Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Reflexão do dia

por Pedro Correia, em 12.02.15

«A Rússia - ao contrário do que o estatuto que lhe é habitualmente atribuido de país emergente pode fazer crer - é hoje uma potência em declínio, ameaçada por uma verdadeira catástrofe demográfica e incapaz de explorar adequadamente os seus imensos recursos naturais. Encurralada entre o espaço político ocidental e a China, é natural que olhe com desconfiança para qualquer modificação que ocorra na sua vizinhança. Foi isso o que se verificou na Ucrânia. Nem valerá a pena recordar a importância simbólica de Kiev como local de nascimento da nação russa para compreendermos a relevância estratégica objectiva que o território ucraniano tem para um país que se constituiu em torno do projecto do duplo acesso aos mares Báltico e Negro. No rescaldo da implosão soviética, os russos puderam conviver com a ideia de uma Ucrânia independente e politicamente autodeterminada; o que lhes custaria e custará sempre admitir é a perspectiva de uma Ucrânia plenamente integrada, dos pontos de vista político, económico e militar, na esfera ocidental.»

Francisco Assis, no Público


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Antipatizante a 12.02.2015 às 21:30

Dos raros pêesses que ainda não se espalharam ao comprido. Por exemplo, o Costa veio hoje declarar que "subscreveria" um documento que por aí apareceu. Subcreveria?! Então o Carlos César e o Ferro Rodrigues assinaram e ele não tinha conhecimento de nada? Ou subscrevia ou não subscrevia, não há cá "subscreveria".
Sem imagem de perfil

De JSP a 12.02.2015 às 21:33

O dr. Assis deveria repassar , com vagar e hipotético proveito, a História da Rússia.
Talvez não escrevesse estas coisa ligeiras - e com tanta ligeireza.
Sugere-se, com humildade e bons modos, ao bravo dr.Assis, a leitura deste seu excerto a cidadãos alemães, ou a cidadãos polacos.
Sobretudo a estes últimos...
Sem imagem de perfil

De da Maia a 12.02.2015 às 22:35

Soviet power is a myth. Great show. There are no spare parts. Nothing is working, nothing, it's nothing but painted rust. But you, you need to keep the Russian myth alive to maintain your military industrial complex. Your system depends on Russian being perceived as a mortal threat. It's not a threat. It was never a threat. It will never be a threat. It's a rotted, bloated cow.

The Good Shepherd (2006)
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 12.02.2015 às 23:58

Noutro post noutra altura virá você dizer que ninguém se meta com os Russos, bla bla bla.

Que tal conhecer alguma coisa sobre as forças armadas russas antes de falar. Para começar são os únicos com mísseis nucleares tácticos na Europa.
Sem imagem de perfil

De da Maia a 13.02.2015 às 01:19

A lenga-lenga da Rússia desgraçadinha, do Assis, fez-me lembrar esta frase do filme.
Só isso... ou talvez não.

Responda a uma questão, Lucky... para o jogo de tempo de paz - as vantagens económicas, quantos rublos valem essas armas tácticas?
Porque, as armas dos EUA servem para pôr a rotativa a imprimir dólares, sem que ele desvalorize.
Sem imagem de perfil

De rmg a 13.02.2015 às 00:36


Isto da Grécia poder caír para o lado da Rússia é uma palermice de malta que ficou lá para trás no tempo.

E a Rússia quer?
Algum dos que andam por aí com isso perguntou à Rússia alguma coisa?

A Rússia apareceu ali nos 1ºs dias depois da vitória do Syriza porque o MNE grego é pró-russo e resolveu fazer aquela cena que só durou um dia (e que
não deixava de ter a sua razão de ser no contexto de há 15 dias atrás).

A Rússia quer vender o que produz a quem o compra e lhe paga para dar de comer aos que a habitam e não os deixar pensar muito na vida que levam, a Rússia é um país "com gente dentro" como qualquer outro e já tem chatices que lhe cheguem.

Geo-estratégias de quê e onde?
Estamos em que ano? 1990?
Como os "wishful thinkers" estão nesta a Turquia já não interessa, é isso?

Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 13.02.2015 às 09:32

Custa-me a ver o maior país do mundo a ser apodado de "encurralado".
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 13.02.2015 às 10:45

incapaz de explorar adequadamente os seus imensos recursos naturais

Hmmm, isto parece vagamente um convite para que alguém vá lá expulsar os incapazes e explorar os recursos naturais por eles.

Eu diria que o sr Francisco Assis tem obrigação de elaborar reflexões mais cuidadosas e profundas.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D