Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Religião é incomodidade

por Teresa Ribeiro, em 04.01.15

 C:\Documents and Settings\Admin\Ambiente de trabal

 

Sendo cristã, mas tendo feito a minha formação religiosa numa igreja evangélica baptista, sempre tive uma relação distante com o catolicismo, tanto quanto se pode ter quando se nasce e vive num país católico. Até hoje nunca nenhum Papa me conquistou ao ponto de me reconhecer nele sem reservas. A Francisco, que mais uma vez foi eleito em diversos meios da comunicação social uma das Figuras do Ano, vejo como um cristão, muito mais do que como o chefe da ICAR. Um cristão como eu imagino que seriam os pioneiros, destemido e apostado em erguer a bandeira do cristianismo muito acima da igreja, pois que esta é apenas - não podemos esquecer - obra dos homens.

Muitos católicos, ciosos do que consideram ser as marcas da sua identidade, não estão a aceitar a forma desassombrada com que o seu líder supremo coloca à discussão dos fiéis temas fracturantes e interpela a hierarquia, convidando-a a saltar do andor para chegar mais perto dos homens. Esta frontalidade bem como a humildade que Francisco coloca em cada um dos seus gestos, mostra-lhes um homem mais próximo do pescador de almas que a Bíblia reclama do que da figura do "santo padre" que a ICAR há muito entronizou. É este back to basics que está a encantar alguns cristãos - católicos e não católicos - e a confundir os que vêem na religião um baluarte inexpugnável, garante de uma moral e sobretudo de uma estética que precisam de preservar para seu próprio conforto de espírito. 

Estes acérrimos defensores da tradição esquecem-se que todas as Igrejas, sem excepção, abusam do nome de Deus e que as diferenças entre as várias confissões religiosas de inspiração cristã se alguma coisa provam é que a verdade universal não é exclusivo de nenhuma. Desta evidência devia retirar-se a primeira lição de humildade, que é algo que tem faltado a toda esta gente que torce o nariz à discussão e reclama para si o morno sono dos justos.   

Autoria e outros dados (tags, etc)


30 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 04.01.2015 às 13:44

Eu fui educada na religião dos meus pais, que era a religião do regime, dura, inflexível, obrigatória. Católica continuei assim que pude escolher sem repercussões, mas distanciei-me do fastidioso aparato da igreja, dos seus dogmas e dos homens e mulheres de pouca visão que eram o seu sustentáculo.
Aproximei-me de novo com a abertura de João Paulo II, retraí-me com a impopularidade de Ratzinger, e reaproximei-me rendida à personalidade do Papa Francisco, que como diz e muito bem, trouxe-nos um back to basics.
Excelente este seu texto , Teresa, é sempre bom ler bom.
Um bom 2025 :)
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 05.01.2015 às 12:39

Obrigada, Dulce. E já agora que até chegarmos a 2025 não nos doa a cabeça :) Um bom 2015 também para si.
Sem imagem de perfil

De Vento a 04.01.2015 às 15:16

Muito bem visto, Teresinha. Como católico não posso estar mais de acordo. Pois é este aspecto, a catolicidade, isto é, a Universalidade, o fundamento cristão. Não é por acaso que Paulo, na carta aos efésios, proclama este Deus como sendo o Deus dos judeus e gentios, em Cristo. Este "pormenor", em Cristo, é deveras muito importante. Sem esta "pedra angular" não existe Igreja, que são "pedras vivas", nem tampouco diversidade na Totalidade.

Infelizmente os tiques, aqueles que caracterizam e caracterizaram as comunidades religiosas (todas sem excepção), e que refere em sua reflexão, transferiram-se com toda a força para as comunidades agnósticas (para mim os agnósticos são como os diabéticos, isto é, não podem comer o "açúcar" mas não deixam de ir ao pote da compota) e para o ateísmo farisaico.
A sua dissertação só ficou incompleta na medida em que faltou a abordagem a estes factos; e eu decidi acrescentar com o intuito de inquietar.

Por último, humildade deriva da palavra húmus, que significa in terris. Foi precisamente neste "barro" que o Pai Celestial, que só o conheço onde existe Luz, que significa Inteligência e saber com Sabor na tradição dos evangelistas, e Amor, deixou o seu Sopro, isto é, Espírito e Vida. Na realidade é esta capacidade de nos reconhecermos como criaturas e não deuses que determina a nossa relação com os outros e faz acontecer a efusão do Espírito.

Em suma, Teresa, façamos uma descoberta simples. Afinal esta porra de saber o que é a Verdade é bastante fácil (o resto é luta, é combate espiritual). Não necessitamos muitos livros e formaturas em qualquer coisita para a compreender. A verdade é esta que vai relatada nas aparições da Senhora em Medjugorje em 02-01-2015:

http://www.medjugorjebrasil.com/?cat=artigos&id=1441

Como sou um rapazito de apetites, hoje deixo-lhe como votos de Feliz Ano Novo alguns abreijos (Abraços e Beijos).
Sem imagem de perfil

De Mé... a 04.01.2015 às 19:58

Lobos lobotomizadores que mostram às ovelhas o pasto da verdade verdejante:
- Saem uns miolos de fé cega, para a mesa do comentador satânico.
Sem imagem de perfil

De Vento a 05.01.2015 às 12:55

Há mesmo ovelhas que gostam de ser comidas; e balando o balido de sua incomodidade apresentam a ementa de que se alimentam.
É obvio que quando se lava o exterior e não se cuida do interior o que se vê só pode ser veneno.
Venha uma dose abençoada para a mesa do protestante.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 05.01.2015 às 12:43

Fico com os abreijos, Ventinho. E faço-lhe votos de bom ano. Aparições, videntes e santinhos, passo. Não leve a mal mas esse não é o pelouro dos evangélicos
Sem imagem de perfil

De Vento a 05.01.2015 às 12:47

Passe ao lado das aparições, mas não deixe de passar os olhos pela mensagem. A árvore conhece-se pelos frutos.
Sem imagem de perfil

De Maria a 04.01.2015 às 19:15

Sou católica, já fui praticante, deixei de o ser porque quando o era, não me revia nos que por lá andam e que de católicos, pouco ou nada têm. Nestes, pouco católicos, estão incluídos padres e outros que deixam muito a desejar como exemplo. Não deixei de ser católica, mas à minha maneira: fazendo o bem e dando ao outro, aquilo que posso. Vejo no PAPA, um homem que me emociona e que é um exemplo, do que é ser um cristão e católico, na verdadeira acepção da palavra.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 05.01.2015 às 12:45

Estou consigo, Maria. Bom ano.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 04.01.2015 às 19:34

E tivemos o elogio das "políticas alternativas" que por serem alternativas por definição são boas.
Não o Papa que elogia o que não deve, apoia quem não deve, recusa receber quem deve.
Populista, simplesmente transforma o Vaticano numa ONG que segue a moda.

Sem imagem de perfil

De João a 04.01.2015 às 22:35

O senhor quando olha, ou ouve o Papa, não deve ouvir nem ver o que os outros vêem e ouvem.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 05.01.2015 às 08:45

Oiço oiço. Sei ver quando está um politico vigarista à minha frente.
Como vocês gostam que lhes afaguem o ego com palavras delicodoces e declarações mágicas contra os malvados os resultados são os esperados.

Um Papa tem de ter algo de Intemporal, este é apenas o Presente.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 05.01.2015 às 12:47

Compare Francisco com Jesus e diga-me lá qual dos dois, na sua óptica seria o mais populista, caso fossem contemporâneos.
Imagem de perfil

De Helena Sacadura Cabral a 04.01.2015 às 22:47

Teresa
Belíssimo texto, este, que escreveste.
Para católicos e não católicos. E, embora o Papa Francisco não me emocione tanto como João XXIII, é verdade tudo o que dizes. A Igreja necessita de voltar às suas bases!
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 05.01.2015 às 13:03

A aproximação do catolicismo às suas bases doutrinárias deveria ser saudada por todos os católicos, mas curiosamente deixa tantos tão nervosos que me pergunto quais são as suas verdadeiras referências. Bom ano, Helena.
Imagem de perfil

De Patrícia Reis a 05.01.2015 às 00:10

belíssimo, Teresa, subscrevo! Beijo e bom ano
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 05.01.2015 às 13:04

Bom ano para ti também, Patrícia. Beijo
Imagem de perfil

De João André a 05.01.2015 às 11:29

Confesso que como alguém não-religioso e que rejeita a religião na sua vivência pessoal e privada, até gostava de Bento XVI. Era um intelectual sólido como poucos e que não seguia modas. Tinha a sua visão da igreja e de onde se devia situar e não a via como um clube a tentar vencer um concurso de popularidade. Quem quisesse fazer parte da sua igreja era bem vindo. Quem não o quisesse poderia procurar abrigo noutros locais, Bento VXI não descaracterizaria a sua igreja para acomodar outras visões.

Claro, era uma visão reduzida. A de Francisco é mais universal, mas ainda não a percebi verdadeiramente. Sem dúvida que se vê como defensor dos mais frágeis, mas falta (pelo menos a mim) uma construção teológica que justifique a quebra com um passado de afastamento de certos grupos (os gays, por exemplo) e que explique a mudaça de valores. Neste momento, por muito simpático que me seja a sua figura, Francisco assemelha-se mais a um político que a um líder religioso.

Não que isto me faça muita diferença. Vivo, como escrevi acima, perfeitamente sem religião. Apenas vivo também num mundo esmagadoramente religioso e crente (os verdadeiros ateus são poucos) e como tal a importância da religião e o peso do catolicismo também me toca. É por isso que estes temas me interessam.
Sem imagem de perfil

De Vento a 05.01.2015 às 13:24

Percebo o sentido de seu comentário. Mas como todos somos partes da polis não vejo onde possa existir conflito entre a atitude política com a opção religiosa.
Penso eu, João, que o cristianismo não é um conto de fadas e/ou um percurso fora desta polis. O seu elemento fundamental reside no aspecto (re)integrador, na reabilitação de todos os homens e do Homem todo. Logo, não tem como objecto o funcionalismo ou a funcionalidade do Ser. Logo, os mais frágeis não são os fragilizados, mas os que fragilizam. É a estes, sem descurar os outros, que se dirige a mensagem cristão, isto é, não é aos sãos mas ao que estão doentes.

As outras questões que aborda em seu comentário também fazem parte do cenário anteriormente descrito. Sem esquecer que também existe uma essência regeneradora no domínio moral e espiritual: "Enviar-vos-ei o Espírito Santo que vos recordará tudo quanto vos disse e ensinar-vos-á coisas novas".

Abraço e votos de uma Ano Novo repleto de lutas e conquistas, padrinho.
Imagem de perfil

De João André a 06.01.2015 às 15:34

Certamente que sim caro Vento, por isso refiro que estes temas me interessam. Aquilo que refiro dz respeito ao aspecto puramente intelectual da religião, da sua teologia (sou apenas um interessado, não um estudioso da matéria). Há naturalmente várias vertentes neste pensamento e penso que Bento XVI e Francisco as reflectem muito bem. Apenas aponto que enquanto Bento XVI se esforçou contantmente por enquadrar a sua visão política dentro de um pensamento religioso, Francisco tem sido um Papa mais do domínio do terreno (se posso arriscar a expressão) que se tem escudado nos antigos textos da igreja.

Isso em si não tem nada de mal. Aliás, desde que o Papa não se coloque a ter posições que politicamente interfiram negativamente com o universo não católico (nunca me conformei com a posição de João Paulo II sobre os preservativos), qualquer postura política é perfeitamente legítima. O Papa é o actor político por excelência de um mundo em globalização cada vez mais acentuada, pela forma como pode unir pessoas de quadrantes tão diferentes, independentemente da sua localização, cultura, ideologia ou outras. É essa uma das chaves do sucesso histórico da ICAR (em comparação com as igrejas ortodoxas, por exemplo).

Também para si, caro afilhado, um grande ano repleto de grandes feitos. E que os menores sejam estes seus textos que dão sempre imenso prazer.
Sem imagem de perfil

De Vento a 06.01.2015 às 23:10

De acordo João. Mas não confunda o universo católico, porque este também tem quem defenda o uso do preservativo e da pilula. Também neste quadro há quem defenda outros métodos considerados mais naturais, por exemplo: o método billing.
A grande questão que se coloca com Francisco é que a acção deste vai um pouco mais longe de seus antecessores. João Paulo II entendeu fazer seu percurso ignorando de certa forma alguma hostilidade que o rodeava. Bento XVI definiu seu mandato pela via escolástica para levar a entender a razão da fé e como esta se constrói, mas procurou fracturar algumas tendências católicas mais ligadas à acção política. Curiosamente foi Francisco, um latino-americano, que ousou sair do Vaticano, viver em comunidade na casa de Santa Marta e mostrar que é possível reformar a mentalidade da Curia e manter a essência que norteia esta Igreja. Claro que esta reforma só é possível porque existe uma multidão de cristãos, e cristãos católicos, ansiosos por ver as "vestes" de Cristo como ornamento sacerdotal.

Obrigado pelos votos, padrinho, e receba a retribuição em desejos de bênçãos que o acompanhem em sua vida intelectual, profissional, social e em todas as outras dimensões de Ser.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 05.01.2015 às 13:33

João, sempre fui uma crente inquieta, que amiúde põe tudo em causa. Esta minha forma de estar na religião leva-me, naturalmente, a entendê-la como algo que é passível de ser vivido com inquietação.
Respeito e por vezes até invejo as pessoas de fé inabalável. Que sossego para o espírito deve ser não ter dúvidas de espécie alguma, respeitar dogmas e aceitar mesmo os postulados mais polémicos sem a mais leve hesitação. É outra forma de estar na Igreja.
Sim, liderar a ICAR pode ser isso, defender os portões da casa que se construiu para albergar o rebanho. Mas ponderando sobre as diferenças entre Bento XVI, um conservador, e Francisco não tenho dúvidas sobre quem está mais perto dos fundamentos do cristianismo, que na sua genese foi uma doutrina revolucionária e desafiante para cada um dos seus seguidores. Porque não é nada fácil ser um bom cristão.
Os católicos confundem catolicismo com cristianismo e se este é a rocha a partir da qual se edifica a Igreja, aquele é uma deriva de muitos séculos feita por homens, nem todos inspirados por Deus. E portanto é questionável e reformável, sempre.
Sem imagem de perfil

De Vento a 05.01.2015 às 14:35

Teresa, o cristianismo é uma atitude e não uma instituição. A minha opção católica, depois de ter conhecido todos os demais, passa por algo tão simples quanto isto:
Os denominados carismas existem em toda a parte, em todas as igrejas (cristãs e não cristãs) e em todos os indivíduos. Porém nesta minha opção cristã/católica também se inclui a sacramental. Considero que os sacramentos, "elementos" que a Igreja Católica e os católicos se afirmam como sendo depósito, são os elementos fundamentais desta adesão. Posso estar em desacordo com um sacerdote, até posso discordar dos papas e de alguns bispos e cardeias com quem me chateei, mas uma coisa eu nunca lhes negarei, e o que não nego é efectivamente a capacidade outorgada de em nome de Jesus e in persona Christi, neste mesmíssimo momento, fazer acontecer o sacramento. Destacando o da consagração da espécie e o da reconciliação. Não obstante, devo dizer que não considero como factor de exclusão quem se entende fora disto.

Tomás de Aquino definiu as diferentes dimensões do sinal sacramental:
" O sacramento é sinal rememorativo daquilo que o precedeu, ou seja, da paixão de Cristo; e demonstrativo daquilo que em nós a paixão de Cristo realiza, ou seja, da graça; e prognóstico, quer dizer, que anuncia de antemão a gloria futura".

Tudo isto para dizer que ser católico também é ser cristão. Por outro lado e concluindo, ser cristão não é pensar-se que se vive numa comunidade de justos, mas sim um justificado. Não é pensar-se que se é uma comunidade de salvos, mas dos que são chamados a salvar.
Significa isto que é nas minhas fraquezas que reconheço a glória de Deus, em Cristo que as supera pela própria Paixão e pelas Chagas redentoras.

Abreijos
Sem imagem de perfil

De Mé-mé.. a 05.01.2015 às 19:56

A profundidade abstrata do testemunho deste comentador é tanta, que passamos a dar valor aos comentadores da bola.
Eis como se traduz a substância do vazio:

O benfiquismo é uma atitude e não uma instituição. A minha opção benfiquista, depois de ter conhecido as demais, passa por algo tão simples quanto isto:
Os denominados carismas existem em toda a parte, em todos os clubes (benfiquistas e não benfiquistas) e em todos os indivíduos. Porém nesta minha opção futebolística/benfiquista também se inclui a sacramental. Considero que os sacramentos, "elementos" que o S.L.B. e os benfiquistas se afirmam como sendo depósito, são os elementos fundamentais desta adesão. Posso estar em desacordo com um treinador, até posso discordar dos presidentes e de alguns diretores com quem me chateei, mas uma coisa eu nunca lhes negarei, e o que não nego é efectivamente a capacidade outorgada de em nome de Jesus e in persona Jorge, neste mesmíssimo momento, fazer acontecer o sacramento. Destacando o da consagração da espécie e o da reconciliação. Não obstante, devo dizer que não considero como factor de exclusão quem se entende fora disto.

(…) citação de Eusébio de Cesareia, ou equivalente (...)

Tudo isto para dizer que ser benfiquista também é ser fanático da bola. Por outro lado e concluindo, ser fanático da bola não é pensar-se que se vive numa comunidade de justos, mas sim um justificado. Não é pensar-se que se é uma comunidade de salvos, mas dos que são chamados a salvar.
Significa isto que é nas minhas fraquezas que reconheço a glória benfiquista em Jesus que as supera pela própria Paixão e pelas Chagas redentoras.
Sem imagem de perfil

De Vento a 06.01.2015 às 10:25

Estava à tua espera ovelhinha sortuda. Manda comer aos outros o que lhe faz falta e o resultado fica à vista. Não há nada como deixar que a arrogância revele a estupidez que a acompanha.
Como o menu é demasiado pesado recomendo-lhe o alimento das crianças sem dentes. Sim, as crianças sem dentes não podem ingerir alimentos sólidos.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 06.01.2015 às 12:57

Claro que ser católico também é ser cristão, Vento. Em momento algum afirmei o contrário.
Sem imagem de perfil

De Vento a 06.01.2015 às 17:34

Teresa, o meu comentário está para além disso. Eu compreendi que a Teresa não afirmou que ser católico não era ser cristão. Peço-lhe que enquadre meu comentário no contexto geral e na intenção que lhe subjaz.
Sem imagem de perfil

De Terceiro Piu a 07.01.2015 às 11:08

Comentador Vento, temo que o seu caso já nem o melhor exorcista safe.
É habitual ver diabretes sem miolos, numa competição em que gostam de marcar terreno, aparecendo como miccionários em vez de missionários.

Tivesse você espelho para se ver, então para minha resposta bastaria a sua resposta:
Estava à tua espera diabrete infeliz. Manda comer aos outros o que lhe faz falta e o resultado fica à vista. Não há nada como deixar que a arrogância revele a estupidez que a acompanha.

Infelizmente no seu caso, você está tão cheio de si, que a sua vista nem o espelho alcança.
Alguém que nem se vê ao espelho, não faz ideia do que é o cristianismo, é apenas um macaquinho diabrete a falar de cor. Pomposo na forma e vazio no conteúdo, conforme facilmente foi desmascarado.

Lamento, mas não tenho mais tempo para si.
Sem imagem de perfil

De Vento a 07.01.2015 às 14:49

Você tem de tal forma uma atracção irresistível por mim que tem andado, e continua a andar, por aqui com diversas camuflagens. Isto revela quem está assim tão cheio de si, bebé, e suas carências.
E tão consciente está destas macacadas que julga ser a imagem do seu espelho aquele a quem persegue.
Olhe, pequenino, as suas filosofias, que podem ir daMaia ao extremo Sul, não só não o convencem como também o não tornam feliz. Milupa ajuda.

Essa de não ter tempo para mim é para risada. De tal forma devota seu tempo para mim que procura parecer desprezo o que é fobia.
Imagem de perfil

De João André a 06.01.2015 às 15:40

Também eu invejo essas pessoas Teresa. Não sei é se existem de facto. Tenho, talvez por defeito pessoal, dificuldade em imaginar alguém sem dúvidas interiores (por muito que exteriormente pareça inabalável) - à excepção de Cavaco Silva, pois então. No entanto gostaria muito de ter essas certezas. Por isso, quando me perguntam porque razão sou ateu, respondo da forma mais pura: não acredito em Deus. É diferente de "acredito não existir Deus". Simplesmente não acredito nele. É, infelizmente, uma negação em vez de uma afirmação. Adiante.

Acho piada chamar a Bento XVI um conservador e a Francisco um "revolucionário", precisamente pelos motivos que invocas. Francisco está de facto muito mais perto da génese da ICAR, o que em termos de definição faria dele mais conservador que Bento XVI . Já Bento XVI, com a sua visão mais restrita da Fé e da Igreja (e do papel destes) seria mais revolucionário, na medida em que apresenta uma estrutura intelectual distinta daquela que a tradição missionária da Igreja sempre (?) teve. Pensamentos de herege

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D