Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Só lá faltou o Barbas

Pedro Correia, 09.09.16

JRN.RE.27467-140422[1].jpg

 

A TVI inaugurou esta semana um novo "formato": a entrevista sem contraditório. Anteontem, no seu canal de notícias, esta estação televisiva teve como convidado especial o presidente do Benfica. Durante uma hora e cinco minutos.

José Alberto Carvalho estava lá, em pé, a assistir com um sorrriso embevecido. Mas a entrevista foi conduzida por três adeptos do clube dos encarnados: Domingos Amaral, Pedro Ribeiro e Diamantino Miranda. Sentados ao lado do presidente da agremiação a que pertencem.

Nenhum deles integra os quadros da TVI, tanto quanto sei. E não faltam jornalistas por lá que bem poderiam exercer aquela função. Mas a direcção editorial optou por este original formato, que levou o ex-jogador encarnado Diamantino a dar o pontapé de saída com estas comoventes palavras: "Luís Filipe Vieira é conhecido, entre os benfiquistas e não só, como um dos presidentes - senão o único - que tem demonstrado um grande respeito pelos actuais jogadores e pelos antigos jogadores. E eu posso prová-lo."

Estava dado o tom à nova modalidade: a entrevista puxa-saco. Aguardo agora com interesse as futuras entrevistas da TVI 24. Quando lá tiver o presidente do Sporting, um painel de adeptos leoninos prontos a questionar Bruno de Carvalho. Quando lá for o líder do PSD, um trio de militantes sociais-democratas. Quando lá for o primeiro-ministro, só correligionários de António Costa.

Paz e sossego, conversa mole, solo de violino, manteiga no pão, mais sorrisos embevecidos: infotainment no seu melhor. Espero que da próxima vez seja também dado tempo de antena ao Barbas: porque não há-de ser ele um dos "entrevistadores" de Vieira? Se for preciso até lhe passam carteira profissional de jornalista.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Fernando Atento 09.09.2016

    Quando fala em clube do regime só me ocorre um, o único que inaugurou o seu estádio a 28 de Maio, a pedido "das autoridades" e cujos presidentes eram sempre designados entre ilustres personalidade do Estado Novo. Mas este era lá de cima. Cá em baixo, o Sporting era o clube dos "doutores". A agremiação em Portugal onde as eleições eram mais democráticas, populares e disputadas era o Benfica. As manifestações anti-Salazar tinham sempre bandeiras vermelhas do Benfica, porque as do PC não eram permitidas. Não sei se isso é ser do regime, embora aos lagartos dê jeito espalhar calúnias : sempre alivia a frustração de nunca ganharem nada...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.