Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O momento decisivo

por Luís Naves, em 09.02.15

razvaliny-grecheskiy-hram.jpg

 

Mario Vargas Llosa escreve neste texto uma crítica lúcida sobre a crise da zona euro e o momento decisivo que se avizinha. O autor peruano lança uma pergunta crucial: por que razão teriam os espanhóis de pagar pelos erros dos políticos gregos, para além de estarem a pagar os erros dos seus próprios políticos? Esta questão aplica-se também aos portugueses, vítimas dos desvarios que conduziram o país até à beira da bancarrota e à necessidade de um resgate.

Após várias versões, sempre muito elogiadas pelos comentadores nacionais, a Grécia pretende convencer a Europa a aprovar um empréstimo que permitiria congelar a situação até à conclusão de um plano de reestruturação da dívida. Entretanto, não se aplicavam as medidas de austeridade, as quais, ao contrário da lenda, deram origem em 2014 a um orçamento com excedente primário e a uma economia que começa a crescer. Atenas anunciou um programa com medidas de emergência, que pretende acabar com a austeridade, contratar funcionários e devolver verbas cortadas. O plano de Alexis Tsipras é claro: inclui mais despesa pública, reverte o que já foi conseguido e acaba de vez com as reformas estruturais e com as privatizações. Além disso, os políticos gregos culpam a Alemanha por todos os males e pedem uma indemnização que já foi perdoada em tratado internacional (por razões ligadas à Guerra Fria) e que por isso não passa de um argumento de transferência de culpa, para consumo interno. O plano grego pode ser descrito desta forma: não queremos dinheiro ligado ao resgate, queremos dinheiro incondicional, só depois conversamos; prometemos cumprir as regras, mas nas calendas gregas; até lá, não cumprimos.

Se isto fosse aprovado pelos europeus, só os gregos ganhavam. Para os outros, as consequências seriam desastrosas. O euro perderia credibilidade e nenhum país teria motivos para cumprir o tratado orçamental. Os efeitos políticos levariam, a prazo, ao estilhaçar da UE. Nos países resgatados, os respectivos governos teriam mentido aos eleitores. Passos Coelho e Mariano Rajoy perderiam as eleições de forma catastrófica. O público iria concluir que Podemos e Bloco de Esquerda tinham razão, que era possível acabar com a austeridade e expulsar a troika, renegociar a dívida e não pagar. No fundo, todos os sacrifícios eram reversíveis e teriam sido inúteis. Em França, Marine Le Pen veria confirmadas as suas teses anti-europeias e anti-austeridade. Os esforços dos reformistas eram derrotados, o Reino Unido antecipava a sua saída da UE. O princípio do benefício do infractor, inaceitável num simples jogo de futebol, era aplicado numa zona monetária sem união política. A zona euro estava condenada.

 

 

Como lembra Vargas Llosa no texto de El Pais, a Alemanha absorveu a RDA sem ajuda. O autor podia ter acrescentado que nos anos 90 ninguém auxiliou a Finlândia a sair da brutal recessão em que tinha caído. No futuro, ambos seriam forçados a pagar as dívidas de países terceiros, mas sem controlarem as condições dessa ajuda ou sem poderem mudar as elites políticas corruptas e incompetentes dos devedores. Tudo se invertia: os credores não teriam maneira de impor rigor orçamental aos deficitários e estes tinham maneira de impor aos credores o perdão das suas dívidas. Na crise seguinte, os resgates seriam impossíveis, pois nenhum governo ajuizado iria entregar dinheiro a governos sem vontade de devolver os empréstimos.

Holanda, Alemanha ou Áustria seriam progressivamente vítimas de rebeliões populistas e anti-euro, alimentadas pelo descontentamento do eleitorado, que não aceitaria pagar pelos erros de uma classe política estrangeira, ainda por cima irresponsável. Se ratificasse tal acordo, o governo finlandês perdia as eleições. Na Eslováquia e nos países bálticos haveria crises políticas, pois o salário médio local equivale a metade do futuro salário mínimo da Grécia. Os países mais competitivos teriam forte incentivo para abandonar a zona euro. Mais tarde ou mais cedo, um cenário de capitulação europeia daria origem à saída da própria Alemanha. O pesadelo tornava-se francamente mau a partir desse ponto. Para evitarem uma Europa liderada pelos alemães, os críticos da austeridade teriam uma espécie de ‘Europa’ sem a Alemanha.

 

Considerando o risco de desagregação da UE associado a uma das opções sobre a mesa, julgo que nos próximos dias o plano grego deverá ser rejeitado pelo Eurogrupo e pelo Conselho Europeu. Não se vislumbra um eventual compromisso. O governo Tsipras não quer recuar e não poderá aplicar as medidas do governo anterior, nem sequer numa versão suavizada. A rejeição do resgate é a sua única opção e tem uma implicação simples: com as taxas de juro a 20%, sem acesso aos mercados e sem financiamento a partir de Março, com a bolsa em queda e os bancos arruinados, Atenas terá de sair da zona euro, a única forma do Syriza aplicar o seu programa radical e da Grécia resolver o insustentável problema da dívida. Com excedente primário e balança corrente positiva, é possível um default organizado e com ajuda europeia, esta última amplamente justificada com o risco sistémico de tal escolha.

O Syriza é um partido de extrema-esquerda, que acredita na mitologia ideológica do seu discurso. A saída da zona euro não faz parte do programa da campanha, pelo que existe a possibilidade alternativa deste governo cair, logo que Bruxelas rejeite a posição grega. No entanto, avaliando o tom dos discursos, parece evidente que Tsipras já tem na cabeça o abandono do euro: só precisa de um bode expiatório e de criar um clima que propicie a saída. Quanto aos europeus, entre o mau e o péssimo, a escolha é evidente.

 


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Subscrevo a 09.02.2015 às 20:22

Os gregos pretendem que a sua escolha democrática se sobreponha às vontades democráticas dos outros europeus, que não teriam outra escolha senão respeitar a escolha deles... Abóbora.
Sem imagem de perfil

De tric a 09.02.2015 às 23:02

"Quanto aos europeus, entre o mau e o péssimo, a escolha é evidente"
.
a Grécia vai sair da zona euro primeiro que Portugal !!!???? o Governo português ainda não apresentou a demissão!!!?? tanta coisa com a troika e estamos na mesma...crescimento à pala do consumo interno...o endividamento esse é melhor não falar...com os activos estratégicos vendidos a "estados" estrangeiros...aumento da emigração...desertificação do interior de Portugal...viva o Euro!!!...
Sem imagem de perfil

De l.rodrigues a 10.02.2015 às 09:57

A "Lenda" está aqui aos quadradinhos, em gráficos devidamente rigorosos, segundo números do FMI e da Comissão Europeia da avaliação dos programas de ajustamento.

http://ladroesdebicicletas.blogspot.pt/2015/02/historia-da-ajuda-grecia-aos.html

Tudo o resto é conversa para boi dormir.
Face a uma resposta à crise claramente falhada é para mim um mistério que a "Europa" insista no mesmo falhanço.
Claro que não é um mistério se compreendermos que é muito dificil explicar uma coisa a uma pessoa quando o seu salário depende dela não o entender.
Imagem de perfil

De cristof a 10.02.2015 às 11:22

A politica felizmente encontra uma passagem onde o normal ciaddão vê uma parede.As parvoices da nova direcção grega nem duraram duas semanas tal a fantasia que enfermam.
Como se prevê mais lógico saem do euro, mas para nós portugueses só nos custa 300€ por eleitor ver ao vivo e na realidade o que nos iria custar sermos nós a seguir os cantos de sereia. Aposto que nos custaria muito mais e só nos primeiros dias.
Como a desvalorização partindo do principio de 30% imediata, para um salario de 10mil euros dava logo 3000€ á cabeça. O restante vamos ter a oportunidade de conferir dia a dia.

Comentar post



O nosso livro






Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D