Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Delito de Opinião

O declínio

Pedro Correia, 07.10.22

_126993054_ernaux_gettyimages-947484112.jpg

 

Annie Ernaux - escritora francesa que há 38 anos só publica «obras auto-sócio-biográficas», cheia de pergaminhos politicamente correctos - foi ontem proclamada vencedora do Nobel 2022. Um dos atributos que lhe reconhecem é ter «coragem». Embora, no mundo contemporâneo, pareça demasiado fácil alguém que se proclama da esquerda radical criticar a burguesa e tolerante França por ser «um país de direita», como ela desabafou em recente entrevista ao El País

Imagino o que aconteceria se fosse iraniana em vez de ser francesa e ousasse sair à rua com o véu mal posto...

 

A propósito: Salman Rushdie, como era de prever, voltou a ser esquecido. O júri de Estocolmo quer continuar a dormir sem estar sujeito a uma fátua proclamada pelo totalitarismo iraniano.

Como há 17 dias escrevi aqui, «é intolerável que Rushdie, perseguido há 33 anos pelo mais repugnante extremismo que usa a religião como pretexto para impor a lei do silêncio, seja igualmente vítima da atmosfera de medo que vigora em Estocolmo».

Parecia que adivinhava: fica sempre muito bem proclamar a coragem, mas outros que a pratiquem lá bem longe.

Se há sintoma de irreversível declínio da Academia Nobel, este é o mais evidente. Não admira que nunca tenha premiado Hannah Arendt, Borges, Orwell, Yourcenar, Nabokov, Javier Marías ou Cabrera Infante.

 

Declínio também da língua de Molière e de Malraux: apesar de a vencedora deste ano ser francesa, o presidente do júri anunciou a notícia ao mundo, na capital sueca, falando em inglês. O idioma da «indústria cultural», com inequívoca caução do império americano, em que a literatura se vai transformando.

Mesmo aquela que se proclama «transgressora». Ou sobretudo esta: porque só «transgride» quando não incomoda nem belisca ninguém. 

28 comentários

Comentar post

Pág. 1/2