Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O dilema dos conservadores

por Luís Naves, em 05.09.18

As eleições de domingo na Suécia ilustram o dilema dos partidos de centro-direita europeus, que se arriscam a ficar afastados do poder se mantiverem a recusa em negociar coligações com os populistas, sendo a alternativa fazer alianças perigosas com a sua direita e adoptar temas controversos, como por exemplo restrições à imigração. A questão lembra o provérbio brasileiro: se correr, o bicho pega; se ficar, o bicho come. O actual governo sueco é de esquerda e minoritário, coligação entre social-democratas e verdes, dois partidos que vão ser muito penalizados nas urnas. Ficarão provavelmente na oposição. A acreditar nas sondagens, a soma das duas formações descerá de 38% em 2014 para menos de 30%. O maior dos partidos conservadores, por seu turno, recebe uma sova eleitoral da mesma ordem de grandeza, mas o bloco de quatro partidos pode somar 35%, o que só dá para um governo minoritário instável. A transferência de votos beneficia o partido Democratas Suecos (SD, populismo de extrema-direita), que surge nas sondagens com valores entre 17% e 19%, mas também o Partido da Esquerda (extrema-esquerda), que pode duplicar a sua votação, para mais de 11%. Um em cada três suecos votará num destes dois partidos radicais, sinal da paisagem tradicional totalmente transformada. Em 2010, havia na Suécia dois blocos políticos, agora há quatro: populistas, centro-direita, centro-esquerda e esquerda marxista, com os dois do meio a registarem enormes perdas. A confirmarem-se as sondagens, estas eleições podem resultar num governo minoritário (de esquerda ou de direita) ou numa coligação centrista, mas as duas soluções juntam partidos penalizados nas urnas e que continuarão no poder a ser cortados às postas. Neste cenário, os conservadores do bloco de centro-direita terão a tentação austríaca de se juntarem aos populistas. O problema vai colocar-se também em França para os Republicanos, cuja derrota se deveu à rivalidade com a Frente Nacional. Em Itália, a fusão entre populistas e conservadores já está a concretizar-se, pois a Liga de Mateo Salvini (origens na extrema-direita) continua a avançar no eleitorado do centro, com as intenções de voto já acima de 30%. A Forza Italia de Berlusconi, que teve 14% nas eleições de Março, está reduzida a metade. Nas eleições europeias veremos mais episódios do problema da direita conservadora: como lidar com o avanço dos populistas? Fazendo alianças ou mudando os temas de campanha?


13 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro a 05.09.2018 às 13:24

"negociar coligações com os populistas, sendo a alternativa fazer alianças perigosas com a sua direita e adoptar temas controversos, como por exemplo restrições à imigração"

Uma pergunta me ocorre :

Porventura não haverá mais temas "controversos" nos populistas, nomeadamente restrições à imigração e políticas isolacionistas?
Sem imagem de perfil

De Luís Lavoura a 05.09.2018 às 13:57

o problema da direita conservadora: como lidar com o avanço dos populistas?

Não é um problema exclusivamente da direita conservadora. Trata-se de um problema de todo o sistema político, quando um sistema dominado por dois grandes partidos se transforma num sistema com quatro partidos mais ou menos com a mesma força. Esse problema já hoje se observa em Espanha.

Fazendo alianças ou mudando os temas de campanha?

Ambos os métodos vão desembocar no mesmo - os objetivos da direita nacionalista são conseguidos, ou bem porque ela entra no governo fazendo parte de uma coligação, ou bem porque não entra mas os seus temas são adotados pelos partidos originariamente não-nacionalistas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.09.2018 às 16:56

O Luís Naves e outros teimam em chamar populistas a certos partidos que defendem determinadas opções de governação em relação a problemas criados pelos outros que sempre estiveram no governo. Nos USA as pessoas fartaram-se, em Itália idem, na Grécia idem, em Portugal idem, só não aconteceu em França porque as diferenças entre os dois blocos que se opoêm a Macron estão muito afastados mas representam uma grande maioria da população.
Quando a democracia pretende á força limitar o exercício do poder pelo povo aí sim está a cavar a sua cova e é o que vê mais deste e do outro lado do atlântico e aí sim vão surgir os "líderes" fortes.
Pelas próprias descrições do que se vive na Hungria penso que quem lá manda não seja populista apenas interpreta bem o que a população quer.
Na minha humilde opinião populismo é "oferecer" ao povo coisas grátis durante um ano e depois cobrar com juros como amiúde se tem feito em Portugal nos últimos 40 anos.

WW
Imagem de perfil

De Luís Naves a 05.09.2018 às 19:59

Não posso escrever permanentemente sobre as mesmas coisas. Em posts anteriores, tentei definir o que é um partido populista e julgo que tenho mantido o critério: uso a designação para formações que contestam as elites e o sistema partidário dominante. A Liga ou o Cinco Estrelas são claramente uma ruptura do sistema e um ataque aos grupos tradicionais da política italiana, como é também o caso de Le Pen. Macron rompeu com o sistema tradicional e fez extensas críticas aos partidos que dominaram a política francesa nos últimos anos, julgo que é populista. Segundo a mesma definição, o caso da Hungria não permite classificar o governo de Orbán dessa forma, pois o Fidesz é um partido tradicional dirigido por elites nacionais (embora haja neste ponto algumas subtilezas, pois por vezes os conservadores são acusados de provincianismo pelos intelectuais de Budapeste). Aplicando este critério, os SD da Suécia são claramente um movimento populista, como é o AfD na Alemanha, o FPO na Áustria, o Podemos espanhol ou o entretanto institucionalizado Syriza da Grécia, que ocupou o lugar dos social-democratas. Isto é complicado, nos posts simplificamos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.09.2018 às 20:32

Tem razão, é de facto complicado o existirem rótulos totalmente enganadores acerca do produto.
Em relação a Macron não concordo que seja um populista, é mais um sub-produto do definhamento do anterior poder em França tanto á direita como á esquerda, é a fuga para a frente. Em relação aos outros que menciona como populistas apenas concordo com o facto de o Syriza o ser pois fez uma campanha com base em algo que não dependia só do povo grego e esteve a um passo de transformar a Grécia numa Venezuela, o Podemos segue a mesma linha mas creio que numa próxima eleição irão perder poder. Já os outros propõem respostas exequíveis aos problemas que as população enfrentam com a agravante de reconhecerem os erros das respectivas nações nos problemas que agora enfrentam.

WW
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 05.09.2018 às 17:35

Haha, e temos a narrativa dos "populistas" ..

Populistas: ideias que o povo gosta mas que o jornalista não gosta que o povo goste.
Democratas: ideias que o povo gosta e o jornalista gosta que o povo goste.

O Estado Social não é Populismo?
Não porque o jornalismo Marxista gosta que o povo goste do Estado Social...

É ainda interessante chamar "Populista" a ideias que eram perfeitamente centrais há 20 anos atrás.

Aliás se um Marxista for passar uns 5 anos a uma ilha sem contacto com o exterior quando voltar as suas ideias já serão quiçá da "extrema direita" e "populistas"...
Sem imagem de perfil

De Pedro a 05.09.2018 às 20:01

Populista = ideias políticas nutridas de um fundo irracional e emocional.

Não cabe ao Povo fazer programas políticos. Cabe-lhe apenas escolher entre os programas políticos idealizados pelos políticos.

Estado Social não é uma ideia populista. Populismo é culpar o Estado Social do colapso financeiro
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 06.09.2018 às 13:50

Populista = ideias políticas nutridas de um fundo irracional e emocional.

E o "irracional" és tu que o defines...

"Estado Social não é uma ideia populista. "

Ah então tirar dinheiro a uns para dar a outros não é populismo... votem em mim que eu dou-vos coisas não é populismo...


"Populismo é culpar o Estado Social do colapso financeiro "

Então o défice e consequente dívida aconteceu porquê? Que tal ler os orçamentos desde 1974...
Sem imagem de perfil

De Pedro a 07.09.2018 às 11:51

"Ah então tirar dinheiro a uns para dar a outros não é populismo... votem em mim que eu dou-vos coisas não é populismo..."

Não. Todos se entreajudam com o objectivo de que os outros que o recebem, em período de necessidade, possam vir um dia a ser nós.

Desde que o dado seja o que falta não me parece mal.

A solidariedade ou a força de um sociedade afere-se pelo sentimento que os Outros são iguais ao Nós.

A crise não teve origem em WallStreet e no Sector Financeiro em virtude da Ganância ?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.09.2018 às 17:44

Votos são votos. Espelham alguma realidade. Sobretudo quando quando saiem dos usuais campos demarcados pelos partidos no poder.
Ou se respeitam, todos, quaisquer que seja a cor, ou não ....
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.09.2018 às 20:35

e depois apelidam-se os outros de deploráveis, velhos ou rurais...

WW
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 06.09.2018 às 13:53

E usando a narrativa marxista dos que os apelidam estamos na presença de discriminação e privilégio geográfico, discriminação ageísta e discriminação social.
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 05.09.2018 às 18:23

E claro, a pergunta elementar é para que é que interessam partidos conservadores que não querem conservar coisa alguma.

Comentar post



O nosso livro



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Links

Blogue da Semana

  •  
  • Afinidades

  •  
  • Lá fora cá dentro

  •  
  • Mais ligações

  •  
  • Informações úteis


    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D