poeta cheio de amor pelos poemas que nunca escreveu o seu,
 quer a mulher apaixonada pelo amor,
 mas incapaz de devir por não saber escolher.[...]
[...]E o insensato, que vem censurar a esta velha o seu bordado, 
sob o pretexto de que ela poderia ter tecido outra coisa,
 demonstra com isso que prefere o nada à criação.

Antoine de Saint-Exupéry









O pensamento isolado não nos liberta, pelo contrário, atraca-nos a vida com grossas amarras no ponto onde a linha do horizonte se embacia ao olhar










É complicado escolher ? É e não é.




Todos os dias fazemos escolhas, que de tão dilutas nas nossas rotinas pouco ou nada nos apercebemos delas. Escolhemos a hora de acordar, o que vestir, o que calçar, o que comer, se tomamos a medicação para a tensão arterial ou para a artrite...

Todas as escolhas que fazemos são forjadas no nosso livre arbítrio, na liberdade de poder dizer, de poder fazer, de poder pensar.

Temos vontade própria e alforria de ideais e ideias. 
É certo que somos gregários e que as sociedades nos impõem as suas leis. Mas no epílogo das nossas decisões, as escolhas foram sempre nossas.
Qualquer acção e consequente reacção, mais não foram do que consequências das nossas decisões.








Podemos fugir do medo
Podemos ficar e combatê-lo
Podemos viver com medo
Podemos morrer a combatê-lo

Chegará o momento de olhar para ver
Ver com olhos de ver
E escolher
Escolhi viver sem medo
O medo manieta a liberdade
Sou livre
Vou à luta. Optei por lutar

Escolhi assim




( Todas as fotos de MD Roque)




                                                    

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro





Posts mais comentados


Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D