Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os Mistérios do "Tal Canal"

por Francisca Prieto, em 19.06.15

Um dia destes andei a ver antigos episódios do “Verão Azul” e confesso que fiquei admirada com a quantidade de pares de estalos que são sendo arriados naqueles putos ao correr das histórias. Só o Piranha levou para cima de meia dúzia num dia em que se resolveu armar em esperto e fazer greve de silêncio em casa.

Já não me lembrava de ter feito parte de uma fornada de malta cujos pais, para nosso próprio bem, não tinham qualquer pudor em nos pespegar umas boas e velhas galhetas. E eu levei umas quantas, confesso, sobretudo pela minha velha mania de não me saber calar nos momentos cruciais. Se em alguns casos considero que até foram bem arriadas e que me prepararam para a dureza da vida, noutros casos, demorei uma data de anos a engolir a injustiça da punição corporal.

O caso mais gritante foi o “Caso Tal Canal”.  Ora o popular programa do Herman foi para o ar em 1983 quando eu tinha uns ingénuos 12 anos. Não havia qualquer hipótese de conseguir fazer segundas leituras dos sketches, mas, mesmo ficando-me pelos sentidos mais literais, ria-me que nem uma perdida, em uníssono com o resto da família. Achava um piadão ao Menino Nelito a infernizar a vida da sôdona Palmira, ao Estebes a falar à Puorto, ao Victor de Sousa a fazer de entrevistador, a Helena Isabel de locutora e por aí fora.

 

Andava tão entusiasmada com a revoada de humor que cantava incontrolavelmente a letra do genérico por todo o lado, inclusivamente à mesa do jantar em família, sublinhando efusivamente o verso final de cada estrofe, que acabava invariavelmente em “...e o que mais adoro em ti é o tal canal”. Com cara de poucos amigos, um dia o meu pai lançou-me o primeiro cartão amarelo – “Fazes favor de não cantar isso”.

Ingenuamente achei que o alerta tivesse por base o facto de estar a cantar à mesa. Nunca me passou pela cabeça que a letra desta ritmada canção pudesse conter significados obscuros. De maneira que não me inibi de, à primeira oportunidade, voltar a gritar pela casa fora “...e o que mais adoro em ti é o tal canal”, “...e o que mais adoro em ti é o tal canal”, “...e o que mais adoro em ti é o tal canal”. Até que PUMBA, lá saltou a lamparina da ordem, que aquilo não era casa em que se falasse dessas coisas (embora eu não fizesse a mínima ideia de que coisas estavam a falar).

Só muito recentemente, ao rever o genérico do programa, já com idade para cantarolar o que bem me apetecesse, finalmente se fez luz no espírito relativamente ao mistério ginecológico que estava por detrás do “Tal Canal”.

 

Felizmente, os pais já se deixaram desta mania de andar a chegar a roupa ao pêlo à criançada por motivos musicais, caso contrário assistiríamos a espancamentos em praça pública, à porta da “Ilha Aventura”, quando crianças de 5 anos bamboleiam as ancas ao som “del moviemento sexy”.

E não, não vou falar do magote de miúdas de 10 anos das aulas de hip hop da escola católica dos meus filhos que se apresentaram num teatro matinal, envoltas em plumas, a lançar para a frente os braços numa coreografia convidativa que implorava “give me, give me, give me a man after midnight”. Sim, já nem falo disto. Não vá eu provocar, numa de revival, o regresso a alguns costumes bíblicos que implicavam apedrejamento.


17 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria Barbosa a 19.06.2015 às 13:20

Excelente!
Imagem de perfil

De Rui Rocha a 19.06.2015 às 13:49

Quer dizer então que "o tal canal" se referia a "isso"? Bonito...
Imagem de perfil

De José Navarro de Andrade a 19.06.2015 às 17:33

Mas que raio de vidas são estas que tinham 12 anos em 1983?
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 20.06.2015 às 08:39

Aposto que sempre manteve uma grande admiração pelo seu pai. E tem razão, não se entende tanta condescendência com o "politicamente" correcto, por parte de gente que deveria manter outra postura. Ainda me lembro de ver o Guterres, num comício, a balbuciar a letra de uma música do Abrunhosa que passava por cantarolar, em coro com o público, qualquer coisa que acabava em "talvez fod...".
E parabéns pelo seu escrito.
Imagem de perfil

De Francisca Prieto a 20.06.2015 às 16:32


(bem, na altura do chapadão foi-me mais difícil nutrir admiração pelo meu pai. Mas sim, noutra idade já lhe soube dar o devido valor)
Sem imagem de perfil

De Cristina Torrão a 20.06.2015 às 18:34

As crianças admiram e idolatram sempre os pais e as mães, mesmo que as tratem mal, mesmo que lhes batam, mesmo que as molestem sexualmente. Esse é que é o drama.
Imagem de perfil

De Francisca Prieto a 21.06.2015 às 00:42

Ó Cristina, tem toda a razão naquilo que diz, mas sempre acreditei no poder calmante (não de uma chapadão) mas de uma palmada no rabo.
Sem imagem de perfil

De Cristina Torrão a 21.06.2015 às 11:20

Enfim, opiniões...
De qualquer maneira, acho importante que os pais reflitam antes se estão a cometer alguma injustiça, ou seja, como no seu caso, se os filhos não estarão a apanhar sem o merecerem.
Sem imagem de perfil

De Maria a 21.06.2015 às 12:10

osga-se... Isso do Pedro Abrunhosa... " talvez fod... nem pensar cantar isso alto la em casa !!
Sem imagem de perfil

De Tiro ao Alvo a 21.06.2015 às 17:38

No caso que referi, ele não estava a trautear a canção em casa, estava num comício político.
Imagem de perfil

De Teresa Ribeiro a 20.06.2015 às 18:45

Sem imagem de perfil

De Rui Francisco a 21.06.2015 às 10:49

Temos uma ligeira diferença de idade (eu tenho + 5 anos) e fico muito triste :), por chegar a esta idade e terem de me explicar a mensagem subliminar do "tal canal", nunca me passou pela ideia. A caminho dos 50 e ainda sou muito ingénuo.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D