Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os comboios de Lula

por Diogo Noivo, em 29.01.18

lula-no-trem.jpg

 

Quando confrontada com a natureza autoritária do fascismo italiano, ou com o carácter violento de Mussolini, uma parte da intelligentsia europeia a viver em Estados democráticos respondia “pelo menos os comboios andam a horas”. A inexistência de liberdades políticas, os fuzilamentos, o bombardeamento da Abissínia, os abusos e as arbitrariedades eram amnistiados pela eficiência das políticas públicas. Em boa verdade, a eficiência era normalmente o segundo argumento de defesa, sendo que o primeiro passava por evidenciar o amplo apoio popular do qual Il Duce gozava em Itália. Mais do que aplicar o entendimento simplista dos escritos de Maquiavel segundo o qual os fins justificam os meios, estas elites europeias recorriam aos méritos da governação e ao respaldo popular para ilibar Benito Mussolini e o regime por ele instituído.

Salvaguardadas as devidas distâncias, desde logo no que respeita à natureza dos regimes, algo de muito semelhante ocorre actualmente com o caso de Lula da Silva. De acordo com algumas elites europeias, Lula até pode ser corrupto, mas tirou mais de 20 milhões de pessoas da pobreza e lidera nas intenções de voto. Hoje como no passado a eficiência e o apoio popular oferecem um salvo-conduto. E, hoje como no passado, quem o oferece não se encontra sujeito ao sistema que indulta. Os princípios subordinam-se ao utilitarismo míope – louvam Lula por ter retirado 20 milhões da pobreza porque não entendem que a corrupção endémica no Brasil, na qual Lula participou, amarra muitos mais à miséria. Basta que alguém mude a cor do comboio, que lhe acrescente três ou quatro carruagens e que construa estações novas e modernas para que nos esqueçamos daquilo que importa: se o que é essencial é condenável, o comboio é irrelevante.


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.01.2018 às 10:48

"mas tirou mais de 20 milhões de pessoas da pobreza" Estes 20 milhões são gente ou não? Comparar com o facto de os comboios andarem a horas não será forte? A substituirmos Lula por Temer ... nem gente sai da miséria nem comboios andam a horas.
Sem imagem de perfil

De Lucklucky a 29.01.2018 às 20:03

Lula tirou alguém da pobreza? desde quando.

Se alguém saiu da pobreza foi por causa da riqueza criada pelo mercado mundial e chegar esse dinheiro ao Brasil.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 29.01.2018 às 21:13

Isso, ou uma redistribuição mais "justa" da riqueza criada, pelo país/recursos, pela sua comunidade
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.01.2018 às 23:32

Boa piada seu sortalhudo.
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 29.01.2018 às 11:28

Hmmmmm....não será por isto?

Congressistas dos EUA acusam: Moro condenou Lula sem provas
Em carta enviada ao embaixador brasileiro em Washington, eles afirmam: “Não há qualquer evidência de que Lula ou sua mulher fossem donos ou teriam usado de qualquer maneira o apartamento triplex”

No início da carta, os congressistas já deixam claro o que os motiva a escrever: “Estamos muito preocupados com o conjunto de evidências de sérias violações ao direito de Lula ter um julgamento justo e feito por autoridades imparciais, que parecem ser uma ação deliberada, de motivação política, de perseguição judicial”, apontam os norte-americanos, lembrando também que Sérgio Moro deixou que a Polícia Federal grampeasse de maneira ilegal o telefone do ex-presidente e, depois, ainda vazou o conteúdo deste grampo à imprensa, expondo conversas pessoais de Lula com sua família e com a então presidenta em exercício, Dilma Rousseff.
Sem imagem de perfil

De Jorg a 29.01.2018 às 21:33

"Alguém acredita que um socialista possa ter delapidado em diversos milhões o povo que tanto adora?
No caso odierno, alguém acredita que um socialista não esteja embuído de generosa boa-vontade ao solicítar obras em fase de imóvel ainda semi-tosco, e prolongar tal aturado planeamento em detalhes decoração de "apartements" em domicílios que não os deles, porventura de uns amigos abastados?
Alguém acredita que um socialista do povão, deslumbrado com as paradas das altas burguesias paulista, carioca ou simplesmente veraneante, possa ter delapidado e assistido á delapidação em diversos milhões o povo que tanto adora?
Alguém acredita que um ex-sindicalista possa ser um rematado ladrão?
Alguém acredita que o homem que cruzou o oceano para apresentar uma obra de José Sócrates possa estar no centro de um dos maiores esquemas de corrupção que o mundo conheceu?
Eu não acredito. Para mim, é golpe!!"
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 29.01.2018 às 11:34

a corrupção endémica no Brasil amarra muitos mais à miséria

Este argumento é muito duvidoso. É sabido que, no passado, muitos países (por exemplo Portugal, há 40 anos, ou os EUA, no século 19) se desenvolveram enormemente apesar de serem extremamente corruptos.

Hoje em dia está na moda dizer muito mal da corrupção, porque ela é nefasta para os investidores estrangeiros. Mas tais argumentos dificilmente se aplicam à história observada.

A corrupção é má para o investimento estrangeiro. Mas, se um país tiver suficiente capital para investir, ela pode não ser muito má.
Imagem de perfil

De Pedro Correia a 29.01.2018 às 11:44

Muito bem, Diogo. Assino por baixo.
E recordo, a propósito, estas palavras de Março de 2016:
http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/o-heroi-que-deixou-de-o-ser-8290278
Sem imagem de perfil

De Vlad, o Emborcador a 29.01.2018 às 12:01

https://www.google.pt/amp/s/amp.theguardian.com/world/2017/jan/13/standing-in-solidarity-with-brazils-lula

Sem imagem de perfil

De Anónima a 29.01.2018 às 12:39

Já agora traduza-me isto "Laus mundana, vita vana vera tollit premia
Nam impellit et submergit animas in tartara. " que eu não percebo nada de sânscrito. Só há uma palavra que topo"Laus" que acho que é um país ali para os lados da Tailândia onde já estive a aprender massagens.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.01.2018 às 12:04

Falar em princípios/valores, hoje em dia, é clamar no deserto.
Todos viram irrelevantes, perante o deus hodierno - consumo/crescimento/capital.
Numa vertigem, que se pretende eterna e em movimento geometricamente acelerado.
E cada vez mais concentracionária.
Uma esperança:
- Que, de tão acelerada, brevemente se desintegre por excesso de velocidade.
João de Brito
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.01.2018 às 18:50

Esta mesma parte da intelligentsia ainda hoje, sem ter vividos e participado conosco das lutas democráticas , enfrentado as dificuldades de um povo que herdou costumes reprováveis , entre eles a corrupção e a submissão, este povo quando consegue, de alguma forma, se articular e eleger alguém que represente e faz com que sua auto estima o coloque no lugar que lhe é devido como uma das maiores nações do planeta, Lula é respeitado e amado por nossa gente mais sofrida e humilde. Estamos vivendo acuados por forças nitidamente externas que utilizam os meios de comunicação para venderem uma ideia errada da situação real que vivemos.
Não se pode comentar sobre a situação brasileira e seus líderes quem ainda não leu : Os donos do poder de Raimundo Faoro, que mostra como nossa elite vendida e desleal faz com o nosso povo a 500 anos. Tirar 20 milhões da pobreza não é real motivo do medo que Lula impõe na elite retrograda, como sempre foi, mas criar mais universidades e escolas técnicas em 8 anos que em 200 anos. Não vamos nos render aos artigos dos que aqui chamamos de Filósofos de buteco.
Sem imagem de perfil

De JPT a 30.01.2018 às 14:46

Sem pôr a causa a justiça das condenações de corrupção (e com pena que os nossos Tribunais não partilhem do mesmo elementar bom senso na interpretação do que é o ónus da prova num caso de corrupção), percebo a frustração dos apoiantes de Lula. Assistir a acusações bem mais graves contra Temer e o PMDB serem abortadas por decisão parlamentar, e a corruptos condenados serem (quase) indultados pelo mesmo Temer, isto depois de Dilma ter sido derrubada por um delito francamente "menor", não contribui para analisar com serenidade a condenação de Lula. O povo diz, e tem razão: "ou há moral, ou comem todos".
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2018 às 16:22

Ser condenado pela "justiça" brasileira é um forte indicio de que o acusado está inocente.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D