Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Onde é que eu já vi isto?

por Luís Menezes Leitão, em 19.08.15

Eleições: PS estima criar 207 mil empregos e défice de 1,4% em quatro anos.

 

Ah, foi aqui:


14 comentários

Sem imagem de perfil

De José Francisco a 19.08.2015 às 21:34

A promessa da bancarrota avança a todo o vapor, desta vez parece até que vai ser tudo mais rápido.


Imagem de perfil

De Luis Moreira a 19.08.2015 às 22:13

Há 3 meses eram 24 000 empregos a criar...
Sem imagem de perfil

De Maria a 19.08.2015 às 22:41

Acreditar na criação de empregos é um bocado difícil, mas acreditar na coligação, isso é que nunca!
Sem imagem de perfil

De beirão a 20.08.2015 às 19:45

"(...) mas acreditar na coligação, é que não"

Cara Maria,
Então que é isso, que diabo de bichinho ideológico lhe mordeu para, à partida, não acreditar nem um bocadinho na coligação? Veja bem, e pense um pouco: se o providencial do JSócrates - há uma data de meses a ferros, quero acreditar que por não se entreter a dar milho aos pombos - e aquela sua dotadíssima quadrilha de (des)governo levou o país à bancarrota, sendo preciso que viesse a troika com os seus cheques e as suas exigências, e tendo sido a coligação, é certo que com austeridade e muita dureza, que, como os resultados e os números das instituições independentes (nacionais e estrangeiras) atestam, que nos safou da 'embrulhada' criada pelo PS, que estranho receio vai na cabeça da Maria para descrer assim da coligação?
Sem imagem de perfil

De Maria a 21.08.2015 às 00:51

Que se saiba o país não esteve na bancarrota, se ia lá chegar ou não, é outra conversa. A Troika chegou porque o PSD e CDS não apoiaram o PEC 4. Não foi só o PS que levou o país ao estado em que está porque o PSD e o CDS também lá estiveram desde 1974, logo estão todos no mesmo barco. O governo de coligação vendeu tudo, austeridade forte e feia e a dívida aumentou substancialmente. A Troika trouxe os cheques para os parvos alegres pagarem juros com fartura, não pagaram nada da dívida e a Alemanha sempre a lucrar. Isto é que foi uma coligação a pôr o país no bom caminho com una dívida sempre a subir! Quanto a acreditar na coligação nunca. Não posso acreditar em alguém que de irrevogável passa a revogável e de imediato a vice primeiro ministro e que em campanha é todo popular e subido ao trono esquece que um dia andou na feira a apregoar aquilo que diz fazer, mas não faz. O Passos de PSD pouco ou nada tem, mas também não sei o que tem, ou melhor, não tem nada, a não ser ânsia de poder.
Sem imagem de perfil

De beirão a 21.08.2015 às 19:05

Não, cara Maria, muito sinceramente lhe digo que a sua argumentação além de não verdadeira, deixa muito a desejar. Vejamos: diz que não estávamos em bancarrota com JSócrates, e que os culpados dela (bancarrota) são o psd e o cds que se recusaram a aprovar o pec4. Nada menos verdadeiro. Veja que o próprio ministro das finanças, de então, disse aos portugueses que o país não aguentaria juros de (ou acima dos) 7%; claro, toda a gente compreende isto.
Quando Sócrates e a sua quadrilha deram de frosques, os juros, de quem nos emprestava dinheiro, já ia nos mais de 10%. Uma loucura, um autêntico crime! Como queria a Maria que alguém, no seu perfeito juízo, desse o seu aval a uma tal bestialidade? "Jamaí!" - como diria a ministro da Economia da altura, referindo-se à construção do novo aeroporto (uma outra monstruosidade política, tal como o tgv - felizmente travados a tempo - dos loucos dessa quadrilha que deu cabo do país. Relembro-lhe que os juros nunca estiveram tão baixos como agora, graças justamente a credibilidade que o país tem nos mercados externos.
Quanto ao "irrevogável" de Paulo Portas e "quanto a ele ser todo popular e subindo ao trono esquece que um dia andou nas feiras a apreguar aquilo que diz fazer, mas não faz" - quanto a isto, acha mesmo, Maria, que Paulo Portas é diferente de todos os outros políticos!, sejam de direita ou de esquerda? Acha que os políticos do ps são, por alguma dádiva divina, os 'bons' políticos e os da coligação são os 'maus'? Acredita mesmo nisso, Maria!? E, finalmente, acha mesmo que esse desejo inultrapassável de "ânsia do poder" apenas se encontra instalado nas cabeçorras dos gajos da 'direita', umas criaturas intrinsicamente perversas e malévolas?
Valha-a Deus, Maria!

Valha-a Deus!



Sem imagem de perfil

De Maria a 22.08.2015 às 00:55

Não para si, sim para mim. Até hoje, não temos feito mais nada a não ser pagar juros e a dívida sempre a subir. Esta é a realidade quer queira ou não. É inegável. Esqueceu-se que Victor Gaspar disse: sei que errei nas políticas que implementei, por isso demito-me. Foi sincero, mas logo de seguida segue-se a sua pupila, Maria Luís que foi exactamente na mesma direcção, a do erro. Isto é tudo menos normal. É uma loucura e é nessa loucura, onde estamos metidos, sem que ninguém diga, juntemo-nos aos iguais a nós ou pior. Estamos numa UE e numa zona euro, sem escrúpulos, onde tudo vale para que uns lucrem e outros morrem doentes e de fome. Paulo Portas tem muita teoria, mas poucos portugueses engana e se está no governo está, não porque o tenha conseguido, mas por coligação, caso contrário jamais. Tudo faz para estar no topo, mesmo que para isso, tenha de desdizer tudo o que disse. Os maus, há-os em todo o lado, mas ainda acredito que há gente séria na política, poucos, mas ainda os há, nós é que não os queremos ver. No dia em que deixar de acreditar que há gente de bem provavelmente já pouco nos restará, para podermos sonhar, com um amanhã melhor para nós e para os nossos.
Sem imagem de perfil

De beirão a 22.08.2015 às 16:58

Cara Maria,
desculpe lá, mais por mais que eu desejasse manter um diálogo sério consigo, sinceramente, não sou capaz. E não sou capaz porque, digo-o sem a querer magoar, você faz uma confusão tremenda das coisas e uma mistura danada de alhos com bugalhos...
A Maria, lá na sua, acha que o santo governo do bonzinho do '44' - esse amigo dos pobrezinhos - é que nos ia alegrar os corações e trazer.nos esses tão celebrados "Amanhãs que cantam" comunas; e que foi a coligação de Passos e Portas, uns malandros da pior espécie, é que, por pura malfeitoria, deitou tudo a perder e nos conduziu a esta triste e vil tristeza que agora vivemos.
Pena, Maria, que você pense assim e não se importe que o pessoal se ria de si.
Você lá sabe as linhas com que se cose.
Passe bem!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 22.08.2015 às 20:33

Primeiro que tudo estamos a falar de governos e políticos e não o ofendi, nem o menorizei, coisa que fez comigo e que lamento. Estamos em democracia e como tal, eu penso assim e o caro de beirão pensa como quer. O governo do senhor 44 " Sócrates" quer o senhor dizer, porque ele tem nome, como qualquer um, fez muitas asneiras, tantas como os anteriores governos do PSD. Se eles vão ou não alegrar os corações dos pobrezinhos, não sei, veremos. Estes, é que de certeza não o farão. Não se importe comigo porque eu também não me interesso se aqueles que pensam como eu se riem de si ou não.
Sem imagem de perfil

De William Wallace a 20.08.2015 às 00:34

Eu acho 207 mil uma promessa muito modesta !

Mas ao menos o PS de Costa é mais ambicioso do que o de Sócrates que nos legou 750 mil desempregados portanto pela lógica inerente ás acções do PS, em 2019 devemos ter 1 milhão e qualquer coisa desempregados garantidos pelo INE.

P.S. - Sou anti Páf mas ainda mais PS.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 20.08.2015 às 02:09

Para o PS é o Estado, que cria empregos...
Os 207 mil são um número interessante. Não é 200 mil ou 205 mil mas 207 mil...

E o fantástico é que o jornalismo não informa para contrariar a política.

Não informa quem de facto cria empregos.

Pois ser jornalista só existe por causa da política.
Imagem de perfil

De José António Abreu a 20.08.2015 às 07:58

Lucky:
São 207 mil porque o número resulta de modelos científicos altamente elaborados. Eles até devem ter sido forçados a arredondar. O valor real será algo como 207186,34 (com duas casas decimais para manter a tradição socialista).
Sem imagem de perfil

De Manuel a 24.08.2015 às 01:33

O estado não cria empregos? então é mesmo verdade que o governos nos mente que o desemprego diminuiu. Ou seja se o governo não cria empregos como foi capaz de diminuir o desemprego.
A não ser que deixar de estar desempregado não seja igual a estar empregado. Pois os estágios e outras tretas do género é que fazem diminuir o desemprego.
Sem imagem de perfil

De marquês barão a 20.08.2015 às 10:32

Saia capicua: 207702

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D