Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




(Mensagem do prior de S. Nicolau, 25.10.2020)

Sou ateu. Não anticlerical - um antropólogo anticlerical seria uma espécie de oxímoro carnal. Mas se há algo em que sou fundamentalista é na defesa do ilimitado direito à blasfémia. Porque é a questão fundamental da liberdade intelectual, fruto de imensas guerras. E é aquele traço ao qual os imigrantes têm que se assimilar e no qual os naturais têm de ser socializados. Ou seja, na nossa (pérfida, dizem os dos ademanes) sociedade ninguém tem o direito de não ser ofendido. E quanto mais idolátricos são os crentes maior a necessidade e legitimidade da iconoclastia, mesmo que eles sejam "minorias" muito pobrezinhas e discriminadozinhas, coitadinhas ... Avanço isto, incompreensível para gentes como Ana Gomes e seus apoiantes, mais a ganga de comunitaristas espontâneos que para aqui andam tão ciosos deles mesmos e das suas militâncias, e que não percebem o que é a laicidade do Estado e da sociedade, para lembrar que tudo isto é siamês de outro princípio fundamental desta nossa laicidade conquistada: a liberdade de culto.

Ora o que este governo tem andado a fazer, no seu ziguezaguear covídico, é, de facto, uma refracção preguiçosa do anticlericalismo republicano. Serôdio, inútil. É um quadro mental patético, porventura até vivido de modo inconsciente. E sinaliza o disparatado em que decorre a administração da saúde, como o resmungam os profissionais.

A excelente prédica deste padre, insurgindo-se contra a proibição do culto aos antepassados, diz tudo o que é preciso ouvir. Que o Deus dele o tenha na sua santa guarda.

 
 


41 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 27.10.2020 às 15:25

O Deus dele é também o nosso . Não há ateus mas mortais que pensam Deus não existe. Uma coisa é o que se passa na nossa cabeça e outra coisa é a realidade.
Sem imagem de perfil

De balio a 27.10.2020 às 16:02

O governo armou um 31 por causa do 1 de Novembro. Decretou um bloqueio ao país que, além de patentemente inconstitucional (mas isso, enfim, já é o pão-nosso-de-cada-dia desde há seis meses), tem mais exceções do que regras. É ridículo.
(Aliás, toda a atuação deste governo de dia para dia se afunda mais no ridículo.)
Sendo o 1 de Novembro uma celebração essencialmente católica, bastaria o governo pedir a colaboração da Igreja para que nesse dia, contrariamente ao costume, não fossem celebradas missas nos cemitérios.
Ou, se calhar, nem isso: porque as missas nos cemitérios, sendo ao ar livre, sempre são mais seguras que as missas em igrejas - que têm sido celebradas em todos os domingos.
Enfim, o gverno, coitadinho, parece uma barata tonta. Totalmente desorientado, toma medidas atrás de medidas, cada qual mais ineficaz e contraditória que a anterior.
Sem imagem de perfil

De JPT a 28.10.2020 às 10:41

Desorientados, não sei. Vejo-os orientados no mesmo sentido de sempre. Na fila parada na A2, a caminho do Grande Prémio, não vi Ferraris, mas vi quilómetros e quilómetros de Mercedes, Audis, BMW, um ou outro Porsche, e aqueles SUVS, agora tão na moda, que teriam dado jeito ao Hitler em Kursk (já há em híbrido, para os "amigos do ambiente"). A longa fila dos afilhados dos "socialistas".
Sem imagem de perfil

De Bea a 27.10.2020 às 16:52

Não conhecia este padre, nem frequento missas embora seja católica. Mas deu-me até vontade de assistir à missa na sua paróquia. Fala quem sabe e tem razão. Não precisamos ser crentes para concordar com este senhor.
E, felizmente, os municípios - alguns - têm bom senso e estão a permitir o que o governo proíbe. E as pessoas estão a acorrer aos cemitérios agora, nos dias anteriores. Não vejo o que se ganha, os cemitérios estão cheios na mesma, senhor primeiro ministro. E vão estar cheios até sexta. Pode crer. Se bem que, como diz o padre do vídeo, são ao ar livre e nem por sombras juntam tanta gente em monte como na fórmula 1.
Não se percebe, então um estado laico e democrático não tem que respeitar os princípios religiosos que norteiam a maioria dos portugueses? É que nem sequer é uma questão religiosa apenas, prestar homenagem aos mortos é um princípio moral e vale universalmente; não são apenas os católicos a ir ao cemitério. Todos vão (ou quase). É, desde há muito, uma tradição nacional, um respeito, como diria meu avô.
Sem imagem de perfil

De O Inconveniente a 27.10.2020 às 17:54

É a evolução natural. Há uns meses deixamos de poder homenagear aqueles que pereceram no campo de batalha. Agora não podemos homenagear nenhum.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 02:30

Uf!, vá que já ninguém fala na Alameda ou na Quinta Atalaia, pois aquilo estava tão organizado que até chateava. Parece que houve um acordo secreto para "eles" não votarem contra o orçamento, ouvi dizer.
Tudo ao molho e fé em Deus foi em Portimão, nem uma palavrinha contra os que botaram as palavras do parágrafo anterior. 'Atão foi pra labantar a ecnumia', ouvia-se a alguns dos milhares que se deslocaram do norte do país para assistir ao F1. (Trouxeram ou levaram vírus?)
Interessante seria se este feriado do dia 1 não calha-se este ano ao Domingo e fosse numa 5ª. ou 2ª. feira. Fazer a ponte e até ser feriado pra quê? Nem se quer pode ir aos cemitérios.




Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 16:53

Atão, é muito chique escrever calha-se em vez de calhasse. Carago!...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 23:15

Carago! Calhasse calhou calha-se, calhando são coisas que calham.
Sem imagem de perfil

De Bea a 28.10.2020 às 22:27

Vamos lá a ver, não há gente que trabalhe que não goste de uma ponte ou de um feriado por simples e sozinho que seja. Serve, por exemplo, para estar em casa. A ida ao cemitério é um dever e uma tradição, um dia por ano consagrado aos nossos mortos, com ou sem cemitério. Mas os tempos não correm de feição. E não deveriam correr de feição para ninguém.
Boa noite
Sem imagem de perfil

De V. a 27.10.2020 às 18:44

Bom texto — concordo a 100%
Sem imagem de perfil

De Albino Manuel a 27.10.2020 às 20:33

cobversa de maçon
Sem imagem de perfil

De V. a 28.10.2020 às 01:38

Credo, coitado — isso não se chama a ninguém.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2020 às 06:20

é mesmo uma pedra
Sem imagem de perfil

De António a 27.10.2020 às 20:45

Não consigo ver o vídeo, há algum link?
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2020 às 06:21

talvez, imagino, porque está colocado numa página de facebook e para aceder seja necessário ter uma conta ... é uma hipótese
Sem imagem de perfil

De António a 29.10.2020 às 07:55

Já apanhei no site da paróquia.
Imagem de perfil

De jpt a 29.10.2020 às 12:29

óptimo.
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 27.10.2020 às 21:41

A partir das minhas intervenções aqui neste blogue, tenho vindo a descobrir que alguns dos seus leitores, têm dificuldade em me seguir em comentários alongados… por isso, hoje, decidi optar por 2 tipos de comentários: um mais alongado, que hei-de inserir mais tarde; outro mais sintético, este. Claro, ambos traduzem apenas o mesmo do que eu penso; a diferença está apenas no meu reconhecimento de que seres humanos diferentes, têm limitações diferentes: para os mais intelectualmente limitados… cá vai então a versão curta:

A Igreja Católica, como qualquer outra religião, nunca deixou de estar em estado de guerra com o Mundo. Ou seja, umas vezes pinta-se como vitoriosa, outras como vítima, muito raramente, como quem tem o que apenas merece. Não pretendo, assim, negar que o “governo” cometeu muitos erros – mesmo até aqueles que, de algum modo, foram pintados radicalmente pelo “esfrega-mãos” aqui de “serviço” no vídeo… mas, sejamos sinceros: o que seria da Humanidade se a resolução desta crise até estivesse nas mãos dele ou, por extensão, de uma qualquer entidade religiosa, como aquela a que ele pertence?… basta consultar a História para descobrir a resposta! E não, não há qualquer diferença nos diferentes casos: hoje, a ciência é tão ignorante, no que toca ao Covid-19, quanto as religiões, quando elas determinavam a abordagem às “pestes”, o eram. A diferença é que não há feiticeiras, nem castigos divinos, etc, mas apenas o sacrossanto direito a cometerem as idiotices que outros cometeram, todos lá para o lado dos “outros”.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 16:04

" mais sintético, este." !!!!!!!!!
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 27.10.2020 às 21:43

E a versão mais longa:
Graças à necessidade de tentar evitar meter a pata na poça, o gajo do vídeo teve de recorrer à folha de papel, o que até se acabou por traduzir num verdeiro milagre: poupou os seus párocos (e todos nós) ao habitual jogo magnético/encantatório das mãozinhas – que deduzo eu, deva fazer parte do currículo de uma qualquer aula prática da uma disciplina dedicada à matéria, nos seminários católicos…
Frequentei, desde os 6 aos 14 anos, um colégio de formação católica: os Maristas, e se houve coisa que até tivesse retido dessa frequência, foi a constante presença da mensagem do “nós contra eles”! E nem creio que tenha necessidade de mencionar toda a violência física, emocional e sexual a que fui sujeito, sempre em nome de um tal Cristo que, por tudo em que era mencionado, parecia-me sempre o oposto dos que o evocavam.
Da penúltima vez que entrei numa igreja católica até foi para assistir à chamada missa de 7.o dia, de um ex-chefe de departamento meu, e acompanhado, entre outros, pelos restantes meus ex-colegas que, na sua vasta maioria, são budistas. Durante a missa, o colega do profissional aqui do vídeo, entre outras verdadeiras peças de retórica católica que negavam e arrasavam o chamado esforço ecuménico tão apregoado pela sua inteligência, avisou-nos de que quem não seguisse o caminho de Paulo nunca entraria no “Paraíso”!
Na verdade, a mensagem do “nós contra eles”, apenas se apoia na da exclusividade do “caminho de Paulo”: os católicos insistem em venerar numa data, a partir de uma tabela marcada pela sua igreja, a memória dos seus antepassados. A minha companheira, asiática, budista, fá-lo pelo menos, umas 4 vezes em cada semana. Mas, aparentemente, o “Paraíso” apenas está reservado aos que observam futilidades…
O que é que esta lengalenga tem a ver com o que o “jpt” escreveu no seu “post”? Tudo e nada: a Igreja Católica, como qualquer outra religião, nunca deixou de estar em estado de guerra com o Mundo. Ou seja, umas vezes pinta-se como vitoriosa, outras como vítima, muito raramente, como quem tem o que apenas merece e até nem pretendo negar que o “governo” cometeu muitos erros – mesmo até aqueles que, de algum modo, foram pintados radicalmente pelo “esfrega-mãos” aqui de “serviço” no vídeo… mas, sejamos sinceros, mal da Humanidade se a resolução desta crise até estivesse nas mãos dele ou, por extensão, de uma qualquer entidade religiosa: é só consultar a História para perceber toda a hipocrisia deste “esfrega-mãos”!

Sem imagem de perfil

De Vento a 27.10.2020 às 23:16

Meu caro, a primeira startup criada com sucesso foi a de Jesus, o Cristo por antonomásia.
Veja bem que ele fez de meia dúzia de gatos pingados uns verdadeiros transformadores do mundo, até mesmo dividindo o tempo em AC e DC.

Que o meu caro tenha, e com razão, queixas de uns quantos peões ditos cristãos não significa que o cristianismo seja uma merda e os budistas sejam o nirvana.
Olhe antes para o Empresário e deixe os trabalhadores preguiçosos cavarem sua própria cova.

Mas garanto-lhe que de todas as igrejas cristãs a católica é a que tem mais salero. Poderia ter muito mais, não fossemos nós católicos mas muito mais cristãos; e o mesmo para budistas e protestantes... e ateus. Não escrevo sobre os maçons porque esses são os arquitectos do mundo, querem ser como Deus e vivem em cavernas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 02:42

Não fora o Imperador Constantino criar o cristianismo à espadeirada por todo o Império Romano, nunca teria havido a religião cristã.
Sem imagem de perfil

De Vento a 28.10.2020 às 06:31

Essa do imperador Costantino só serve para demonstrar que a ignorância santifica.
Vá aparecendo para nos revelar mais uns milagres.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 17:53

Mais um milagre: o arranjado por Paulo inventando a carta aos Coríntios.
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 28.10.2020 às 22:33

Caro Vento, nada tenho a objectar à sua a(e)nunciada hipótese de que «a primeira startup criada com sucesso foi a de Jesus», é que… para lhe ser sincero, nem sei bem o que é uma “startup”. E com a minha idade até nem estou preocupado com isso…

«Veja bem que ele fez de meia dúzia de gatos pingados uns verdadeiros transformadores do mundo, até mesmo dividindo o tempo em AC e DC.» - ora cá está algo em que até discordo de todo consigo: para mim, é muito foi muito mais um caso de «Veja bem que meia dúzia de gatos pingados fizeram dele um verdadeiro transformador do mundo, até mesmo dividindo o tempo em AC e DC.» É que, como sabe, o Novo Testamento não é da sua autoria mas sim deles… ou pretende negar isso?
Admira-me que, a partir do meu comentário, tenha chegado à conclusão de que, para mim, «o cristianismo seja uma merda e os budistas sejam o nirvana» - lá está, na verdade, V. apenas põe em prática, a regra que nele mencionei do “nós contra eles” quando o que apenas fiz notar é que, perante o conteúdo do “post” em questão, a sua verdade até deve ser questionada…
«Olhe antes para o Empresário e deixe os trabalhadores preguiçosos cavarem sua própria cova.» - creio que melhor prova de toda a irracionalidade de tudo o que por aqui vai aparecendo aqui, não poderia até descobrir: quando «os trabalhadores preguiçosos cavarem sua própria cova» não restará nada para olhar no seu empresário: ou V. acredita que o tal empresário pode existir só por si?

Quanto às suas garantias de «salero»… pra mim, apenas cumprem a natural condição exigida a qualquer círculo vicioso: voltamos assim ao meu primeiro parágrafo, «é que, na verdade, nem sei bem o que significa “salero”.»
Como diria o “Zé do Sameiro”: «saudações cristãs».

Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2020 às 10:37

Meu caro Vaz, um abraço com cheiro a África, terra que o maravilha e onde também lhe deixou marcas.

Deus ama-o e está curá-lo. Curá-lo como fez e continua a fazer ao osso jpt, homem bom, transformando suas raivas e frustrações genuínas e legitimas em um olhar mais cristalino, o olhar e ver da alma

Deixou-nos o bom santo João da Cruz uma advertência:
Para vires ao que não sabes hás-de ir por onde não sabes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 04:45

Persiste em confundir os verbos invocar e evocar. Vê-se que é um preguiçoso que não gosta de fazer o trabalho de casa - os deveres, como se dizia no seu tempo de estudante.
Ainda que - por manifesta incapacidade minha - não aprecie a sua magnífica prosa, espero que tenha muita saúde saudações cristãs
Zé do Sameiro
Imagem de perfil

De jpt a 28.10.2020 às 05:45

Que maldoso, Zé do Sameiro, seja piedoso por favor, não vê V. que o loquaz comentador foi vítimas de sevícias de amplo espectro, decerto que traumáticas?
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 29.10.2020 às 00:28

"jpt", devo confessar que este seu comentário até me comoveu: V. revelou-se aqui um profundo cristão e, neste contexto, isso é significativo. Pelo menos não tentou chamar-me de budista…
O seu apelo dirigido ao "Zé do Camafeu", sic, «seja piedoso por favor, não vê V. que o loquaz comentador foi vítimas de sevícias de amplo espectro, decerto que traumáticas» tocou-me profundamente e não posso evitar de lhe dizer que apenas demonstra que toda a sua experiência, que hoje até tenho de admitir que deve ter sido traumática, em Moçambique, às mãos de todos os racistas que por lá encontrou, até lhe conseguiu abrir o espírito para experiências de terceiros. Assim, admito hoje que ser chamado de colono, com um copo de whiskey à nossa frente, ao som de uma qualquer música numa discoteca deve ser tão traumatizante quanto o que vivi nos muitos anos em que fui aluno dos Maristas e sobre os quais, envergonhado com a minha ousadia, perante a sua experiência, até pretendo esforçar-me para nunca mais a evocar. E eu até falo por experiência própria: no dia da independência de Angola, enquanto caminhava pela cidade, um puto preto, racista, resolveu-me chamar de colono e mandar-me para a minha terra. Claro, nada do que passei nos Maristas se pode comparar com o que passei com essa incarnação do Berzebu, via diabinho nacionalista-marxista-leninista: e logo a mim, um branco bom!
Prometo, no futuro, derramar uma lágrima sempre que descrever as tormentas que passou em Moçambique, às mãos dos pretos racistas...
Perfil Facebook

De Antonio Vaz a 28.10.2020 às 22:36

«Persiste em confundir os verbos invocar e evocar. Vê-se que é um preguiçoso que não gosta de fazer o trabalho de casa - os deveres, como se dizia no seu tempo de estudante.»
Caro (finalmente auto-revelado como) Zé do Sameiro, gostaria de lhe dizer que, com esta, já é terceira que lhe respondo, para seu enriquecimento, a essa sua descoberta linguística… cá vai ela tirada de um dos mais creditados dicionários online:
«in·vo·car - Conjugar
verbo transitivo
3. Implorar; evocar.
"invocar", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/invocar [consultado em 28-10-2020].»

Claro, também até «espero que tenha muita saúde» e saudações Minhas

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.10.2020 às 04:14

Raios partam o Priberam!
Câmbio e desligo - fim de transmissão. Ou, se preferir em "amaricano", over and out.
Zé do Sameiro
Sem imagem de perfil

De Francisco Almeida a 29.10.2020 às 10:00

5 (cinco) comentários neste post. É obra!
Li-os todos e espero ter poupado uns meses de Purgatório.
Aproveito para enviar os meus cumprimentos a S.M. Phrabat Somdet Phra Vajira Klao Chao Yu Hua. Monarquia é mais bonito e a Rainha-Mãe ainda hoje é linda. Ainda recordo as fotos do seu casamento: uma beleza encantadora.
Mas já estou a divagar e vou então obrigar-me a reler um dos seus comentários para regressar à fossa da realidade.

P.S. - Para quem escreve Deus com minúscula, "saudações Minhas" (Minhas com maiúscula) é revelador. Acho que o JPT tinha razão com aquela das sevícias traumáticas. Já me tinham dito que os Maristas eram tramados.
Sem imagem de perfil

De Vento a 27.10.2020 às 22:26

Eu gosto de sacerdotes com tomates. Por vezes o problema reside no facto de retirarem a virilidade ao evangelho. Isto que ele fez é mesmo "ide e evangelizai".

Houvesse ditos fiéis e mais sacerdotes assim como este e este dito governo não salmodiaria falsamente como salmodia.

Lamento que Marcelo, aguardando as migalhas de votos, não se saiba opor. Ele irá a uma segunda volta para aprender a lição.
Sem imagem de perfil

De Ana O. a 27.10.2020 às 22:43

"Eu gosto de sacerdotes com tomates."
Sempre pensei que você era contra a admissão de mulheres no sacerdócio. Ainda bem que o confessa.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 02:48

Pior que 'eu gosto de sacerdotes com tomates' é constatar um sacerdote a sério,
e entrar em contraditório com a natureza: para que servem os tomates dum sacerdote?
Sem imagem de perfil

De Vento a 28.10.2020 às 06:42

Os tomates de um sacerdote vêem-se quando incomoda maçons, putativos governantes que deram em administradores de cemitérios e anónimos que ficam putos da vida quando os escutam..

Agora para a Ana: Não vejo que haja muitas mulheres com tomates para sacerdotes ou evangelizadoras. Pois se houvesse vê-la-ias mais a falar sobre o Anúncio e menos sobre reivindicações de merda à la mode feminista.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.10.2020 às 18:06

Qual maçon qual carapuça. É uma constatação: o cúmulo da inutilidade são os tomates do Papa, até a Papisa Joana chegou a Papa.
Outra coisa, e mais importante, é o comportamento do Papa, como figura principal da igreja católica, ao longo de toda a história da civilização cristã. Podem-se apontar, ou contar pelos dedos quando é que o Papa se "atirou" de corpo e alma para a verdadeira 'é dos pobres o reino dos céus, ou é mais fácil um camelo passar pelo buraco duma agulha (normal entenda-se) que um rico entrar no reino dos céus'. Até parece que os evangélicos, por impraticável, eliminaram estes princípios da Bíblia.

Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2020 às 10:15

Sobre a utilidade ou inutilidade dos tomates do Papa, anónimo, eu deixo isso para um especialista como você.
Sobre a utilidade das joaninhas estou em condição de desenvolver o tema, mas isto é matéria privada.

Sim meu caro especialistas na fé dos e nos Papas, você falhou completamente o evangelho, pois mais importante que ter fé em Jesus é viver a fé de Jesus que o salva a si, a mim, a Papas e até mesmo a feministas convertidas que, por sua piedade e generosidade, muito me amam.
Sem imagem de perfil

De Ana O. a 28.10.2020 às 16:08

"para que servem os tomates dum sacerdote?" Boa pergunta.
Sem imagem de perfil

De Vento a 29.10.2020 às 10:03

Eu sei Ana que os tempos andam muito confusos para muita gente. E também percebo o sentido da pergunta.
Talvez por já não abundarem muitos tomates admito que se vejam os sacerdotes como um ecossistema a aproveitar.
Mas opções são opções. E em democracia respeitam-se as opções.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.10.2020 às 10:27

Para o Anónimo das 02:48 e Ana O.

"para que servem os tomates dum sacerdote?"

Divulguem os nomes dos V. pais, data e local de casamento, que eu faço uma pesquisa genealógica e esclareço-os.

José Pinto

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D