Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pensamento da semana

por Fernando Sousa, em 25.11.18

«Compreender o mundo é olhá-lo desligado dos nossos sentimentos.»

 

Susan Sontag, in Renascer

 

Este pensamento acompanhou o DELITO durante toda a semana

 
 


52 comentários

Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 19.11.2018 às 01:02

Portanto, apenas aos psicopatas está destinada a compreensão do mundo. Ai, Susana...que queimas o cozido.

Já agora, como se desligam os sentimentos? No botão da esquerda ou da direita?
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 19.11.2018 às 11:16

Susan Sontag não faz propriamente uma afirmação, antes propõe uma reflexão sobre os limites da razão e do sentimento, pelo menos na leitura que faço do que ela escreveu.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 19.11.2018 às 12:34

Em verdade lhe digo. As coisas maiores da alma humana, ou da graça sobrehumana, compreendem-se sem entendimento. Assim podemos compreender sem entender, mas nunca Saber sem compreender.

Sabe do que lhe falo?

https://youtu.be/lCp21FHKnOc
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 19.11.2018 às 13:12

Bom, penso que sim, penso até que estou perante um caso prático: percebo-o sem o entender.
Sem imagem de perfil

De Maria Dulce Fernandes a 19.11.2018 às 01:25

Pura ilusão. A insenção de envolvimento é um paradoxo já que é todo um processo de envolvência que supostamente nos confere a capacidade do entendimento imparcial.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 19.11.2018 às 11:24

Não vou fora disso, Maria Dulce. Li no entanto o que Susan Sontag escreveu como se a questão nunca me tivesse ocorrido: com o enorme poder da dúvida. E achei que nalgum momento do meu passado percebi melhor alguma coisa olhando sem envolvência, sem contaminação.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 19.11.2018 às 11:47

[Ou pelo menos com a menor envolvência possível.]
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 19.11.2018 às 08:48

Podemos entender sem sentimento,
mas nunca compreender. Compreender é como um entendimento sentido.

A Razão permite- nos entender o significante da palavra Amor. Mas para compreendermos o significado do Amor é necessário ter-se amado.

O Mundo geológico percebe-se sem sentimento, mas não o Planeta Humano.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 19.11.2018 às 11:30

Este seu comentário está enfim mais seco que o anterior e perto do caroço da questão; Susan Sontag pretende a meu ver distinguir compreensão (razão) da actuação, sendo que o gatilho desta envolve necessariamente o sentimento. Pegando no seu exemplo podemos discutir racionalmente o amor mas não é isso que nos leva a amar.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 19.11.2018 às 12:37

As Ideias sobre o Mundo são racionalizações dos nossos sentimentos.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 19.11.2018 às 13:23

Seja ou não como diz, olhar o mundo se possível sem ciscos nos olhos e nevoeiro pelo meio parece-me uma boa proposta.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 19.11.2018 às 13:29

O tamanho do cisco depende do tamanho do preconceito
Imagem de perfil

De jpt a 19.11.2018 às 10:09

Isso é uma distopia. Felizmente impossível.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 19.11.2018 às 11:41

Tire lá a "distopia" da questão para podermos olhar para ela sem cortinas. Susan Sontag sabia certamente quando propôs esta reflexão que compreensão e sentimento andam de mãos dadas, que os seres humanos não vieram de planetas destemperados, não são Spocks. Quis porventura - porventura! - distinguir o olhar do meteorologista do gozo de um ocaso sentido como um poema.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.11.2018 às 12:07

Como eu gostava de escrever com esta precisão , lógica , enfim- com esta sabedoria ...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.11.2018 às 14:23

Pelo contrário, seria impossível compreender o mundo desligado dos nossos sentimentos.
Sem sentimento, grosso modo, o mundo nem sequer passaria do estado de uma energia pura.
Atração, repulsa, relação... não haveria mundo sem elas.
João de Brito
Sem imagem de perfil

De Miguel a 20.11.2018 às 08:30

É simples. Claro que não podemos observar o mundo abstraindo completamente os nossos sentimentos do olhar com que o observamos. Isso é uma evidência. Mas também é evidente que a parte do mundo que nos é exterior, quase todo ele, existe e evolui independentemente de nós. Um primeiro passo para tentar compreender o mundo é reconhecer e ter isto presente. No entretanto, os sentimentos não se evaporam, nem ficam congelados, podemos ficar descansados.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 20.11.2018 às 11:44

Estou muito de acordo, Miguel. Muito. Não sei no entanto se é tão simples assim. Os sentimentos nunca estão presentes num juízo que se pretende todo ele lógico?
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 20.11.2018 às 12:13

Se me permitem. No "nosso" juízo procuramos mais não perder a "razão" do que encontrar a verdade. Talvez um computador consiga um juízo puramente matemático, ou talvez com o passar do tempo enviese-se em beneficio dos seus "irmãos" - sinal de consciência de grupo
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 20.11.2018 às 12:20

Estou de acordo, Pedro. É por esse motivo que penso que nalguma medida os sentimentos actuam nos nossos juízos. Não sei é em que medida.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 20.11.2018 às 12:45

Fernando, se me permite, há toda uma nova área de investigação nesse sentido (Neurobiologia). Por exemplo, António Damásio e a sua Teoria do Marcadores Somáticos na Formação de Decisões, e Robert Sapolsky. Recomendo vivamente o seu ultimo livro - Comportamento:

https://www.wook.pt/livro/comportamento-robert-m-sapolsky/21685514
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 20.11.2018 às 13:18

Obrigado, Pedro. Vou fazer o impossível para me pôr a par.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 20.11.2018 às 13:25

Se bem que, Pedro, tanto quanto o Público, penso que foi o Público, escreveu então sobre a tese de Damásio, ele debruçou-se mais sobre as emoções não sobre os sentimentos. De todo o modo vou ver.
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 20.11.2018 às 13:44

Sim, mas presumo que todo o sentimento se faça acompanhar de uma emoção - ex: a repulsa do sentimento moral (justiça vs injustiça) deriva da mesma estrutura cerebral (insula do córtex cerebral) responsável pela repulsa emocional (ex: nojo por algo repulsivo, pelo seu cheiro, aspecto visual, etc)….quando sentimos nojo perante uma imoralidade activamos a mesma área cerebral responsável pelo cheiro de algo repugnante - por isso sentimos, fisicamente (por vezes ficamos até nauseados) a repugnância da imoralidade.

Exemplo pessoal:
Recentemente quase vomitava para cima de um admirador do fascismo/ditaduras.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 20.11.2018 às 15:10

LOL! Pena não ter vomitado, Pedro. Talvez não tivesse provado que sentimentos, e eventualmente também as emoções, não ajudem a compreender o mundo mas que têm certamente consequências.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 21.11.2018 às 03:12

"Recentemente quase vomitava para cima de um admirador do fascismo/ditaduras."

Mas ainda não vomitou para cima da nossa Constituição? caminha para o Socialismo...
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 21.11.2018 às 13:17

Consigo fico um adormecido, sem sono.
Sem imagem de perfil

De Miguel a 20.11.2018 às 08:33

Adenda. É o mundo que está desligado dos nossos sentimentos, não somos nós.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 20.11.2018 às 11:45

[Muito bem outra vez]
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 20.11.2018 às 12:14

Somos nós que fazemos o mundo. Somos nós que damos um determinado valor aos sentimento. Moisés já não é o comandante
Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 20.11.2018 às 13:45

O Mundo é a ideia que nós queremos que ele tenha.
Sem imagem de perfil

De Bea a 20.11.2018 às 09:35

concordo, embora o sentimento possa dar uma compreensão mais profunda e até diversa, também pode prejudicar um juízo que se quer objectivo, ou o mais objectivo possível. Diz-se que ser juíz em causa própria não é o melhor e existem profissões que o proíbem.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 20.11.2018 às 11:51

Certo, Bea. A certa altura o melhor é não termos uma opinião fechada sobre a proposta da Susan.
Imagem de perfil

De Sarin a 20.11.2018 às 18:07

Traduziria esta frase antes por "Perceber o mundo é olhá-lo desligado dos nossos sentimentos".

Porque perceber exige a razão, a crueza de ver para lá do que sentimos sobre o que vemos - exige força, (tentar) arredar a cortina.
Já compreender significa abarcar, abraçar - e se a mente pode tentar voar a direito, o abraço é redondo e é carne: doem-lhe as arestas. Muito menos compreendemos o que nos é indiferente.
Imagem de perfil

De Fernando Sousa a 20.11.2018 às 18:19

Compreender, perceber, entender... A certa altura qualquer dos recursos não dispensa a razão, em maior ou menor grau. E a julgar pelo grosso dos comentários esta também não respira sem o sentimento - em maior ou menor grau.
Imagem de perfil

De Sarin a 20.11.2018 às 18:28

Não dispensa, de todo - nem pode, somos animais: racionalizamos os sentimentos, educamos as emoções, ressentimo-nos quando nos percebem mal :)

Comentar post


Pág. 1/2



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D