Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os inimigos do futuro

por Paulo Sousa, em 20.09.19

502x.jpg

 

Um dos livros de Daniel Innerarity, filosofo e ensaísta espanhol, elabora sobre a nossa relação com o futuro. O seu título é 'O futuro e os seus inimigos' e a edição é da Editorial Teorema.

Este é um livro marcante pela abordagem que faz a algo a que todos aspiramos, o futuro, mas que não tratamos devidamente. Falta futuro no discurso e na acção política e falta futuro na escolhas dos eleitores.

Na sociedade do consumo imediato em que vivemos, a incerteza do amanhã é esmagada pelo imediatismo de curta perspectiva, que se verifica nas decisões individuais e colectivas.

Os ciclos eleitorais são demasiados curtos para dar a devida importância ao futuro, e são demasiado longos para corrigir os erros de avaliação eleitoral. É também deste equilíbrio que o futuro da democracia dependerá, especialmente quando é confrontada com os resultados obtidos por regimes totalitários que esmagam a oposição, erradicam o debate e a negociação.

Quando a próxima sondagem se torna mais importante que a próxima geração é natural empurrar responsabilidades para o futuro mais ou menos distante. Cada vez que os responsáveis políticos endividam as suas comunidades ou os seus países a prazo alargado, para concretizar obras não produtivas comportam-se como uns okupas do futuro. Entre a liberdade de acção das gerações futuras e o fascínio imediatista da inauguração com uma placa com o seu nome gravado, os políticos preferem, sem pudor, a segunda.

O colonialismo territorial de outros tempos foi assim substituído por um colonialismo do futuro que absorve e parasita o seu tempo. O benefício que, no passado, se pretendeu usufruiu sobre os ‘de fora’, é exercido hoje sobre os ‘de depois’.

Os ataques do presente, seja sob a forma de endividamento ou de poluição, desrespeitam os ‘agoras’ dos outros e fazem do futuro uma lixeira do presente.

Jefferson, no séc XIX, questionou-se se não se deveriam aprovar todas as leis ao ritmo de cada geração. Se cada uma era como se fosse uma nação diferente deveria ter a legitimidade de tomar decisões, sem no entanto poder obrigar as seguintes.

A crescente dimensão do grupo de eleitores de terceira idade dentro do universo eleitoral alimenta também este processo. Antecipar uma reforma é sobrecarregar um sistema que não sabemos se será sustentável no futuro, mas, perante os abusos descabidos todos encolhemos os ombros. Quem não faria o mesmo? Exigir aumentos das reformas é normal, pois tem de se acompanhar o aumento do custo de vida. O futuro fica para depois.

Se nada for feito para interromper esta lógica, desprovida de ética, o futuro terá cada vez menos peso político.

A ideia da responsabilidade está essencialmente virada para o passado. Temos de prestar contas pelo que fizemos ou deixamos de fazer, mas quanto às responsabilidades futuras, essas são sempre envolvidas na incerteza do amanhã desconhecido.

Mas um dia o futuro será presente, e os dos futuro, aprisionados pela vaidade dos do passado, saberão identificar os seus tiranos e dar-lhe o devido lugar na memória que será a deles e que é a memória futura.

Um destes dias, num futuro próximo, gostaria de falar sobre o futuro que o regime de Abril tem para oferecer aos portugueses que nasceram depois dele.


2 comentários

Imagem de perfil

De Vorph Valknut a 20.09.2019 às 11:24

Excelente, Paulo. Abraço

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D