Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Parecem irmãs

Cristina Torrão, 20.05.24

Há dias, deparei com um post de Maria João Pessoa, no Facebook, questionando um hábito social que também sempre me causou mal-estar. Piropos e certos “elogios” a mulheres é, como se sabe, um assunto polémico. A esmagadora maioria deles foram fabricados sob a óptica masculina patriarcal e, sinceramente, deixam muito a desejar. Um deles é o de ver mãe e filha numa foto e dizer-se "parecem irmãs", ou "quem é a filha?".

Comentários destes pretendem ser gentis, mas pensem bem: mesmo admitindo que uma mulher foi mãe cedo, digamos, com dezoito anos, alguém acha que uma miúda de quinze fica feliz ao saber que parece irmã de uma mulher de trinta e três? Ou que uma jovem de vinte gosta de parecer irmã de alguém com trinta e oito? A mera ideia de parecer irmã da mãe, independentemente da idade, não é nada lisonjeiro para uma miúda. Nem para ninguém. Mãe é mãe! É alguém que está muito acima do nosso nível, sejamos filha ou filho! Eu detestava, quando ouvia comentários destes, na minha juventude. Mas sorria, claro, e fingia estar muito feliz.

Por seu lado, a minha mãe derretia-se de vaidade. Porém, também neste caso, sejamos sinceros: será saudável, para a auto-estima de uma mulher de quarenta anos, aparentar a falta de experiência de uma jovem de dezoito? Como diz a Maria João Pessoa, dá-se a ideia de que a mãe ainda não conseguiu amadurecer. A mentalidade patriarcal está cheia de armadilhas em forma de elogio. Neste caso, são logo duas: além de se dizer a uma mulher que parece não ter maturidade para ser mãe da jovem a seu lado, dá-se igualmente a ideia de que ela só pode ser bonita se aparentar ter menos vinte anos (no mínimo).

Não estou a dizer que é proibido elogiar. Faça-se, porém, de outra maneira, por exemplo, diferenciando as virtudes físicas e de indumentária de cada uma, sem nunca as comparar. Também nada contra o facto de se dizer ser a filha parecida com a mãe e/ou que são as duas bonitas, desde que não se caia no erro de lhes atribuir uma idade que não têm.

 

Adenda: por ter referido piropos, neste postal, várias pessoas me corrigiram, dizendo que não se trata de um piropo. Pois não. Nem eu digo isso. Chamem-lhe "chavão", ou "galanteio", eu prefiro chamar-lhe "elogio falso". Tanto é dito por homens, como por mulheres, e perpetua a ideia de que uma mulher deve ficar jovem toda a vida. Usar exemplos com velhas amigas, que conhecemos e nos conhecem bem, está naturalmente desfasado em relação ao significado do que escrevi (é ler bem, faz favor). E só mais uma coisa: porque será que não se usam frases deste tipo com homens e seus filhos adolescentes?

92 comentários

Comentar post

Pág. 1/2