Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Penso rápido (66)

por Pedro Correia, em 28.02.15

Apesar de tudo, fomos galgando patamares civilizacionais. Adquirimos - e bem - tabus culturais que nos distanciaram do ser cavernícola dos primórdios. A antropofagia, o incesto, o esclavagismo, a violentação, a tortura e tantas outras expressões da "besta" foram sendo alvo de sucessivos anátemas sociais, formando uma espécie de cartilha universal de valores. O problema é que tudo está envolvido numa redoma demasiado fina, que se estilhaça com excessiva facilidade. Os últimos cem anos de história humana demonstram isso mesmo. E as chamadas "redes sociais", num revelador efeito de espelho, confirmam a curta distância que ainda separa a civilização da barbárie.

Nunca podemos dar nada por garantido: a via do retrocesso está sempre latente. As tecnologias contemporâneas só a potenciam, em vez de a afugentarem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

Sem imagem de perfil

De Marquês Barão a 28.02.2015 às 12:17

MOMENTO POÉTICO

Merco besta corrida por meio saldo de mula manca
A arrastar o estribo albarda caída de cilha folgada
Ossada bicuda a furar a pele traseira toda empenada
Cabresto aos nós corda roída que os abanos desanca

Moscas no lombo prontas ao ninho atrás das orelhas
Aos solavancos soltando sonoros imundos a cada patada
Cascos moídos feitos em farelo sem cangalha amarrada
Lá vai ruminando a palha curtida de gastas golpelhas.

Pelo sumido ensebado basta ajeitar-lhe os sarilhos
Rebarbar-lhe os cascos para lhe calçar uns meotes
Que de crinas assoveladas ensaia logo uns pinotes
No arrasto do chocalho o estafermo foge aos trilhos

Dente arreganhado cor de feno cata-vento no roncar
O fedor podre que expele de tanta névoa nem cheirá-lo
Não nos contam os arreios se é burro mula ou cavalo
Mas tem qualquer ferradura pronto coice para dar
Sem imagem de perfil

De Marquês Barão a 28.02.2015 às 22:50

Muito obrigado. Na altura eu era Marão.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.03.2015 às 13:32

Nice to meet you again.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 28.02.2015 às 13:52

Se não fosse assim o Comunismo nunca teria chegado aos 4 cantos do mundo, nunca o Capitalismo Ideológico alguma vez conseguiu tal coisa apesar de ter quase mais 100 anos que o Comunismo na altura.
O Nazismo foi construído em menos de 20 anos.

As novas gerações são novas, passe o pleonasmo, a juventude gosta de assertivos e agerridos, pois são eles próprios assertivos e aguerridos. Se os aguerridos são jihadistas, guardas da revolução ou camisas castanhas então serão esses os seus caminhos.

Uma sociedade banhada na autoculpa nunca atrairá a maioira dos novos, isto sabe a Esquerda Marxista muito bem, pois é a peça central da sua estratégia para destruir a Civilização Ocidental.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 28.02.2015 às 20:28

Jiadistas, guardas vermelhos, camisas castanhas ou negras: abomino isso tudo. Porque nos devolve à "lei" das cavernas.
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 28.02.2015 às 14:35

Cogitar que o conhecimento corroeu os pensares e os agires e que a involução é a resposta, imposta pelo medo, pela dor de sucessivos golpes, pela fome e pela miséria. Da pedra sai a espada que abate o pérfido pela mão do justo e verdadeiro, o que traz o verbo, o que cobre a luz por ser impúdica e faz cair a treva como negra bruma.
E a ideia do crescente vai crescendo e insinuando-se como um vírus cuja única panaceia é deixar de ser.

( Há coisas que por muito que tente, me fazem uma confusão imensa. Fico a pensar na racionalidade do animal humano e pergunto-me se alguma vez existiu mesmo...)

Imagem de perfil

De Pedro Correia a 28.02.2015 às 20:31

Faz-me impressão este recrutamento de jovens pelos jiadistas através das redes sociais. E lá vão eles (e elas), do Ocidente onde nasceram e se criaram, combater pela barbárie.
Sem imagem de perfil

De Vento a 28.02.2015 às 21:11

Pedro, isto só significa que construiu-se uma sociedade em cima de areias movediças. A rede nada tem que ver com isto.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 12.03.2015 às 13:31

Pois não. Nem sustento o contrário. É apenas um veículo de transmissão instantânea.

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D