Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Remar contra a maré (5)

por Sérgio de Almeida Correia, em 24.07.15

"(…) Depois, até o próprio Schäuble, de longe o mais firme oponente de um alívio da dívida, admitiu que a Grécia precisava deste; mas também argumentou que esse alívio violaria as provisões do[s] tratado[s] da União Europeia que impedem auxílios (bailouts) aos governos. Na sequência da notável descoberta de Schäuble (tornada pública só depois da catástrofe total acontecer), a própria Merkel opinou que, talvez, algumas formas de ajuda (tais como cortes nas taxas de juro, mais do que no valor nominal da dívida) podiam cumprir a função de uma forma que fosse consistente com as regras da UE.

O facto da dívida grega estar em risco foi reconhecido só depois das negociações terem colapsado e exposto os falhanços sistémicos que trouxeram a Grécia e a Europa até este ponto. O que vemos é um sistema europeu de gestão de crise que está repleto de ineptidão, politização extrema, espertezas e falta de profissionalismo. Não quero seguramente excluir o clientelismo grego, a corrupção e a má gestão como causas últimas da situação. Mas, em todo o caso, o falhanço das instituições europeias não deixa de ser menos alarmante. Ou a UE salva a Grécia agora, ou não será capaz de se salvar a si própria.

A UE funciona hoje um pouco como os EUA no tempo dos Artigos da Confederação, que definiram a ineficiente estrutura de governo dos EUA depois da independência da Inglaterra (Britain) em 1781, mas antes da adopção da Constituição de 1787. Tal como os novos independentes EUA, a UE hoje tem falta de um poder executivo forte e efectivo capaz de enfrentar a actual crise económica. Em vez de uma liderança executiva robusta temperada por um parlamento forte, vemos comités de políticos nacionais a orientarem o espectáculo na Europa, na prática ultrapassando a Comissão Europeia (muitas vezes para se protegerem). É precisamente porque os políticos nacionais respondem à política nacional, em vez dos interesses mais amplos da Europa, que a verdade sobre a Grécia foi mantida silenciosa durante tanto tempo.

O Eurogrupo, que é constituído por 19 ministros das finanças da zona euro, incorpora esta dinâmica destrutiva, reunindo-se em algumas semanas (por vezes mais frequentemente) para gerir a crise europeia na base das suas agendas políticas nacionais em vez de uma abordagem racional para a solução do problema. A Alemanha tende a mandar (to call the shots), evidentemente, mas as políticas nacionais discordantes de muitos estados-membros contribuíram para um desastre a seguir a outro. Foi o Eurogrupo, depois de tudo, que “resolveu” a crise financeira de Chipre através do confisco parcial de depósitos bancários, dessa forma minando a confiança nos bancos europeus e preparando o cenário para o pânico dos bancos gregos dois anos mais tarde.

No meio de tal disfunção, uma instituição internacional manteve-se de algum modo acima da luta política: o FMI. A sua análise foi de longe a mais profissional e menos politizada. Apesar disso, o FMI permitiu-se ser um joguete dos europeus, especialmente dos alemães, em detrimento de uma resolução da crise grega há já vários anos. Em tempos, os EUA poderão ter ajudado à promoção de mudanças políticas baseadas nas análise técnicas do FMI. Agora, todavia, os EUA, o FMI e a Comissão Europeia ficaram todos a ver da bancada a forma como a Alemanha e outros governos nacionais levaram a Grécia ao tapete.

A bizarra estrutura de decisão europeia permitiu que a política interna alemã prevalecesse sobre todas as considerações. E isto significou menos interesse numa resolução honesta da crise para evitar que dessem a ideia de que estavam a ser lenientes com a Grécia. Os líderes alemães podem justamente temer que o seu país seja deixado com a factura dos resgates europeus, mas esse foi o resultado de ter sacrificado a Grécia no altar de uma ideia abstracta e que não funciona: “não aos resgates”. A não ser que um compromisso racional seja alcançado, a insistência nesta perspectiva conduzirá a resgates mais massivos e eventualmente mais onerosos.

Não estamos certos do final do jogo. Os bancos gregos fecharam, a sua dívida foi reconhecida como insustentável, e o futuro de ambos, bancos e dívida, continua incerto. As decisões tomadas pela Europa nos próximos dias determinarão o destino da Grécia; com conhecimento total ou não, também determinarão a confiança na Europa." - Jeffrey D. Sachs, Down and Out in Athens and Brussels, 11/7/2015

 

“(...) Qualquer que seja a razão, a Alemanha tratou mal a Grécia, falhando na oferta de empatia, análise e alívio da dívida que eram requeridos. E se assim fez para ameaçar a Itália e a Espanha, então deve-lhe ser recordado o imperativo categórico de Kant: os países, como os indivíduos, devem ser tratados como fins, não como meios.

Os credores, às vezes, são espertos, e por vezes incrivelmente estúpidos. A América, a Inglaterra, a França, foram incrivelmente estúpidos em 1920 quando impuseram reparações excessivas à Alemanha após a I Guerra mundial. Nos anos 40 e 50, os EUA foram um credor inteligente, dando à Alemanha novos fundos ao abrigo do Plano Marshall, seguidos por um perdão da dívida em 1953. Nos anos 80, os EUA foram um mau credor quando exigiram pagamentos excessivos na América Latina e em África; nos 90 e mais tarde, organizaram-se, colocando o alívio da dívida em cima da mesa. Em 1989, os EUA foram espertos quando deram à Polónia um alívio da dívida (e a Alemanha foi atrás, embora relutantemente). Em 1992, a sua estúpida insistência no serviço da dívida russa da era soviética lançou as sementes para as relações amargas de hoje .

As exigências alemãs levaram a Grécia ao ponto de quase-colapso, com consequências desastrosas para a Grécia, a Europa e a reputação global da Alemanha. Este é um tempo de bom senso, não de rigidez. E bom senso não é moleza. Manter uma relação próspera e pacífica na Europa é responsabilidade vital da Alemanha; mas é também, seguramente, o seu interesse nacional mais vital.” – Jeffrey D. Sachs, Germany, Greece and the Future of Europe, 21/7/2015

 

(Jeffrey D. Sachs is Professor of Economics and Director of the Earth Institute at Columbia University. He is also a Special Adviser to United Nations Secretary-General on the Millennium Development Goals)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De lucklucky a 24.07.2015 às 01:35

"falhando na oferta de empatia, análise e alívio da dívida que eram requeridos."

Pura Mentira.
------
Este parágrafo é o exemplo da "estupidez" do nível de discurso actual. Charlie teve culpa, afinal parece que quando corre mal há sempre culpas dos dois lados.
A um Islâmico que nos pede a cabeça devemos pelo menos dar o braço porque senão falhamos na oferta de empatia.

Vemos este exemplo neste texto idiota que vai ao ponto de culpar os aliados pela Alemanha Nazi e inventa que a invasão da Ucrânia se deve ao não perdão da dívida soviética:
"Os credores, às vezes, são espertos, e por vezes incrivelmente estúpidos. A América, a Inglaterra, a França, foram incrivelmente estúpidos em 1920 quando impuseram reparações excessivas à Alemanha após a I Guerra mundial. Nos anos 40 e 50, os EUA foram um credor inteligente, dando à Alemanha novos fundos ao abrigo do Plano Marshall, seguidos por um perdão da dívida em 1953. Nos anos 80, os EUA foram um mau credor quando exigiram pagamentos excessivos na América Latina e em África; nos 90 e mais tarde, organizaram-se, colocando o alívio da dívida em cima da mesa. Em 1989, os EUA foram espertos quando deram à Polónia um alívio da dívida (e a Alemanha foi atrás, embora relutantemente). Em 1992, a sua estúpida insistência no serviço da dívida russa da era soviética lançou as sementes para as relações amargas de hoje ."

Que tal apresentar Jeffrey D. Sachs pelo que é? Um estatista - outros diriam Fascista tal o poder que ele julga que o Estado deve ter- mas é mesmo mais uma ppp ambulante que só pode existir com os gastos excessivos do Estado Moderno.
Imagem de perfil

De Manuel a 24.07.2015 às 02:28

Neste caso inteligência significa: antes pouco e amigo do que nada e inimigo.
Sem imagem de perfil

De William Wallace a 24.07.2015 às 18:09

Análises pertinentes sem dúvida, mas o que toda a gente omite é que o Plano Marshall e os perdões de divida foram consequências da guerra fria, os USA não poderiam nunca tolerar que partidos comunistas tomassem a dianteira nos países da sua área de influência.

A construção do Estado Social foi também uma consequência (resposta) ao avançar do comunismo e socialismo radical, como hoje a ameaça comunista já não existe, pode-se facilmente continuar a enterrar a social democracia e substitui-la por um falso liberalismo que é agora polvilhado com leis securitárias (CONTROLE) que os cidadãos com medo aplaudem ou vêem com indiferença.

O que acontece á Grécia neste momento resulta muito bem para quem defende essas teorias de "evolução" da sociedade e pelo facto de agora ter um governo de esquerda que assinou um acordo MUITO PIOR que o anterior resulta na cereja no topo do bolo, a Grécia será doravante sempre usada como EXEMPLO máximo de que não existem alternativas sejam quais forem as suas raízes ideológicas porque ao contrário do que muita gente pensa não existem só pessoas de esquerda com empatia pelos Gregos.

A Grécia é só mais um erro na já longa lista iniciada com a guerra no Iraque que levou á destruição desse País, o que se faz na Grécia (e noutros países) é outra forma de destruição embora mais elaborada, mais lenta mas com resultados similares aos atingidos no Iraque, Síria , Ucrânia e África em geral.

Os Gregos foram remetidos á sua sorte sem apoio nenhum, os próximos serão talvez os italianos que já NÃO conseguem lidar com vagas sucessivas de refugiados que fogem da fome e da guerra nos seus países de origem.

Imagem de perfil

De Manuel a 24.07.2015 às 20:25

As ideologias ou filosofias sociais tradicionais são canções de embalar na era do darwinismo social. Nesta, com ou sem qualquer que seja a lengalenga ideológica, vencerá sempre aquele que tiver domínio sobre os melhores recursos naturais, económicos e militares (riqueza, bens transaccionáveis e força) - o Estado de Arte mais forte. Estes atributos funcionam como trunfos, que conciliados com a melhor a estratégia comercial ou diplomática, dão corpo a uma competição cujo o objectivo é o Poder de controlar e enfraquecer o adversário, ou até mesmo o parceiro, sem que os mesmos percebam que estão sendo dominados pelo menos até ficarem encurralados entre a dependência, a impotência e o Poder do dominador.
É assim que eu vejo o mundo de hoje.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D