Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pensamento da semana

por Joana Nave, em 11.03.18

Evoluímos dos sacos de pano para os sacos de plástico, do que é reutilizável para o que é descartável, e agora, no auge da evolução humana, em que fazemos compras sem sair de casa, voltamos aos sacos de pano, porque é ecológico e sustentável e a reutilização é afinal a melhor alternativa.

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana

Autoria e outros dados (tags, etc)


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Vlad a 05.03.2018 às 07:53

Sacos de pano e Dieta Paleolítica.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 05.03.2018 às 09:09

No Economist desta semana dizem que os sacos de pano não são nada sustentáveis, pelo contrário, têm uma pegada ecológica quase 200 vezes superior aos de plástico. Dizem que seria necessário reutilizar um saco de pano 200 vezes para que ele fosse comparável a um de plástico. (Também, valha a verdade que utilizar um saco de pano 200 vezes não é nada de transcendente.)
Sem imagem de perfil

De Plasti-Sina, ou Plasti-Cuzinho? a 05.03.2018 às 15:01

Bom mesmo, é encher 200 vezes os saquinhos de pano com embalagens plásticas para abrir e deitar fora!

E melhor, é vender micro-chips embutidos num cm2 de plástico (cartão de telemóvel), inserido num plástico a imitar um cartão de crédito talvez 20(?) vezes maior, encaixado numa caixinha de cartão onde cabem vários telemóveis inteiros, por sua vez embrulhada em plástico por sua vez selado a película também ela plástica!...

Ainda bem que a maior parte das pessoas já voltou a meter "as compras" no saquinho de pano...
Sem imagem de perfil

De jo a 05.03.2018 às 19:04

Nem é preciso procurar nada tão sofisticado como um cartão de telemóvel.
Há pouco tempo, quando tentava comer um biscoito e abri a respetiva caixa dei-me conta do modo como ele estava embalado.
Uma embalagem de bolachas com 8 bolachas tem 8 bolsinhas de celofane para cada bolacha que estão colocadas numa caixa de plástico tipo gaveta, que está dentro de uma bolsa transparente, que está dentro de uma caixa de cartão que está envolvida por celofane, que tem colada uma etiqueta de papel com a designação dos conteúdos.

Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 06.03.2018 às 10:56

Por curiosidade, sobre as referidas bolachas :

Sem glúten, com ácidos gordos ómegas, e sem açúcares, ricas em fibra? Resumindo, sabiam ao quê?
Sem imagem de perfil

De Plasti-Sina, ou Plasti-Cuzinho? a 06.03.2018 às 11:04

Exactamente, jo.
O exemplo que fui buscar não foi pela sofisticação, mas pela desproporção entre a dimensão "mínima" do produto físico e a quantidade de recursos gastos para o "embalar".

Mas o ponto era esse mesmo!

Um outro, também pertinente (no meu entender) a esta discussão é o da quantidade de marketing desregulado com que nos bombardeiam (quer queiramos, quer não) e que sub-conscientemente nos impele a consumir mais e mais e mais!...

Escolhas de consumo emocionais? - Check!;
Racionalidade na decisão de consumo? - Bah! Para quê?! Eu até separo tudo no ecoponto quando tiro as embalagens todas da minha sacola de pano!
Sem imagem de perfil

De Lucklucky a 06.03.2018 às 12:31

É interessante como as pessoas que defendem a regulação= censura da publicidades nunca falam da regulação= censura da publicidade política.

A propaganda política "desregulada" já pode ser: o manifesto Comunista já pode ser lido sem avisar na capa que : pode matar milhões de pessoas.

Mas um anúncio a um bolo já é ai jesus que as pessoas podem ser influenciadas.
E as crianças que devem pelos vistos tal como pais viver numa redoma.
Ou seja serem crianças para toda a vida. São mais fáceis de dominar.

Corolário= o objectivo é a maldade de controlar a vida dos outros.
Sem imagem de perfil

De Plasti-Sina, ou Plasti-Cuzinho? a 06.03.2018 às 13:15

Caro Lucklucky,

Falei em marketing, no geral. E falei pelo motivo contrário - a maldade de as pessoas andarem controladas por vias cientificamente estudadas para manipular impulsos sub-conscientes que contornam os mecanismos criticos da racionalidade.

Depois, cingi ao tópico em questão - o consumo desmesurado de recursos por, na minha óptica, imbecilidade colectiva.

Outra questão é a aplicação das mesmas técnicas - quanto a mim, igualmente perniciosas para a consciência crítica da sociedade em geral - à campanha política. E não a ter abordado em concreto, no contexto específico desta discussão, não lhe permite, do ponto de vista da lógica, inferir que eu ache que "já pode ser", sendo aliás falacioso da sua parte assumir isso como algo implícito no meu discurso...

Daí, a dizer que a leitura do manifesto Comunista poder matar milhões de pessoas (e porque não o Mein Kampf ou A Riqueza das Nações?!), vai uma séria ruptura dos ligamentos cerebrais...
Perfil Facebook

De Oscar Maximo a 07.03.2018 às 11:33

O problema é tanta gente a consumir tanto.
O problema é os economistas terem deitado o 1* dos 3 RRRs, a saber Reduzir, borda fora.
Agora andam como baratas tontas á procura de soluções, para aliviar as consciências. Soluções que nunca passarão de paliativos. Ou pior, como se viu no caso dos bio-combustiveis.
Perfil Facebook

De Rão Arques a 05.03.2018 às 11:33

Até as persistentes e notáveis figuras de plástico que inundam os mais altos patamares da nossa sociedade confirmam a sua tese.
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 06.03.2018 às 11:32

Não vejo razão nenhuma para a Joana escrever que estamos "no auge da evolução humana".
Sem imagem de perfil

De André Miguel a 07.03.2018 às 15:54

O Lavoura agora também é futurólogo e consegue dizer onde estaremos daqui a 50 anos? Não? Então hoje estamos no auge, amanhã logo se vê.
Sem imagem de perfil

De Lucklucky a 06.03.2018 às 12:26

"...porque é ecológico e sustentável..."

Não se sabe se é ecológico e sustentável.

O que se sabe é que o sacos reutilizáveis contribuem para o aumento das infecções e doenças.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.03.2018 às 15:55

Lavoisier:
- "Nada sem perde, nada se cria, tudo se transforma".
Até na meteorologia:
- Depois da placidez monótona de uma seca extrema, vem a extrema violência de um furacão.
Não falha!
João de Brito

Comentar post



O nosso livro





Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D