Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Oxford University Press, uma das maiores editoras do mundo, começou a avisar os autores de livros escolares para banirem a palavra “porco” ou qualquer referência ao animal. O objetivo é não ofender judeus e muçulmanos, já que para ambas as religiões o porco é considerado um animal impuro.

Autoria e outros dados (tags, etc)


9 comentários

Sem imagem de perfil

De Zdhermarm a 15.01.2015 às 23:56

Noticias mal reportadas, e repetidas por gente que devia saber melhor.

A explicação da Oxford Press até está no corpo da noticia, e mesmo assim tanto o jornalista como o bloguista não perderam tempo para mandar desinformação e palermice.

"Os nossos materiais são vendidos em quase 200 países e, como tal, sem comprometer de forma alguma o nosso compromisso, encorajamos alguns autores de materiais educativos a considerar de forma respeitosa as diferenças culturais e as sensibilidades”. As orientações para os nossos materiais educativos diferem entre regiões geográficas e não cobrem as nossas publicações académicas”.

E o comunicado todo em Inglês:

"OUP’s commitment to academic and educational excellence is absolute.

OUP does not have a blanket ban on pigs or pork products in its titles, and contrary to reports, there have been no recent changes to our guidelines in this area.

Our materials are sold in nearly 200 countries, and as such, and without compromising our commitment to educational excellence in any way, we encourage some authors of educational materials respectfully to consider cultural differences and sensitivities.

Guidelines for our educational materials differ between geographies and do not cover our academic publishing. "

Isto não tem nada haver com o Reino Unido, mas sim paises ou instituições de maioria Muçulmanas/Judaicas que tem o porco em diferente consideração.

Sem imagem de perfil

De A grande porca a 16.01.2015 às 09:52

"Triunfo dos Porcos" passa a "Triunfo dos seres cujo nome não pode ser escrito".
https://www.youtube.com/watch?v=FQ5YU_spBw0
Sem imagem de perfil

De O grande educador a 16.01.2015 às 10:25

Isso não tem nada haver...
Sem imagem de perfil

De sampy a 16.01.2015 às 11:14

Esta faz lembrar a do Atlas escolar publicado pel HarperCollins para ser comercializado no Médio Oriente e que não colocava Israel no mapa.
A editora justificava-se dizendo que o livro, assim, vendia melhor...
Sem imagem de perfil

De Absolute Excellence a 16.01.2015 às 11:56

Ofe corse and de story of de tree litle pigues mast bee respecfuli baned.
Sem imagem de perfil

De Greg a 16.01.2015 às 02:10

Sugiro recos, para não ofender as massas.

Cambada de palermas...
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 16.01.2015 às 10:02

Os muçulmanos e os judeus nada têm contra salsichas. Há à venda em Portugal diversas salsichas enlatadas em lojas muçulmanas. São salsichas halal, produzidas na Dinamarca ou na Turquia a partir de carne de aves e/ou vaca.

Portanto, salsichas não são nada de impuro, desde que sejam feitas sem porco.
Sem imagem de perfil

De Oquesforde a 16.01.2015 às 10:24

Vá lá que agora há mais engenheiros no Alentejo.

Estavam dois alentejanos debaixo de uma azinheira. Um deles trazia um porco ao colo e andava a dar-lhe bolota. Passam dois senhores, vêem aquele quadro e dizem-lhe:
- Então não era melhor derrubar a bolota e o porco comia no chão?
Vira-se o alentejano para o outro e diz-lhe:
- Ó compadre, devem ser engenheiros!!!
Sem imagem de perfil

De La Fontaine banido a 16.01.2015 às 10:44

Uma cabra, um carneiro e um porco gordo,
Juntos num carro iam à feira. Creio
Que todo o meu leitor será de acordo
Que não davam por gosto este passeio.

O porco ia em grandíssimo berreiro
Ensurdecendo a gente que passava;
E tanto um como outro companheiro
Daquela berraria se espantava.

Diz o carneiro ao porco; «Porque gritas,
Animal inimigo da limpeza?
Porque, trombudo bruto, não imitas
Dos companheiros tens a sisudeza?»

«Sisudos, dizes?!...Quer-me parecer
Que não têm a cabeça muito sã,
Porque pensam que apenas vão perder,
A cabra o leite, o companheiro a lã.

Mas eu, que sirvo só para a lambança,
Envio um terno adeus ao meu chiqueiro…
Pois cuido que à goela já me avança
O agudo facalhão do salsicheiro!»

Pensava sabiamente este cochino,
Mas para quê?, pergunto eu. Se o mal é certo,
É surdo às nossas queixas o destino;
E o que menos prevê é o mais esperto.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D