Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Em relação à crise de refugiados, a imprensa portuguesa continua a não perceber duas coisas: a rota e a quantidade. Hoje, na rádio, uma jornalista colocava na mesma frase as ideias contraditórias de que a fronteira húngara estava “fechada a sete chaves” e de que ontem "entraram na Hungria 10 mil pessoas". Aliás, nos últimos seis dias, entraram na Hungria mais de 40 mil migrantes, transportados das fronteiras croata e sérvia para campos de refugiados em território húngaro e para a fronteira austríaca. É portanto estranho que frases como aquela continuem a surgir nos noticiários: ou a fronteira não está fechada a sete chaves ou não entraram dez mil pessoas.

O arrastão mediático de indignações e superioridade moral impede que seja compreendida a vedação que o governo húngaro construiu na sua fronteira com a Sérvia. Ao travar a passagem a salto de pessoas indocumentadas (de acordo com a sua interpretação da lei internacional), o governo húngaro forçou a Sérvia a registar todos os refugiados. Aliás, Budapeste continua a dizer que a responsabilidade pelo registo cabe aos gregos. Embora tenha sido acusado de não cumprir o Acordo de Schengen ou de o ter posto em causa, o primeiro-ministro húngaro, o famigerado Viktor Orbán, pode ter evitado o colapso desse acordo.

O que a imprensa portuguesa ainda não compreendeu é que TODOS OS REFUGIADOS PASSAM PELA HUNGRIA E TODOS PASSAM PELA ÁUSTRIA; a rota balcânica tem de atravessar forçosamente aqueles dois países, só que agora os contrabandistas já não controlam o processo e os refugiados fizeram nos países anteriores o registo obrigatório, que inclui identificação da pessoa. O registo dá-lhes o direito a livre circulação no espaço Schengen. A Hungria está inclusivamente a comprar tendas resistentes ao frio intenso (isto não vai parar no Inverno) e é agora um país de trânsito semelhante à Áustria, embora mais pobre, mas a lidar diariamente com as mesmas enormes quantidades de migrantes, que carecem de tratamento, alimentação, transporte.

A outra incompreensão tem a ver com os números desta migração em larga escala. A Comissão Europeia já procedeu a duas distribuições de refugiados, somando 160 mil pessoas (Portugal receberá 4500), mas as chegadas diárias à Europa Central continuam a aumentar depressa e, em breve, podemos estar perante números muito superiores, não me admirava que fossem cinco e dez vezes maiores. Se temos uma quota de 3%, é fazer as contas. Os números alemães também já não batem certo: estão à espera de um milhão de pessoas; sendo que a imigração normal costuma ser de 400 mil anuais, então estamos a falar de 600 mil adicionais; ora, a quota alemã foi de apenas 35 mil; é muito evidente que isto é só o começo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D