Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O regresso do corredor de fundo

por Pedro Correia, em 12.03.16

ng6179371[1].jpg

Foto Manuel de Almeida/Lusa

 

António José Seguro fez ontem anos. Mas recebeu a prenda de aniversário na véspera, com uma enchente na sessão de apresentação do seu livro que ultrapassou certamente as melhores expectativas, tanto do autor como dos responsáveis da sua editora, a Quetzal.

Cheguei à Universidade Autonoma à hora assinalada, 18.30. Já não consegui entrar no duplo auditório, cheio até à porta. Outro auditório, em que foi instalado um plasma destinado a acompanhar a sessão, encheu também. E o corredor e vestíbulo anexos transbordavam de gente à procura do livro e de uma oportunidade para rever o ex-líder socialista.

Muitos não conseguiram. À hora aprazada os exemplares postos à disposição do público pela editora já se tinham esgotado. Veio outra remessa, que voou igualmente em poucos minutos. E teve de vir uma terceira para muitos enfim adquirirem a obra, aguardando um autógrafo.

Bem à portuguesa, não tardaram as piadas. "Ao menos este livro tem compradores reais, ao contrário do que sucedeu com outro", dizia alguém, logo suscitando gargalhadas em redor. O ambiente era de confraternização e bonomia. "Isto vale mais do que uma sondagem", anotava um ex-deputado socialista.

 

Não havia apenas gente do PS. Apareceram o ex-Presidente da República António Ramalho Eanes, apontado por Seguro como figura exemplar da democracia portuguesa. E sociais-democratas como Pedro Santana Lopes, Aguiar-Branco, José Matos Correia, Duarte Pacheco. E democratas-cristãos como Mota Soares, Diogo Feio, Nuno Magalhães. Comunistas no activo, como António Filipe, que tive o prazer de cumprimentar. E ex-comunistas, como Cipriano Justo. E Luís Fazenda, do Bloco de Esquerda. Além de vários independentes, como António Bagão Félix, Luís Moita, Henrique Monteiro, João Bilhim e Viriato Soromenho-Marques, um dos apresentadores do livro.

Mas, claro, a grande maioria dos presentes vinha das fileiras socialistas - políticos no activo ou antigos deputados e ex-dirigentes federativos: não via muitos deles há anos, falei com vários como se nos tivéssemos encontrado de véspera. Francisco Assis, Jorge Coelho, Alberto Martins, Álvaro Beleza, Carlos Zorrinho, José Magalhães, Manuel Machado, Vítor Baptista, António Braga, Ricardo Gonçalves, Fernando Jesus, Jamila Madeira, António Galamba, Óscar Gaspar, Manuel dos Santos. Ferro Rodrigues não faltou. Do Governo estavam os ministros João Soares e Manuel Caldeira Cabral, e os secretários de Estado José Luís Carneiro e Jorge Seguro.

Revi amigos de longa data, como o Aloísio Fonseca e o Carlos Pires. E cumprimentei também com gosto o Luís Bernardo, um dos maiores experts portugueses em comunicação: raras pessoas conhecem tão bem o PS por dentro como ele.

 

Entre a multidão nem consegui falar ao editor. Mas o meu amigo Francisco José Viegas só podia estar satisfeito. Vou a muitas sessões de lançamento de livros e garanto-vos que não é vulgar haver uma atmosfera como esta - em número e diversidade de pessoas, e em genuíno interesse pela obra, que condensa o essencial da tese de mestrado do ex-secretário-geral socialista na Autónoma, sob o título A Reforma do Parlamento Português.

Seguro mereceu esta prenda de aniversário antecipada: corredor de fundo em vez de velocista, é um dos políticos com mais qualidades humanas que conheço. O abraço que por falta de tempo não pude dar-lhe nesse início de noite de quinta-feira segue agora aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como o PS mudou

por Pedro Correia, em 04.10.15

Com António José Seguro, os socialistas ganhavam poucochinho. Com António Costa, perdem muitinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fizeram-lhe bem as punhaladas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Where have you gone, Seguro?

por Pedro Correia, em 25.09.15

SeguroCosta.jpg

 

Maio de 2014: As eleições para o Parlamento Europeu deram uma vitória indiscutível ao PS, a segunda depois de ter conquistado, nas últimas autárquicas, a liderança em 150 municípios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O último a rir.

por Luís Menezes Leitão, em 19.06.15

 

Em oito meses, o PS de Costa é apanhado pela coligação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Avançar às arrecuas

por Pedro Correia, em 17.04.15

António Costa tem-se esforçado. E os resultados estão à vista. Quase um ano depois, o PS praticamente iguala as sondagens que obtinha no tempo do líder anterior, António José Seguro. Falta apenas meio ponto percentual para atingir os 38% de Seguro em Maio de 2014, o mês em que Costa anunciou que pretendia derrubar o antecessor. Tudo porque a vitória do partido nas europeias, com 3,7% de avanço sobre a coligação PSD/CDS, lhe tinha "sabido a pouco".

Lamentavelmente, esse avanço encolheu entretanto: de acordo com o barómetro da Eurosondagem, o PS só reúne hoje mais 2,8% do que a soma dos partidos da actual coligação (26,7%+8%). Uma diferença que, aliás, se insere na margem de erro da sondagem.

Saberá a pouco? O melhor desta vez é fazer a pergunta a Seguro. Para variar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Com Seguro o PS não cresce

por Pedro Correia, em 16.01.15

Ouvíamos há um ano a frase que pus em título a propósito do anterior secretário-geral socialista, proferida com insistência por uma multidão de sábios comentadores políticos.

Finalmente Seguro abandonou o Largo do Rato e agora tudo mudou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A viola no saco

por Pedro Correia, em 25.11.14

Todos aqueles que ainda há ainda bem pouco criticavam duramente António José Seguro por pretender romper com o "legado" de José Sócrates no Partido Socialista metem a partir de hoje, oficialmente, a viola no saco. Incluindo Ferro Rodrigues, que há escassas três semanas tributou um rasgado elogio a Sócrates no plenário da Assembleia da República. Incluindo Ascenso Simões, que há menos de um mês exigia ver a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo a reluzir na lapela do ex-primeiro-ministro.

Seguro só cometeu um pecado, fatal em política: teve razão antes do tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Motivo de orgulho

por Pedro Correia, em 08.10.14

381095[1].jpg

 Foto Daniel Rocha/Público

 

António José Seguro Seguro renunciou hoje ao lugar de deputado na Assembleia da República depois de ter decidido sair do Conselho de Estado. Tudo em consequência da recente eleição interna em que saiu derrotado.

Abandona a cena política amargurado, certamente. Mas tem desde logo um motivo para se orgulhar: lega ao PS o mais concorrido processo de participação eleitoral de que há memória numa força política portuguesa, alargando a escolha do líder (embora erradamente, a meu ver, designada de "candidatura a primeiro-ministro") a militantes sem quotas em dia e a cidadãos sem filiação partidária.

Este processo, em que se inscreveram 150 mil pessoas, torna-se a partir de agora não apenas património do PS como do conjunto da política nacional. Algo apenas semelhante ao já ocorrido no Partido Socialista Francês nas primárias de 2011, que mobilizaram quase três milhões de eleitores e serviram de trampolim para a chegada de François Hollande ao Palácio do Eliseu um ano depois, e nas primárias de 2013 do Partido Democrático italiano, ganhas pelo actual chefe do Governo, Matteo Renzi.

Nem o Partido Socialista Operário Espanhol, na sua campanha interna do Verão passado, foi tão longe.
Bastaria isto para ficar como marca positiva do mandato de Seguro no Largo do Rato. Estou convencido, aliás, que os restantes partidos em Portugal caminharão inevitavelmente na mesma direcção: precisam de abrir-se à sociedade, não podem continuar fechados sobre si mesmos. A começar pelo PSD.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Penso rápido (53)

por Pedro Correia, em 29.09.14

António Costa falhou o primeiro passo na construção da unidade do partido quando ontem à noite, no discurso da vitória eleitoral, ignorou o nome de António José Seguro. Esta omissão não honrou as melhores tradições do sistema democrático, onde tão importante como saber perder é saber ganhar.
O futuro secretário-geral precisará dos seguristas para construir a nova maioria que ambiciona. Inútil fazer charme para fora das fronteiras do PS enquanto não assegurar a unidade interna.
Concorde-se ou discorde-se da sua actuação e do seu estilo, Seguro liderou o partido durante mais de três anos muito difíceis, em que mais ninguém se dispôs a fazê-lo. Três anos muito difíceis devido ao estado de emergência financeira em que Portugal se encontrava. Três anos muito difíceis para o PS enquanto partido da oposição num quadro político dominado pelo memorando negociado e assinado pelos próprios socialistas quando ainda eram governo, antes do mandato de Seguro. Três anos em que, apesar disso, o PS registou três vitórias eleitorais -- nas regionais açorianas, nas autárquicas e nas europeias.
Há uma tendência crescente para a perda de memória na política portuguesa. Até por isso convém ir lembrando alguns factos essenciais. Como estes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A continuidade e a mudança

por Pedro Correia, em 23.09.14

 

1. Foi o terceiro. E o último. E, de longe, o pior debate dos três que opuseram os "candidatos a primeiro-ministro" nas hostes socialistas. Com António José Seguro e António Costa falando grande parte do tempo em simultâneo, em tom exaltado, sobrepondo os discursos. Não sei o que se passou convosco: eu não consegui perceber várias frases que proferiram no estúdio da RTP. João Adelino Faria, o moderador, tinha consciência disso mesmo e tentou aplacar os ânimos. Infelizmente sem sucesso.

2. Custa entender tanta animosidade pessoal num partido onde grande parte dos militantes ainda utiliza o termo "camarada": cada vez mais se conclui que as diferenças entre os candidatos são de estilo, não de fundo. Um aspecto aliás realçado pelo guarda-roupa digno de Dupond & Dupont: apresentaram-se ambos de fato cinzento escuro e gravata vermelha. Com pouca convicção, Costa tentou gracejar a propósito deste assunto, lembrando que partilham o fervor benfiquista. Nos primeiros minutos, ainda trocaram umas amenidades de salão.

3. Mas Seguro não estava para graças. Visivelmente mais tenso, e com uma linguagem corporal muito rígida, o secretário-geral socialista abriu hostilidades, procurando percorrer o trilho do frente-a-frente inaugural, em que saiu vencedor: «Há uma crise no PS provocada pelo António Costa.» Estava dado o mote para o despique verbal que preencheria o resto do debate. Com uma diferença digna de registo: desta vez Costa foi a jogo. Coube até ao autarca de Lisboa a frase mais contundente deste despique travado sob os holofotes da estação pública: «Se tu tivesses tido um décimo da agressividade que tens contra mim na oposição a este governo, este governo já tinha caído.»

4. Ficou a sensação de que Seguro se apercebeu, naquele preciso instante, que se arriscava a perder o confronto -- o que de facto viria a acontecer. Mas teria perdido só à tangente se não tivesse ensaiado então uma fuga para a frente, cometendo o erro de mencionar um episódio dificilmente perceptível pelos telespectadores relacionado com o advogado Nuno Godinho de Matos, apoiante de Costa, na frustrada tentativa de associar o rival a interesses obscuros. Saiu-lhe mal o tiro, que o fez descer ao nível do diz-que-disse próprio das conversas de barbeiro.

5. O autarca exibiu um gráfico de sondagem demonstrando a preferência que lhe dedicarão os eleitores num hipotético confronto eleitoral com Passos Coelho. Seguro contrapôs com o barómetro do Expresso que «dá ao líder do PS maior popularidade» entre os políticos portugueses (assim mesmo, falando de si próprio na terceira pessoa).

6. E lá voltou o jogo do empurra, em versão déjà vu. Seguro: «Tu só vens agora disputar a liderança do PS porque terminou o memorando. Que eu não assinei nem negociei, mas honrei. Mas tu eras o nº 2 dessa direcção que subscreveu esse memorando. Agora é fácil fazer oposição.» Costa: «Agora é que é difícil fazer oposição.» Seguro: «Consegui trazer o PS das derrotas às vitórias.» Costa: «Tu deves estar desde pequenino a sonhar ser secretário-geral do PS.»

7. Houve muito mais palavras do que ideias. Costa não deixou de levitar no reino das abstracções e Seguro agarrou-se à sua proposta de reforma eleitoral em jeito de tábua de salvação quando o País em geral e o PS em particular esperariam dele uma solução luminosa para combater alguma chaga social -- o desemprego, por exemplo. O autarca apressou-se a chamar-lhe «populista», rótulo de que se usa e abusa em Portugal. A verdade é que, em termos concretos, Seguro levou pelo menos esta proposta a debate enquanto o rival ficou em branco.

8. De resto, consonância total num pacote de pias intenções: Portugal precisa de crescimento económico; os funcionários públicos devem recuperar o rendimento perdido; reformados e pensionistas não podem continuar a ser as primeiras vítimas da austeridade. La Palisse certamente concordaria.

9. No apelo final ao voto, sem ironia, o secretário-geral sublinhou que o sufrágio do próximo domingo destinar-se-á a escolher «entre a continuidade e a mudança» no Partido Socialista. Assumindo-se -- sem ironia -- como expoente da mudança. Como se não estivesse há três anos em funções no Largo do Rato. Repto aos eleitores em jeito de quadratura do círculo: mudar para continuar ou continuar para mudar?

10. Do que consegui ouvir, não gostei. E reforço cada vez mais a convicção de que deste confronto intestino resultarão feridas difíceis de sarar no maior partido da oposição, como já aqui escrevi a 7 de Junho, chamando-lhe processo autofágico em curso. Tenho hoje razões ainda mais sólidas para pensar assim.

 

Leitura complementar: A funda e a esfinge; A janela e o cutelo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O senhor que se segue.

por Luís Menezes Leitão, em 23.09.14

O primeiro debate foi uma vitória de António José Seguro por KO, o que surpreendeu todos, incluindo a mim próprio. O segundo debate saldou-se por um empate técnico. Neste terceiro debate António Costa não deixou os seus créditos por mãos alheias e foi absolutamente arrasador, deixando Seguro sem qualquer possibilidade de defesa. Seguro nunca atirou a toalha ao chão, mas a sua situação no debate de hoje equivaleu a um KO técnico. 


A única vez em que os dois candidatos estiveram equilibrados foi quando responderam às perguntas do moderador, o que deu para perceber que defendiam exactamente a mesma coisa, mais parecendo Dupont e Dupond: "— É preciso combater o desemprego e criar riqueza. — E eu direi mais, é preciso acabar com o flagelo do desemprego e desenvolver o país". A partir daí Seguro enredou-se numa estratégia suicida. Primeiro repetiu a argumentação estratégica do primeiro debate de culpabilizar Costa pelo seu avanço mas, como seria de esperar, este estava preparado e devolveu os golpes. Depois, não percebendo que estava numa eleição interna, caiu no ridículo de comparar Costa a Passos Coelho, o que este também facilmente desmontou. A única vez em que Seguro teve algum sucesso foi quando usou um autêntico golpe baixo, ao falar dos apoiantes de Costa. Foi esta a única vez em que Costa acusou o golpe, mas depois de alguma hesitação também se desenvencilhou até com elegância. Em consequência, no momento final, Seguro parecia completamente perdido, enquanto Costa assumiu a pose de homem de Estado.


Costa esteve sempre a meu ver em vantagem nos eleitores socialistas, mesmo quando Seguro ganhou o primeiro debate. Mas depois do massacre de hoje, é evidente que Seguro já era. António Costa é o senhor que se segue no PS. E, se este assunto tiver desenvolvimentos, até é capaz de disputar as legislativas mais cedo do que pensava.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quatro notas rápidas

por Sérgio de Almeida Correia, em 12.09.14

1. Espero que os portugueses continuem a seguir com atenção o trajecto político de Marinho e Pinto. Admito que não seja fácil, tal a rapidez com que troca de fato e aparece num novo facto. Se há coisa que um cata-vento político mantenha é a coerência. Sempre a girar, nem dá tempo para avisar.

 

2. O Sol titula na primeira página de hoje que "Seguro prepara surpresa" e acrescenta que o secretário-geral do PS tem na manga uma "avalancha de entradas nos últimos dias". Aguardo confirmação da cartada. Oxalá que nenhum dos novos esteja já morto e que essa avalancha de entradas não seja mais um acto de homenagem dos sobrevivos. Pensava que a decisão de um indivíduo se inscrever como simpatizante ou militante de um partido era um acto solitário, uma decisão individual, eminentemente livre e racional, tomada no último reduto da solidão, no fundo da sua consciência. Tretas.

 

3. Carlos Moedas diz que lhe entregaram uma pasta "chave para o crescimento da Europa", depois do novo presidente da Comissão ter dito que as pastas chave foram entregues a mulheres. Não discuto pastas em função do sexo, matéria em que quer Junker quer Moedas estarão mais à-vontade. Penso, sim, que Moedas tem uma boa oportunidade para demonstrar que é bem melhor do que aquilo que aparentou ser no Governo de Passos Coelho. O interesse nacional obriga a que lhe seja dado o benefício da dúvida.  

 

4. O trabalho efectuado tem sido registado. A disponibilidade e vontade de melhorar idem. E pessoalmente só tenho a dizer bem de quem lá trabalha e ali me tem atendido. De qualquer modo, não deixa de ser irónico que seja o antigo chefe de gabinete de Miguel Relvas a dar conta da situação a que se chegou no Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong: menos "treze funcionários nos últimos dois anos (incluindo uma chefia)" e dificuldades "materiais – com estações de tratamento de dados biométricos continua e reiteradamente avariadas – a acrescer à questão de 2014 ser justamente o primeiro ano coincidente com a renovação obrigatória dos documentos de identificação". Fica mais claro porque renovar um cartão de cidadão ou tirar um passaporte leva vários meses. A redução de funcionários não constitui novidade. A recorrência nas avarias da estação de tratamento de dados biométricos sim. Está visto que o secretário de Estado José Cesário, apesar das constantes viagens que faz a Macau, não é o homem indicado para efectuar as reparações nos consulados. Sabe-se que o MNE vive noutro mundo, mas Passos Coelho podia já ter compreendido isso. Perceber de canos não é o mesmo que saber de circuitos de alta tecnologia. A Cesário não se lhe pode exigir mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A janela e o cutelo

por Pedro Correia, em 10.09.14

 

1. O debate desta noite foi bastante diferente do de ontem. António Costa apresentou-se mais enérgico e preparado, abandonou o ar sonolento da véspera. Desta vez destacou-se no campeonato das farpas ao adversário, lançadas a um ritmo regular, com fria premeditação. Revelou perfeita consciência de ter perdido o frente-a-frente anterior e mudou a agulha. Fez bem: assim evitou nova goleada.

2. António José Seguro também mudou de estratégia. Consciente de que a mesma receita não resulta em duas noites consecutivas, evitou levar novamente o debate para o campo dos juízos de carácter do seu antagonista. Fez bem: assim evitou uma medalha adicional no campeonato da lamúria.

3. Hoje houve muito mais equilíbrio sem se perder a acutilância. Neste frente-a-frente da SIC, bem moderado por Clara de Sousa, cada candidato detalhou algumas propostas que tinham sido silenciadas no confronto da TVI. Costa deixou-se de panos quentes e reduziu a escombros a estratégia adoptada pelo PS de Seguro na oposição ao Governo PSD/CDS. Acusando-o, por exemplo, de não ter contribuído para a reforma do mapa administrativo do País: "Tu passaste o tempo a refugiar-te em questões formais, sem tomares uma posição sobre a matéria."

4. Mais contido, o secretário-geral socialista não deixou de dar réplica. E coube-lhe até uma das frases da noite: "Nestes três anos nunca deixei de andar de norte a sul. Não estive à janela do município a ver qual era a minha oportunidade." Costa esteve à beira de perder a fleuma: "Não ofendas os autarcas!" Seguro insistiu: "Eu tenho o maior respeito pelos autarcas. Estava a referir-me a ti."

5. Houve acusações mútuas de colagem ao executivo de Passos Coelho. Costa: "António José Seguro gasta mais energia na oposição aos anteriores governos do PS do que ao actual governo." Seguro: "A tua argumentação é, em parte, a do Governo português: a dívida é um problema mas não o devemos discutir agora. Foi o que fizeste quando apresentaste o teu documento [de candidatura]: sobre a dívida, zero."

6. A moderadora procurou levar a discussão para questões concretas. Nem sempre com êxito. Exemplo: é possível atingir a meta de 2,5% do défice? Nenhum deu uma resposta convincente. Outra: como tencionam financiar as medidas que propõem ("dar força às empresas" e apoiar o empreendedorismo jovem, no caso de Costa; lançar um ambicioso plano de reindustrialização do País, no caso de Seguro)? Idem, aspas. Prioridades em matéria de coligações pós-eleitorais em 2015? Tudo vago e difuso.

7. Num dos seus melhores momentos da noite, o autarca de Lisboa acusou o rival de decalcar as 80 propostas que apresenta aos militantes do programa eleitoral de José Sócrates, em 2009. "Só seis propostas e meia não constavam desse programa", ironizou. Disparando nova farpa: "O António José Seguro gosta muito de excluir o passado porque entende que tudo começou com ele." Réplica imediata do visado: "Eu não enjeito nenhum passado do PS. Mas também não trago nenhum passado de volta."

8. Pelo menos em matéria económica e europeia mostraram convergência. Com Seguro mais explícito na defesa de negociações imediatas com Bruxelas para a redução dos juros da nossa dívida.

9. Por alguns instantes, com o frente-a-frente quase no fim, a conversa voltou a azedar. "O PS não conseguiu dar um sinal de confiança aos 77% [de eleitores] que disseram não ao Governo nas europeias", acusou Costa. "O problema foi a crise que tu provocaste", retorquiu o rival. Mas coube ao autarca a frase mais acutilante, desferida como um cutelo: "Tu não foste capaz." Quatro palavras muito expressivas. Que tinham ficado por dizer na noite anterior.

10. Olharam-se ambos nos olhos quase todo o tempo. Com expressão fria e sem o menor traço de cordialidade, prenunciando tempos difíceis para o PS -- ganhe quem ganhar. Talvez por isso, neste debate que Costa não perdeu, o verdadeiro vencedor tenha sido alguém que não estava lá. Chama-se Pedro Passos Coelho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Empate técnico.

por Luís Menezes Leitão, em 10.09.14

 

António Costa julgava que os seus debates com Seguro seriam um passeio, pelo que ontem entrou displicente, tendo saído completamente esmagado. Por esse motivo, hoje percebeu que tinha que entrar ao ataque e foi o que fez, mas nunca conseguiu encostar Seguro às cordas. Costa conseguiu marcar alguns pontos, especialmente quando desvalorizou as propostas de Seguro, mas este deu-lhe o golpe mais forte da noite, quando lhe disse que Costa estava à varanda do município, tendo este ficado sem palavra. Resultado final: um empate técnico, com uma vantagem quase imperceptível para Seguro.

 

Depois da derrota estrondosa no primeiro debate, Costa precisava de ganhar o segundo e não o conseguiu, reforçando a opinião que corre de que todos os dias perde terreno. Pessoalmente acho que Seguro se apresenta nos debates mais bem preparado, sendo confrangedor ver o vazio total do discurso de António Costa. Hoje acrescentou à sua "agenda para a década" a "fisioterapia". Mas penso que os apoios que António Costa tem na comunicação social vão-lhe permitir fazer a quadratura do círculo de ganhar estas primárias, mesmo perdendo todos os debates. O PS é que de debate em debate vai perdendo as próximas eleições. No fim disto, quem vai precisar de "fisioterapia" é o PS, quando António Costa lhe apresentar "uma agenda para a década" de oposição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A funda e a esfinge

por Pedro Correia, em 09.09.14

 

1. Percebe-se agora melhor por que motivo António José Seguro queria o maior número de debates possível com o seu concorrente à liderança do PS, enquanto António Costa só aceitou três confrontos televisivos de 35 minutos com extrema relutância: o actual secretário-geral esteve francamente melhor no frente-a-frente de hoje da TVI.

2. Seguro mostrou acutilância, jogando quase sempre ao ataque. Dando voz à expressão popular "quem não se sente não é filho de boa gente". O rival mostrou-se abúlico, sem energia, sem expressão, com o olhar vago. Parecia ansiar pelo fim do debate, moderado por Judite Sousa.

3. Costa, que em Maio saiu a terreiro para disputar uma liderança legitimada pelo voto, tinha a obrigação política e moral de dizer com clareza o que o levou a dar tal passo, fracturando o partido. Desperdiçou uma excelente ocasião de o fazer esta noite com argumentos irrefutáveis.

4. Seguro, bastante mais emotivo, lembrou quatro vezes que o seu rival foi o número 2 da direcção política de José Sócrates. "Eu não negociei nem assinei o memorando, mas honrei-o", acentuou. É bem visível o incómodo do presidente da câmara de Lisboa nesta matéria, por mais que repita que o PS deve assumir o passado: Sócrates deixou uma pesada herança.

5. O autarca alfacinha sentiu um toque íntimo a rebate no rescaldo das autárquicas, daí ter desafiado Seguro a deixar-lhe caminho livre: "Eu trairia a minha consciência se me mantivesse numa posição cómoda." Fundamento frouxo para ter mergulhado o PS na mais séria clivagem de que há memória desde a década de 80.

6. Uma pergunta crucial de Seguro ficou sem resposta: "Porque é que não te candidataste há três anos? Aí é que devias ter sentido um imperativo de consciência."

7. Foi quase confrangedora a passividade de Costa perante um Seguro que lhe lançava palavras duríssimas como se manejasse uma funda. Manteve-se imperturbável enquanto ouvia o secretário-geral chamar-lhe de tudo um pouco: desleal, traidor, irresponsável, ziguezagueante. "Em público dizes uma coisa enquanto no partido dizes outra!" Há esfinges bastante mais expressivas.

8. De questões concretas, a pensar no futuro, falou-se pouco. Mas até neste campo Seguro arriscou um pouco mais, prometendo que se chegar a chefe do Governo baixará o IVA da restauração e não aumentará a carga fiscal. Costa refugiou-se num discurso vago, redondo e monocórdico.

9. Divergências sérias em matéria política? Ninguém se apercebeu disso: todas as diferenças são de estilo ou de retórica. Ambos apoiam a construção europeia, a moeda única, o rigor das finanças públicas, a concertação social, o tratado orçamental, a moderação política, Guterres nas presidenciais. Da reforma do Estado não se falou. Nem do combate ao desemprego. Nem do crescimento económico de que Portugal tanto carece.

10. Seguro lembrou que quando assumiu a liderança do PS, no Verão de 2011, o partido acabara de sofrer uma pesada derrota eleitoral e tinha apenas 18% nas intenções de voto. Desde então foi invertendo esta trajectória. Mas a actual crise interna começa a corroer novamente a popularidade rosa: as mais recentes sondagens, da Pitagórica e da Aximage, indicam que os socialistas caíram oito pontos percentuais em três meses e voltam a colocar o PS e o PSD (sem CDS) num quadro de virtual empate técnico. Isto anda tudo ligado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vitória de Seguro por K.O.

por Luís Menezes Leitão, em 09.09.14

 

 

Com grande surpresa minha, António José Seguro esmagou completamente António Costa. Não apenas pôs a nu todas as suas contradições passadas como também demonstrou que ele não tem qualquer solução concreta para a actual crise no país. António Costa limita-se a papaguear que tem uma agenda para a década, mas não é sequer capaz de responder qual a política fiscal que defende, o que é confrangedor num candidato a primeiro-ministro. Pelo contrário, António José Seguro entrou a matar, acusando o seu adversário de traição, e mostrou-se muito mais bem preparado em todas as questões, encostando sempre o seu adversário às cordas. Acho que os debates não vão alterar a tendência existente a favor de Costa, mas é evidente que Seguro vai vender cara a derrota. Mas, ao contrário do que se pensava, o PSD até pode ficar com a vida mais facilitada com António Costa na liderança do PS do que com António José Seguro. Na verdade, se António Costa é esmagado desta forma por António José Seguro, imagine-se se o seu interlocutor no debate fosse Passos Coelho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Enfim, convergência no PS

por Pedro Correia, em 01.09.14

«Não estou em condições de garantir que poderei baixar os impostos.»

António José Seguro

 

«Não me comprometo com nenhuma baixa de impostos. O compromisso será assumido no momento próprio, que é o da elaboração do programa de governo.»

António Costa

Autoria e outros dados (tags, etc)

Jagunçada, pois claro

por Sérgio de Almeida Correia, em 21.08.14

(Coronel imortalizado por Jorge Amado que espera poder votar nas primárias do PS)

 

Uma candidata às eleições da Federação Distrital de Braga, apoiada por António José Seguro, escreveu ao JN repudiando declarações publicadas neste jornal que lhe foram atribuídas, esclarecendo que nunca as proferiu. Em causa estavam as afirmações, entre aspas, de que o pagamento de quotas de militantes já falecidos por familiares seria "normal" e de que tal pagamento constituiria uma "espécie de homenagem" aos mortos. Até prova em contrário darei crédito ao desmentido de Maria José Gonçalves.

Só que, entretanto, leio que Álvaro Beleza, outro "segurista" que há um ano considerava as primárias inoportunas e que este ano, devido ao repto de António Costa, rapidamente mudou de ideias, enaltecendo um processo preparado em cima do joelho que só tem servido para o achincalhamento público do maior partido da oposição, veio pedir que o pagamento de quotas deixe de ser obrigatório. Não sei se o objectivo será acabar de vez com a militância, colocando os militantes ao nível dos simpatizantes, americanizando os partidos portugueses, ou se será apenas mais uma tirada de ocasião. De qualquer modo, Beleza, de acordo com o DN, denunciou a existência no partido de um "sistema de jagunços" que funciona "como o nordeste brasileiro no tempo dos coronéis". Apontou o dedo a Mesquita Machado que "ganhou com certeza muitas eleições internas a pagar quotas dos outros". 

Como a procissão ainda vai no adro, surge agora Miguel Laranjeiro, a desvalorizar o pagamento de quotas por terceiros, ao mesmo tempo que recusa mostrar os comprovativos dos pagamentos feitos por estes porque, imagine-se, em causa estaria o "sigilo bancário". De caminho, lá por Coimbra, está o caos instalado, aguardando-se o resultado de uma providência cautelar.

Álvaro Beleza, "com certeza", para falar como fala sabe o que está a dizer. E, se assim é, as declarações de Miguel Laranjeiro até serão normais.

Tenho pena, de facto, que a invocação do sigilo bancário sirva, neste caso, para proteger jagunços. Porque para quem apregoa a transparência, a ética e outras coisas que às vezes dão jeito, o primeiro passo seria a denúncia dos jagunços que pagaram as quotas dos falecidos e de, pelo menos, mais vinte militantes. A primeira coisa que um líder sério, cujo poder é posto em causa por um "sistema de jagunços", deveria fazer seria esclarecer essas situações e promover a instauração de processos disciplinares, visando a expulsão de quem pagou as quotas dos falecidos e dos terceiros que, ainda vivos e com voz, se queixaram. Porque é essa jagunçada que descredibiliza a política e os partidos.

Invocar procedimentos incorrectos de ontem - por parte de quem até ajudou Seguro a chegar onde está - para justificar as golpadas de hoje, desvalorizando-as, só prova, afinal, uma coisa: que o sigilo bancário protege os jagunços. E também que as eleições para as federações e as primárias do PS são pouco transparentes e controladas por quem invoca o sigilo bancário para proteger a jagunçada de que fala Álvaro Beleza. Prova de que quanto aos métodos em nada se distinguem de quem noutros partidos usou dos mesmos para chegar à cadeira do poder.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O melhor é antecipar os calendários

por Sérgio de Almeida Correia, em 14.08.14

Sabendo-se que conta com todos, com excepção daqueles que antecipadamente excluiu, espero que António José Seguro anuncie rapidamente o seu governo de coligação. E as pastas. O referendo entre militantes, para evitar "arranjinhos de poder e caprichos pessoais", parece-me uma excelente ideia. O ideal era realizá-lo já, se possível para a semana, tirando partido do início da época futebolística.

Creio é que também seria conveniente aproveitar-se a oportunidade para se perguntar aos militantes se estão de acordo com a presença dos elementos do Governo Sombra, de Jorge Jesus e dos Xutos e Pontapés nessa frente alargada. O Rojo é que teria de ficar de fora porque o Bruno de Carvalho antecipou-se. O referendo poderia então funcionar, aos olhos dos simpatizantes, como um estímulo para a maioria absoluta. E, já agora, como umas primárias antecipadas.

Se a coisa corresse bem poupava-se tempo. Quem sabe se também as primárias?

Autoria e outros dados (tags, etc)


O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D