Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Reflexões europeístas (10)

Pedro Correia, 21.05.14

 

Na campanha em curso para a eleição de domingo, várias forças políticas defendem a saída, unilateral ou negociada, de Portugal do euro. Há mesmo um partido que apela ao regresso imediato ao escudo. As consequências? Depois logo se vê, confessa o cabeça-de-lista sem pruridos nem temores. Chegou a esta indigência o debate político entre nós.

E no entanto devo reconhecer a alguns economistas -- com destaque para João Ferreira do Amaral -- o mérito da coerência, do desassombro e da persistência ao pronunciarem-se contra a permanência portuguesa no euro.

É útil que este debate seja travado. Em todas as etapas da construção europeia, nas últimas três décadas, os decisores políticos colocaram sempre os portugueses perante factos consumados. Refiro-me, em especial, a Mário Soares, Cavaco Silva e António Guterres: nenhum pensou seriamente convocar um referendo sobre esta matéria, todos fizeram questão de colocar o País nos sucessivos "pelotões da frente". Ao contrário, por exemplo, do que fizeram os britânicos, que recusaram dissolver a libra no sistema monetário europeu e obedecer aos ditames do Banco Central Europeu.

 

Dito isto, e reiterando o mérito da discussão, considero absurda a tese que nos pretende reconduzir ao vetusto recanto "orgulhosamente só". Como se Portugal fosse a aldeia do Astérix. Mas sem a poção mágica.

Sem o euro, o impacto da crise dos últimos cinco anos tinha sido ainda mais duro - um facto que não é ignorado nas capitais do Velho Continente. O poder de atracção da UE ficou aliás bem patente no Verão passado: enquanto alguns profetizavam o pior para o destino europeu, a Croácia tornava-se o 28º estado membro da união, com adesão ao euro já prevista para 2017.

Vale a pena parar para pensar: quanto teríamos de pagar em escudos pelas dívidas que contraímos em euros?

Um hipotético regresso ao escudo, com a consequente desvalorização da moeda nacional, conduziria a falências em cadeia, à descapitalização das empresas, à fuga de capitais, ao aumento drástico da dívida pública, a uma inflação galopante, à quebra da coesão social, à radicalização abrupta da nossa vida política e a um empobrecimento dos portugueses em larga escala.

Não admira que o tal nostálgico do escudo tenha respondido com um "logo se vê" ao ser questionado sobre as consequências daquilo que defende...


Por mim, não tenho dúvidas: devemos continuar no euro - tal como farão os espanhóis, nossos principais parceiros comerciais. Mas de olhos bem abertos para este fenómeno imparável que é a globalização. Um fenómeno que nos forçará a reformar o Estado e a repensar as suas funções - não à escala nacional mas à escala continental.
A economia mundial, o livre comércio e a desregulamentação de muitas actividades outrora blindadas à luz dos parâmetros dos "estados nacionais", fazendo da Europa uma fortaleza inexpugnável, colocam-nos problemas novos todos os dias. Não adianta bradar contra eles: seria tão inútil como bradarmos contra a internet e a revolução operada no domínio das telecomunicações.

Além disso devemos pensar que a globalização tem sido uma onda libertadora para quatro quintos da Humanidade.
É a velha Europa que tem de adaptar-se. Não será o resto do mundo a adaptar-se à velha Europa.

6 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Correia 23.05.2014

    A globalização tem tirado mais seres humanos da miséria do que todos os construtores de utopias. Pergunte ao chinês se há 20 anos vivia melhor. E ao angolano. E ao brasileiro. E ao mexicano. E ao indiano.
  • Sem imagem de perfil

    Carlos 23.05.2014

    O chinês corrupto vive melhor, os outros continuam escravos da corrupção. O angolano corrupto, vive no auge e o outro vive na miséria, tal como vivia antes, nada como ver ao vivo e eu já vi. Os indianos são o mesmo, é o hotel de luxo e mesmo ao lado reina a desgraça e a miséria, também vi e não quero ver mais, isto nas zonas turísticas porque nas outras é o caos. Os mexicanos com a máfia da droga e de órgãos é de bradar. A globalização podia tirar da miséria, se fosse feita de maneira a pensar no ser humano, mas está a ser tudo menos isso. A globalização podia ser óptima se a mentalidade de quem governa não fosse limitada unicamente aos seus interesses e aos dos grandes grupos económicos e a prova está bem à vista. Os média em vez de mostrarem ao mundo e desmascararem, não o fazem porque são o espelho da sociedade e por isso, também não ficam isentos de culpa porque em vez de informarem querem é vender, vender e vender..........
  • Sem imagem de perfil

    rmg 23.05.2014


    Carlos

    De facto vê-se muito do que diz , eu também vi .

    Mas diga-me uma coisa : também viu há 20 anos atrás e portanto está a comparar?
  • Sem imagem de perfil

    Carlos 23.05.2014

    Que se saiba, há vinte anos, não havia globalização logo, não pode haver comparações. Talvez haja alguma diferença, é que a corrupção há 20 anos não era tão evidente. A globalização foi bem pensada, mas o homem na sua ganância consegue destruir o que de bom se constrói. É inadmissível que em pleno século XXI se continue a escravizar e a explorar o ser o humano descaradamente, sem dó nem piedade. Está aqui, um bom tema, a que os média se podiam dedicar a fundo.
  • Sem imagem de perfil

    rmg 23.05.2014


    Carlos

    Não pode haver comparações porque não havia globalização ?
    Essa é boa !
    Claro que pode haver comparações porque é exactamente por efeito quase exclusivo da globalização que as coisas mudaram .

    E eu que vivi e trabalhei no Japão no princípio dos anos 80 não posso dizer que naquela altura era terrível a distância porque os telefones e o correio eram manhosos e agora é mais fácil pois há télémóveis e internet e o raio que o parta porque também não há comparação ?

    Se juntar a globalização com o brutal aumento da população mundial nos últimos 20 anos é capaz de chegar a conclusões curiosas sobre a melhoria de vida de mais populações do que julga (e se para aí estiver virado , claro) .

    Quanto à sua frase sobre ser "inadmissível que em pleno século XXI se continue a escravizar e a explorar o ser humano descaradamente, sem dó nem piedade" tem todo o meu apoio .

    Mas já agora diga-me lá , aqui que ninguém nos ouve , quantas coisas "made in China" , "made in India" e "made onde se explora seres humanos" tem o meu caro em casa ?



  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.