Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

Os apoios eleitorais fortuitos

jpt, 25.09.21

jpp.jpg

Todos, e mesmo se militantes de um partido, somos livres de apoiar as candidaturas políticas que entendemos. E se essa liberdade deve ser defendida em geral, mais ainda é pertinente - no caso dos militantes - aquando das eleições autárquicas, onde mais abrangentes e até sistémicas concepções da sociedade não estão (tanto) em jogo. Ainda assim espera-se (não se obriga, espera-se...) alguma contenção nessas deambulações naqueles que optaram por ter uma carreira política activa e que usufruem desse estatuto. 

É disso muito elucidativa esta imagem do encontro de anteontem entre José Pacheco Pereira e Fernando Medina, numa acção de campanha deste último. Alguém dirá que foi "fortuito" mas é óbvio que não se trata de um acaso que tenha surpreendido o comentador político. O homem está no seu direito de ter estas demonstrações públicas. E o seu apreço por esta "esquerda" é consabido - alguns esquecem o encontro na Aula Magna em 2013, uma espécie de réplica dos "Estados Gerais" de Guterres, no qual se congregaram o centro-esquerda, a esquerda e as esquerdas comunistas. Durante o qual Pacheco Pereira surgiu saudando "amigos, companheiros e camaradas", aventando o que veio a ser conhecido como "geringonça", da qual assim se poderá reclamar se não ideólogo pelo menos profeta. Algo que se lhe impunha - como ficou patente ao invocar, em registo de analogia, o Manuel Alegre da Rádio "Voz da Liberdade" na Argélia - como uma luta contra um verdadeiro fascismo que assombra(ria) o país, mesmo se dito mera "direita radical". 

E é relevante que Pacheco Pereira continue opinando contra a "direita radical" que quer usurpar o seu PSD. E nisso defendendo - "por dentro", enquanto militante - a sua presidência partidária actual. A qual acolheu e lançou a actual candidatura municipal de Carlos Moedas. Ainda assim Pacheco Pereira entende necessário o "fortuito" apoio público à candidatura rival. Por puro silogismo depreendo que para o consagrado comentador Moedas pertencerá à tal "direita radical", contra a qual urge levantar a "Voz da Liberdade". É uma posição legítima, ainda que possa parecer algo contraditória, pois a cada cabeça sua sentença.

Mas este "fortuito" apoio público lembra-me outras intervenções de Pacheco Pereira. Por vezes tem aludido a que os locutores da tal "direita" se acoitam em órgãos de comunicação social - presumo que se trate, fundamentalmente, do "Observador" -, os quais invectiva por serem alheios à procura de viabilidade financeira e por pertencerem a grupos económicos. Alusões que são uma evidente desvalorização moral (e intelectual) desses opinadores, produtores de opinião pública. Que assim quer fazer parecer quais mercenários, ao serviço de interesses (económicos) esconsos. E ainda que eu pense essa análise algo redutora, mecanicista por assim dizer, ela é legítima pois é a opinião do analista.

E é nessa linha de raciocínio que olho para esta atitude "fortuita" - e também da continuada - do "social-democrata" Pacheco Pereira. Nisso, e de certa forma, eu sou-lhe um "co-idealista", acredito (matizadamente) nas potencialidades de uma tutela estatal indutora da redistribuição o mais equitativa possível, e assim reprodutiva, dos recursos societais. Aquilo a que a gente da minha geração e da minha profissão chamou - porventura com alguma candura - "desenvolvimentismo". Acontece que 75 anos depois da explosão da crença desenvolvimentista sabemos bem, por evidência mundo afora, que o nepotismo desbragado, o clientelismo sedimentado, isso do (neo)patrimonialismo, são inibidores do desenvolvimento. E da (social-)democracia. E face a isto não há qualquer erudição bibliófila nem "escavação" arquivística local que possa servir de contraditório. Ou seja, o apoio a esta situação actual do país nada é "social-democrata", é apenas situacionista. E anti-desenvolvimentista.

Porque segue Pacheco Pereira nesta via? Eu posso elaborar sobre o percurso do meu antigo (e excepcional) professor, de quem muitos livros e artigos li. Posso especular sobre um enquistamento intelectual proveniente no mergulho arquivístico na épica anti-fascista e pós-Abril. Que o fará pensar a actualidade através de pobres analogias com esse passado. Mas, de facto, o que devo seguir é o seu método de análise dos actos locutores. E perceber que estes seus apoios a forças inibidoras do desenvolvimentismo social-democrata e, até mesmo, anti-democráticas, são devidos ao financimento estatal que recebe e ao apoio estatal ao seu trabalho em órgãos de comunicação social sem intuitos lucrativos, pertencentes a grupos económicos.

Ou seja, nada há de "fortuito" no apoio de Pacheco Pereira ao PS e a Medina. É apenas reflexo das declarações (e pressões) do  primeiro-ministro António Costa: "A democracia não pode prescindir da Quadratura do Círculo" (Janeiro de 2019). E nesse trabalho (remunerado) recuperado o comentador se prestar à pantomina de ombrear com uma secretária-geral adjunta em exercício do PS enquanto ela se finge "comentadora" - esta pérfida idiossincracia portuguesa, isto de mascarar políticos no activo de "comentadores" televisivos. Nem há algo de "fortuito" nesse apoio quando o presidente apoiado financia o projecto pessoal do comentador político: Acordo entre Câmara Municipal de Lisboa e Associação Ephemera. (2021, Abril). E do que dele li ao longo dos anos só posso concluir isto: a sua arrogância intelectual é tanta que nem perceberá até onde chegou. Até onde desceu.

Enfim, o que nos cumpre, cidadãos democratas, em particular os lisboetas, é votar amanhã consoante o nosso viés democrático. Mas contra esta hidra municipal, inculta, patrimonialista. Que anda para aí à chinchada... Sabendo que nada é "fortuito". Muito menos as arengas dos "comentadores" remunerados.

20 comentários

Comentar post