Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Trump

por José Meireles Graça, em 08.11.20

E pronto, o eleitorado americano calçou uns patins a Trump. Mesmo que este tenha razão na alegação de numerosas chapeladas (e terá, a esquerda lá e cá funda a sua legitimidade na superioridade moral das suas posições, e portanto tem um incentivo para cortar nos cantos da democracia formal em nome de um bem maior) é implausível que as aldrabices (para não falar das dificuldades de prova) sejam suficientes para obscurecer a diferença de votos, mais de 4 milhões, mesmo que nos Estados que, por terem deixado de ser vermelhos para passar a ser azuis, ela seja insignificante ou muito pequena (à volta de 0,6% no Wisconsin,  2,6% no Michigan e, sobretudo, 0,6% na Pensilvânia, que, no conjunto, representam 46 votos).

O velho Trump foi vítima do seu feitio e da sua incontinência verbal - não lhe bastava uma comunicação social hostil, que lá como cá há muito substituiu qualquer pretensão de contar histórias, relatar notícias, e guardar as opiniões para as respectivas colunas, para passar a inventar umas, seleccionar as outras, e tingir tudo com a defesa de causas que invariavelmente são as da esquerda. Foi semeando um rasto de insultos gratuitos (como o feito a John McCain) e um impressionante rol de contradições e palavreado chulo no seu meio de eleição, o Twitter, um esgoto a céu aberto para iletrados. Twitter que aliás lhe cortou com descaramento o pio várias vezes porque a plutocracia que manda nas redes entende que tem o direito de educar as multidões, um abuso que Trump, se tivesse sido reeleito, haveria de querer coarctar.

Se tivesse juízo e na sua cabeça um tanto primária coubessem muitas variáveis, já teria concedido: há guerras que, em nome de bens maiores, não vale a pena travar; e perder, quando se deixa uma herança honrosa, não transforma ninguém em loser – a democracia não é o regime em que o povo tem razão, é aquele em que tem legitimidade para dar e tirar poder a quem o entregou.

E é honrosa, a herança? Claro que sim. A ideia de que se pode ter razão, e encontrar apoios, quando se ofendem os bonzos da opinião publicada; que os consensos de especialistas em geoestratégia, imigração, clima, ambiente, economia, saúde pública e o mais que afecta a vida da colectividade podem ser ignorados quando o senso, análise de custo/benefício, detecção de interesses ocultos, e opiniões qualificadas alternativas, apontam outro caminho: é o melhor que Trump deixa. Biden é um escravo do establishment, e a sua vice, provavelmente, uma esquerdista raivosa. Quando chegar a hora de os mandar à vida o agente dessa salutar mudança terá menos problemas em dizer o que lhe vai na alma porque o gelo do conformismo já está quebrado.

Gente que precisa de descer ao concreto apreciará talvez uma lista em que tropecei por acaso, no Facebook (outra rede que precisa de uma severa vergastada pelas costas abaixo, a ver se deixa de policiar o discurso), de Bruno Gouveia. Não conferi, nem concordo com todas as medidas. Mas como herança não está mal. Donald, que passou a vida a dizer olhem para o que eu digo, não o que faço, deveria ter recomendado o oposto. E, saindo, nem por isso deixa de ser, de muito longe, o candidato mais votado de sempre: 71 milhões votaram nele e 75 milhões contra ele.

* Três projetos de lei para beneficiar os povos nativos. Um compensa a tribo Spokane pela perda das suas terras em meados de 1900, outro financia programas de língua nativa e o terceiro dá reconhecimento federal à tribo Chippewa em Montana.

* Finalizou a criação da Força Espacial como o 6º braço militar.

* Lei para tornar a crueldade com os animais um crime federal para que os abusadores de animais enfrentem consequências mais duras.

* O crime violento caiu a cada ano em que ele esteve no cargo, após ter aumentado durante os 2 anos antes de ele ser eleito.

* US $100 milhões para consertar o problema de infraestrutura de água em Flint, Michigan.

* Em 2018, os EUA ultrapassaram a Rússia e a Arábia Saudita para se tornarem o maior produtor mundial de petróleo bruto.

* Lei que impõe aos farmacêuticos a partilha de informações sobre preços de medicamentos.

* O “Allow States and Victims to Fight Online Sex Trafficking Act” (FOSTA), que inclui a “Stop Enabling Sex Traffickers Act” (SESTA), que tanto dá aos policias como às vítimas novas ferramentas para combater o tráfico sexual.

* Projecto de lei que exige que os aeroportos forneçam locais adaptados a mães que amamentam.

* Os 25% de norte-americanos com rendimentos mais baixos tiveram um aumento de rendimentos de 4,5% em novembro de 2019.

* O maior projecto de lei de protecção e conservação da natureza numa década, que designou 375.000 acres como área protegida.

* O Save our Seas Act, que financia US $10 milhões por ano para limpar toneladas de plástico e lixo do oceano.

* Projecto de lei que permitiu a importação de medicamentos do Canadá para que os preços dos medicamentos caíssem.

* Uma ordem executiva que força todos os provedores de saúde a divulgarem o custo dos seus serviços para que os americanos possam comparar preços.

* Ao assinar a ordem, Trump disse que nenhum americano deveria ser apanhado de surpresa por contas de serviços médicos com os quais nunca concordou antecipadamente.

* Os hospitais agora são obrigados a anunciar as suas taxas padrão de serviços, que incluem o preço com o desconto que um hospital está disposto a aceitar.

* Nos oito anos anteriores à sua posse, os preços dos medicamentos prescritos aumentaram em média 3,6% ao ano. Com Trump, os preços dos medicamentos registaram quedas ano a ano e em nove dos últimos dez meses, com queda de 1,1%.

* Criou uma Linha Direta de VA da Casa Branca para ajudar os veteranos e familiares directos de veteranos.

* Os funcionários da VA são responsabilizados por mau desempenho, com mais de 4.000 funcionários da VA removidos e suspensos até agora.

* Ordem executiva que exige que os Secretários de Defesa, Segurança Interna e Assuntos de Veteranos apresentem um plano conjunto para fornecer aos veteranos acesso a tratamento de saúde mental durante a transição para a vida civil.

* Por causa de um projecto de lei assinado e defendido por Trump, em 2020, a maioria dos funcionários federais verá seu salário aumentar em média 3,1% - o maior aumento em mais de 10 anos.

* Sancionou uma lei de até 12 semanas de licença parental paga para milhões de trabalhadores federais.

* Fornecimento de medicamentos de prevenção do HIV gratuitamente a 200.000 pacientes sem seguro, por ano, durante 11 anos.

* Trump assinou um pedido que permite que pequenas empresas se agrupem na compra de seguros para obter um preço melhor.

* A Lei de Prevenção de Mortes Maternas, que fornece financiamento para a redução das taxas de mortalidade, mais altas para negros americanos.

* Em 2018, assinou o inovador First Step Act, um projecto de lei de justiça criminal que promulgou reformas que tornam o sistema de justiça mais justo e ajudam ex-presidiários a retornar com sucesso à sociedade.

* As reformas do First Step Act abordaram as injustiças nas leis de condenação que prejudicavam desproporcionalmente os negros americanos e reformaram os mínimos obrigatórios para revisão de sentenças injustas.

* Mais de 90% dos que beneficiam das reduções retroactivas de penas no First Step Act são negros americanos.

* O First Step Act oferece programas de reabilitação para presidiários, ajudando-os a reintegrar na sociedade e a não retornar ao crime.

* Aumentou o financiamento para Faculdades e Universidades Historicamente Negras (HBCUs) em mais de 14%. Aliás, essa foi das suas primeiras medidas assim que tomou posse.

* Assinou legislação perdoando a dívida do furacão Katrina que ameaçava os HBCUs.

* As vendas de novas residências unifamiliares tiverem aumentos de 31,6% em outubro de 2019, inferiores aos registados apenas um ano antes.

* Tornou as HBCUs uma prioridade ao criar o cargo de director executivo da Iniciativa da Casa Branca em HBCUs.

* Recebeu o Prémio Bipartidário da Justiça numa faculdade historicamente negra, pelas suas reformas da justiça criminal.

* A taxa de pobreza caiu para um mínimo de 11,8% em 17 anos.

* As taxas de pobreza para afro-americanos e hispano-americanos atingiram os seus níveis mais baixos desde que os EUA começaram a reunir esses dados.

* Projecto de lei que cria cinco monumentos nacionais, expande vários parques nacionais, adiciona 1,3 milhão de acres de área selvagem e reautoriza permanentemente o Fundo de Conservação de Terra e Água.

* Comprometeu US $124 milhões para reconstruir a infraestrutura de água rural.

* Mais de 7 milhões de empregos criados desde a eleição.

* Mais de 400.000 empregos industriais criados desde sua eleição.

* Nomeou 5 embaixadores abertamente gays.

* Ordenou que Ric Grenell, seu embaixador assumidamente gay na Alemanha, liderasse uma iniciativa global para descriminalizar a homossexualidade em todo o mundo.

* Por meio da iniciativa Anti-Trafficking Coordination Team (ACTeam), a polícia federal mais do que dobrou as condenações de traficantes de seres humanos e aumentou o número de réus acusados em 75% nos distritos da ACTeam.

* Em 2018, o Departamento de Justiça (DOJ) desmantelou uma organização que era a principal fonte da Internet de anúncios relacionados com a prostituição resultando em tráfico sexual.

* Novas orientações anti-tráfico para combater mais eficazmente o tráfico humano.

* As Investigações de Segurança Interna da Imigração e Alfândega prenderam 1.588 criminosos associados ao tráfico humano.

* O Departamento de Saúde e Serviços Humanos forneceu fundos para apoiar o National Human Trafficking Hotline para identificar os perpetradores e dar às vítimas a ajuda de que precisam.

* A linha directa identificou 16.862 casos potenciais de tráfico humano.

* Forneceu subsídios para organizações que apoiam vítimas de tráfico humano - atendendo a quase 9.000 casos de 1 de julho de 2017 a 30 de junho de 2018.

* O Departamento de Segurança Interna contratou mais especialistas em assistência às vítimas, ajudando as vítimas a obter recursos e apoio.

* Pediu ao Congresso que aprove uma legislação de escolha de escola para que nenhuma criança fique presa a uma escola por causa de seu código postal.

* Assinou uma legislação de financiamento em setembro de 2018 que aumentou o financiamento para a escolha de escolas em US $42 milhões.

* Os cortes de impostos promovem a escolha da escola, permitindo que as famílias usem 529 planos de poupança para o ensino fundamental e médio.

* Sob sua liderança, o ISIS perdeu a maior parte de seu território e foi amplamente desmantelado.

* O líder do ISIS, Abu Bakr Al-Baghdadi, foi morto.

* Assinou a primeira reautorização CTE da Perkins desde 2006, autorizando mais de US $mil milhões para os estados a cada ano financiar programas de educação vocacional e de carreira.

* Ordem executiva expandindo as oportunidades de aprendizagem para alunos e trabalhadores.

* Ordem executiva proibindo o governo dos EUA de discriminar os cristãos ou punir expressões de fé.

* Ordem executiva que permite ao governo reter dinheiro de campus universitários considerados anti-semitas e que não conseguem combater o anti-semitismo.

* Ordenou a suspensão do dinheiro dos impostos dos EUA para organizações internacionais que financiam ou realizam abortos.

* Impôs sanções aos socialistas na Venezuela que mataram os seus cidadãos.

* Concluído acordo comercial com a Coreia do Sul.

* Acordo com a União Europeia para aumentar as exportações de energia dos EUA para a Europa.

* Retirou os EUA do acordo TPP.

* Garantiu US $250 mil milhões em novos acordos comerciais e de investimento na China e US $12 mil milhões no Vietnam.

* Concedeu até US $12 mil milhões em ajuda para agricultores afectados por retaliação comercial injusta.

* Já libertou mais de uma dúzia de reféns dos EUA, incluindo aqueles que Obama não conseguiu libertar.

* Assinou a Lei de Modernização da Música, a maior mudança na lei de direitos autorais em décadas.

* “Iniciativa Pronto para Trabalhar” para ajudar a conectar os empregadores directamente com ex-presidiários.

* A legislação histórica de corte de impostos incluiu novos incentivos para promover o investimento em comunidades mais pobres em todo o país.

* 8.764 comunidades em todo o país foram designadas como zonas de oportunidade.

* As zonas de oportunidade devem gerar US $100 mil milhões em investimentos de capital privado de longo prazo em comunidades economicamente desfavorecidas em todo o país.

* Sancionou o Fundo de Compensação de Vítimas do 11 de Setembro.

* Assinou programas de financiamento de prevenção ao suicídio de veteranos.

* O mercado de acções atingiu recordes históricos.

* O desemprego afro-americano atingiu o nível mais baixo de sempre.

* O desemprego hispano-americano atingiu o nível mais baixo de sempre.

* O desemprego asiático-americano atingiu o nível mais baixo de sempre.

* A taxa de desemprego feminino há 65 anos que não era tão baixa.

* O desemprego juvenil há 50 anos que não era tão baixa.

* A menor taxa de desemprego já registada.

* The Pledge to America’s Workers resultou no compromisso de empregadores em treinar mais de 4 milhões de americanos.

* Como resultado da lei tributária republicana, as pequenas empresas têm a taxa marginal máxima mais baixa em mais de 80 anos.

* Número recorde de regulamentos eliminados que prejudicam as pequenas empresas.

* Reforma da previdência exigindo que adultos fisicamente aptos que não têm filhos trabalhem ou procurem trabalho se estiverem na previdência.

* O FDA aprovou medicamentos genéricos mais acessíveis do que nunca na história.

* Programa reformado do Medicare para impedir que os hospitais sobrecarreguem os idosos de baixos rendimentos com seus medicamentos.

* Legislação do direito de experimentar, permitindo que pacientes terminais experimentem o tratamento experimental que não era permitido antes.

* Assegurou US $6 mil milhões em novos fundos para combater a epidemia de opioides.

* Assinou o VA Choice Act e VA Accountability Act, expandiu os serviços de tele-saúde VA, ambulatórios e atendimento de saúde mental e primário urgente no mesmo dia.

* A produção de petróleo dos EUA atingiu o máximo de todos os tempos, tornando os US menos dependentes do petróleo do Médio Oriente.

* Os EUA são exportadores líquidos de gás natural pela primeira vez desde 1957.

* Os aliados da NATO aumentaram os seus gastos com defesa por causa da sua campanha de pressão.

* Retirou os Estados Unidos do Acordo Climático de Paris e, no mesmo ano, os EUA lideraram o mundo por terem a maior redução nas emissões de carbono.

* Juízes do tribunal de circuito confirmados mais rapidamente do que em qualquer outra nova administração.

* Mudou a Embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém.

* Concluiu um novo acordo comercial com México e Canadá.

* Chegou a um acordo inovador com a UE para aumentar as exportações dos EUA.

* Tarifas impostas à China em resposta à transferência forçada de tecnologia da China, roubo de propriedade intelectual e suas práticas comerciais cronicamente abusivas, concordou com um acordo comercial com a China.

* Legislação assinada para melhorar a Linha Directa Nacional de Suicídios.

* Legislação de cancro infantil mais abrangente de todos os tempos, que avançará na pesquisa do cancro infantil e aprimorará os tratamentos.

* A Lei de Reduções de Impostos e Empregos, dobrou o valor máximo do crédito tributário infantil disponível para os pais e elevou os limites de rendimentos para que mais pessoas pudessem reivindicá-lo.

* Sancionou a lei de um aumento de US $2,4 mil milhões no financiamento do Fundo de Cuidado e Desenvolvimento Infantil, fornecendo um total de US $8,1 mil milhões aos Estados para financiar o cuidado infantil para famílias de rendimentos mais baixos.

* O Crédito Tributário para Cuidados de Crianças e Dependentes (CDCTC) fornece um crédito fiscal igual a 20-35% das despesas com cuidados infantis, $3.000 por criança e $6.000 por família + Contas de Despesas Flexíveis (FSAs).

* Em 2019, assinou a Lei de Colaboração, Responsabilidade, Pesquisa, Educação e Apoio do Autismo (CARES) que aloca US $1,8 mil milhões em financiamento nos próximos cinco anos para ajudar pessoas com transtorno do espectro do autismo e para ajudar as suas famílias.

* Em 2019, sancionou dois pacotes de financiamento que fornecem quase US $19 milhões em novos financiamentos para programas de pesquisa e educação específicos para o lúpus, bem como US $41,7 mil milhões adicionais em financiamento para o National Institutes of Health (NIH), o maior financiamento de Lúpus de SEMPRE.

O que não fez Trump em 4 anos? Será também por isto que o odeiam?

* Não fez guerra com nenhum país, quer do Médio Oriente ou qualquer outro.

*Trump não alterou uma virgula à legislação sobre emigração existente. Limitou-se a cumpri-la.

*Quem começou a contruir o Muro, foi Clinton.

Bush e Obama continuaram e não acabaram.

* Quem primeiro separou os filhos dos supostos pais emigrantes ilegais e os instalou em jaulas foi Obama.

*. A única coisa que os EUA não cumprem do Acordo de Paris é pagarem à China e a outros para que esses possam poluir à vontade.

*Os EUA continuam a respeitar todas as regras e são os que este ano mais cumpriram.

Aliás, os EUA, que nunca ratificaram o Tratado de Kioto, foram os únicos que o cumpriram. Portugal e muitos outros países ratificaram, mas nunca o cumpriram.

* Trump não se limitou a eliminar um terrorista, eliminou mais de que um. Com pré-aviso às populações afegãs em risco, lançou a maior bomba não nuclear que existe sobre os talibãs e pôs os afegãos em negociações de paz.

* Levou ao Acordo de Paz entre Israel e a Palestina.

Acerca da dita "primeira-dama"

por jpt, em 07.11.20

er (1).jpg

Abaixo botei um postal sobre Melania Trump, e provocou algum acinte nos comentários. Regresso ao tema: nada me move contra a senhora, que é, para meu gosto, muito bem apessoada, razão mais do que suficiente para o meu apreço. Apenas usei o assunto para sarcasmo. Pois muito me irrita isto das pessoas se verem como muito progressistas, atentas às boas causas - à antigamente dita "condição feminina", termo entretanto substituído por "género" , em particular - e que assaltam (ou louvam) a personalidade das esposas dos políticos de que gostam ou que repudiam. E, pior ainda, andam por aí - e quantos e quantas dizendo-se "feministas" - avaliando o desempenho das "primeiras-damas" (mulheres de presidentes da república e mesmo de presidentes de tantas outras coisas ...)

Enfim, a este propósito, e porque é fim-de-semana, aqui coloco um velho postal meu, de 13 de Abril de 2004. É sobre esse tipo de "progressistas", que seguem ufanos - tantos deles agorta muito críticos da mulher de Trump.

Cônjuges presidenciais

Quero chamar a atenção para um aspecto anti-democrático no exercício do sistema político (...)  que trai a República, provável que inconstitucional, decerto que imoral: a existência de uma chamada "primeira-dama", com direito a gabinete e a colaboradores, e de quem se espera e aceita uma actividade pública enquanto tal. Deslize monárquico, mas não sobrevivência - gostaria de ver alguém conhecedor escrever sobre as "primeiras-damas" da I República para poder sedimentar esta ideia de uma posterior, e muito contemporânea, reconstrução subreptícia de um ideal de "família presidencial". Ou seja, não se trata de uma mera continuidade da imagem do casal real, é um recurso "monarquizante" devido, muito provavelmente, às pressões do marketing político e a influências externas (First Lady americana como paradigma?).

Nunca nada me moveu contra as Senhoras cônjuges dos Presidentes da República. Mas não lhes posso aceitar nenhum papel público enquanto tal. Como cidadãs sim. Mas nunca como mulheres de (Senhoras de ...). 

Dir-se-á que têm obrigações de representação. Não é nada de natural, é uma opção política. Mas até a aceito. E também que se gaste muito e bom dinheiro com a sua representação.* Mas nada mais. Nenhum outro papel se lhes poderá aceitar. Na República vota-se num cidadão para exercer funções. Apenas isso - e é um enorme, respeitadissimo e, lembre-se em alturas de efemérides políticas, conquistado "Apenas"! Tudo o resto são desvios, graves, à lógica, à moral, à ideologia republicana.

Ainda mais me espanta a cega aceitação de que as Senhoras cônjuges dos Presidentes tenham particular atenção e acção pública em áreas determinadas: a saúde materno-infantil, os desvalidos, a segurança social, o apoio aos idosos, as catástrofes, a educação básica e, aggiornamento óbvio, as minorias étnicas. E, claro, as modas e bordados, perdão, a moda. Mas na sua (ilegítima, repito) acção nunca surgem elas ligadas à investigação científica, aos mineiros, à questão das pescas, ao desporto de alta competição, à indústria, à reforma da administração pública e eníssimos etcs.

Ou seja, no seu (ilegítimo, birrepito) papel as Senhoras cônjuges dos Presidentes nada mais fazem do que repetir a velha divisão sexual de trabalho, as dicotomias de género da família burguesa de XIX-XX: o doméstico, a socialização das crianças, os desvalidos, os doentes e idosos.

Esta é já uma dimensão sobrevivência que uma sociedade em franca transformação das relações de género assiste complacente. E nenhum(a) paladina dos fervores feministas surge reclamando contra este vero folclore. O que me não me espanta. Mas diverte, pois atento ao folclorismo maximalista dessa mole tonitruante.

Para os trinta anos de exercício democrático da República bem que se poderia romper com este atavismo de género. Mas mais do que tudo romper com esta traição ao ideal republicano.

* Li algures que é costume os costureiros portugueses emprestarem vestidos às cônjuges dos presidentes (ou pelo menos deste último: o qual muito prezo, e de quem sou eleitor, para que não se pense que há aqui qualquer ataque pessoal). Que tal acontece principalmente aquando de visitas ao estrangeiro, para divulgação da moda portuguesa. Não sei se isto é verdade. Li e espero que não seja. Porque seria semelhante ao Presidente andar a pedir roupa emprestada nos alfaiates. Ou usar t-shirts da Sumol ou Super-Bock para defesa da indústria portuguesa.

Portanto decido-me, dogmático. O que li é mentira! Se não for, pague-se, pague-se o que for preciso para que a representação do casal presidencial seja o melhor possível. Mas não os usem, nunca, para publicidade empresarial. Qualquer que seja ela.

House of Cards na eleição presidencial americana.

por Luís Menezes Leitão, em 07.11.20

8571486-16x9-large.jpg

Discordo parcialmente desta excelente análise do Pedro. Não há qualquer dúvida de que a forma como estão a decorrer estas eleições está a pôr à prova o regime constitucional americano, do qual já ouvi alguém dizer que vive no séc. XXI com uma constituição do séc. XVIII. É de facto espantoso que um estado como o Nevada, cuja população não chega aos três milhões de habitantes, possa estar há quatro dias a contar votos, quando em Portugal, que tem dez milhões de habitantes, a contagem leva no máximo quatro horas. Desiludam-se, porém, aqueles que pensam que a constituição americana irá ser mudada por causa destas eleições.

Efectivamente, essa constituição representa um equilíbrio entre estados muito diversos e que não é fácil alterar. Na verdade, as emendas à constituição americana necessitam de aprovação nas duas câmaras do Congresso e ratificação por três quartos dos estados e em caso algum a maioria dos estados aceitará a modificação deste sistema eleitoral, mesmo que ele permita que o candidato com menos votos populares ganhe a presidência. Na verdade, a maioria da população americana concentra-se em onze estados, os quais chegariam sempre para eleger um presidente, e nunca os outros 39 estados aceitariam que isso acontecesse. Por isso, ou se ganha no colégio eleitoral, ou não há hipótese de conseguir a presidência. Al Gore e Hillary Clinton sentiram essa dura realidade, quando tiveram mais votos na população eleitora, mas foram logo a seguir relegados para o esquecimento.

É um facto que este sistema abre as portas à fraude, pois não é necessário falsificar as eleições em todo o país, bastando que a falsificação ocorra nalguns estados decisivos, que até podem ter sistemas de controlo eleitoral muito frágeis. Consta que foi isso que ocorreu na eleição de Kennedy contra Nixon, em que a Máfia, liderada por Sam Giancana, que chamava a Kennedy "o nosso homem na Casa Branca", poderá ter despejado sacos de votos nalguns distritos eleitorais, suficientes para que Kennedy conseguisse a vitória. É verdade que Nixon reconheceu imediatamente a derrota, mas apenas porque foi aconselhado a fazê-lo. Ao que consta o partido republicano ter-lhe-á dito: "Toda a gente sabe que tu ganhaste e que esta eleição te foi roubada mas, se não reconheces a derrota, não terás qualquer futuro político, pois ficarás para sempre com a imagem de mau perdedor. Se, no entanto, reconheceres a derrota, como o partido sabe que ganhaste, poderás voltar a concorrer". E assim Nixon tornou-se o único candidato derrotado a concorrer de novo, tendo em 1968 finalmente sido eleito Presidente.

Neste caso, porém, não há qualquer fraude eleitoral em curso, mas apenas uma estratégia de Trump que na noite das eleições percebeu perfeitamente que tinha perdido nos estados decisivos pois, embora estivesse à frente no voto presencial, não tinha margem suficiente para evitar a previsível viragem quando fossem contados os votos por correspondência. Por isso anunciou que iria recorrer aos tribunais para parar a contagem. Não se pense, porém, que essa é uma estratégia inconsequente, uma simples birra de mau perdedor, pois se Biden não conseguir, devido a processos, impugnações, etc, por parte de Trump, que os estados reconheçam que teve 270 votos no colégio eleitoral, não será considerado como Presidente eleito, mesmo que tenha mais delegados do que Trump. Nessa altura a eleição do Presidente será feita pela Câmara dos Representantes e a do Vice-Presidente pelo Senado. Só que, embora os democratas tenham maioria na Câmara, a Constituição estabelece que, para efeitos da eleição do Presidente, a votação é feita por Estados, tendo apenas um voto os representantes de cada Estado. Como os republicanos têm mais estados do que os democratas, poderia assim Trump ser eleito por esta via.

Não julgo que isso vá acontecer, uma vez que era preciso que os tribunais não resolvessem adequadamente as impugnações que Trump irá lançar e acho que o farão rapidamente e de forma muito eficaz, pelo que o colégio eleitoral acabará por ter maioria suficiente para votar a eleição de Biden. Agora, que a estratégia de Trump é essa, julgo ser evidente. Parece-me que estamos a assistir a um episódio da célebre série House of Cards, só que desta vez não é ficção, é realidade.

A pressa do Público

por João Sousa, em 07.11.20

O Público de hoje tem isto na primeira página:

publico 20201107 - recusa de trump.jpg

A minha questão é só esta: os votos já foram todos contados? A CNN, quando publico isto, ainda mostra os resultados em 253/213 a favor de Biden (são necessários 270). Porque raio há-de o Público querer apressar a coisa só porque tem um feeling (por mais bem suportado que seja nos dados já conhecidos)?

A primeira-dama

por jpt, em 06.11.20

A imagem pode conter: 1 pessoa

Cada vez mais parece possível que o actual presidente americano perca estas eleições. Deixo aqui o meu elogio à Senhora de Donald Trump, actual Primeira Dama: pela sua beleza e impecável elegância. E porque sempre incansável no zelo pelos desvalidos - doentes, empobrecidos -, pelos idosos, pelas crianças, no âmbito da nobre missão que lhe coube abraçar. Foi, é, e decerto continuará a ser um símbolo da feminilidade. Uma verdadeira "european queen". Fará falta!

«Para eles, Trump é um Messias»

por Cristina Torrão, em 28.10.20

Excertos de uma entrevista dada pelo sociólogo norte-americano Philip Gorski, Professor na Universidade de Yale, à edição de 11 de Outubro de 2020 do Jornal Católico da diocese alemã de Hildesheim, em que se analisa o apoio incondicional dado a Trump pelos evangélicos norte-americanos:

Qual a razão de muitos evangélicos serem apoiantes incondicionais de Trump?

Para eles, o essencial é a condenação do aborto e do casamento entre homossexuais. Até podem criticar a política migrante de Trump, ou não aprovar o comportamento pessoal do Presidente - no fim, tudo isto é secundário. Aqueles dois temas estão acima de quaisquer outros.

Porque consideram eles esses temas tão mais importantes do que outros temas cristãos, como a justiça social, o clima, ou a proteção dos refugiados?

Isso explica-se, em parte, do ponto de vista psicológico. Muitos temas políticos permanecem abstractos para certos conservadores norte-americanos, como impostos, alianças internacionais ou protecção do ambiente. Têm dificuldades em estabelecer uma relação com questões desse tipo. Já no que concerne ao aborto ou ao casamento homossexual, estabelecem, de imediato, uma ligação emocional, porque vêem aí uma ameaça aos seus valores familiares tradicionais. O casamento monogâmico e heterossexual é, para eles, muito central - pretendem manter a sociedade limpa de todos os comportamentos que não se coadunem com estes seus valores. Os Republicanos vêm propagando a ameaça a estes valores familiares nos últimos anos, a fim de espetar uma cunha entre os conservadores católicos e o Partido Democrata.

Como se explica que especialmente os evangélicos brancos se sintam ameaçados?

Para eles, os Estados Unidos da América são uma nação branca e cristã, fundada por Protestantes brancos e prósperos. Sentem esta identidade ameaçada pela secularização, pela imigração e pelos não-cristãos. Sentem-se realmente como o grupo mais ameaçado e perseguido dos EUA. E consideram necessitar de um protector forte e impiedoso, que os defenda a todo o custo.

E esse protector é Trump?

Exactamente. Muitos acreditam mesmo que Trump é um enviado de Deus, um instrumento de Deus. Trump é, para eles, um Messias. Comparam-no ao rei Ciro do Velho Testamento, que libertou os israelitas do cativeiro babilónico. Muitos evangélicos leva a Bíblia à letra e estabelecem permanentemente paralelos entre a política actual e o Apocalipse. Consideram estar no meio de uma luta entre o Bem e o Mal. Eles, os evangélicos, estão naturalmente do lado do Bem - os seus opositores políticos e culturais corporizam o Mal.

E Trump fomenta essa sua crença?

Sim, ele vê o mundo tal como eles: divide-o entre amigo e inimigo, Bem e Mal. O seu princípio é olho por olho, dente por dente (…) Ficaria surpreendido se me dissessem que ele, em toda a sua vida, tivesse mais de uma hora de leitura da Bíblia. Mas, como todos os demagogos, ele possui grande capacidade de sentir como o público reage à sua pessoa e de escolher os temas que provocam a reacção mais forte.

Quão importante é para os eleitores cristãos a manutenção da democracia?

Não tão importante como se possa pensar. Sobretudo os brancos evangélicos e muitos católicos conservadores vão tomando uma direcção cada vez mais autoritária. Eles consideram inclusive a democracia ser um obstáculo que os impede de alcançar os seus fins políticos. Muitos dizem abertamente desejarem uma ditadura.

As eleições americanas

por jpt, em 24.10.20

presidentialElection.png

Ralf Dahrendorf, François Furet, Bronislaw Geremek conversaram sobre o futuro da Europa após a queda do comunismo, durante o Inverno de 1991/1992, com a moderação de Lucio Caracciolo. Trinta anos passados é interessantíssimo (re)ler este "A Democracia na Europa" (Presença, 1993), recordar as perspectivas sobre o remoldar da União Europeia e da Europa, sobre o papel dos intelectuais, da cultura na construção e manutenção da democracia, etc. É notável a clarividência e a densidade destes três enormes intelectuais liberais (aqui, aos seus  nomes juntei ligações para artigos elucidativos sobre a dimensão de cada um deles). E será também importante recordá-los para comparar com os dislates constantes que se vêm lendo nos últimos largos anos, largados por "liberais" lusos, meros idólatras do mercado e de um profundo autoritarismo (reaccionarismo, dizia-se), que não passa de afascistada aversão à democracia. E, sempre, à cultura e aos intelectuais. Quem leu blogs ditos "liberais" saberá do que aqui falo, desse boçalismo inculto.

Mas o que trouxe este livro ao blog foi estar a folheá-lo no dia do último debate das campanha eleitoral americana, que encheu as estações televisivas nacionais e internacionais. Pois atentei neste meu velho sublinhado.  O qual, mutatis mutandis, muito descreve o que se passa naquele país. 

Abordando a queda do comunismo soviético e europeu disse Geremek (pp. 47-48): 

"Gorbachev é um dos factores decisivos para se compreender a implosão do império soviético. Um dia, estava eu a falar com Jakovlev, conselheiro e amigo de Gorbachev e considerado o pai espiritual da perestroika. Perguntei-lhe: "Como é possível que, a um dado momento, você e Gorbachev tenham decidido empenhar-se numa empresa tão perigosa?" "Trata-se de um facto biográfico", respondeu-me, "eu tinha dito certas coisas que não agradavam aos meus camaradas, que me mandaram para o exílio no Canadá, como embaixador. Um dia, Gorbachev foi visitar o Canadá. Fomos passear para o campo para podermos falar livremente, sem sermos controlados pelos microfones da KGB. E vimos que estávamos de acordo. A crise do nosso país era muito grave, e o contacto com a realidade do Ocidente, com as suas proezas económicas, tinha-nos convencido de que era necessário reformar profundamente o nosso sistema."

"No entanto, depois disso, houve sobretudo um facto que nos fez compreender a necessidade da perestroika. No Comité Central do PC havia um dirigente particularmente imbecil, que não sabia nada de nada, e que era utilizado quando não havia nada de importante a fazer. Chamava-se Chernenko. Ora, depois da morte de Andropov, é ele, Chernenko, que é eleito para secretário-geral do partido. Um homem como Chernenko à cabeça de uma das duas superpotências do mundo! Era intolerável! Se um sistema coloca um homem como Chernenko no seu topo, isso significa que esse sistema está muito doente. E foi por isso que nós, Gorbachev, eu e alguns outros, decidimos que chegara a altura de reagir."

Calma, rotineira e previsível

por Pedro Correia, em 04.03.20

mw-680 (1).jpg

Expresso, 18 de Setembro de 2019

 

Lembram-se de um tal Pete Buttigieg, o candidato a quem o Expresso designava há um mês como «o homem na frente da corrida» para derrotar Trump nas presidenciais de Novembro? Abandonou a corrida, renunciando àquele objectivo que parecia ter entusiasmado também o Observador.

 

Novidades, na corrida eleitoral americana, são nulas: restam três septuagenários com hipóteses de vitória para a Casa Branca, daqui a oito meses. No campo republicano, Donald Trump (73 anos) impera sem rival à vista. Entre os democratas, o combate reduz-se ao ex-vice-presidente Joe Biden (77 anos) e ao senador Bernie Sanders (78 anos). Um centrista e um esquerdista, cada qual com as suas falanges de apoio. Mais compactas as de Biden, após a vitória eleitoral de ontem em nove dos 13 Estados que foram a votos nas primária de ontem - a chamada Super Terça-Feira: Alabama, Arkansas, Carolina do Norte, Massachusetts, Minnesota, Oklahoma, Tennessee, Texas e Virgínia.

O troféu mais cobiçado de todos estes era o do Texas, segundo Estado a designar maior número de representantes à convenção democrata: 228, num total de 1.991. 

 

Sanders - que tem incontáveis admiradores em Portugal, designadamente o social-democrata Pacheco Pereira - venceu só em quatro Estados: Califórnia, Colorado, Utah e o Vermont, que o elege desde 2006 como senador. A sua maior proeza foi, sem dúvida, o primeiro lugar na corrida pelo domínio da Califórnia, a maior parcela estadual do território norte-americano, que designa 415 delegados à convenção democrata.

No conjunto dos sufrágios de ontem, estavam em jogo 1.357 delegados no mapa político que agora foi a votos, representando 28% do total de Estados.

 

A senadora Elizabeth Warren - que o Expresso, antes de exibir o fugaz entusiasmo pelo tal Buttigieg, elegia para a fogosa capa da sua revista de 28 de Setembro de 2019, sob o título «Ela pode derrotar Trump» - é a grande derrotada desta Super Terça-Feira: não venceu em lado algum e ficou abaixo dos 15% na maior parte dos Estados.

O facto de também ela pertencer à ala mais conotada com a esquerda entre os democratas parece não lhe ter dado qualquer vantagem competitiva com Sanders.

 

Falta acrescentar que o milionário Mike Bloomberg, que alguns chegaram a imaginar como temível competidor no campo democrata, mesmo correndo fora das tradicionais correntes do partido, falhou igualmente em quase toda a linha, apesar de ter investido mais de 500 milhões de dólares em propaganda eleitoral: restou-lhe, como modesto prémio de consolação, um triunfo na Samoa Americana, minúsculo território no Pacífico Sul, com apenas 55 mil habitantes.

 

O que vai seguir-se? Muito provavelmente, a repetição do já sucedido há quatro anos: Trump enfrentará nas urnas, em Novembro, o mais moderado dos opositores.

Proporciona pouca vibração jornalística, comprendo. E transmite uma maçadora sensação de déjà vu. Mas a vida é assim mesmo, na maior parte das vezes: calma, rotineira e previsível.

O tiro de partida.

por Luís Menezes Leitão, em 05.02.20

iowa-caucus-registration-ap-jt-200203_hpMain_16x9_

O Iowa é normalmente considerado o tiro de partida para a nomeação do candidato democrata às presidenciais americanas, podendo atribuir ao vencedor da noite um avanço considerável na corrida. Foi assim com Barack Obama que emergiu decisivamente do Iowa como o candidato presidencial dos democratas em 2008. Mas já não parece que vá ser assim em 2020. As confusões no apuramento do vencedor, com Peter Buttigieg a cantar vitória, apesar de estar taco a taco com Bernie Sanders, e o afundamento de Joe Biden não auguram nada de bom para a candidatura democrata, que aliás se afundou na tentativa desastrada de impeachment de Donald Trump. Esse foi um erro de principiante de quem pareceu esquecer que um processo de impeachment não é apenas do foro criminal, mas também eminentemente político. Neste âmbito, um processo de impeachment pode ser facilmente decretado perante um presidente que perdeu o apoio popular, como aconteceu com Dilma Rousseff no Brasil, e iria facilmente acontecer com Richard Nixon após o escândalo Watergate. Mas não haveria qualquer possibilidade de o decretar perante um Presidente que mantém intacta a sua base de apoio popular, como é o caso de Trump. Como bem disseram os senadores republicanos, isso seria visto como um golpe de Estado por metade do país, uma situação em que obviamente o Senado nunca se poderia envolver.

Restam assim as eleições de Novembro e estas manifestamente começaram mal para os democratas. Pela primeira vez em muitos anos, corre-se o risco de não emergir das primárias um candidato definido, o que deixaria a nomeação presidencial para uma convenção aberta, onde até Hillary Clinton poderia voltar a ter hipóteses de ser nomeada. Vamos ver se New Hampshire permite recuperar do cenário do Iowa. Mas manifestamente as coisas não estão fáceis para os democratas. Trump soma e segue, e a menos que de facto surja um candidato democrata forte, tudo aponta para que seja facilmente reeleito em Novembro.

A ler

por Sérgio de Almeida Correia, em 07.11.18

"For a man who famously thought he could grab women by the genitals, Donald Trump is about to experience just how painful a squeeze that can be."

As condições para "impeachment"

por Alexandre Guerra, em 22.08.18

Os casos judiciais que envolveram Paul Manafort e Michael Cohen, outrora homens poderosos que fizeram parte do círculo mais próximo do Presidente Donald Trump, servem de “combustível” para manter vivo o “lume” até às eleições intercalares de Novembro. Um “lume” que os opositores de Trump esperam que se transforme nas “chamas do inferno”, com um processo de “impeachment” que, na actual configuração do Congresso (Câmara dos Representantes e Senado), é impossível de passar. É por isso que, provavelmente, nunca em tantos anos nos EUA, as eleições intercalares tiveram uma importância tão directa no destino do Presidente, porque se os republicanos perderem a maioria no Congresso e, consequentemente, a liderança de algumas comissões, poderão estar criadas as condições para o início formal de um processo de “impeachment”. Reconheça-se que, por menos, muito menos, Bill Clinton foi alvo de um processo destes, embora tenha sido absolvido e cumprido o seu segundo mandato até ao final, terminando com os mais altos índices de popularidade que um Presidente teve desde a II GM.  

 

Para um processo destes ter possibilidade de avançar, são sobretudo precisas duas condições: a primeira tem a ver com uma conjuntura política adversa contra Trump e um ambiente muito hostil instalado numa significativa franja da opinião pública; a segunda condição é partidária e prende-se com a composição do Congresso que, maioritariamente, tem que se opor ao Presidente.

 

Se polémicas com actrizes porno ou casos de polícia, como os do antigo director de campanha e o do ex-advogado de Trump, são excelentes para criar bases jurídicas e um sentimento cada vez mais adverso contra o Presidente, empolado diariamente pelos principais órgãos de comunicação social americanos, com a ajuda de muitos artistas e personalidades “activistas”, nada disto servirá se depois não houver correspondência no poder legislativo. Que é isso que acontece actualmente.

 

Não custa a acreditar que, daqui até Novembro, a primeira condição seja reforçada ainda mais, atendendo à habilidade de Trump para se meter em problemas criados por si próprio. A questão que se coloca é saber se os ventos de mudança chegarão ao Congresso. Para a segunda condição ser cumprida, tanto a Câmara dos Representantes como o Senado terão que mudar a sua composição (ou então, teria que haver uma alteração no pensamento de muitos republicanos, o que não parece verosímil). Na Câmara dos Representantes basta uma maioria simples para dar início ao processo de “impeachment”, já ao nível do Senado, a confirmação da queda do Presidente precisa sempre de uma maioria de dois terços. Ora, se em teoria, é possível que os democratas conquistem a maioria na Câmara dos Representantes, já que todos os seus 435 assentos irão a eleições, no Senado, dos seus 100 lugares, apenas 35 estarão em disputa, sendo que a maioria destes são actualmente ocupados por democratas. Mesmo admitindo que os democratas conquistem a maioria no Senado (perfeitamente possível), dificilmente chegariam a uma maioria de dois terços, porque pressuponha que, além de conquistarem lugares novos, teriam que convencer outros republicanos que já lá estão.

 

Do que se vai analisando, a estratégia de oposição a Trump passa por manter o Presidente debaixo de fogo até Novembro, explorando ao máximo todos os seus casos polémicos e, sempre que possível, abrindo novas “frentes de batalha”. Basta ver órgãos como o New Times e a CNN para se perceber que os próximos dois meses e meio vão ser de ataque constante a Trump e é por isso que casos como o de Manafort ou de Cohen são autênticas armas de destruição maciça contra o Presidente. O que a oposição a Trump está a tentar fazer é criar uma espécie de “casus belli”, na esperança de que em Novembro a maioria do Congresso mude de mãos e formalize o “impeachment”. E se isso vier a acontecer, é muito provável que muitos republicanos congressistas e senadores mais moderados se sintam tentados a dar o “empurrão” final a Donald Trump.

É o salário, assholes

por Rui Rocha, em 16.11.16

O salário base do Dr. António Domingues ronda os 420.000 euros anuais a que acresce seguramente outro tanto ou mais em compensação variável. Está bem. É preciso que a remuneração do gestor do banco público seja competitiva face ao que se pratica no sector privado. Entretanto, a remuneração total do Presidente dos Estados Unidos da América é de aproximadamente 375.000 euros anuais. Repare-se que o salário do POTUS não é sequer competitivo face ao do Presidente da Nossa Caixa. Depois admiram-se da fraca qualidade dos candidatos. Cada vez tenho mais pena dos americanos, coitados.

Ainda isto

por Rui Rocha, em 10.11.16

Abomino Trump. Jamais votaria em Trump. Que o Deus das eleições me perdoe, mas mais depressa votaria num bandalho como Sócrates do que em Trump, ainda que só de pensar nisso já me sinta agoniado. Dito isto, espanta-me muito que os guardiões encartados da democracia venham agora, perante a eleição de Trump, manifestar a sua condescendência: não há problema que o gajo não vai fazer nada do que prometeu. Como diz que disse? Esta gente não aprende? Desvalorizaram a dimensão do eleitorado de Trump antes da ida às urnas. Desrespeitam o sentido do voto democrático que o elegeu logo no dia a seguir às eleições.

Mais uma coisa

por Rui Rocha, em 10.11.16

Percebo que as campanhas procurem obter informação sobre distribuição de voto para segmentarem populações e orientarem as mensagens eleitorais em função dos seus interesses. Agora custa-me mais a entender a extraordinária utilidade para o público em geral da distribuição de voto depois de concluídas as eleições. A democracia não é essencialmente a expressão da vontade da maioria a partir do princípio um eleitor, um voto? Então o voto de um branco não instruído vale menos do que o de um negro com formação superior? O de uma mulher vale menos do que o de um homem? A eleição de Trump vale menos do que a de Obama devido à composição do seu eleitorado? A de Obama menos do que a de Reagan? Esta obsessão em esmiuçar quem votou em quem parece-me, isso sim, profundamente anti-democrática.

Não basta querer para acontecer

por Pedro Correia, em 10.11.16

150904-hillary-clinton-5-gty-629[1].jpg

 

Quem acompanhou o dia eleitoral norte-americano apenas pelo principal serviço noticioso da SIC, ficou certamente estupefacto ao acordar na manhã seguinte com a notícia de que Donald Trump tinha sido eleito Presidente dos Estados Unidos. Nada – mesmo nada – do que aquele canal mostrara no seu Jornal da Noite indiciava algo diferente de uma vitória clara de Hillary Clinton.

No momento em que milhões de norte-americanos votavam nele, Trump foi apresentado aos telespectadores portugueses como uma irrelevância condenada ao fracasso – tom que prosseguiu madrugada adiante no canal de notícias da SIC, onde era quase impossível distinguir opinião de factos entre tanta reportagem “editorializada”.

 

Vale a pena mencionar exemplos concretos.

Logo a abrir, o Jornal da Noite visitou um concorrido local de voto em Manhattan. Espantosamente, segundo garantiu o repórter, todos puxavam para o mesmo lado: “Uma longa fila de eleitores onde, por acaso ou talvez não, não encontrámos ninguém que fosse votar Donald Trump.”

Nos depoimentos recolhidos entre esses eleitores, tudo a preto e branco: ele intolerável, ela extraordinária.

Sobre o candidato republicano: “péssimo”; “execrável”; “vergonhoso”; “louco”; “odeio Trump”.

Sobre a candidata democrata: “É a pessoa mais inteligente, mais bem preparada; “É a mais inteligente, a mais qualificada”.

 

Noutro ponto de reportagem, com outra equipa no terreno, a SIC manteve a nota: “Têm sido óptimas notícias para Hillary Clinton, estas últimas sondagens”; “Consegue a Florida, tudo parece muito bem encaminhado”; “O que temos vindo a ver é que ela pode até superar o recorde de Barack Obama no que diz respeito à participação dos hispânicos”; “Ela tem vindo a construir a sua muralha azul”.

 

Um cenário idílico para a candidata democrata, pois. Cenário que nunca foi posto em causa ao longo de todo o serviço noticioso.

20.08: “As pessoas parecem querer votar contra a América que Trump propõe: uma América muito extremada, muito anti-imigração, muito xenófoba, muito anti-semita. Hillary pode ter feito a sua jogada no sentido de não alienar minorias porque a América é um país de minorias que daqui a 30 anos serão maiorias e creio que o Partido Republicano vai pagar cara esta alienação de votos dos hispanos e sobretudo dos afro-americanos.”

20.56: “As sondagens apontam para que o cenário mais provável seja a vitória de Hillary.”

21.00: “Eleitores queixaram-se de que estão a ser intimidados por apoiantes de Donald Trump.”

Já bem depois da meia-noite, no canal de notícias, ainda a reportagem in loco da SIC transmitia aos portugueses a noção de que "ele [Trump] talvez tenha alguma razão para estar nervoso".

 

Como os resultados demonstraram, não podia ser maior a discrepância entre a realidade e o quadro que a SIC pintou. Sem matizes, sem contraditório, sem um assomo de dúvida que pudesse abalar tantas certezas preconcebidas.

Opinião a mais, factos a menos. Não basta querer - ou crer - para acontecer.

 

Hillary acabou por ser derrotada: a "muralha azul" só existia na propaganda.

Este jornalismo destituído da elementar noção do equilíbrio também perdeu.

Lisboa, bandeira do mundo livre

por Rui Rocha, em 10.11.16

medina.jpg 

Leio que anda por aí alguma indignação (não muita, na verdade, que o promotor da coisa é de esquerda e goza da presunção universal da virtude original) contra a iniciativa de Fernando Medina de colocar cartazes anti-Trump na zona onde decorre o Web Summit: Lisboa como bandeira do mundo livre e local onde o cidadão em busca de justiça pode construir o seu futuro. Meia-dúzia de mal intencionados perguntam: "quem é o gajo para estar agora a fazer juízos de valor sobre o resultado das eleições americanas?". Estas vozes, claro, não perceberam nada. Medina tem consigo a legitimidade absoluta do voto livre dos cidadãos que o elegeram a ele, de forma pessoal e intransmissível, para o cargo que ocupa. Quem é que esse tal Trump pensa que é?

Previsível.

por Luís Menezes Leitão, em 09.11.16

Durante imenso tempos os jornalistas andaram a fazer uma futurologia completamente absurda sobre as eleições americanas, construindo castelos no ar que era evidente que não resistiriam ao mais leve sopro da realidade. Disseram que o Partido Democrata ia ganhar o Senado, que Hillary Clinton já tinha assegurado 303 votos no colégio eleitoral e que tinha 90% de hipóteses de ganhar a eleição. A certa altura o absurdo foi tão grande que até se pôs a hipótese de Hillary Clinton ganhar o Texas, desde sempre um bastião republicano.

 

Sempre me pareceu que esses jornalistas estavam a tomar os seus desejos pela realidade. Ora, a realidade é que Hillary Clinton sempre foi uma candidata fraca, não conseguindo entusiasmar nenhum eleitor e tendo, pelo contrário, elevadíssimos índices de rejeição no eleitorado. Por isso inicialmente teve que recorrer a Michelle Obama, e mais tarde chamou o próprio Obama, que se envolveu na campanha eleitoral de uma forma que não me lembro de um presidente em exercício alguma vez ter feito pelo seu sucessor. E nos seus comícios teve que recorrer a celebridades como Jay-Z ou Beyoncé para conseguir gerar algum entusiasmo, facto que o próprio Trump não deixou de salientar. Foi por isso uma péssima decisão do Partido Democrático em escolher Hillary Clinton como candidata. Bernie Sanders podia ser um candidato mais à esquerda, mas tinha algumas hipóteses de bater Trump. Hillary Clinton, com os níveis de rejeição que sempre teve nos eleitores americanos, até pelo Rato Mickey seria derrotada.

 

Ora, Donald Trump pode ser conhecido por the Donald, mas não é o Pato Donald. Pode ser extremamente grosseiro, arrogante, provocador e insultuoso, mas é inteligente, ou não teria tido o sucesso que teve nos negócios. Por isso nunca poderia ter sido subestimado, nem se poderia confiar que os eleitores americanos, que o conhecem muito bem há décadas, se escandalizariam com revelações sobre a sua linguagem desbragada.

 

Bastava, aliás, recordar a forma estrondosa como Trump ganhou a nomeação republicana, arrasando candidatos muito mais favoritos, exactamente com o mesmo estilo, para se perceber que Hillary Clinton — que só tinha vencido tangencialmente Bernie Sanders — teria extrema dificuldade em responder ao discurso populista de Trump, de nostalgia pelo regresso ao sonho americano. Ora, o que se viu foi que muitos eleitores alinharam fervorosamente nesse discurso, mesmo nas minorias que Hillary Clinton dava como asseguradas. Na verdade, os media criaram uma ficção de favoritismo absoluto de Hillary Ciinton, que nunca existiu nesta eleição. Por isso, ontem, confrontada com a realidade, Hillary Clinton nem foi capaz de fazer o discurso de derrota, só o tendo feito há momentos.

 

Sun-Tzu escreveu que aquele que se conhece a si mesmo e conhece o inimigo, pode garantir a vitória, mas quem conhece o tempo e o terreno a alcançará de forma absoluta. Manifestamente dos dois candidatos, só Trump percebeu o terreno que pisava: o de um país revoltado, frustrado com a globalização e ansioso pelo regresso ao proteccionismo e ao sonho americano, que ele lhe prometia. Foi por isso o vencedor da noite. Hillary Clinton não percebeu o que o marido tinha percebido ser decisivo para ganhar umas eleições: "It's the economy, stupid!".

A segunda edição é para quando?

por José António Abreu, em 09.11.16

Blogue_admHillary_1.jpg

Temos de acabar com isto

por Rui Rocha, em 09.11.16

Não é a primeira vez que um político detestado pela generalidade dos portugueses é eleito. O Cavaco, por exemplo, ganhou duas presidenciais e ainda teve não sei quantas maiorias absolutas.

São loucos, estes americ... Romanos, pois!

por Marta Spínola, em 09.11.16

Vamos cá a ver: havia duas possibilidades e nunca houve uma maioria clara de Hillary Clinton. Não é que haja uma surpresa com Trump, a questão para mim não é tanto ele, que com o seu discurso desta manhã deixou em aberto um caminho para a moderação. Também é ele, que fez uma campanha de palhaço (literalmente) rico e venceu. Veremos o que por aí vem, que remédio.

Deixo a análise política para quem a sabe fazer, eu gosto (ou não) é de observar as pessoas. E o que continua a chocar-me é que as pessoas gostam de um bom circo, mesmo na vida real. Gostam ao ponto de levar circo ao poder para verem mais. Talvez também seja culpa dos canais pagos, pelo menos o presidente tem de dar em sinal aberto, e é entretenimento garantido. O que me preocupa de momento é que quem votou o fez ou porque crê naquela conversa da família americana - quando nem a dele o é! -, ou, e arrisco que pior, quem riu muito com ele, as suas alarvidades e grosserias. Isso não é frontalidade, é circo.

Já sei que a Hillary tem imensos defeitos e "ele é péssimo mas ela também é má" (e foi esta conversa que a vez perder, não tenhamos ilusões), e não sabemos, nem saberemos, como seria se fosse ela a eleita. Agora já está. Olho para trás e vejo como o meu choque com a reeleição do W Bush, parece tão ingénuo perto do de hoje.

Esta campanha foi só circo, e a minha fé na seriedade das pessoas está cada vez mais fraquinha. Sendo eu uma pessoa que adora rir e não reconhece limites ao humor, já vêem o que a ignorância me assusta.

Se falarmos no circo romano, há choque e horror, era um absurdo e uma barbárie. O pão e circo como campanha é uma coisa muito mal vista, mas só à distância de uns séculos. Vemos mal ao perto.


O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D