Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Os partidos mal educados.

Luís Menezes Leitão, 10.03.16

Se há algo que caracteriza as instituições é o respeito pelo cerimonial e pelo formalismo. O Parlamento não é propriamente uma tasca e especialmente uma cerimónia de posse do Presidente da República deve ocorrer com a máxima elevação. Mas parece que, seguindo a influência do Podemos espanhol, que acha que o Parlamento é um lugar para se fazer figuras tristes, o Bloco de Esquerda, o PCP e o seu apêndice PEV decidiram ficar sentados e não aplaudir a tomada de posse do Presidente da República.

 

Trata-se de algo que só é de facto concebível em países como o nosso, em que o respeito pelas instituições anda pelas ruas da amargura. Na América, pode o Congresso ter uma maioria fortemente contrária ao Presidente. Mas quando se ouve o Sergeant at arms anunciar a sua chegada ("Mr. Speaker, the President of the United States") todos os congressistas se levantam em uníssono e aplaudem vigorosamente a chegada do Presidente. Todos sabem distinguir o respeito pelo cargo das discordâncias que tenham em relação à pessoa que o ocupa.

 

Em Portugal, os partidos da extrema-esquerda manifestamente não sabem fazer essa distinção elementar. Por isso não se dão ao respeito, preferindo como criancinhas fazer a sua birrinha no Parlamento. Só que isso é um péssimo indício de uma absoluta falta de sentido de Estado. E assim os portugueses bem podem perguntar como é que estes partidos podem ser sustentáculos de um Governo. Que garantias temos de que à primeira birra o Governo não cairá?

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Tiro ao Alvo 10.03.2016

    Sabendo que o Lavoura é do contra, permito-me chamar-lhe a atenção para o seguinte "pormaior": ninguém defende que se aplauda aquilo com que não se concorda. Seria uma tolice. O que o autor do post defende e eu concordo, é que se aplauda o Presidente da República (PR) quando é empossado, ou quando preside a uma cerimónia pública, p.e.. É que ele representa a nação, tal como acontece com a nossa bandeira ou com o nosso hino, no caso, com a vantagem de ter sido eleito pela maioria dos portugueses. Respeitando o PR, também se respeita o povo que o elegeu. Desrespeitando o PR também se desrespeita o povo português.
  • Sem imagem de perfil

    Luís Lavoura 10.03.2016

    Discordo. O Presidente da República não representa a nação (seja lá o que isso fôr - o conceito de "nação" está um bocado fora de moda). Isso era no tempo da Outra Senhora. Eu de facto aprendi na escola primária que o Presidente da República era um "símbolo nacional". Mas isso, como eu digo, foi no tempo do anterior regime. Hoje em dia os símbolos nacionais são o hino e a bandeira; o presidente já não é.
  • Sem imagem de perfil

    Tiro ao Alvo 11.03.2016

    O Lavoura quer que seja ele (ou alguém do grupo que como ele pensam), a representar o verdadeiro "símbolo" de Portugal, mas não é. Nem será.
    O Lavoura é bom exemplo de um português ressabiado, que ficaria contente se a "boa-fada" cortasse as pernas a todos os outros que não pensam como ele.
    Mas isso nunca vai acontecer, o Lavoura faz parte de uma minoria que não merece grande atenção e assim se irá manter. Como é justo e os portugueses merecem. Deixemos-lo a falar sozinho.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.