Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pensamento para o dia de hoje

por Pedro Correia, em 21.12.18

870x489_920x517_maxnewsworldfour658225.jpg

 

 

«Tão regrada, regular e organizada é a vida social portuguesa que mais parece que somos um exército do que uma nação de gente com existências individuais. Nunca o português tem uma acção sua, quebrando com o meio, virando as costas aos vizinhos. Age sempre em grupo, sente sempre em grupo, pensa sempre em grupo. Está sempre à espera dos outros para tudo. E quando, por um milagre de desnacionalização temporária, pratica a traição à Pátria de ter um gesto, um pensamento, ou um sentimento independente, a sua audácia nunca é completa, porque não tira os olhos dos outros, nem a sua atenção da sua crítica.»

 

Fernando Pessoa, Sobre Portugal - Introdução ao Problema Nacional 


18 comentários

Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 21.12.2018 às 13:10

Trair a Pátria , é no meu País, a melhor forma de Honrá-lo.
Sem imagem de perfil

De Desconhecido Alfacinha a 21.12.2018 às 14:23

Muito, muito oportuno Meu Caro!

Forte abraço e Feliz Natal para todos em casa
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 21.12.2018 às 14:25

muito bom. o "post", o texto, o momento.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 21.12.2018 às 14:53

Tem toda a razão Fernando Pessoa.
Falta dizer que isto se deve a o povo português ter uma personalidade e uma forma de estar na vida fortemente femininas. Tal como as mulheres, o povo português procura essencialmente seguir os costumes da geração anterior (as mulheres copiam sempre as suas mães) e tem muita atenção às opiniões das outras.
Ao contrário dos povos do norte da Europa, que são muito masculinos (e machistas), o povo português é muito feminino, e na sua organização social as mulheres são preponderantes.
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 21.12.2018 às 16:57

Influência do solestício de inverno, Sr. Lavoura ? Ou de activismo em #Metoo ?
Os "astros" ultimamente têm mexido muito com a moleirinha, é um facto.
Imagem de perfil

De Vorph "Girevoy" Valknut a 21.12.2018 às 16:57

Fernando Pessoa nunca se desagarrou da mãezinha e da irmãzinha.
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 21.12.2018 às 18:37

(aquilo da "Lavourada" foi uma belíssima ideia, mas o dito excede-se a soi-même a cada momento. acho que é falta de carências...)
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 21.12.2018 às 21:58

Irei mesmo mais longe, Cristina: julgo ser ausência de falta de carências. Gera uma espécie de vácuo.
Sem imagem de perfil

De Cristina M. a 22.12.2018 às 02:27

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.12.2018 às 19:00

Interessante o seu conhecimento de Fernando Pessoa e da natureza feminina, Comendador Lavoura, curioso até...
Maria
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.12.2018 às 19:28

Ia jurar que quem não move uma palha para mudar a forma de estar dos pais, são os homens. Sobretudo se mudar for coisa de bom-senso.
Hoje desiludiu-me Lavoura, e olhe que leio este Blog há anos e os seus comentários há meses; são sempre os que mais me animam. Sorrio sempre.
Acho, aliás, que o Lavoura devia ser convidado a fazer parte deste Blog plural.

Quanto a Fernando Pessoa, a lucidez e clarividência de sempre.
Perfil Facebook

De Manuel Sousa a 22.12.2018 às 16:43

Crostalino.
Perfil Facebook

De Rão Arques a 21.12.2018 às 15:18

-Copiar a eito o nosso maior fado
-Aferrolhada a indignação contida
-Sem colete e sem cor cativados
Sem imagem de perfil

De Costa a 21.12.2018 às 15:58

Será assim. Mas temos, não há como negá-lo, excelentes "existências individuais". Conhecidas, generosamente financiadas e até ver, apesar de um ou outro sinal, ainda maternalmente protegidas pelo regime presente. Que cuida de recolher sem contemplações os fundos (também) para tanto, nesse "exército".

Exército que assim deixa acontecer porque fundamentalmente se dedica à quotidiana prática do desenrascanço, ela mesmo um sinal de "existência individual". Uma utilíssima arte, se bem que não para quem a pratica. Antes para quem, por acção ou omissão, e dotado do poder, a torna necessária.

O resto é egoísmo e cobardia. Que não se resolve com coletes amarelos. Resolver-se-ia talvez nas urnas. Mas não com este povo.

Costa
Perfil Facebook

De Rão Arques a 21.12.2018 às 17:32

RODA DE SOMBRAS
Destruir o céu com bolas de fogo
Invadir o inferno com lanças de papel
Partir a janela penetrar no espaço;
Empenar o piano e fazer um poema
Apagar o sol engolir o mar
Erigir um marco no centro do mundo
Ensaiar alturas rastejar servil
Ocupar palácios esmolar a fome
Cercar o castelo e servir o rei
Empunhar a bandeira de novo senhor
Correr em círculo e gritar em frente
E contemplar inerte
As sombras do esbracejar grotesco
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 21.12.2018 às 17:00

Hoje como há 100 anos... a montanha , mais uma vez, pariu um rato ( pode-se dizer rato neste contexto, ou faz parte dos pan- gíricos?)
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.12.2018 às 19:27

Por isso é que a quem enriquece sem ser pelo socialismo caem-lhes logo em cima.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D