Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os cachecóis dos Ministros das Finanças.

por Luís Menezes Leitão, em 12.07.16

Os Ministros das Finanças dos países com défice excessivo têm uma enorme vocação para a passagem de modelos de cachecóis, especialmente em reuniões internacionais destinadas a avaliar a situação dos seus países. Primeiro surgiu este:

 E agora temos este:

Eu já não compreendo é como é que depois de fazerem figuras tão bonitas, e que provocam tantos sorrisos e boa disposição nos seus pares, o resultado que obtêm é sempre este.

Autoria e outros dados (tags, etc)


18 comentários

Sem imagem de perfil

De Vento a 12.07.2016 às 13:48

Parece-me que confunde abertura de processo com concretização de sanções. Escrevi aqui que o que está em causa são as pressões de Bruxelas para tentar conseguir agora o que não conseguiu com a aprovação do Orçamento de Estado Português; e também dizer a Espanha para não fazer o mesmo. Foi o Presidente do Eurogrupo que veio ontem corroborar esta minha afirmação.

Claro está que um cachecol pode fazer a diferença, pois a constipação disfarçada pode dar em gripe, e Portugal já sofreu muitas vindas de Bruxelas.
Vem isto a propósito de quase me terem chamado louco quando por aqui afirmei, há três anos, que convinha observar bem a banca alemã. Pois então, como os deuses são loucos em suas afirmações temos agora a confirmação do que pode ser uma loucura:
http://sol.sapo.pt/artigo/516289
http://economico.sapo.pt/noticias/deutsche-bank-pede-resgate-de-150-mil-milhoes-para-a-banca-europeia_254312.html

Parece-me que muita gente neste país está apostada em que Bruxelas sancione as contas de 2015. Como todos sabemos foram de um rigor enorme, até mesmo no que diz respeito à resolução do Banif.

Sanções? A quem? Aos bons alunos e aos bons professores?
Sem imagem de perfil

De am a 12.07.2016 às 16:38

Quem semeia Vento, colhe tempestade!

Profeta da desgraça!
Sem imagem de perfil

De Vento a 12.07.2016 às 20:33

Faço votos para que você se encontre na rota desta tempestade que me atribui enquanto profeta.
Já Corazim, Betsaida e Cafarnaum não souberam colher as benesses que lhes foram divinamente atribuídas. Portanto, é legitimo que os habitantes de Tiro, Sidónia e Sodoma, onde me incluo, sejam aqueles que mais beneficiem no julgamento.

Em resumo,...
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 12.07.2016 às 15:01

Aquilo que me chama a atenção na fotografia de cima é mais o casaco de cabedal da presidente do FMI, não tanto o cachecol do ministro das Finanças.
Mas é claro, quando se quer criticar o ministro das Finanças e não a presidente do FMI, escolhe-se olhar para o cachecol em vez de para o casaco de cabedal. Se se preferisse criticar a presidente do FMI, escolher-se-ia comentar o casaco de cabedal dela em vez de comentar o cachecol do ministro das Finanças.
Sem imagem de perfil

De V. a 12.07.2016 às 19:07

Está a insinuar que a gaja veio da night directamente para a "runião"?
Sem imagem de perfil

De jo a 12.07.2016 às 15:44

O que não é dito é que o pessoal do cachecol anda a negociar sanções decididas devido à política de gente muito séria, obsequiosa e cumpridora.
Gente essa que no caso português foi louvada até à exaustão durante a campanha eleitoral.
Sem imagem de perfil

De ali kath a 12.07.2016 às 16:04

o cómico vai empenhar o 'cá xecol'
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.07.2016 às 17:22

Eu também não entendo, como é que a UE quer penalizar o anterior governo por muito que eles se rendessem a todos eles. Quando se lida com medíocres, pouco há a fazer a não ser, dizer não.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.07.2016 às 18:04

Quando usa uns meros cachecóis, para achincalhar, aqueles que querem mostrar ao mundo que querem fazer algo pelo seu povo e descura a senhora Lagarde que só usa roupa e acessórios de grife e não paga um cêntimo de impostos, é demais. Olhe e desmascare esses abusos e elogie, aqueles que tudo fazem para o bem estar dos seus povos, não importando a cor política, mas importando aquilo que querem fazer.
Sem imagem de perfil

De M. S. a 12.07.2016 às 18:08

Senhor L. M. Leitão:
O seu comentário é do tipo «não dá a bota com a perdigota», pelo menos no que diz respeito a Portugal.
É que a sanção refere-se ao deficit de um governo cujos ministros das Finanças não usavam cachecol e os quais, até à altura das eleições de Outubro de 2015, garantiam a pés juntos que o deficit iria ficar em 2,7%.
Ainda gostava de saber como é que este governo o fez subir em 0,5% apenas em 35 dias (de 26/11 a 31/12), quando estava a executar um orçamento aprovado anteriormente.
Mas se calhar estou a querer saber coisas demais e inconvenientes.
Sem imagem de perfil

De BELIAL, inconveniente a 12.07.2016 às 18:40

A velhota estilo motoqueira dos cabedais, parece ir vestida para engatar o motorizado de caxené.

Tem assim um estilo dominatrix porno-chic...
Muito prafrentex e assanhada.
Poça!
Sem imagem de perfil

De Miguel Ribeiro a 12.07.2016 às 19:04

Boa tarde Luís, só para perceber o seu argumento qual foi mesmo o cachecol que levou o ministro espanhol?
Obrigado.
Imagem de perfil

De Luís Menezes Leitão a 12.07.2016 às 19:23

A resposta é simples: nenhum. Em vez disso já anunciou a subida dos impostos sobre as sociedades, ao contrário do que tinha sido prometido em campanha:
http://economia.elpais.com/economia/2016/07/12/actualidad/1468327216_675745.html Esse ao menos não anda a brincar aos cachecóis e a garantir que não existirá plano B.
Sem imagem de perfil

De Miguel Ribeiro a 12.07.2016 às 19:28

Assim já percebi. A questão não é o cachecol e resolve-se com o Sr. Costa a aumentar os impostos.
Certamente que o Luís não tem nenhuma empresa, nem faz a mínima ideia da filantropia que isso envolve em Portugal.
Imagem de perfil

De Luís Menezes Leitão a 12.07.2016 às 19:35

A questão é a falta de realismo deste governo. O cachecol é só um sintoma.
Sem imagem de perfil

De Miguel Ribeiro a 12.07.2016 às 19:40

Ia jurar que estavam em questão os exercícios de 2014 e 2015. Mas já reparei que é a falta de realismo deste governo que é questionada, ou o Luís pensa é.
Sem imagem de perfil

De João a 12.07.2016 às 20:59

Falta de realismo deste governo? Qual é o seu realismo? Tirar, vender tudo e pôr o Zé Povinho, a pagar, as asneiras de teóricos que o que sabem é impor, sem verem as consequências dessas imposições. Este governo não tem realismo, quer dizer que o seu antecessor que cumpriu tudo, indo mesmo, mais além e os seus amigos da UE impõem sanções a Portugal porque eles não cumpriram. Afinal como é? Anda tudo louco ou já ninguém sabe o que faz e o que sai é asneira.
Sem imagem de perfil

De WW a 13.07.2016 às 02:38

Sim porque realismo é continuar a salvar bancos falidos (negociatas privadas) á custa de salários e pensões.
Obviamente Portugal necessita de inumeras reformas que conduzam a maior transparência e sobretudo á diminuição dos custos da máquina do Estado (incluindo cortar nos empresários do subsidio) mas como o Paf não fez nem quis fazer de certeza não poderemos assacar qualquer responsabilidade a este governo.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D