Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ronaldo, o belo psicópata

por João André, em 14.09.20

ronaldo 101.jpg

Quando Ronaldo alcançou na semana passada os 101 golos em jogos internacionais (apenas a 8 do recorde absoluto de Ali Daei), lembrei-me deste artigo de 2019 sobre Federer, Nadal e Djokovic. E lembrei-me dele essencialmente porque numa carreira da selecção já com 17 anos, Ronaldo marcou 46 dos 101 golos desde 2016 (e 2020 mal conta para isto), ou seja, depois dos 30. Se recuarmos a 2013, quando tinha 28 anos quando atingiu o que seria o pico para a maioria dos jogadores na sua posição, marcou 64 golos (e ainda houve o período em que não jogou muito pela selecção), ou seja, mais de 60% dos golos.

Podemos escrever muito sobre os motivos: a forma como a selecção melhorou em pessoal e em orientação técnica, podemos referir a ética e as qualidades únicas de Ronaldo, a sua inacreditável capacidade física mesmos aos 35 anos e até a forma como soube adaptar o seu jogo, minimizando-o mas tornand-se mais focado e excepcionalmente eficaz a marcar golos. Eu prefiro referir a sua fome e aquilo que nos diz.

É comum referir a forma como Ronaldo trabalha imenso, tem cuidado com o seu corpo e a vontade que continua a ter de vencer. Falar disso como se fosse excepcional é no entanto errado: não creio que o seja. Ronaldo é um ser humano excepcional, mas as suas características mentais provavelmente são comuns a vários outros desportistas, alguns dos quais poderão não passar da mediania mas só atingirão tal nível precisamente devido a esse desejo e dedicação. Gosto sempre de me lembrar de António Pereira, que conseguiu um recorde nacional e o 11º lugar nos Jogos Olímpicos de 2008 nos 50 km marcha e que se preparava apenas após passar pelo menos 8 horas por dia na sua profissão de electricista e que teria recebido como apoio apenas um par de sapatilhas oferecidas pela sua autarquia (cito de memória). Talvez a sua dedicação e fome não fossem menor que a de Ronaldo, mas os seus meios, especialmente físicos, eram-no certamente.

No entanto Ronaldo tem um aspecto que o distingue: apesar de continuar a vencer troféus e a arrecadar prémios individuais, a sua fome de mais não diminui. É comum ver equipas de enorme qualidade a perderem capacidade de vencer à medida que os seus jogadores "enchem a pança" e, apesar de a sua qualidade desportiva não ser menor, deixarem de conseguir competir como no passado. Alex Ferguson durou imenso como treinador (manager seria mais correcto) do Manchester United precisamente porque sabia ser necessário renovar a equipa (além de tomar decisões difíceis quando necessário). Ronaldo é dos poucos jogadores que nunca parecem satisfeitos com o que alcançaram e querem sempre mais, mesmo que seja do mesmo.

Federer, Nadal e Djokovic têm vindo a dominar o ténis nos últimos 15 anos, mais ou menos. E têm cada um mais Grand Slams que qualquer outro jogador. Independentemente de como eles sejam vistos por cada observador no que diz respeito às suas posições nas listas dos melhores de sempre, não há quaquer dúvida que a sua fome de títuos é verdadeiramente inacreditável. É verdade que cada um teve períodos de seca. Federer abrandou para passar mais tempo com a família, Djokovic para fazer o mesmo e reencontrar a sua fome de títulos e Nadal por motivos físicos, mas cada vez que qualquer um deles entra no court, os seus adversários sabem que estão a lutar para sobreviver e que qualquer erro será severamente punido.

No artigo acima, refere-se que um psicólogo desportivo considera os 3 como psicópatas, mas "em bom". Não entro nos detalhes, porque farei asneira num campo que não domino, mas a ideia é interessante, porque de facto, além das características físicas, aquilo que muitos dos grandes desportistas da história parecem partilhar é uma fome insaciável e uma capacidade de punir quaisquer lapsos de concentração.

Ronaldo parece ser um deles. A forma como é determinado a vencer todo e qualquer troféu, todo e qualquer jogo, todo e qualquer duelo individual, toda e qualquer jogada, evidencia uma pessoa com algum tipo de diferença na forma como o seu cérebro funciona. Parece ser alguém que quer esmagar o adversário, não porque tenha prazer na humilhação, mas porque retira prazer na forma como vence tudo. Num artigo que li, outros jogadores da selecção comentam como ele tem essa atitude competitiva mesmo a jogar ténis de mesa ou cartas. O recente "hagio-documentário" sobre Michael Jordan, The Last Dance, apontava para o mesmo tipo de comportamento pela antiga estrela dos Chicago Bulls.

Por isso mesmo, ainda que os seus dotes físicos estejam em declínio, a sua mentalidade levá-lo-à a procurar sempre mais. Talvez um dia isso o leve a procurar objectivos dolorosamente fora do seu alcance, talvez um dia vejamos Ronaldo a arrastar-se pelos campos em busca de duelos que possa vencer, nem que seja um raro golo ou um raro drible. Não o creio: Ronaldo demonstrou já ser inteligente o suficiente para saber que terá que se retirar. E, seja como for, há sempre outro tipo de desafios para focar a sua determinação.


13 comentários

Imagem de perfil

De João Sousa a 14.09.2020 às 14:27

Pelo contraste com Ronaldo eu lembro-me com frequência de Fernando Mamede, atleta com características ímpares mas traído por uma fragilidade psicológica que o impediu de alcançar um palmarés à altura do seu potencial.
Imagem de perfil

De João André a 16.09.2020 às 09:21

É como um caso inverso, talvez. Mas nem falo em força ou fragilidade mentais, mas na fome de vencer. Não me explico correctamente, mas diferencio uma da outra. Eu diria que a força mental é a capacidade de enfrentar situações difíceis (finais de grandes competições, projectos importantes, etc) e a fome de vencer é continuar a querer vencer mais e mais, seja no desporto ou noutra coisa qualquer.
Sem imagem de perfil

De JPT a 15.09.2020 às 09:58

Meu caro, entre os motivos para o aumento de número de golos de Ronaldo na selecção (e não só) após os 30 anos, falta aquele (salvo o devido respeito) mais evidente: devido à perda de velocidade, deixou de jogar a extremo e passou a jogar a ponta-de-lança.
Imagem de perfil

De João André a 16.09.2020 às 09:24

Sim, é uma razão importante, sem dúvida. Eu colocaria a coisa de outra forma: Fernando Santos colocou a equipa de forma a potenciar ao máximo Cristiano Ronaldo.

Isto também foi devido a essa evolução do próprio, que compreendeu que não podia continuar a fazer corridas e dribles o dia inteiro e teria que maximizar a sua eficiência e reduzir o seu envolvimento. Ainda assim, na selecção ele envolve-se mais nas jogadas que na Juventus, pelo menos é a minha sensação.

Seja como for, não era esse o meu interesse com o post. Mesmo com isso tudo, ele poderia ter decidicdo ir em velocidade de cruzeiro. Mais que posições, é a sua fome que o faz continuar a marcar golo atrás de golo.
Sem imagem de perfil

De JPT a 16.09.2020 às 09:45

Concordo em absoluto - incluindo com a análise psicológica (o narcisismo doentio do Ronaldo causa-me alergia, não só por temperamento, mas também porque, quando o vi aparecer, apostei que ia ser a causa dele se perder - tipo Dani - e, pelo contrário, acabou por ser o motor de uma carreira ímpar. É a mancha mais negra da minha razoável carreira de "Zandinga") - achei é que, no elenco das razões pelas quais ele passou a marcar mais golos, era uma omissão evidente.
Sem imagem de perfil

De marina a 15.09.2020 às 12:33

acabará no psiquiatra e batendo recordes de psico fármacos , como todos os psicopatas.
Imagem de perfil

De João André a 16.09.2020 às 09:25

Nem por isso. Os psicópatas até se integram na sociedade muitíssimo bem. Normalmente acabam como gestores, directores, presidentes de empresas, etc.
Sem imagem de perfil

De marina a 16.09.2020 às 10:48

sim , certo , mas isso são os psicopatas instruídos e cultos , que sabem mais qualquer coisinha para além de dar pontapés numa bola -:)
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 15.09.2020 às 17:20

Reflexão muito interessante, João André. Poucas vezes nos lembramos de que há qualidades que são impulsionadas por comportamentos obsessivos, neuróticos. E nesse caso, o mérito das pessoas é relativo...
Imagem de perfil

De João André a 16.09.2020 às 09:26

Não creio que seja tão relativo. Se alguém que não é obsessivo consegue ser constantemente bem sucedido, isso significa que ultrapassou alguma limitação. Pessoas como Ronaldo (seja ou não psicópata é sem dúvida obsessivo, como bem escreves) têm que conseguir integrar essa obsessão na sociedade, o que nem sempre é fácil.
Sem imagem de perfil

De s o s a 16.09.2020 às 00:01

Portanto, Ronaldo é um tipo determinado ...

E que outros desafios se podem encaixar nessa pessoa ?
Imagem de perfil

De João André a 16.09.2020 às 09:28

Mais que determinado: é obsessivo. Nenhum jogador profissional de nível elevado consegue chegar lá se não for determinado. Ronaldo não pára: é absolutamente obsessivo.

Que outros desafios? Talvez decida desenvolver os seus negócios. Comprar uma equipa de futebol. Candidatar-se a presidente da República. Ser actor. Sei lá: creio que Ronaldo descobrirá alguma coisa.
Imagem de perfil

De JQ a 17.09.2020 às 00:50

Não querendo parecer um nazi da gramática, mas sendo-o:

psicópata ou psicopata?

(o dic. Priberam só reconhece a 2ª)

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D