Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O problema é que...

por Luís Naves, em 30.04.18

Entre nós, muitos autores continuam a olhar para Trump como uma perturbação ridícula, para Merkel como a líder do mundo livre, para o Brexit como uma calamidade, para os movimentos populistas como um fenómeno passageiro, para a Europa como um colosso. Julgo que se enganam e que, pelo contrário, vemos sinais de mudanças que ainda não entendemos em toda a sua complexidade, provavelmente em consequência de movimentos sísmicos mais profundos. No caso europeu, as razões da angústia eleitoral começam a ser mais claras: sociedades envelhecidas, com economias pouco dinâmicas ou estagnadas, enfrentam vagas migratórias em larga escala, perante a indiferença das suas próprias elites. Essas sociedades com demografia desfavorável têm de se adaptar depressa a rupturas tecnológicas que tornam a vida futura ainda mais imprevisível. Numa revista alemã, dizia-se quase em nota de rodapé, mas citando números oficiais, que em 2016 uma em cada quatro crianças nascidas na Alemanha tinha mãe estrangeira. Em 2022, a mesma revista estará a escrever que uma em cada quatro crianças na primária tem mãe estrangeira. Em 2034, será um em cada quatro recrutas nas forças armadas (admitindo na imaginação que regressa um improvável serviço militar obrigatório).


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Herr Von Kälhau a 30.04.2018 às 13:55

Os estrangeiros nunca foram um problema para a maior Potência do Mundo. Os EUA foram "fundados" por Estrangeiros -chineses, italianos, africanos, alemães, mexicanos, ingleses ....- e por Puritanos. Quem diria?

Que tal consideramos estrangeiros apenas os seres vivos não terrestres?

Quanto ao Pato Donaldo:

The CRINGEWORTHY MOMENT When Trump Doesn't Shake Angela Merkel's Hand

https://youtu.be/n-ijX9-_nfM
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 30.04.2018 às 17:23

Caro Kalhau, mesmo os Estates, que são uma construção anglo saxónica, a instituição política do Estado é fundada por anglo saxões para anglo saxões, tiveram os seus momentos de ruas de sangue, antes do sec xx, à volta das questões de éticas e de estrangeiros!! Quem nos garante que a história não se repete, como farsa!!??
Sem imagem de perfil

De Herr Von Kälhau a 30.04.2018 às 18:49

"são uma construção anglo saxónica"

Sabe onde andavam Benjamim Franklin e Thomas Jefferson nas vésperas de 1776? Em Paris, bebendo conhaque, nos Salões parisienses, e estudando e ouvindo as ideias de Voltaire, Montesquieu, Rosseau, Diderot, falando com Lafayette, e assinando la Encyclopédie.

Sabe quem financiou a Revolução Americana e a conduziu à bancarrota?
La France!

Quanto às causas dos Estados Unidos serem a vanguarda tecnológica isso deveu-se às politicas de emigração dos EUA:

Veja quem são os magnatas de Hollywood, da Finança, da Politica, da Ciência...judeus, alemães, holandeses, indianos, chineses, taiwaneses, afro-americanos, coreanos, polacos...
Sem imagem de perfil

De Justiniano a 02.05.2018 às 15:43

Vlad, não esqueçamos a "refundação " dos Estates no fim do sec xix (vulgo guerra civil - guerra da secessão...). O que dizia é que a fundação, com as tais 13 colónias, é uma construção anglo saxónica para anglo saxões, fundamentalmente. O consenso étnico cultural fundamental e dominante foi, até recentemente, esse, anglo saxão. Hoje está vacante e em construção, esse consenso étnico cultural. Essa é matriz cultural, estética e ética que há-de manter ou redesenhar toda a américa à imagem e semelhança do povo dominante (é disso que se trata, de povos. Diversos Povos, por vezes irreconciliáveis.)
Hoje vivem um novo momento de refundação (ruptura) com resultados imprevisíveis que podem marcar de forma indelével o curso da história universal.

Sem imagem de perfil

De Herr Von Kälhau a 03.05.2018 às 17:42

Justiniano houve ainda outra refundação - nos anos 60, com o movimento do Direitos Cívicos e o fim do apartheid.

Abraço,

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D