Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Paulo Rangel e as eleições europeias

jpt, 26.02.19

rangel.jpg

As pessoas podem simpatizar ou não com Rui Tavares e/ou com o seu agrupamento político. Independentemente disso - eu, por modesto exemplo, fico sempre com "pele de galinha" diante desse MES new age -, vale ler este seu artigo sobre o can-can de Paulo Rangel,  candidato nº 1 do PSD nas listas para o Parlamento Europeu, como já o fora nas últimas eleições. 

Se houvesse algum tino no prezado eleitorado (uma utopia, a gente sabe), um artigo destes, letal, faria mossa nas aspirações rangelianas e dos da sua igualha, hipócritas que vão. Entenda-se, um pontapé nas eleições. Mas como não há, esse tal utópico tino, lá será ele - e mais alguns da sua inestimável (sim, "inestimável") estirpe - eleitos para o vai-vem Estrasburgo- Bruxelas.

A mim não fará grande mossa: aqui só vejo "casacos azuis" - o inconfundível uniforme dos tugas doutores - no vizinho "Tiago's". E aproveito a desculpa da imperial ali custar o dobro do que custa no meu "Ponto de Encontro" - sítio aprazível que me faz sentir como se em ... Maputo ou nos Olivais - e nunca lá vou. Entenda-se, evito aquilo mesmo por causa dos "casacos azuis", raios partam os Rangéis e companhias ilimitadas.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Justiniano 26.02.2019

    Sobre os mitos à volta da Hungria e não concedendo à censura política que tem sido exercida sobre a Hungria. (no PE pelo Tavares, Ana Gomes, Matias...) É óbvio e evidente que o Tavares não visa unicamente apontar qualquer duplicidade a Rangel. O que Tavares pretende é manter o estigma sobre a Hungria e, consequentemente, sobre o PPE. Pretende que Rangel se defenda defendendo Orban. Contudo sabemos que a tibieza dos Rangeis é já proverbial. Ainda não percebi qual o constrangimento de Rangel face à Hungria sendo Rangel um reputado jurista e percebendo Rangel a construção constitucional da Hungria comparando-a com a nossa Constituição. Porque se cala Rangel e não explica. Ou melhor, porque não denuncia os ataques à Hungria como o que são, ataques políticos? Porque Rangel veste-se agora de político e vence táctica. (por vezes má táctica, como no caso, em que se deixa encurralar na aparente duplicidade) E a táctica não quer o PSD colado ao lado político a que preguiçosamente se convencionou designar de Fascista, ou extremista, ou Xenófobo.
    Caso contrário teríamos de censurar Portugal, e já agora a Alemanha, e outros porventura!
    Em Portugal temos um Tribunal Constitucional cujos membros são politicamente designados pela AR. Temos um Supremo Tribunal Administrativo com jurisdição última sobre a apreciação da legalidade dos actos da Administração Pública. Temos um Conselho Superior da Magistratura com a maioria dos seus membros politicamente designados. Temos um tipo de ilícito criminal que prevê a crimininalização do auxilio à imigração ilegal. Em breve teremos a proibição do crowdfunding, e a alteração à designação da composição do Conselho Superior do MP.
    (A grande diferença é que a maioria de Orban no Parlamento Hungaro quase o dispensa de qualquer compromisso com outras forças políticas. Mas estou em crer que as eleições na Hungria foram livres, transparentes e justas.)
    Mas, afinal, qual foi o grande pecado que cometeu a Hungria e Orban!? O que faz perigar, por ali, a subsistência do Estado de Direito Democrático!!??
    Porque é que o PPE, cobardemente, se deixa refém de estribilhos estafados!?
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.