Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os talibãs e a tentação da carne

por Pedro Correia, em 28.03.17

pablopicassotoro4[1].jpg

 Um touro desenhado por Picasso

 

Sinto uma aversão inata a todo o tipo de extremismos. Por mais em voga que estejam. Isto inclui o extremismo animalista, povoado de fanáticos com vocação para policiar comportamentos alheios. Não tenho a menor dúvida: hoje invadem ruedos e cercam ganadarias, exigindo a abolição imediata das touradas. Amanhã assaltarão instalações agro-pecuárias reivindicando o fim do abate de aves e gado. Depois de amanhã patrulharão restaurantes para impedir os incautos de consumir iscas ou bifanas.

As minhas últimas dúvidas dissiparam-se ao ler há dias, numa revista feminina, a exaltada proclamação de uma activista vegan contra os agricultores que se atrevem a colher leite em vacarias e ovos em capoeiras. Eis a tese marxista da luta de classes aplicada à relação entre o homem, as vacas e as galinhas. “Os animais trabalham indevidamente para servir os seres humanos”, escandalizava-se esta animalista, insurgindo-se contra o “stress e o sofrimento dos animais quando estão em fila para o sacrifício” em aviários e matadouros.

 

Se pudessem, no seu incansável proselitismo, estes devotos da rúcula e do agrião decretavam o consumo exclusivo de produtos macrobióticos. Aboliriam rodízios e encerrariam churrasqueiras. Proibiriam a extracção de mel das colmeias para não beliscar o labor das abelhas. A matança de porcos, frangos e coelhos seria rigorosamente interdita. No limite, todas estas espécies – só existentes pelo seu valor alimentício e, portanto, comercial – extinguir-se-iam, para deleite destes supostos defensores dos direitos dos animais. Antes vê-los desaparecidos de vez do que em “sofrimento potencial".

Como mandam as cartilhas, tudo isto ocorre em nome de autoproclamados princípios éticos, levando as falanges animalistas mais extremas a entrincheirar-se sem um esgar de hesitação contra os bípedes no milenar confronto entre homens e bestas. A exemplo daquela talibã “antitaurina” que nas redes sociais em Espanha desejou a morte imediata de um rapazinho doente de cancro só porque o miúdo teve a desdita de confessar que quando fosse grande queria ser toureiro.

“Devias morrer já”, assanhou-se a meiga patrulheira, acusando o menino de querer “matar herbívoros inocentes”.

 

Quem é capaz disto é capaz de tudo. Capaz inclusive de exigir a extracção compulsiva dos dentes caninos à população humana para evitar a proliferação do pecado entre quase todos nós, aqueles que continuamos a ceder à tentação da carne.

Já estivemos mais longe.


76 comentários

Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 28.03.2017 às 16:52

Acredita na Evolução Cultural, em que umas culturas estão, em etapas, "superiores", comparativamente a outras?

In recent years there has been a movement convergence of this cluster of related theories, towards seeing cultural evolution as a unified discipline in its own right.

Quanto aos Massai estamos conversados.

Quanto à tradição desde, pelo menos, a Revolução Francesa, que ela deixou de ser legitimativa. Guiamo-nos agora pela Razão e a razão diz-nos que temos à nossa disposição outras formas de vivermos que não impliquem matança.

Sem imagem de perfil

De Justiniano a 28.03.2017 às 21:32

As culturas têm um pressuposto, caro halterofilismos, são humanas! Em evolução ou regressão, são as culturas que revelam a mundividencia que o à questão!!
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 28.03.2017 às 21:35

Meu caro não há discurso legitimador sem cultura, nem cultura, e já agora tradição, sem razão!!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 29.03.2017 às 08:59

De acordo. Não existe discurso legitimador sem cultura, nem cultura sem razão.
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 29.03.2017 às 09:05

Mil desculpas ao caro Halber Mensch! Tenho de arranjar maneira de desligar este corrector ortográfico!
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 29.03.2017 às 09:11

Eu já o fiz. E tenho-me dado bem com isso.
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 29.03.2017 às 09:43

"nem cultura sem razão"

Essa é boa! E então o rito? Poderão dizer que o rito, obedece a uma lógica interna, mas essa lógica pode ser errada e irrazoável, não dotada de razão.
Para o louco a loucura tem sentido.

Há razões que a Razão desconhece, mas isso não as torna verdadeiras. Apenas verosímeis para quem nelas acredita
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 29.03.2017 às 10:35

Caro Halber, o rito tem, naturalmente, a racionalidade inerente ao interesse, ou esclarecimento, de enaltecer determinados factos da vida individual e colectiva! Fixa os elementos essenciais do percurso e vivência de uma determinada comunidade! A história universal ensina que quando determinada cultura é, em si, desprovida de racionalidade, no sentido intrínseco em que se não firma na manutenção de interesses ou num quadro normativo tendente à reprodução ou à exploração produtiva dos recursos, suicidária, tal cultura, como tal povo, têm um destino fatal, caindo, mais das vezes, às mãos de outros povos! Contudo, desde a segunda metade do sec XX que vivemos uma era de concessões onde se reconhece o direito dos povos a serem quem são, implicando tal razão a concessão de domínio sobre um determinado território que se quedará moral, económica e politicamente indigente!! Não é, portanto, o rito em si que é irracional, no sentido de irrazoável ou desprovido de razão, mas sim o sentido subjacente ao rito ou a sua teleologia! Note que os ritos estão presentes, também, nas comunidades mais prósperas e desenvolvidas económica, ética e culturalmente, e que, sobretudo, se revêm como comunidades!
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 29.03.2017 às 12:38

"o rito tem, naturalmente, a racionalidade inerente ao interesse, ou esclarecimento, de enaltecer determinados factos da vida individual e colectiva"

Parte do principio que a sobrevivência do grupo/comunidade se sobrepõe ao do individuo. Que um rito, ou meme cultural, terá tanto mais possibilidades de se manter quanto mais benéfico. E se lhe disser que mais importante que a comunidade é o individuo, como o demonstram os recentes estudos na sociobiologia e biologia evolutiva - ver Gene Egoísta ( a lei natural não obedece a um altruísmo grupal, mas sim à perpetuação do pool genético/individual de cada um. Ou seja, mais importante que a sobrevivência do grupo, para o individuo, é mais fundamental a sua própria sobrevivência, nem que para isso o grupo a que pertence saia prejudicado - veja hoje a crise económica e a falta de solidariedade entre os indivíduos - génese de revoluções)

E se lhe disser que o rito, a maioria das vezes é unicamente um meio de controlo de quem sabe soletrar, fórmula mágica - o jargão como elemento complexificador, de baralhação, para que uns decidam por todos. O jargão, tal como a fórmula, um meio de esconder a verdade. O rito como arma de comando/subordinação. Não conhecendo o rito, não se sabe como mandar, apaziguar os deuses - hoje, os mercados.

"história universal ensina que quando determinada cultura é, em si, desprovida de racionalidade"

Diga-me, a nossa é provida de racionalidade? Os EUA neste momento querem aumentar o arsenal nuclear, quando já tem suficiente para destruir o mundo 10 vezes. Não me parece. A emoção faz da razão o que quer. Presumo, pelo Justiniano, sermos uma sociedade suicidária - alterações climáticas, guerras, egoísmo, e destruição do Estado Social (confirme o que se passou nas sociedades onde o Estado Social falhou - o Poder caiu na rua e com ele os fascismos, populistas; o Estado Social não foi inventado pela pena dos pobrezinhos, mas para aplacar a capacidade de destruição das massas, quando fome e crise económica se juntam - ver Revolução Francesa, onde se falou pela primeira vez na necessidade de um Estado Social)

O que é o resultado do progresso, Justiniano?
Britney Spears, Iphone7, ou Júnio Bruto?

https://www.youtube.com/watch?v=2BlH5VUce3E
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 29.03.2017 às 15:11

A cada resposta ou justificação que lhe ofereço replica o meu caro com outras tantas questões, comentários, de natureza diversa! As questões e, consequentemente, a discussão perpetuar-se-ia (acho que finalmente consegui desactivar aqui a treta do CO)! O que lhe disse resume-se, simplesmente, ao seguinte exercício:
O papel integrador das instituições compreende a ritualização e a ritualidade. (Sim, as instituições são ritualísticas e, sim, há verdade nas formas) (Tribunais, Forças Armadas, empossamento em funções etc...) As Instituições e os seus ritos não são ontológicamente o símbolo da razão, ou melhor, não existem na natureza da coisa racional (se preferir, epistemologicamente, ela não se explica a si própria), ela explica-se, a sua razão de ser legitima-se, todavia, por juízos de oportunidade, necessidade e sentido de justiça! Em suma, compete-lhe a si, como intérprete, compreender o rito!! Se quiser, claro está!
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 29.03.2017 às 15:44

Por fim, posso garantir que o CO do tal Iphone da maçãzinha não é progresso algum, pelo contrário, é uma trampa inoportuna e estorvadora!!
Sem imagem de perfil

De Einstürzende Neubauten a 29.03.2017 às 18:59

Sempre um prazer falar consigo. Abraço
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 31.03.2017 às 21:35

"Guiamo-nos agora pela Razão"
Haha, guiam-se pelo Marxismo...

Temos artistas a pedirem a destruição de pinturas:
http://www.artnews.com/2017/03/21/the-painting-must-go-hannah-black-pens-open-letter-to-the-whitney-about-controversial-biennial-work/
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 01.04.2017 às 07:41

E voltando aos Marxistas da igualdade animal:

"Did you know that milk has long been a symbol used by white supremacists?"

https://twitter.com/peta/status/847832116322639872

Os senhores jornalistas vão já deixar de beber leite...




Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.04.2017 às 10:33

No dia das mentiras, não acredito. Isso só pode ser irónico.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 01.04.2017 às 10:42

O twit é de dia 31. Investigue o que eles pensam do leite tirado de animais.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 01.04.2017 às 11:00

Sei o que muitos deles pensam.
Ordenhar a vaca, tirar os ovos à galinha ou extrair o mel das colmeias são atentados aos "direitos dos animais".

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D